Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Trabalho escravo em Marte: mais testemunhos e novos fatos emergem ~ Michael Salla


Trabalho escravo em Base de Marte: 

Mais testemunhos de novos denunciantes, insiders e fatos novos emergem.


Por Michael Salla Ph.D

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch


 
ESCRAVOS-MARTE-BASE-EXOPOLITICA
 
 
Robert David Steele, ex-funcionário da CIA e do serviço de inteligência da Marinha (US Marine Corps Intelligence), fez as manchetes globais quando foi entrevistado por Alex Jones em 29 de junho e disse que, de acordo com suas fontes confidenciais, há colônias escravas em Marte usando indivíduos que tinham sido sequestrados na Terra como crianças. Steele apontou que as crianças foram levadas para Marte através de “um passeio de 20 anos”, cujo objetivo era garantir que fossem adultos que poderiam ser colocados à disposição na chegada às bases em Marte.
 
A ideia de colônias de escravos em Marte foi discutida pela primeira vez em Alternativa 3, um livro de “ficção científica baseada em fato”, escrito por uma ex-jornalista britânica Leslie Watkins, que foi publicado em 1978. Ela investigou as reivindicações extraordinárias que foram apresentadas pela primeira vez em Alternativa 3, um episódio de uma série documental de televisão britânica, no canal Anglia chamada Science Report, que foi exibida em 20 de junho de 1977.
 
 
O programa de televisão da Alternative 3 descreveu como a deterioração das condições ambientais globais na Terra levou as principais potências, os EUA e a URSS, colaborando secretamente nos bastidores para garantir a sobrevivência das espécies humanas. Para este fim, os EUA e a URSS estabeleceram secretamente colônias em Marte no início da década de 1970 e estavam povoando-as por qualquer meio possível.
O show foi declarado como uma obra de ficção destinada a ser lançado no dia de 1º de April, o dia dos tolos, mas muitos espectadores pensaram o contrário. Isso incluiu Watkins, cuja investigação descobriu mais informações que a levaram a escrever o livro, Alternativa 3.
Watkins diz que se encontrou com uma fonte “Deep Throat” (garganta profunda) chamada “Trojan” que forneceu supostos documentos revelando que a existência de colônias de Marte era muito real já na década de 1970, e as pessoas estavam sendo sequestradas secretamente e levadas até lá, algumas levados pela força.
Por razões óbvias, não podemos revelar a identidade de Trojan. Nem podemos dar nenhuma pista sobre sua função ou status na operação. Estamos completamente satisfeitos, no entanto, que suas credenciais são autênticas e que, ao romper seu juramento de silêncio, ele é motivado pelos motivos mais honrados. Ele está em relação à conspiração da Alternativa 3 na mesma posição que o informante anônimo “Deep Throat” ocupado no caso Watergate. [ Localização do Kindle 269-272] .
Watkins descreveu duas categorias de pessoas levadas a Marte de acordo com Trojan:
Esses profissionais, agora estabelecidos, classificamos as pessoas selecionadas para a operação da Alternativa 3 em duas categorias: aqueles que são escolhidos como indivíduos e aqueles que apenas fazem parte de uma “remessa de lote”. Houve várias “remessas de lote” e é o tratamento concedido à maioria desses homens e mulheres, o que proporciona a maior causa de indignação. [ Localizações Kindle 300-303] .
marte-instalações-basesICC
Watkins descreve como as pessoas tomadas como parte de uma “remessa de lotes” para Marte se tornam um grupo de trabalhadores escravos. Ela deu como exemplo um pequeno grupo de 20 indivíduos que foram levados à força para Marte.
A maioria dos 20 desaparecidos foram descritos como “tipos hippie”, embora existissem algumas pessoas mais velhas entre eles. Pessoas deste calibre, descobrimos, eram o que é conhecido como “cientificamente ajustados” para adequá-los a um novo papel como espécie escrava. Watkins, Leslie (2015-12-14T22: 58: 59). ALTERNATIVE 3: The 1978 Cult Sci-Fi Classic Republished with New Material ( Kindle Local 352-354 ].
No prefácio da versão republicada de 2015 de seu livro, o filho de Watkins, Graham, forneceu estatísticas para ajudar a comprovar a afirmação de Watkins de crianças sequestradas sendo levadas a Marte em grandes números:
Em 2010, 692.941 pessoas foram desaparecidas apenas nos EUA – 531, 928 com menos de 18 anos e deve perceber-se que, se alguma fosse destinada a Marte, “conquistá-los jovens” faria sentido. Os anos de trabalho extra que eles tiveram antes deles mais do que justificaram os custos de recebê-los na condição certa. [Localização Kindle 49-52].
O próximo pesquisador a discutir uma base em Marte que pode ter envolvido trabalho escravo foi William Cooper, que havia servido na equipe de informações do Comandante-Chefe da Frota do Pacífico de 1970 a 1973 da Marinha dos EUA. Ele recebeu uma menção honrosa em 1975, depois de uma carreira militar de 14 anos com a Força Aérea dos EUA e a Marinha.
Cooper disse que ele teve acesso aos arquivos de inteligência da Marinha dos EUA e com base no que ele viu foi capaz de confirmar escrevendo um livro, “Behold a Pale Horse” que a Alternativa 3 era muito real e que um programa espacial conjunto EUA-URSS havia sido criado para garantir a continuidade de Governo após uma catástrofe acontecer na Terra. Cooper disse que o dia 22 de maio de 1962 foi a data do primeiro desembarque dos EUA / URSS em Marte, mas disse que não conseguiu confirmar ou negar que as tarefas em lote de escravos humanos já estavam ocorrendo!
Também em 1989, um empreiteiro elétrico, Al Bielek, veio à público para alegar que ele e outro indivíduo (Duncan Cameron) foram levados para Marte através de uma sala de salto ou dispositivo de teletransporte (Stargate) localizado em Montauk, Long Island, Nova York. Em entrevistas, Al Bielek confirmou com precisão do cenário da Alternativa 3 envolvendo o estabelecimento de bases na superfície de Marte para um programa de continuidade de espécies envolvendo os EUA e possivelmente a URSS.
Bielek disse que ele e Cameron foram enviados pela tecnologia de teletransporte para bases antigas no interior de Marte em múltiplas ocasiões. Ele descreveu essas bases com aproximadamente 20 mil anos, construídas por extraterrestres de aparência humana e há muito tempo desertas.
Bielek discute como crianças desaparecidas foram usadas nos experimentos de Montauk como sujeitos de teste. Algumas crianças foram entregues como escravos de alguns grupos extraterrestres. Isso sugeriu que o trabalho escravo estava em uso generalizado em programas espaciais secretos, assim como o livro da Alternativa 3 afirmou.
O próximo pesquisador importante para discutir o trabalho escravo sendo usado em Marte foi um engenheiro búlgaro, Vladimir Terziski, que obteve acesso a muitos documentos de inteligência divulgados durante o colapso do comunismo na Europa Oriental. Durante esse período, muitas ex-autoridades de inteligência do Pacto de Varsóvia venderam documentos classificados para chegar ao fim durante um período de transição difícil do comunismo para as sociedades capitalistas.
No início da década de 1990, Terziski começou a dar palestras nos EUA, onde compartilhava os conteúdos dos arquivos SS Nazistas (que eram os responsáveis pelo desenvolvimento de uma frota de espaçonaves UFOs nazistas, com tecnologia recebida de seus aliados extraterrestres reptilianos de Draco) que se referiam ao programa espacial secreto da Alemanha na Europa ocupada e na Antártida. Terziski descreveu como, em 1942, as tecnologias aeroespaciais mais avançadas foram transferidas para uma base subterrânea na Antártida, deixando para trás os protótipos de discos voadores turbo-piloto menos desenvolvidos que não haviam sido armados para o esforço de guerra.
Terziski compartilhou o que aprendeu sobre as missões secretas da Alemanha nazista para a Lua e Marte, incluindo a grande nave espacial Haunebu III (com cerca de 70 metros de diâmetro e impulsionada por pulso eletrogravitacional) que fez a primeira viagem a Marte em abril de 1945 e foi seguida por outras missões que eventualmente estabeleceram colônias alemãs em Marte. Terziski refere-se ao trabalho escravo eventualmente sendo levado a Marte, assim como os alemães já haviam levado milhares de escravos para seu reduto da Antártida. Na verdade, era da Antártida que o programa espacial secreto alemão atingiu seu potencial máximo, após o fim da guerra na Europa, e o Quarto Reich se tornou uma poderosa força secreta nos assuntos globais, com plena ingerência nos assuntos internos dos EUA.
Haunebu-III
A espaçonave nazista Haunebu III, com cerca de 70 metros de diâmetro. Documento da Waffen SS Nazista mostrando especificações do Haunebu III. Espaçonave que levou os nazistas até Marte em 1945
 
O cenário descrito por Terziski é muito diferente do descrito na Alternativa 3. Os responsáveis pelo trabalho escravo em Marte eram um grupo nazista separatista alemão que operava fora da Antártida, em vez de os EUA / URSS seqüestrando pessoas em uma tentativa febril de estabelecer uma colônia de Marte com medo de uma devastação planetária iminente na Terra.
Se a história de Terziski é precisa (e é porque os alemães começaram a viajar para Marte em 1945, e os EUA/URSS somente na década de 1960), a Alternativa 3 foi projetada para revelar parte da verdade sobre o trabalho escravo em Marte, mas esconde a existência de uma civilização separada alemã usando tecnologias de espaçonaves extraterrestres com bases na Lua, Marte e em outros lugares em nosso sistema solar.
Também é possível que as situações descritas no livro da Alternativa 3 e Terziski ocorram simultaneamente. Isso significaria que um programa espacial alemãoaltamente avançado foi o primeiro a estabelecer um ponto de apoio em Marte (e também na Lua) na década de 1940 (correto), e foi seguido duas décadas depois por um programa conjunto EUA / URSS. Ambos esses programas espaciais usavam trabalho escravo, mas o programa alemão era, provavelmente, o programa mais antigo e o mais avançado.
Bielek foi seguido mais de uma década depois por outras pessoas fazendo reivindicações semelhantes de serem teletransportadas para Marte no programa espacial secreto administrado por entidades norte-americanas. A lista inclui Michael Relfe (2000), Arthur Neumann (2006), Andy Basiago (2010) e William “Brett” Stillings(2011).
bases-lua-marte-ssp
Nenhum desses indivíduos diz que eles testemunharam ou foram explorados como trabalho escravo em Marte. Todos relataram trabalhar ou ver bases em Marte, mas nenhum deles testemunhou uma presença alemã e nazista. Foi outro denunciante, Corey Goode, no início de 2015 que começou a descrever o trabalho escravo em Marte que ele testemunhou diretamente durante um programa “20 anos e de volta” de 1987 a 2007 em diversas ocasiões, quando visitou instalações marcianas para realizar reparos em maquinários e instalações.

Goode diz que participou de uma visita de inspeção de Marte em 20 de junho de 2015, onde viu evidências de tratamento abusivo de trabalhadores que foram tratados como escravos. Isso coincidiu com as reuniões realizadas pela Sociedade Interplanetária Britânica discutindo tal situação e a aprovação de legislação pelo Congresso dos EUA, que efetivamente deu proteção legal a empresas e funcionários envolvidos em trabalho escravo fora do planeta até 2022 .
De acordo com Goode, as práticas de trabalho escravo utilizadas nas bases marcianas eram uma transferência das colônias alemãs anteriores. Ele diz que, como resultado de acordos secretos entre a administração Eisenhower e os alemães na Antártida, após o fracasso da Operação Highjump do almirante Bird as instalações alemãs em Marte foram transformadas em uma joint venture liderada por empresas líderes alemãs associadas ao Quarto Reich, que trabalhava em estreita colaboração com corporações dos EUA que forneceram pessoal e Recursos.
Esses projetos corporativos transnacionais de fora do planeta evoluiriam no tempo para o que Goode descreve como o “Conglomerado Corporativo Interplanetário” [Interplanetary Corporate Conglomerate (ICC)]. Os militares dos EUA forneceriam secretamente pessoal ao conglomerado corporativo em Marte e em outros lugares, de forma semelhante à forma como o pessoal das Forças Especiais é contratado pela CIA para operações clandestinas.
A possibilidade de as grandes corporações (os grandes conglomerados do chamado Complexo Industrial Militar) estarem profundamente envolvidas em programas espaciais secretos que usam milhões de pessoas como trabalho escravo foi impulsionado pelo testemunho de William Pawelec, um especialista em operações informáticas e programação que deu permissão para uma entrevista em vídeo que só seria divulgada após sua morte – isso Foi postumamente publicado em 14 de dezembro de 2010.
complexo-industrial-militar
As grandes corporações e conglomerados do chamado Complexo Industrial Militar
Willian Pawelec esteve envolvido no desenvolvimento de chips de rastreamento RFID que poderiam ser usados para localizar e monitorar crianças seqüestradas como ele descreveu em sua entrevista em vídeo :
“Na época do setor de segurança, muitos de nós tínhamos muitas preocupações quanto ao rastreamento e localização de pessoas que foram sequestradas. Em particular, o que estava acontecendo na Europa no momento em que tínhamos oficiais da OTAN, até mesmo o primeiro-ministro da Itália, seqüestrados … Essas pessoas foram drenadas [de informações] ou foram brutalizadas ou ambos … Um dos objetivos da indústria era desenvolver tecnologia que nos permitisse rastrear essas pessoas ou localizá-las rapidamente”.
Pawelec descreveu como a Siemens Corporation, uma empresa gigante da Alemanha que usava trabalho escravo na Alemanha nazista para seus programas de produção de armas, produziu bilhões de chips de rastreamento RFID no início dos anos 80. A Siemens criou uma empresa de ponta em Silicon Valley para produzir esses chips de rastreamento de forma a ocultar seu verdadeiro propósito – rastrear o trabalho escravo usado em programas espaciais secretos pelo Conglomerado Corporativo Interplanetário, da qual a Siemens é um membro muito proeminente.
ENTREVISTA DE PAWELEC:
Isso finalmente nos leva de volta à declaração de Steele sobre o trabalho escravo em Marte, onde três fontes confidenciais lhe revelaram que isso realmente existe e que as crianças são sequestradas com a intenção de eventualmente ser levadas a Marte para trabalho escravo. A informação de Steele ajuda a corroborar o crescente corpo de pesquisas e testemunhos que sugerem que existe um florescente trânsito de escravos para fora do planeta.
Steele está atualmente expondo anéis de pedofilia globais que exploram crianças em esquemas usados para atrapalhar funcionários de alto nível para que possam ser facilmente controlados pelo “Estado -Deep State-Profundo”, ou o que outros descrevem como Cabala, Illuminati, Elite, Bilderberg. Portanto, não deve ser uma grande surpresa que tal exploração também se estenda para o espaço profundo e é administrada por um “Conglomerado Corporativo Interplanetário”, como declarou Corey Goode .
As bases secretas em Marte e em outros lugares exploram milhões de crianças e adultos como trabalho forçado. Expor tais programas e corporações como a Siemens e conglomerados do complexo industrial militar envolvidas, é um passo importante para impedir tais injustiças, levando os perpetradores aos tribunais de justiça e iniciando o processo de compensar as muitas vítimas desses crimes no espaço assim como de expor à consciência de massa uma realidade completamente mantida em segredo.

“A exposição à verdade muda a tua vida, ponto final – seja essa verdade uma revelação sobre a honestidade e integridade pessoal ou se for uma revelação divina que reestrutura o teu lugar no  Universo. Por esse motivo é que a maioria (a massa ignorante do Pão e Circo) das pessoas foge da verdade, em vez de se aproximar dela”. {Caroline Myss}
“Conhece-te a ti mesmo e conheceras todo o universo e os deuses, porque se o que tu procuras não encontrares primeiro dentro de ti mesmo, tu não encontrarás em lugar nenhum” 
Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.

 
 
 
Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.
 



 
Agradecimentos a: https://thoth3126.com.br/ ...

 
Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos deste escritor em português: 
 




Recomenda-se o discernimento.






Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.


Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.


Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.




Atualização diária.



geoglobe1 esoterismo
Please do not change this code for a perfect fonctionality of your counter esoterismo