Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

CONSCIÊNCIA CRÍSTICA

Bashar 

Através de Darryl Anka

 

 


Iniciaremos esta interação, esta comunicação, neste dia de seu tempo, mais uma vez agradecendo a cada um individualmente e a todos coletivamente por nos permitir esta oportunidade de nos comunicarmos com sua civilização desta maneira, nesta ocasião.

Sempre estas comunicações são uma expansão, uma expansão de nossa consciência do universo, no sentido em que conseguimos ver, através de vocês, muito mais maneiras diferentes que o universo tem de expressar-se a si mesmo devido às qualidades únicas de vocês. Isso para nós é uma dádiva.

Nós os agradecemos por compartilhar isso e gostaríamos de começar esta comunicação neste dia de seu tempo, com o seguinte conceito. Reconhecemos que, ao canalizarmos ou ao nos comunicarmos através de um lugar em particular de seu planeta nesta ocasião, a facilidade especial pela qual vocês estão tendo esta sessão tem a ver com os conceitos de uma consciência em seu planeta, chamada de consciência crística. Gostaríamos de comentar um pouco mais sobre essa ideia neste tempo, de acordo com o espírito do lugar e com o tempo e a energia dentro dos quais vocês estão.

Em primeiro lugar, de maneira nenhuma queremos dizer, ao falar de consciência crística, como vocês a chamam, que ela é em algum grau para ser considerada como mais ou melhor do que qualquer outra maneira de pensar. Vocês descobrirão que de nossa perspectiva, aquilo que vocês chamam de consciência crística teve, tem e terá muitas diferentes espécies de manifestações em seu planeta. A consciência crística e a natureza de Buda são as mesmas energias, a mesma consciência.

De fato, aquilo que vocês reconhecem como consciência crística manifestou-se e encarnou-se em seu planeta de muitas maneiras diferentes e sob diferentes formas. Em sua definição fundamental o que vocês chamam de consciência crística ou natureza de Buda é simplesmente o espírito coletivo do mundo, de todas as suas consciências combinadas. Portanto, vocês também são consciência crística, natureza de Buda, o Grande Espírito, nesse sentido.

Como muitos de vocês estão começando a perceber, o conceito total não é tanto o conceito religioso da consciência crística, mas o despertar do espírito de unicidade, o espírito de amor, o espírito de criatividade dentro de cada um e de todos vocês. Esta é a chamada Segunda Vinda. É claro que não é a segunda, pois isso já aconteceu muitas vezes. Isso foi apresentado a vocês e refletido para vocês de muitas maneiras e estilos diferentes daquilo que vocês chamam de origem das religiões em seu planeta, embora o que vocês chamam de religião em seu planeta nunca tenha sido a intenção de nenhum daqueles nos quais essas religiões foram baseadas.

O que vocês chamam de Jesus, o que chamam de Buda, o que chamam de Krishna, o que chamam de Wahoca, o que chamam de Maomé e todos os outros a que quiserem dar nome — nunca tiveram a intenção de começar o que vocês agora têm em seu planeta sob o formato de uma religião. Eles nunca esperaram seguidores. Estavam dizendo a cada um de vocês que poderiam ser o mesmo que eles, ser como eles, agir da sua maneira. A frase "Eu Sou o caminho" simplesmente significa "Sejam assim" e estarão refletindo a mesma energia, a mesma consciência, a mesma ideia. Não significa seguir. Não significa criar um ritual em torno deles. Significa que vocês são um, que todos podem fazer as mesmas coisas.

Isso foi dito, na realidade, literalmente por muitos desses grandes instrutores de seu planeta. Mas, é claro que, devido a certos tipos de pensamentos de separação, de limitação e de crenças negativas, muitos de vocês sentem que não merecem reconhecer essa chama dentro de vocês, essa energia dentro de vocês, essa luz dentro de vocês.

Portanto, vocês se segregam desses ensinamentos, colocando-os em um pedestal mais alto do que aquele onde se colocam; não se consideram iguais a eles e assim criam rituais em torno deles, simplesmente agindo como seguidores em vez de fazedores, que é o que eles queriam partilhar com vocês, entregar a vocês — que vocês são tudo, nesse sentido, capazes de manifestar tudo, até mais do que eles manifestaram em seu planeta, cada um deles em especial.Reconheçam que uma das razões pelas quais vocês têm em seu planeta essa assim chamada era transformacional, Nova Era, seja como for que desejem chamá-la, é que há um novo reconhecimento, um novo despertar de vocês.

Esse despertar é uma compreensão que não é sobre seguir alguém ou sobre rituais, mas sobre ser uno, sobre agir como se soubessem que são a Consciência Crística, a natureza de Buda, o espírito de Krishna.

O que vocês chamam de Deus, o que chamamos de Tudo Que Existe, o Infinito, como o quiserem chamar não importa, porque tudo é verdade. Lembrem-se de que quando falam sobre a ideia de alguma coisa ser onipotente, então ela é tudo o que pode ser e tudo o que vocês podem possivelmente imaginar ser; todas as representações são verdadeiras. Se fosse menos, então não haveria o Tudo Que Existe por definição.

Dessa forma, vocês podem chegar até ela a partir de qualquer número de diferentes caminhos, mas simplesmente reconheçam que são uma parte dela, que ela é uma parte de vocês. Vocês são simplesmente uma expressão diferente dela. Não estão separados dela. Ela não está separada de vocês. É tudo um único acontecimento energético, embora possa haver diferenciação e diversificação dentro dele, o que é belo em si.

É no reforço dessa individualidade que vocês verão a maior unidade e harmonia aparecerem em seu planeta. Pois vocês não podem ter verdadeira harmonia se não tiverem força em cada um dos componentes individuais, de maneira que cada um representa a si mesmo como é na verdade, como foi na verdade criado para ser.


Cada um de vocês é único por uma razão. A unidade não significa que vocês devam se tornar homogêneos e perder suas características identificadoras. Não. Significa que cada um de vocês tem que ser forte o suficiente dentro de si mesmo para respeitar sua individualidade ao máximo e respeitar todas os outros reflexos individuais do Infinito. Porque eles são todos reflexos do Infinito, e se eles realmente existem, eles têm uma razão para existir. Se não houvesse nenhuma razão para existirem, se eles não fossem aspectos do Infinito, eles não poderiam, por definição, existir.

A ideia que iremos discutir com vocês esta noite, não importa que tipo de questionamentos vocês tenham, é fundamentalmente sua capacidade de reconhecer e de se tornar mais cônscios do conceito de que vocês são seres auto-capacitados que têm assegurada a ideia única, como todos os seres têm, da livre escolha e da escolha de serem seus eus próprios, completos.


Não o que os outros dizem que devem ser, mas seu eu próprio verdadeiro, completo, com excitamento, com integridade, com alinhamento, intenção e ação. Ao escolher assim, vocês se tornam sua peça única do quebra-cabeça que, quando colocada junto às outras peças únicas, formará impecavelmente a figura inteira do infinito Tudo Que Existe.

Somente sendo essa peça inteira é que vocês poderão preencher o pedaço que é a forma de sua peça em especial. Se vocês tentarem ser uma peça de quebra-cabeça que não são, não preencherão aquele pedaço e não ajudarão a criar a figura completa.Tentar ser alguém que não são, só porque alguém diz que vocês têm que ser isso ou aquilo, é a coisa mais difícil que podem fazer. Toda a dor, sofrimento e resistência que vocês experienciam em sua vida, vem do tentar ser alguém que não são.

Ser quem realmente são, ao agir em sua alegria, seu excitamento, seu amor, com integridade, alinhamento, intenção e ação, acabará na verdade por ser a coisa mais fácil que podem fazer, porque então tudo o que o universo terá que fazer é ajudar a ideia de vocês em sua maneira criada originalmente, em vez da ideia de vocês como algo que realmente não são.Fundamentalmente, tudo o que experienciam sobre si mesmos é em algum sentido vocês, porque vocês são também um aspecto do Infinito. Mas, cada um de vocês têm uma ressonância, uma freqüência, uma vibração que é sua canção única. Sejam verdadeiros para essa canção. Cantem essa canção, e haverá um grande coro e harmonia em seu planeta. É simples, se vocês permitirem que seja.

Nós os agradecemos por nos permitir partilhar nesta ocasião estes pensamentos e reflexões. Queremos lembrar-lhes que estas são somente nossas perspectivas, conforme vemos seu mundo e vocês, de que vocês podem fazer estas coisas, se decidirem fazê-las. Mas, nunca lhes diremos o que fazer. É o seu planeta. Afinal, temos nossas próprias vidas para viver, nosso próprio planeta para cuidar. Não queremos o seu, muito obrigado.

Mas, em troca da dádiva que nos fizeram esta noite, ao permitir que nos comunicássemos desta forma nesta ocasião, peço-lhes agora, de que maneira poderemos ajudá-los? Vocês podem começar.Eu posso agir muito logicamente: se fizer isso e aquilo, este será o resultado. Se não for o resultado, então posso ajustar meu pensamento e me movimentar para a coisa seguinte. O que não estou integrando são os sentimentos conectados com desapontamento ou humilhação que isso causou.

Qual é a relação entre emoções e sentimentos, e pensamento lógico, e de que maneira isso se relaciona com viver de maneira espiritual?

Quando algo acontece que não seja de acordo com o plano, sei que tudo irá dar certo, e que acabará se realizando, portanto é fácil para mim movimentar-me a partir daquele momento para o segundo seguinte e continuar até a próxima coisa. Mas, de alguma forma, estou ficando paralisado por não reconhecer nem lidar com as emoções.

A analogia do elevador

Vocês estão basicamente simplesmente carregando a bagagem da expectativa com vocês, naquilo que estão fazendo. A ideia é que sim, vocês podem ter um objetivo, mas existem muitas maneiras surpreendentes de poderem atingi-lo, além daquela que seu pensamento é capaz de compreender.

Portanto, a ideia é, sim, vocês podem ter um plano ou um caminho, vocês podem ter uma estrutura geral que acreditam que irão seguir, mas se não chegarem à fruição precisa exatamente daquela forma, isso quer dizer que existe algo talvez maior, mais rico e mais surpreendente do que sua mente é capaz de atingir.

Quando perceberem isso, naquele momento vocês farão com que não seja percebido como um erro ou um desapontamento, mas que vocês de repente serão elevados a um nível inesperado de clareza. Vocês permitirão a si mesmos serem surpreendidos e inspirados, serem emocionados e abalados, e sua curiosidade se tornará viva e dirá: "Isso não foi como o esperado, portanto alguma coisa maior está para acontecer."

Esse estado os elevará para ver o caminho mais claro, a figura maior. Vocês podem apertar o botão e tomar o elevador tanto para cima como para baixo. Quando chegarem no fim de um corredor, não esperem um elevador, mas é sua a escolha do caminho a seguir.

Só porque não esperaram o elevador não significa que tenham que descer até o porão e se lastimar: "Oh, existe um elevador! Isso significa que o único caminho que posso seguir é para baixo."

Os elevadores também vão para cima. (Às vezes eles vão lado a lado, mas isso não chegamos a compreender!) A ideia é que, simplesmente, à chegada de um elevador inesperado, vocês têm uma escolha entre os botões para subir e para descer. Escolham o que preferirem. Aceitem reconhecer que nunca é uma interrupção, nunca um bloqueio, mas uma flecha apontando para uma direção inesperada, possivelmente plena de muito mais do que vocês estavam imaginando.

Então, vocês se emocionarão, serão iluminados e também lhes será permitido ver a figura maior por sua própria escolha, porque tomarão o elevador sempre para cima, para o terraço, de onde há uma bela vista da ideia inteira. Será que isso os ajuda?

Certamente que sim.

É realmente uma forma de responder a sua vida, em vez de reagir a ela.

Negar a emoção...

Não, não. Vocês aceitam reconhecer que se escolherem sentir de determinada maneira, precisam permanecer naquele sentimento a fim de compreender o que o sentimento está lhes mostrando sobre suas crenças. Sentimentos são sempre reações ou respostas a crenças.A crença está ali primeiro, portanto se vocês têm um sentimento negativo ou um sentimento que não preferem, isso é uma reação a alguma coisa que vocês acreditam ser verdadeira. O sentimento os coloca frente a frente com o fato de que vocês têm essa crença.

Se não preferirem o sentimento, se não preferirem a crença, essa é uma oportunidade para se examinarem, para descobrir que bagagem de expectativas vocês estiveram carregando, e se não a preferirem, podem deixá-la cair e pegarem uma nova bagagem.Usem o sentimento como uma oportunidade. Nunca evitem o sentimento, fiquem com ele. O sentimento está ali para mostrar-lhes o que precisam compreender sobre si mesmos, de maneira que, ao compreendê-lo, vocês possam transmutar o sentimento. Vocês não se livram de sentimentos, vocês os mudam.

Vocês têm apenas uma única energia com a qual trabalhar, é isso.


Todas as coisas que vocês sentem, todas as coisas que fazem ou todas as coisas que pensam, são a mesma energia única. Vocês podem apenas mudá-la de uma coisa para outra. Não podem livrar-se dela ou varrê-la para debaixo do tapete; precisam ficar dentro dela e deixar que ela lhes mostre o que está lá. Não a neguem. Então, ela lhes ensinará.Vocês atravessarão o processo e serão [iluminados] por ele. Ganharão mais prática em compreender que seus sentimentos estão aí para ajudá-los, e terão menos reação e mais resposta a eles. Então eles, lentamente mas com certeza — ou rapidamente e com certeza — se transformarão de sentimentos negativos em sentimentos positivos em sua vida.

Isso ajuda a esclarecer a situação para vocês?


Sim, ajuda.


WebSite: http://www.bashar.org/
Canal no Youtube: BasharCommunications
Facebook: https://www.facebook.com/basharcommunications
Quem é Bashar? Veja aqui


Por favor, respeitem todos os créditos
Arquivos em português:

 Atualização diária


 

Atlântida – Um Habitante de Dois Planetas – 14

ATLÂNTIDA, A RAINHA das ONDAS dos OCEANOS

Posted by Thoth3126 on 06/12/2014

 



atlãntida-gravadanarocha“O propósito desta história é relatar o que conheci pela experiência, e não me cabe expor idéias teóricas. Se levares alguns pontos pequenos deixados sem explicação para o santuário interior de tua alma, e ali neles meditares , verás que se tornarão claros para ti, como a água que mitiga a tua sede. . . “Este é o espírito com que o autor (Philos, o Tibetano) propõe que seja lido este livro. E chama de história o relato que faz de sua experiência. Que é história?. . . Ao leitor a decisão.

“Nunca pronuncies estas palavras: “isto eu desconheço, portanto é falso“. Devemos estudar para conhecer; conhecer para compreender; compreender para julgar“. – Aforismo de Narada.

“Em época por vir, uma glória refulgente, A glória de uma raça feita livre e pujante.Vista por poetas, sábios, santos e videntes, Num vislumbre da aurora inda distante.Junto ao mar do Futuro, uma praia cintilante Onde cada homem seus pares ombreará,em igualdade, e a ninguém o joelho dobrará. Desperta, minh’alma, de dúvidas e medos te desanuvia; Contempla da face da Manhã toda a Magia E ouve a melodia de prodigiosa suavidade Que para nós flutua de remota e áurea graça — E o canto como um coral da Liberdade E o hino lírico da vindoura Raça.” (Philos, o Tibetano)

Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Fonte: http://www.sacred-texts.com

Capítulos anteriores:
http://thoth3126.com.br/atlantida-um-habitante-de-dois-planetas/
http://thoth3126.com.br/atlantida-um-habitante-de-dois-planetas-parte-2/
http://thoth3126.com.br/atlantida-um-habitante-de-dois-planetas-parte-3/
http://thoth3126.com.br/atlantida-um-habitante-de-dois-planetas-parte-4/
http://thoth3126.com.br/atlantida-um-habitante-de-dois-planetas-parte-5/

Livro: “Um Habitante de Dois Planetas”, de Philos, o Tibetano – Livro Primeiro, CAPÍTULO 14:

CAPITULO XIV – A adoção de Zailm. Descrição do Incalithton ou Grande Templo – O Incalix Mainin. O Rai do Maxin. Estabelecimento do Maxin ou Fogo Perene de Incal no Livro da Lei. Rai Gwauxln e Incalix Mainin, “Filhos da Solitude”.


Philos (Zailm), o Tibetano

Quando, obedecendo ao chamado, cheguei ao palácio Agacoe na manhã seguinte, dirigi-me diretamente ao gabinete particular ocupado pelo Príncipe Menax, esperando encontrar meu padrinho Mas nisso fiquei desapontado, pois o Rai Gwauxln estava com ele. Os dois estavam conversando quando entrei e não interromperam o diálogo, obviamente porque não me consideraram um intruso. Finalmente ouvi o Rai perguntar: “Não deveríamos nos dirigir para o Incalithlon agora?” “Se for de teu agrado. E tu, Zailm, acompanha-nos.”

Um carro do palácio foi chamado pelo Rai e veio à nossa presença sem ninguém a dirigi-lo e entrou pela porta do gabinete, que se abriu exatamente como se um pajem ali estivesse para fazê-lo. Deslizou silenciosamente até nós e parou a nossa frente. Tudo isso aconteceu como se alguém o estivesse guiando, embora não houvesse ali nenhuma mão visível. Aquela foi a primeira vez que vi uma exibição de poder oculto por parte do rai Gwauxln. Aliás, nunca cheguei a ver muitos exemplos desse poder embora ele fosse um alto adepto.

Como todos os verdadeiros adeptos ele desprezava profundamente esse tipo de demonstração, evitando mostrar seu poder e conhecimento diante de quem não possuísse suficiente bom senso para saber que atos dessa espécie eram pequenas amostras do controle da natureza através da compreensão de leis maiores do que a mente comum possa perceber em seu ambiente natural. Entretanto, eu não era daqueles (ignorantes) que viam milagres no oculto; mesmo que não compreendesse o processo, sabia que tudo dependia da operação de uma lei. Por essa razão Gwauxln não se importava que eu testemunhasse o seu poder, vez por outra.

O carro nos conduziu até o local de pouso dos vailx, no exterior, onde encontramos um vailx de pequeno porte. Cortesmente o rai Gwauxln ajudou Menax a entrar primeiro, depois eu, entrando ele por último. Foi um espetáculo digno de nota ver o chefe de tão poderosa nação, desacompanhado de qualquer séquito, sem um único atendente, mostrando-se tão respeitoso para com pessoas de posição inferior. E verdade que, como Xio-Incali, Gwauxln tinha um conhecimento de mecânica muito mais completo que o de toda uma tripulação reunida.

Tal pai, tal filho. Gwauxln, um pai para o seu povo, era imitado por todos em seu comportamento. Seus súditos eram igualmente simples em seus hábitos e, embora fossem ricos e vivessem cercados de luxo em muitos casos, não tinham ostentação, seguindo o exemplo do Rai. O grande templo de Incal estava localizado a várias milhas dali, mas em poucos minutos pousamos em frente à sua imensa estrutura. Por fora, o Incalithlon tinha a forma da pirâmide egípcia de Quéops, menos alta mas ocupando o dobro de sua área. Não havia janelas em suas laterais, e a luz do Sol ou do dia nunca penetrava em seu interior. Além de certo número de pequenas câmaras, o edifício continha um vasto salão para vários milhares de fiéis.



O hábito poseidano de copiar a natureza estava presente no santuário com extraordinária fidelidade. Em vez de paredes retas, alcovas e a decoração habitual, o enorme recinto parecia-se exatamente com uma caverna de estalactites e estalagmites. Na colocação de toda essa calcita, a idéia utilitarista havia sido consultada com relação às estalagmites, para que não ocupassem muito espaço do piso. Mas as estalactites pendentes do teto de mármore tinham sido colocadas em profusão, e delas havia tantas quanto permitira o espaço disponível. Reluziam como estrelas à luz das lâmpadas incandescentes colocadas a meio caminho entre elas e o piso.

As lâmpadas ficavam ocultas de quem as olhasse do chão por quebra-luzes côncavos, para que sua luz ficasse invisível, sendo seus raios dirigidos para cima e refletidos por milhares de agulhas brancas e brilhantes, enchendo o templo com uma luminosidade constante e suave e ao mesmo tempo poderosa, que parecia não provir de qualquer ponto definido e sim do próprio ar. Era uma iluminação perfeitamente apropriada para a meditação religiosa. Saímos do vailx e passamos pelo amplo e singelo portal, atravessamos o vestíbulo e nos dirigimos para o Ponto Sagrado nos fundos do santuário.

Ali encontramos Mainin, o Incaliz ou sumo sacerdote, homem de inigualado e maravilhoso conhecimento. Nós o saudamos com respeito e, então, o príncipe Menax disse: “Mui santo Incaliz, com tua grande sabedoria, conheces o motivo por que teus filhos vieram à tua presença. Poderias atender nossa prece concedendo-nos tua bênção?” o Incaliz se pôs de pé e nos convidou a acompanhá-lo até o triângulo de Maxin ou Divina Luz, em frente ao Ponto Sagrado. Adiantando o relato de nossa ação subseqüente, descreverei essa parle especialmente sagrada do templo.

Era uma plataforma triangular de granito vermelho, elevando-se várias polegadas acima do solo, medindo trinta e sete pés entre suas pontas. Exatamente n0 centro havia um grande bloco de cristal de quartzo que formava um cubo perfeito, do qual se erguia o Maxin. Este parecia estar em chamas; sua forma era a de uma gigantesca ponta de lança, emitindo uma luz de intenso poder sobre todas as coisas ao seu redor; não obstante, era possível fitar seu brilho branco e firme sem sentir necessidade de proteger os olhos. Tinha uma altura equivalente a três homens de boa estatura, essa misteriosa manifestação de Incal, como todos a consideravam. Na realidade, era uma luz ódica oculta que estava ali havia séculos.

Tinha testemunhado o grande desenvolvimento de Poseid e sua capital, tinha visto o templo original de Incal (uma pequena estrutura arquitetônica, indigna de um grande povo) ser demolido e o atual Incali-ihlon construído. A luz não irradiava calor, nem sequer aquecia seu pedestal de quartzo, mas mostrava-se letal a qualquer ser vivo que a tocasse. Não era alimentada com óleo ou outro combustível, nem por corrente elétrica, e dispensava qualquer manutenção. Sua história era peculiar e não pode deixar de interessar-te, amigo.

Muitas centenas de anos antes reinara em Poseid, durante quatrocentos e trinta dias, um governante possuidor de maravilhoso conhecimento. Sua sabedoria era como a de Ernon de Suern. Ninguém sabia de onde ele viera, muitos tinham vontade de questioná-lo e todos tinham dúvidas sobre estar ele sendo figurativo ou literal quando dizia:

“Vim de Incal. Sim, Eu Sou um filho do Sol e vim reformar a religião e a vida deste povo. Atentai! Incal é o Pai e eu sou o Filho, e Ele está em mim e eu Nele.”



Pediram-lhe que provasse o que dizia, quando então ele pôs a mão sobre um homem cego e este recobrou a visão e viu, junto com os que haviam duvidado, essa personalidade curvar-se para o pavimento da plataforma triangular e desenhar com o indicador um quadrado de cinco pés e meio de lado. Então ele se afastou das linhas desenhadas e imediatamente surgiu ali o grande bloco de quartzo, um cubo perfeito, fixo no local. Então ele colocou o dedo sobre a rocha e soprou sobre ela. Quando retirou o dedo, a “chama” do Maxin se elevou e assim permaneceram o cubo e o Fogo Perene naquele ponto desde então, ao longo dos séculos. Inútil dizer que a prova foi satisfatória. Depois disso, o misterioso estrangeiro revisou as leis e baixou o código que passou a governar a terra.

Ele disse que qualquer um que acrescentasse ou subtraísse alguma coisa de suas leis não entraria no reino de Incal até que “Eu volte à terra para o julgamento final.” Nunca ninguém desejou desobedecer, ao que se sabe; pelo menos nunca foi feita qualquer mudança. As leis que aquele Rai havia dado tinham sido escritas com o dedo na Pedra-Maxin e nunca o trabalho de um escultor foi feito com maior perfeição. Também tinham sido escritas em um livro de pergaminho, por ele colocado sob o Fogo Perene que passou a emanar da superfície do Livro colocado ali para sempre; sem queimar, sem sequer ficar chamuscado. Seu autor o tinha colocado às vistas de todos os que entrassem no novo Templo, construído no lugar do antigo. Ao fazê-lo, ele disse:

“Escutai. Esta é minha lei, que também está escrita na Pedra-Maxin. Nenhum homem a removerá, pois morrerá se tentar fazê-lo. Contudo, após fluírem muitos séculos – atentai! – o livro desaparecerá diante de uma multidão e ninguém saberá onde se encontra. Então a Luz (o Maxin) Perene se apagará e ninguém conseguirá reacendê-la. E quanto essas coisas passarem, oh!, não estará longe o dia em que esta terra não mais existirá. Perecerá por sua indignidade e as águas de ATL (Oceano ATLântico) rolarão por sobre ela! Estas são minhas palavras.”

Certa vez, na história de Poseid, um Rai duvidara que um homem morreria se tentasse retirar o Livro da Luz Perene. Concebeu a idéia de que, visto que o Maxin emanava da superfície do Livro e não dos lados, a remoção seria possível. Ele forçou um malfeitor a fazer a tentativa, pois como seguia uma política tirânica não lhe importava que o homem vivesse ou morresse. Aquele foi um período de grande escuridão e maldade, quando os homens de certa forma haviam se esquecido do Grande Rai Filho de Incal. O infeliz malfeitor foi obrigado a pegar o Livro e tentar retirá-lo.

Viu que tocara o Livro e não fora destruído pelo Maxin. Ficou mais ousado e, encorajado pelo Rai, puxou com mais vigor. Sentiu então a mão perder a força e passar através do Maxin. Esse membro foi imediatamente destruído, desaparecendo; uma chama saltou do Maxin até o monarca, parado a vários pés de distância, pois tivera medo de se aproximar; o Rai desapareceu para nunca mais ser visto!

Esse único exemplo foi mais que suficiente! Os erros de comportamento dos maus tornaram-se aparentes e a administração das leis voltou a obedecer o espírito e a letra das mesmas. O dia da “Terceira Profecia” vinha sendo aguardado por séculos, mas seu tempo ainda não tinha chegado; embora muitos alarmistas tivessem definido datas para o grave acontecimento, nada aconteceu e a Luz perene continuou a brilhar. De acordo com a Lei, os corpos de todas as pessoas que haviam partido para o Navazzimin eram cremados. Essa regra incluía também alguns animais.


“Vim de Incal. Sim, Eu Sou um filho do Sol e vim reformar a religião e a vida deste povo. Atentai! Incal é o Pai e eu sou o Filho, e Ele está em mim e eu Nele.“

Os que morriam longe de Caiphul eram incinerados em um dos muitos Navamaxa (crematórios especiais) que o governo fornecia para todas as províncias; se o corpo incinerado era de um ser humano, as cinzas eram mandadas para Caiphul e atiradas no Maxin em ato cerimonial. Os que faleciam em Caiphul tinham o corpo levado para o Incalithlon, elevado até o alto do cubo e atirado com o rosto para baixo na Luz Perene. Fosse o ato realizado com as cinzas ou com o cadáver, o resultado era sempre o mesmo. Não subiam chamas, nem fumaça, o Maxin nem sequer tremulava, mas o instantâneo desaparecimento do corpo acontecia no exato segundo em que o mesmo entrava em contato com o misterioso Fogo.

Essa chama foi cantada pelo poeta como o “Portal” para o país que cada alma deve descobrir por si mesma. Morrer sem passar pelo Maxin, fosse em corpus personae ou na forma de cinzas produzidas pela cremação, era considerado a mais temível calamidade por grande número de pessoas. Pode parecer que um povo de tão elevada erudição científica não devesse ser tão infantil nos seus conceitos religiosos. Mas realmente não se tratava de um costume infantil e sim de um desejo de total destruição do envoltório terreno da alma, para assegurar a total libertação da pessoa real de qualquer restrição terrena quando entrasse no Navazzimin.

Não que muitas pessoas compreendessem o significado esotérico do ritual; elas entendiam o suficiente do significado real que Incali havia lhes transmitido pela comparação da alma que se despedia com a semente que, ao germinar, deixa para trás todos os fragmentos da casca. Mas voltemos ao Incalithlon e à cerimônia de minha adoção pelo Príncipe Menax. Estávamos de pé ao lado da Pedra-Maxin. Gwauxln me fez ajoelhar e então, colocando a mão em minha cabeça, falou: “Em harmonia com as nossas leis, previstas para este caso, Astika Menax, Conselheiro da terra de Poseid, deseja adotar-te, Zailm Numinos, como filho, em lugar daquele que partiu para o Navazzimin.

Por conseguinte, eu, Gwauxln, Rai de Poseid, como teu Soberano e dele, declaro que seja como o Astika Menax deseja.” O Incaliz completou a cerimônia colocando a mão direita em minha cabeça e a esquerda na de Menax, que também se ajoelhara diante dele, e invocou a bênção de Incal para ambos. Ao remover as mãos, ele dirigiu-se a mim com as seguintes palavras: “Mantém-te digno diante de Incal, para que homem algum te acuse indevidamente. Assim teus dias serão longos. Se agires mal, teu tempo será abreviado. Que a paz de Incal esteja contigo.” Nenhum dos três ouvintes entendeu que suas palavras significassem que meus dias seriam breves porque eu falharia em minha retidão, mas como uma advertência.

Eu só soube mais tarde, tarde demais, que a presciência havia guiado Mainin ao dizer aquelas palavras. Eu o soube quando um influxo de tristes memórias me fez lembrar o quanto eu tinha sido falso para com minha grande decisão de ser bem-sucedido, tomada no monte Pitach Rhok, de seguir fielmente minha personalidade divina e temente a Deus. Mas tudo isso aconteceu tarde demais. Veio demasiado tarde, quando eu jazia numa masmorra esperando a morte da qual nenhum mortal poderia me salvar, e sonhava que minha alma estava numa praia deserta olhando para um infinito oceano, lamentando-se: “Ai! Onde está a esperança do meu coração?”

Amarga e ardente era a agonia do remorso, mas meu nome ainda estava então no Livro da Vida, ainda não fora apagado como eu temia. O car-ma é inexorável e severo, meu irmão, minha irmã, mas nosso Salvador disse: “Segue-me”. “Aquele que tem ouvidos, que ouça”. “Sede ativos com a palavra e não apenas ouvintes”. Quando nos voltamos para sair, um Incala ali presente começou a tocar o grande órgão do Templo, e os silêncios do vasto recinto responderam como nenhuma voz humana poderia fazê-lo. “A profunda voz dos sinos cresce, trazida pelo vento. . . ” Os ecos se repetiram muitas vezes enquanto as vozes poderosas do grande órgão se elevaram, emocionando a alma com sua majestosa harmonia. Raios luminosos de muitas cores, alguns brilhantes, outros suaves como os do luar, dançavam saindo dos tubos de ar e quando as cores mudavam também mudavam as notas musicais, pois cada raio de luz, seja qual for sua fonte, é uma nota musical pulsante, se for devidamente manipulado. É assim que as estrelas cantam . . .(a música das esferas…)

O Rai não saiu com Menax e eu quando terminou nossa missão, permanecendo com o Incaliz Mainin. O Rai Gwauxln o conhecia muito bem e sua amizade por ele era mais íntima que com qualquer outro ser humano. O motivo disso era que ambos eram Filhos da Solitude e tinham passado a juventude juntos, antes que o favor público tivesse indicado um deles para ser liai e o outro para ser Incaliz, ambos cargos eletivos, sendo o oficio de Sumo Sacerdote o único cargo eclesiástico preenchido por votação popular. Esta exceção ocorria porque se considerava justo permitir ao povo que consultasse seus próprios desejos quanto à escolha de alguém que os cidadãos acreditassem ser um perfeito exemplo de vida moral para
orientá-los espiritualmente.



Enquanto jovens, nenhum dos dois parecera esperar a preferência que os anos futuros lhes reservavam e, após o longo curso requerido pelo Xio Incali no Xioquithlon, tinham se despedido do mundo dos homens e partido para a solidão das vastas montanhas onde só os Filhos de Incal, e nenhum outro homem, podiam morar. Esses Filhos de Incal eram os Adeptos Teocrísticos ou Ocultos daquela época, os Yog-Vidya de seu tempo. Eram ciosos de sua sabedoria naquele tempo como o são agora, mas a transmitiram sem hesitação a Gwauxln e Mainin. Não tinham família naquele tempo e ainda hoje esses estudiosos de Deus e da Natureza não se desviam de seus princípios de celibato. Ninguém que espere alcançar um profundo conhecimento deverá se casar (I Cor. VII, 3, 4, 5, 7, 8, 9-29, 31, 32).

Depois que muitos anos se passaram, tantos que os homens quase os tinham esquecido, Gwauxln e Mainin fizeram o que poucos tinham feito, ao que se sabia: voltaram para o convívio da humanidade comum. Meu pai, Menax, era um mero bebê quando Gwauxln partira e a irmã mais nova deste nem sequer era nascida. Mas quando Gwauxln regressou, os fios de prata da maturidade já brilhavam nos cabelos do Príncipe Menax, enquanto o futuro Rai tinha a aparência mais madura embora pouco diferente de seus dias de juventude. Nesse ínterim, a irmã de Gwauxln viera ao mundo, tornara-se adulta e casara com Menax; depois de dar à luz seu filho Soris e sua filha Anzimee, partira para o país do desconhecido, cruzando o portal do Maxin. O sacerdote (Incaliz) Mainin também mantivera uma aparência jovem.

Continua no XV Capítulo…

Mais informações sobre ATLÂNTIDA em:
http://thoth3126.com.br/uma-vida-em-atlantida/
http://thoth3126.com.br/atlantida-restos-de-uma-imensa-cidade-encontrada-na-costa-de-cuba/
http://thoth3126.com.br/a-historia-secreta-do-planeta-terra/
http://thoth3126.com.br/atlantida-o-continente-perdido/
http://thoth3126.com.br/bimini-road-atlantida-misterios-nao-resolvidos-do-mundo/
http://thoth3126.com.br/atlantida-triangulo-das-bermudas/
http://thoth3126.com.br/atlantida-e-os-deuses-da-antiguidade/
http://thoth3126.com.br/atlantida-e-os-deuses-da-antiguidade-parte-2/
http://thoth3126.com.br/atlantida-e-os-deuses-da-antiguidade-parte-3-final/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br


Por favor, respeitem todos os créditos
Arquivos em português:

 Atualização diária


 

SaLuSa, 05.12.2014

Através de Mike Quinsey


SaLuSa - "Muitas vezes, dissemos que as mudanças estavam chegando, todavia, agora, finalmente, terão um sinal claro de sua confirmação." - 05.12.2014

Ficamos satisfeitos em nos afastar e permitir que Michael (Mike Quinsey) enviasse outra mensagem no lugar da nossa habitual. As informações enviadasdevem levantar consideravelmente o seu espírito, uma vez que esperou muitotempo para uma mensagem edificante que claramente indicasse o início de muitasmudanças bem-vindas na Terra.


Existem muitas mudanças por vir, para as quais foram feitospreparativos. Isso significa que muito pouco tempo será perdido na mudança desua atual situação de guerras e desarmonias para uma condição diferente,anunciando a chegada do Amor e da paz na Terra.


Muitas vezes, dissemos que as mudanças estavam chegando,todavia, agora, finalmente, terão um sinal claro de sua confirmação. Muitosainda se recusam a acreditar no que está acontecendo diante de seus olhos,todavia esta negação não esconderá o fato de que a Nova Era começou.


Ao olharem para trás, verão que mantivemos a palavra, mantendoa Federação Galáctica ocupada, em assegurar que a paz mundial fosse mantida.Guerras menores e outros levantes acabarão por cessar, chegando num momento emque essas ações negativas serão impossíveis de acontecer. As vibrações queestão constantemente aumentando, no futuro serão bastante elevadas, impedindo amanifestação de tais ações negativas.


Amados, a batalha entre as trevas e a Luz está quase no fime no devido tempo, verão os responsáveis por suas mortes, removidos, para quenão possam mais adiar as mudanças. Tais ações serão em cumprimento as promessasfeitas há muito tempo, de modo que agradecemos aqueles que firmemente permaneceramao nosso lado,  recusando-se  a trocarem seus objetivos.


Como já mencionado, é de sua responsabilidade ajudar aoutros,através das mudanças e encaminhá-los para o caminho da Luz. Nós e outros gruposde trabalho para a Luz não mediremos esforços para garantir o progresso alcançado,protegendo-os contra interferências de quaisquer origens.

Os assuntos estão bastante avançados, embora, agora, comosempre, contamos com todos os Trabalhadores da Luz, para diligentemente realizaremas suas tarefas. Naturalmente que, depois de terem chegado a um ponto tãocrucial no progresso da Raça Humana, todo esforço usado para sua evolução dará umgrande passo em frente. Na verdade, é bastante evidente que muitas almas estejamcientes de que algo muito positivo esteja acontecendo, mesmo que não tenhamconhecimento de como irá se manifestar.


Infelizmente seus meios de comunicação ainda estão sob ainfluência dos asseclas das trevas, impedindo de conhecerem a verdade do queestá acontecendo no seu mundo. No entanto, a boa notícia não pode mais sermantida escondida por tempo indeterminado, começando a vazar, independentementedos métodos utilizados para suprimi-la.


Como sempre, parte da nossa missão é patrulhar seus céus,para garantir que não haja visitantes indesejados, ou tentativas feitas paracolocarem armas no espaço, que possam ser utilizadas contra vocês. Sua Terraestá em quarentena por muitos anos, de modo a garantir que outras civilizações nãopudessem influenciá-los ou interferir com o seu progresso.


Algumas vezes, foi necessário permitir uma aproximação ser efetuada,mas somente para testar as suas reações,  ajudando-os na compreensão do Universo e  que outras formas de vida que existem por todaparte. Muitas outras civilizações estão muito à frente de vocês eminteligência, contudo, na medida em que evoluírem, também terão a oportunidadede aumentar significativamente seus níveis. Protegendo-os de longe, como seusGuardiões, estamos ansiosos por ajudá-los a avançar tão rapidamente quantopossível, para retornarem aos níveis que anteriormente estavam.


Quando o avistamento de nossas naves está em causa, a menosque sejam capazes de conhecer suas diferentes origens, suas identificações podemse tornar confusas. As trevas estão bastante avançadas para serem capazes deprojetar e fabricar naves semelhantes as nossas, que, além das marcas queaparecem em algumas delas, podem apresentar aparências semelhantes.

Isso pode levar a incidentes que são pensados serem causadaspor ET’s, quando na verdade é fruto de operações escuras. Sabemos que não é aprimeira vez que seus pensamentos se voltaram para a criação de algum incidenteque pudesse ser atribuído a nós.


De nossa parte, não podemos interferir com a sua escolha deação, a menos que sejam de proporções tais de serem susceptíveis de alterarem osplanos para o seu Sistema Solar. No entanto, não precisam se preocupar com ofuturo, uma vez que está garantido, na medida em que estão entrando nasenergias da Nova Era.


A Mãe Terra também está começando a realizar suas mudanças, namedida em que também está se movendo para a Nova Era. O seu trabalho é limpar erestaurá-la de volta ao seu estado anterior, que acontecerá ao longo de um determinadotempo, enquanto também se eleva através das novas vibrações.


Como finalmente podem notar, existe muita ação acontecendoem seus benefícios, para uma existência pacífica e gratificante. Estão deixandoas vibrações inferiores para sempre, onde toda ajuda está sendo dispensada paraelevá-los.


Quando partiram em suas jornadas, eras atrás, eram almasfelizes e determinadas a aproveitarem o máximo de suas oportunidades deexperimentar as vibrações mais baixas. Sabiam que nunca seriam abandonados eque seus progressos seriam cuidadosamente monitorados e que, quando chegada ahora, ajudariam na volta para a Luz. Esse momento agora chegou e progresso já estásendo feito, sempre junto conosco e que, em breve, será uma realidade, namedida em que, mais uma vez, nos conhecermos.


Compartilhar sua alegria com o pensamento de, mais uma vez,nos reunirmos e que, embora felizes, não experimentamos os extremos de emoçõescomo vocês fazem. Nossos sentimentos são centrados no Amor Universal, que nospermite sentir a profundidade da felicidade que vem com ele. Não é fácil colocarem suas palavras, uma vez que nem sempre são adequadas para a necessáriaexpressão.


No entanto, quando estiverem em nossa presença saberão, semsombra de dúvida, que somos seres amorosos e que, certamente sentirão isso. Éum estado de estar na paz e alegria num só sentimento e que serão seus, quando tiveremascendido para Seres totalmente evoluídos.


Sou SaLuSa, de Sirius, com o prazer de ser capaz de expandira compreensão dos tempos  em que entraram.Apreciem, na medida em que deixarem  paratrás as vibrações inferiores.

Mike Quinsey - Obrigado, SaLuSa.


Agradeço a: Sementes das Estrelas 



Por favor, respeitem todos os créditos
Arquivos em português:

 Atualização diária


 

Os Companheiros Constantes - Domingo 07 de Dezembro

Bem-Vindos ao Encontro em Torno da Lagoa de Dezembro

Por Aisha North



Aisha: Amadafamília da luz! Neste domingo, às 21:00 h, hora Oslo, mais uma vez será tempopara outro Encontro em torno da Lagoa. Embora, este seja o último mês do ano,tenho a sensação de que esta não será a última reunião de 2014.

Esteano foi diferente de qualquer outro, de forma que agora, tudo parece estarmudado para um nível totalmente novo, mais uma vez, de modo que não ficariasurpresa se formos chamados para mais um desses "eventos coletivos"durante as próximas semanas. Antes de tudo, vamos nos concentrar na tarefa queestá diante de nós, pois é um importante passo. Eis o que o que os CCs têm adizer sobre isso:

"CCs: Maisuma vez, estamos diante de um de seus encontros comunitários que, dessa vez,realmente será um evento em  grandeescala. Momento que  mais uma vezcoincidirá com uma miríade de outros eventos afins acontecendo simultaneamenteem todo o planeta, de fato, acontecendo por uma razão muito específica.

Nesteinstante, seu evento cocriador, seu e de tantos outros, servirão como hubs,onde, através de vocês, as energias incidentes ajudarão na junção de muitodaquilo que está sendo executado em linhas paralelas.

Vamosexplicar. Por enquanto, o que tem sido realizado, além de várias razõesenergéticas agora será, mais uma vez, buscado de uma maneira conjunta, ondeesse processo será aquele que, mais uma vez ajudará a elevar a humanidade a umpatamar totalmente novo. Claro que estamos falando de uma forma coletiva, mesmoque a grande maioria da humanidade ainda viva sob a suposição de que a vida comoconhece não estaria mudando em quase nada.

Masisso está prestes a mudar, na medida em que muitos rios de Luz, até entãoseparados  começarem a se reunir de umatal maneira que  esta noção de mudançapara um nível totalmente novo, comece a ser percebida, em todos os sentidos dapalavra.

Comoveem, estas três vertentes aparentemente separadas de luz agora começarão a setornar uma, embora, em muitos aspectos mantendo suas próprias individualidades.Algo como uma bela donzela tecendo fios de diferentes fitas coloridas parafazer uma homenagem a Criação, na medida em estes fios coloridos de luz formamum novo conjunto maior que, literalmente, irá ajudar a transportar a todos paratoda uma nova maneira de ser.

Comoum ponto central de um complexo gigante de fios interligados de Luz, todosservindo a seus propósitos individuais e, ao mesmo tempo servindo ao todo. Masagora, estes pontos, começarão a se fundirem a tal ponto, que as informaçõesque estarão sendo transmitidas através destas vertentes, embora aparentementeseparadas, começarão a interagir e se interconectarem de um modo muito novo,provando de uma vez por todas que 1 + 1 é igual a 3.

Maisuma vez recorremos aos nossos pequenos enigmas para fazer com que se sentem eanotem que, não é por acaso que, mais uma vez insistimos em usar números. Issoé muito semelhante à criação de uma música, uma música que desta vez serácomposto por um novo conjunto de escalas, escalas compostas por todas essasnovas vertentes mescladas de Luz que, juntas, irão criar toda uma nova Sinfoniade Luz.

Então,quando mais uma vez se aproximam do que nesta metade de seu planeta designamcomo a parte mais escura do ano, sabem que, desta vez, todo o seu mundo tomarábanho de uma luz trêmula e diferente de tudo que muitos de vocês presenciaram,independentemente do local de origem ou períodos de vidas.

Nestemomento, todos serão instrumentos para a criação de toda uma nova trama de Luz,aquela que não só irá apenas apoiá-los, mas que também irá ajudar a acender umnovo conjunto de melodias interiores em cada um de vocês.

Momentoque pode, mais uma vez ser comparado à comutação de imagens obscuras em preto ebranco, projetadas por aqueles antiquados dispositivos eletrônicos quecostumavam ser o auge de sua capacidade tecnológica, para o estado atual datécnica de alta definição e aparelhos de sistemas surrounds, que muitos jápossuem em suas casas.

Momentoem que, meus queridos, serão todos convidados a entrar neste rio efervescentede Luz que aparecerá  ante a vocês comoum manto cintilante de cordões coloridos, muito parecido com aqueles tapetesmágicos de outrora.

Parasubirmos a bordo e ver aonde irá nos levar. Aventuramo-nos a adivinhar que irão encontrar-se transportados para umlugar no espaço onde nunca antes estiveram. Também nos arriscamos a achar queserá uma experiência que deixará a todos, não só encantados, mas também muitomais iluminados do que estavam antes de se decidirem se juntar neste êxodo daantiguidade e tristeza para a cintilante Luz do amanhã. E, “desta vez, essasluzes irão percorrer todos os caminhos em seu ser, anunciando a chegada doamanhã, no momento do Agora."


Aisha: Maisuma vez, a fotografia que escolhi para acompanhar esta mensagem, não foi tomadapor mim, sendo de autoria nossa irmã Pond Tara, obtida no último fim de semana.Como alguns sabem, ela veio da Austrália para participar de oficina SOL, deFilipe, na ilha de Creta, em outubro, encontrando-se ainda na mesma área deancoragem das novas energias. Entretanto, na semana passada, ela foi orientadaa viajar para o Egito e isso foi o que fez, apesar da violenta agitaçãoacontecendo lá. Então, obrigada, querida irmã, por ser quem você é e fazer oque faz e por permitir-se abraçar o seu papel como parte da "equipe deterra" neste ponto quente enérgico! Sua foto diz tudo.  Agora já não são "antigaspirâmides", são brilhantes centros da Nova Luz, libertados dos grilhões doantigo e prontos para começarem a vibrar plenamente, enquanto o novo Novo Mundocontinua a se apresentar.

Agradeçoa todos por participarem deste Encontro, do qual,  tenho certeza que será um poderoso evento. Como os CCs gostam de lembrar:  "não foifeito PARA vocês, mas POR vocês", onde sem a participação de todos e decada um de vocês, este Lago, este Encontro - e este Novo Mundo - não seria possível. Por isso, vamos subir a bordodeste "tapete mágico" e ver onde poderá nos conduzir.  :)

Aqui estão alguns exemplos de horalocal que corresponde ao momento de 21:00 h – Hora de Oslo:

Londres: 20:00 h;
Helsinki: 22:00 h;
São Paulo: 06:00 h;
NewYork: 03:00 h;
ElPaso: 01:00 h;
Los Angeles: 12:00 pm;
Cingapura: 04:00 h - Segunda-feira;
Tóquio: 05:00h - Segunda-feira;
Sydney: 07:00 h - Segunda-feira;
Poderão encontrar  seushorários locais aqui: 


Como sempre, você pode fazer damaneira que achar melhor e se sentir bem. Tudo que você precisa fazer é: 
Sentar e se conectar com estaenergia, com a intenção de ser uma parte deste Encontro.

Com Amor, Luz e minha eterna gratidão, Aisha  <3


Nave Mãe da Federação Galáctica

 A Nave Mãe Bonangrel da Federação Galáctica.

Posted by Thoth3126 on 06/12/2014

 
 

Dei meus primeiros passos sobre os projetos, espalhados pelo chão de nossa habitação por meu pai, do que seria uma nave-mãe gigante. Sua profissão era compreender essas coisas e projetar as imensas Dantamas (naves-mães) para a grande casa de comércio nodiana de Vonner. Meu pai ficava longe de casa por longos períodos e morava com colegas e milhares de técnicos na nave especializada em construções e consertos chamada Gayloreena, que por milhares de anos terrestres orbitou nosso planeta natal Vitron. Este planeta é aproximadamente 84 vezes maior que a Terra, sendo o único planetoide do radiar Ampt.

“Em tempos de mentiras universais, apenas dizer a verdade se torna um ato revolucionário”. George Orwell
“Tenho visto as passagens silenciosas das Naves Mães pelos Sóis duplos. Desde a tenra idade, na juventude, Ansiei para viver dentro de sua concha protetora e passar meu tempo de lá estar, à medida que você viaja pelos caminhos das distantes e eternas estrelas”. Eu Sou Mocalar de Vitron.

Este, como o planeta Júpiter em seu sistema, orbita um sol central; esse sol se chama SOST, sendo o sol ao qual vocês se referem como estrela POLARIS. O radiar AMPT é tão gigante e brilhante que parece ser uma estrela secundária orbitando SOST/POLARIS. Assim, o sistema é erroneamente classificado na Terra como sistema estelar binário. Os outros onze planetas do sistema Sost descrevem órbitas ao redor do sol central como a Terra orbita seu sol, então, esses corpos podem ser certamente denominados planetas [da palavra grega planetes — “errante” – W.B.].


Acima: A estrela/Sol POLARIS, popularmente conhecida como Estrela POLAR, é a estrela mais brilhante da constelação chamada Ursa Menor. Esta estrela é o SOL SOST, onde esta situado o PLANETA NODIA. A estrela POLARIS/SOST é uma das estrelas pertencentes a constelação da Ursa Menor que no correr dos séculos vem sendo usada na Terra para nortear os navegantes, desde os tempos das descobertas de Colombo e Cabral, pois é uma estrela fixa, a que determina o NORTE. A estrela apontada como Polaris-A é o SOL SOST, que é orbitado pelo planeta NODIA e Polaris-Ab seria o radiar AMPT, onde orbita o planetóide VITRON, cerca de 84 vezes MAIOR do que a Terra… Vistos da Terra a proximidade de ambos (SOST e o Radiar AMPT) faz com que os nossos astrônomos pensem que sejam um sistema de sóis duplo. Créditos da foto: NASA, ESA, HUBBLE Space Telescope-N.Evans e H.Bond.

{Nota do Autor, Wesley H. Bateman: A descrição a seguir de uma nave-mãe extraterrestre foi telepaticamente narrada por Mocalar de Vitron, um ancião muito sábio. O fato de ele ser cego causou-me dificuldades físicas durante esta sessão telepática. A situação foi sanada pela assistência telepática de Dastremerkit de Vitron, que me relatou os pensamentos de Mocalar. Expressarei (exprimirei) essas informações com algumas de minhas próprias palavras para evitar a necessidade de interpretação do estilo de pensamento do transmissor. Wesley H. Bateman, o Autor, Telepata da Federação Galáctica.}

Vida após vida eu, Mocalar de Vitron da Casa de Comércio de Vonner, permaneci e trabalhei em muitas naves-mães grandes, tanto em sua construção como operação, Em muitas ocasiões, ofereci-me como voluntário para participar da exploração de destinos de portões estelares nunca tentados. Isso significa que ninguém podia prever em que ponto do universo tal jornada acabaria, ou que perigos poderiam existir do outro lado do portão. Foi tempos de muita aventura para mim e meus corajosos amigos. A frase “nit mittrac” (nós dobramos) ainda me aquece o sangue.

No início dos tempos, as naves-mães e outros tipos de espaçonaves eram projetadas para executar tarefas específicas, de maneira que possuíam atributos individuais que acabávamos por apreciar e desfrutar. As pessoas desenvolviam sentimentos pelas várias naves e lhes davam nomes com afeição sincera. Atualmente fazem-se todos os esforços para produzir condições de vida que sejam confortáveis, contudo muito utilitárias. Acabaram-se a arte refinada e os espaços grandiosos que vem à mente quando nos lembramos das antigas naves-mães. As mudanças que aconteceram na nave-mãe atual se deveram ao aumento do número dos que buscam os caminhos do lado sombrio (os seres que tentam dominar todas as culturas planetárias possível, são das trevas). Esse aumento traz um aumento do perigo, pois esses veículos representam para eles alvos para destruição.

Um sem-número das naves-mães de hoje são apenas cascas com tripulação mínima. Essas naves são projetadas para ocupar (ligar-se em) portões estelares (Um portal estelar próximo de nosso sistema solar é a estrela ARCTURUS, da Constelação de BOOTES {Boieiro} visível logo abaixo da Constelação de Virgem) impedindo que sejam usados por aqueles que causariam estragos (dois objetos não podem ocupar o mesmo espaço). 
 

Acima: A Estrela/SOL Alpha Bootes conhecida como ARCTURUS é a estrela mais brilhante da constelação do Boieiro (Boötes), o Pastor. Ela é a quarta estrela mais brilhante no céu noturno da Terra. Pertence à classe K do sistema de classificação estelar proposto por Anne Jump Cannon. O diâmetro de ARCTURUS é de aproximadamente 22.101.000 km, o que corresponde a 30 vezes maior que o do nosso Sol e 1.733 vezes maior do que o planeta Terra, a sua temperatura superficial chega aos 4300 Kelvin (aproximadamente 4000 °C). É considerada como uma das estrelas que mais tende a durar (cerca de 9,3 bilhões de anos) devida a sua magnitude média (magnitude aparente de -0,04 e uma magnitude absoluta de 0,2). É considerada atualmente como uma média alaranjada. Está cerca de 33 anos-luz do nosso sistema solar e é uma das estrelas mais (a quarta) brilhantes no céu terrestre.

Essas naves também atuam como portos para pessoal militar em trânsito, locais de muitos tipos de administração, vários tipos de instalações para treinamento, depósitos e fazendas, bem como instalações para consertos e produção. Milhares de naves menores, projetadas exclusivamente para a guerra, são armazenadas e mantidas em inúmeros pavimentos.

Esses tipos de atividades e ocupações forçadas (indesejadas) inevitavelmente desagradam os elohins. A energia física e espiritual despendida para produzir e manter tal nave-mãe é considerável, sendo assim perdida pelas correntes positivas de vida. Aguardo a época em que venha a paz universal e essas naves ostentarão, pela primeira vez, revestimentos de muitas cores e suas passagens e pavimentos serão decorados uma vez mais com as belas artes.

Como disse a nave-mãe de hoje, tanto da Federação como das casas de comércio, nada tem de extraordinário. Seria preciso procurar muito tempo para encontrar qualquer diferença individual em suas características externas ou internas, exceto por seus sistemas de propulsão, que são continuamente aperfeiçoados, em relação ao tempo de construção do veículo. Seria um prazer descrever uma nave-mãe do modelo antigo, uma que, durante suas primeiras jornadas, teria pouca chance de encontrar as do “outro lado da roda da vida,” isto é, aqueles que, na época atual, espreitariam tanta beleza e a reduziriam a ruínas (os seres das trevas). 
 

Acima: uma perspectiva do tamanho relativo entre as estrelas/sóis Arcturus, Pólux (Alpha de Gêmeos), SÍRIUS e o nosso Sol (HÉLIUS), o gigante planeta Júpiter (um pixel) fica quase invisível de tão pequeno comparado aos sóis e a Terra desaparece.

A NAVE-MÃE BONANGREL


A nave-mãe Bonangrel foi construída pela casa de comércio nodiana de Vonner há cerca de seis milhões de anos da Terra. Ela existe e funciona hoje como no tempo em que deixou seu local de criação. A Bonangrel recebeu seu nome do conto infantil do “El,” que não conseguia cantar a Canção da Criação com os outros elohins, porque sua harpa se quebrara. Devido a esse problema, ele criou a arte de assobiar música e ensinou os pássaros do universo a se comunicar dessa maneira. Nossa conversa telepática (com Wes Batemann autor do Livro) começou há vários dias terrestres, quando me encontrava em meu mundo natal de Vitron.

No momento em que retomamos nossa conversa, estou a caminho da nave-mãe Bonangrel, atualmente orbitando o radiar Epeck num grupo estelar muito distante tanto de Vitron, quanto da Terra. Está catalogado pela Federação como o Sistema de Cinco Estrelas. Daqui a pouco, usarei meu tempo futuro de vida no interior da Bonangrel. De preferência antes que qualquer um de nós tenha de se separar uma vez mais deste laço agradável.

O casco atual da Bonangrel tem 724 km de diâmetro (distância em linha reta entre São Paulo e Porto Alegre) em seu ponto mais largo, na horizontal, e 297,6 km de altura na vertical. Mesmo assim, seu tamanho global é aproximadamente 12% menor do que o da maior nave-mãe já construída na Federação (810,88 Km de diâmetro). O arcabouço básico (de 41,8 km de largura por 7,2 km de altura) e o sistema de propulsão dessa gigante levaram cerca de 32 anos terrestres para serem construídos, enquanto orbitava Vitron.

Durante esse tempo de construção, centenas de naves de tamanho menor e igual eram também construídas em órbitas vitronianas vizinhas. Existem agora milhões e milhões desses radiares para a construção de espaçonaves localizadas por toda a área do Universo afetada pela Federação.

Grandes naves-mães podem ser construídas apenas em órbita ao redor de radiares, onde não perturbem as forças gravitacionais do sistema, o que aconteceria se fossem construídas numa órbita planetária. De fato, muitas naves-mães grandes são proibidas de operar em alguns sistemas solares para evitar rupturas das órbitas planetárias (em especial, mudanças drásticas no clima de um planeta e nas marés dos oceanos). Os radiares do sistema solar no qual vocês vivem, chamados Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, podem facilmente acomodar grandes naves-mães em órbita. SATURNO é o porto mais propício de todos. 
 

Estas fotos dos anéis de SATURNO em infravermelho comprovam a veracidade do testemunho de Mocalar de Vitron, pois é possível de se ver várias e imensas Naves Mãe gigantes (assinaladas pelas setas) com formato cilíndrico “camufladas” DENTRO dos anéis do planeta gasoso gigante. Fotos em infravermelho tirada pelo telescópio Hubble/NASA.




COMO AS NAVES-MÃES VIAJAM DENTRO DE UM SISTEMA SOLAR:
Uma frota de naves-mães pode entrar num sistema solar se empregar a técnica chamada de atração solar lenta. Depois de entrar na lente solar do sistema, elas cortam sua própria força propulsora e permitem que o sol central do sistema as atraia em sua direção. Antes de a frota entrar muito fundo na lente solar e/ou antes de atravessar a órbita solar de qualquer planeta, as naves acionam sua propulsão e retornam à borda externa do sistema, onde permitem que o processo se repita várias vezes. Nesses períodos, veículos menores podem visitar os planetas internos e retornar à sua nave-mãe depois de concluírem suas missões.

“A frota de naves-mães da Federação ocupa-se atualmente de tais operações no sistema solar (O NOSSO) no qual você vive“
Depois que o arcabouço básico e o sistema de propulsão da Bonangrel foram totalmente construídos, a nave entrou em serviço. Com o passar do tempo, a nave foi sendo ampliada aos poucos até atingir seu tamanho atual. As ampliações progressivas foram graduais, sendo conduzidas em numerosas instalações de construção de Vonner localizadas por toda a Federação.

Ao nos aproximarmos da Bonangrel temos uma maravilhosa experiência visual. Suas superfícies externas são cobertas por murais em alto relevo e detalhes que contam a história do El com a harpa quebrada. Esses murais, bem como outros tipos de informações escritas, são deslumbrantes, visto terem sido formados por quilômetros de pedras preciosas e esmaltes metálicos cozidos intensamente na radiação de milhões de estrelas e radiares visitados pela espaçonave em sua longa existência.

Esses esmaltes metálicos contêm um registro molecular das emissões espectrográficas de todas as estrelas ou radiares que uma vez lançaram sua luz na superfície do veículo. Portanto, entre os materiais que compõem o revestimento da superfície da nave encontra-se o padrão espectral de todos os sistemas solares já visitados pela nave no universo. A energia psíquica consumida para criar essas imagens maravilhosas vai além da capacidade de cálculo e descrição de qualquer um.

O tempo gasto para percorrer muitas galáxias para alcançar uma nave-mãe pode ser considerado curto se comparado ao tempo que se pode levar para uma nave visitante obter permissão para entrar no interior de uma Nave Mãe. Antes de receber permissão, é emitida uma ordem à nave visitante para se manter à distância ou uma ordem para afastar-se da área. A nave visitante, tripulação, passageiros e carga são “revistados” pelos que possuem a capacidade de vasculhar mentalmente o recém-chegado veículo em busca de qualquer coisa que possa causar ruptura na função da nave-mãe ou perturbar a harmonia espiritual (wa) dos ocupantes da nave (os ocupantes de uma Nave Mãe podem chegar aos milhões).

Esse procedimento se assemelha à uma vistoria na alfândega, que seria feita na Terra, em qualquer um que entrasse num país soberano proveniente de outro. Depois que a nave visitante é mentalmente vasculhada, os que estão aguardando começam a ter notícias do Monitor Zero da nave-mãe. Nos bastidores, pode-se entrar em contato com a Casa de Vonner, com a própria Federação (mas isso nem sempre acontece) para discutir questões suspeitas que possam ter surgido durante a revista da nave visitante. Essas suspeitas podem ser postas de lado e não mais questionadas se forem decididas por uma “luz favorável de orientação divina” obtida pela Federação por uma pessoa que atingiu o mais elevado nível de percepção extra-sensorial (“o pensamento infinito/Deus”).

Para receber qualquer tipo de instrução telepática da nave-mãe, todas as comunicações telepáticas de dentro da nave visitante devem ser temporariamente suspensas. Se for concedida permissão para entrar na nave-mãe, orientações e instruções tanto sobre como atracar quanto sobre como entrar num porto de energia serão fornecidas pelo Monitor Zero, ou por alguém designado pelo Monitor como autoridade. A nave na qual estou viajando atualmente será rapidamente liberada e encaminhada para o “pavimento Vonner” da Nave Mãe Bonangrel.

Esse pavimento recebe apenas naves transportando funcionários e dignatários da Federação e pessoal das Casas de Comércio de Vonner, Cre’ator e Domphey. Essas pessoas recebem as boas-vindas com honrarias de um grupo diplomático versado em todos os idiomas e costumes conhecidos da espécie humana, em geral liderado por um Alto Senhor de Planejamento de Casa de Vonner, que tem autoridade para dar a palavra final para a casa de comércio.

No caso da Bonangrel, o Alto Senhor que nos dará as boas-vindas será um amigo: o nodiano, Roke-Seralain, cópia de Senhor 2.993.00 da Casa de Vonner. Os visitantes serão indagados se desejam oferecer pessoalmente opiniões e aconselhamento em relação a qualquer tipo de questão que possa surgir durante sua permanência na nave. Alguns aceitarão essa honra e outros sejam lá por que motivos irão declinar. Alguns dos que chegaram a bordo de nossa nave visitante não sairão dela porque terão dificuldade em respirar a atmosfera de tipo rad da nave-mãe.

A atmosfera RAD pode ser inalada por todos, mas é difícil para alguns se adaptarem a ela. Alguns dos que apresentam esse problema podem voluntariamente passar pelo desconforto temporário da mudança para a atmosfera rad, caso sua permanência dentro da nave-mãe vá ser longa. Fora ficar de uma tonalidade vermelha brilhante por algum tempo, eu mesmo não tenho problemas para fazer tal mudança. Serão distribuídos discos de segurança pessoal, de cor preta e ornamentados com o triângulo prata com um lado direito duplo (símbolo da Casa de Vonner) {N.T.- Em breve essas espaçonaves com esse símbolo, o Triângulo prateado com duplo lado direito serão abertamente vistas nos céus da Terra}.

Eles permitem acesso a várias partes da nave e permitem que se façam muitos tipos de compras de qualquer um dos milhares de lojistas e vendedores encontrados em áreas especificadas da nave. Em algumas áreas da nave o acesso são barrados por campos de força. Esses campos não são prejudiciais nem provocam choques elétricos; dão a sensação de uma lâmina de borracha látex.

Quanto mais se tenta penetrar o campo de força, com mais força ele o repele. O campo permite a entrada apenas se o disco mencionado anteriormente for programado para permitir acesso além dele. Muitas áreas da Bonangrel estão repletas de pessoas de muitos mundos da Federação que podem ser encontradas se misturando e interagindo umas com as outras. Esses locais, onde se podem ganhar novas experiências e considerável conhecimento, realmente excedem qualquer descrição que eu pudesse dar. Mesmo assim, tentarei descrever essas áreas exóticas da Bonangrel, bem como os muitos tipos de pessoas únicas e atividades que podem ser encontradas nesses lugares.



O Plano Térreo da Nave Mãe Bonangrel:
A área de controle de vôo da Bonangrel é de formato circular, com diâmetro de 228,6 m. Seu teto é um domo transparente de quase 26 m de altura na parte central. Essa cúpula escurece em certos pontos caso a intensidade de qualquer fonte de luz externa seja maior do que a tolerância visual da pessoa. O controle lembra um anfiteatro elevado por plataformas que se tornam mais estreitas à medida que avançam do solo para o teto. Essas plataformas são ocupadas por pessoas envolvidas tanto na operação exterior como interior da nave, bem como por telepatas ligados à Federação e à casa de comércio de Vonner.

O acesso às plataformas é feito através do que se poderia chamar de escadas rolantes. No centro do pavimento de controle situa-se uma torre com inúmeras plataformas individuais com capacidade de se deslocar do solo até o alto da estrutura, conforme o desejo de seu ocupante. Essas plataformas são ocupadas pelo alto comandante da nave e seus representantes. Os responsáveis pela movimentação e navegação do veículo também estão posicionados na torre central. Mesmo nessa área muito ativa, o som fica em volume baixo, pois as ondas de som que ultrapassem certo volume são totalmente absorvidas ou reduzidas em energia antes de percorrerem 10 m. As vozes dos que estão na torre podem ser ouvidas fisicamente em todos os locais na área de controle, como se quem fala estivesse a apenas 1,5 m de qualquer ouvinte.

As naves-mães de projeto mais recente são, na verdade, duas naves combinadas numa só. A área de controle pode ser separada do outro veículo secundário funcional, porém sem capacidade de dobrar. Isso permite que se possam realizar vários tipos de missão. A seção de controle pode entrar num sistema solar onde as massas totais das duas partes da Nave Mãe, se estivessem reunidas, romperia o equilíbrio planetário. A porção de controle de uma nave é intercambiável com a outra e as partes secundárias de inúmeras naves podem ser deslocadas uma de cada vez para diferentes partes do universo por uma unidade de controle ativa.

Leva-se mais tempo para construir essas naves de controle com capacidade de dobrar, e a produção está sempre atrasada em relação à construção do tipo secundário de veículo. Muitos veículos que bloqueiam portões estelares normalmente não possuem nave primária de controle com capacidade de dobrar a ela ligada. A nave primária de controle acabará por desposar (ser designada para) uma dessas noivas de longa data. Segundo o código de honra mais rígido, uma nave primária de controle não se separa de sua companheira se a combinação estiver correndo algum tipo de perigo físico.

Abaixo da seção de controle primário encontra-se a seção de controle secundário. Essa área também tem o formato de um anfiteatro, porém com diâmetro maior e altura menor. O pessoal se dispõe em círculos concêntricos, estando no centro o Monitor Zero de comando. As estações no círculo mais externo são ocupadas por pessoas (vasculhadores psíquicos esperes) que lidam principalmente com a segurança externa e interna da nave. Esse círculo externo de pessoas também orienta qualquer contramedida militar que possa ser empregada para rechaçar qualquer forma de ataque de forças hostis.

Indo em direção ao centro, os doze círculos de pessoal reúnem telepatas em constante comunicação com a casa de comércio de Vonner, no planeta Nodia, e a instalação da Federação mais próxima. Suas conversas telepáticas tratam de grande número de assuntos. Qualquer coisa que surja no curso dessas conversas telepáticas que seja considerada importante é imediatamente relatada ao Alto Comandante (Zero) e ao Monitor Zero da nave-mãe. A maioria dos círculos interiores é preenchida por em primeiro lugar, engenheiros, depois escudeiros (assistentes), aprendizes e os que atendem às necessidades físicas do pessoal em serviço. As áreas de repouso se localizam abaixo das estações de pessoal. Minha amada Bonangrel não possui uma seção de controle primário separável do resto da nave. Embora seu pessoal de controle se distribua em dois níveis na mesma ordem descrita para o tipo mais novo de nave-mãe. É difícil melhorar certos tipos de organização.

Exatamente abaixo da superfície da quilha externa da nave situam-se importantes corredores de transporte, alguns dos quais possuem portos de saída e de entrada para a nave. Os veículos de transporte podem sair para o espaço, cruzar a superfície da nave-mãe em alta velocidade e reentrar na nave em menos de um minuto depois em seu destino desejado. Esses veículos robóticos (programados, não controlados fisicamente) de transporte (pods) chegam a centenas de milhares e se parecem com fagulhas elétricas se movendo em todas as direções concebíveis do lado de fora da nave-mãe.

O transporte externo como esse pode ser suspenso instantaneamente sob certas condições. Pods de transporte se deslocando a velocidades mais baixas andam de um lado para outro nos corredores internos e livremente nas partes superiores dos vários pavimentos da nave-mãe. Alguns desses pavimentos têm 1.600 metros de altura (uma milha). As paredes dos corredores de transporte da Bonangrel são cobertas por sinais multicoloridos aparentemente sem sentido. Em alta velocidade, esses sinais se fundem formando imagens de panoramas e de animais e retratos de pessoas famosas.


Foto feita pelo Hubble Space Telescope em infravermelho que captou a presença de um gigantesco e estranho objeto camuflado nos anéis de Saturno.
Entre os dois pavimentos superiores de controle da nave-mãe e os últimos dois ou três imensos pavimentos em sua base há alojamentos que vão do mais utilitário ao mais luxuoso e todos os outros tipos de instalações para sustentar todos os estilos de vida universais conhecidos. Retornaremos a essas áreas depois que eu descrever as partes inferiores da nave.

O pavimento mais inferior da Bonangrel tem 563 km de diâmetro. Nesse pavimento, até onde a vista alcança, encontram-se milhares de naves de guerra chamadas Valions (equivalente à ave que vocês denominam águia). Essas naves variam em tamanho de 91,4 m a 205,7 m de diâmetro. São empilhadas uma em cima da outra, feito uma pilha de pratos. Quando armazenadas, os sistemas ativos de propulsão dessas águias são conectados ao (alimentam o) sistema de propulsão principal da nave-mãe, aumentando, assim, seu potencial de força de dobra.

As tripulações dessas águias, enquanto em serviço, vivem a bordo delas, sendo revezadas a cada quatro dias terrestres, aproximadamente. Essas naves de guerra são chamadas a“ninhada” ou a “cria” da (Nave) Mãe. Quando em perigo, a nave-mãe pode lançar toda sua cria em menos de cinco minutos. Faz isso inclinando e recolhendo o pavimento abaixo das naves águias, como a abertura de uma câmera.

Elas automaticamente quebram sua conexão com o sistema de propulsão da nave-mãe, sendo sugadas para o vácuo espacial, e a atmosfera total e qualquer conteúdo solto da área de armazenagem é arrastado para o vazio do espaço. As naves se dispersam e operam como unidades individuais de comando, mentalmente unidas ao Monitor Zero da nave-mãe.

Uma nave-mãe pode legalmente lançar sua cria depois de receber permissão para fazê-lo da casa de comércio de Vonner, que primeiro recebe permissão da Federação, seguindo uma “luz de orientação divina” favorável. É uma operação cara, pois são necessárias várias semanas para restaurar novamente uma atmosfera habitável no imenso pavimento de depósito. Se a nave-mãe for forçada a dobrar para fora da área e a cria tiver de ser deixada para trás, seu componente de naves águias passa a ser chamado de órfão.


Quando eu era criança, em vidas anteriores, meus amigos e eu encontrávamos um prazer brincalhão em entrar a toda em barreiras de campo de força, existentes em determinadas áreas de Naves Mães, medindo nossa penetração pela distância a que éramos repelidos para trás. Agora sinto igual prazer através dos olhos de Dastremerkit, o mais corajoso dos jovens de hoje que fazem o mesmo, arrancando rugidos dos tigres de dentes de sabre DENTRO da Bonangrel (sim nós preservamos às espécies hoje extintas da Terra em alguns zoológicos que existem dentro de algumas grandes Naves Mãe). Retornarei quando nossos três anéis se unirem uma vez mais. Sou Mocalar de VITRON.

Mais informações sobre o planeta MALDEK em:

http://thoth3126.com.br/category/maldek/

Continua na segunda parte…



-Cavaleiros da Cruz Solar Até os portões do inferno lutará este homem para do universo conservar a ordem?

-Certamente. É um Cavaleiro da Cruz Solar.

-Pode ele usar um emblema sobre o coração a nos contar a todos que venceu a provação?

-Ele tem o direito. É um Cavaleiro da Cruz Solar.

-Será seu cálculo preciso para pilotar sua nave rumo ao paraíso?

-Um anjo escoltará seu voo. Ele é um Cavaleiro da Cruz Solar.

(O que vivifica o espírito não tem homem como autor.)

 
Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.


Por favor, respeitem todos os créditos
Arquivos em português:

 Atualização diária


 

Trabalhadores da Luz - Parte 1

 A IDENTIDADE DO TRABALHADOR DA LUZ

Jeshua* através de Pamela Kribbe

 Tradução: Vera Corrêa




Os Trabalhadores da Luz são almas que possuem o forte desejo interior de difundir Luz (conhecimento, liberdade e amor) sobre a Terra. Eles sentem isso como sua missão. São freqüentemente atraídos para a espiritualidade e para algum tipo de trabalho terapêutico. Devido ao seu profundo sentimento de missão, os Trabalhadores da Luz sentem-se diferentes de outras pessoas. Ao experimentarem diferentes tipos de obstáculos em seus caminhos, a vida os estimula a encontrar seu caminho próprio, único. Os Trabalhadores da Luz quase sempre são indivíduos solitários que não se adaptam às estruturas sociais estabelecidas.






Uma observação sobre o conceito de “Trabalhador da Luz”:






A expressão “Trabalhador da Luz” pode provocar mal-entendidos, já que diferencia um grupo particular de almas, do resto. Além disso, pode parecer sugerir que este grupo particular é, de algum modo, superior aos outros, por exemplo, àqueles “não Trabalhadores da Luz”. Toda esta linha de pensamento está em desacordo com a própria natureza e objetivo do trabalho da Luz. Permitam-nos expor brevemente o que há de errado nisso.






Primeiro, pretensões de superioridade geralmente não são iluminadas. Elas bloqueiam seu crescimento em direção a uma consciência livre e amorosa. Segundo, os Trabalhadores da Luz não são “melhores” nem “superiores” a ninguém. Eles simplesmente têm uma história diferente daquela dos que não pertencem a este grupo. Graças a esta história peculiar, que discutiremos mais adiante, eles têm certas características psicológicas que os distinguem como um grupo.






Terceiro, toda alma chega a ser um Trabalhador da Luz em determinada etapa do seu desenvolvimento. Portanto, a qualificação “Trabalhador da Luz” não está reservada para um número limitado de almas.






A razão pela qual utilizamos o termo “Trabalhador da Luz” – apesar dos possíveis mal-entendidos – é porque ela traz associações e agita memórias dentro de vocês que os ajuda a recordar. Também há uma conveniência prática, já que este termo é freqüentemente usado em sua literatura espiritual corrente.






RAÍZES HISTÓRICAS DOS TRABALHADORES DA LUZ






Os Trabalhadores da Luz trazem consigo a habilidade de alcançar o despertar espiritual mais rapidamente que outras pessoas. Eles carregam sementes internas para um rápido despertar espiritual. Por causa disso, parecem estar numa via mais rápida que a maioria das pessoas, se assim escolhem. Mais uma vez, isto não acontece porque os Trabalhadores da Luz sejam de algum modo almas “melhores” ou “superiores”. No entanto, eles são mais velhos que a maioria das almas encarnadas na Terra atualmente. Esta idade “mais velha” deve ser entendida, de preferência, em termos de “experiência”, mais que de “tempo”.






Os Trabalhadores da Luz alcançaram um estágio particular de iluminação, antes de encarnarem na Terra e começarem sua missão. Eles escolheram conscientemente envolver-se na “roda cármica da vida” e experimentar todas as formas de confusão e ilusão que fazem parte dela.



Fizeram isto para compreender completamente “a experiência da Terra”. Isto lhes permitirá cumprir sua missão. Só passando, eles mesmos, por todos os estágios de ignorância e ilusão, é que eles possuirão finalmente as ferramentas para ajudar os outros a alcançar um estado de verdadeira felicidade e iluminação.






Por que os Trabalhadores da Luz perseguem esta missão sincera de ajudar a humanidade, mesmo correndo o risco de se perderem, durante eras, na densidade e confusão da vida terrestre? Esta é uma questão da qual nos ocuparemos extensivamente mais adiante. Agora, diremos apenas que isto tem de ver com um tipo de carma galáctico.






Os Trabalhadores da Luz presenciaram a véspera do nascimento da humanidade na Terra. Eles fizeram parte da criação do homem. Foram co-criadores da humanidade. Durante o processo de criação, eles fizeram escolhas e agiram de formas que mais tarde vieram a lhes causar um profundo arrependimento. Eles estão aqui agora para reparar suas decisões de então.






Antes de entrarmos nesta história, citaremos algumas características das almas Trabalhadoras da Luz, que geralmente as distinguem de outras pessoas. Estes traços psicológicos não pertencem exclusivamente aos Trabalhadores da Luz e nem todos os Trabalhadores da Luz os reconhecerão como seus. Ao apresentarmos esta lista, simplesmente queremos dar um esboço da identidade psicológica dos Trabalhadores da Luz. Quanto às características, o comportamento exterior é menos importante do que as motivações internas ou intenções sentidas. O que vocês sentem por dentro é mais importante do que o que mostram externamente.






CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS DOS TRABALHADORES DA LUZ





- Desde cedo em suas vidas, eles sentem que são diferentes. Quase sempre, sentem-se isolados dos outros, solitários e incompreendidos. Freqüentemente tornam-se individualistas e têm que encontrar seus próprios caminhos na vida






- Eles têm dificuldade para se sentir à vontade em empregos tradicionais e/ou em estruturas burocratas. Os Trabalhadores da Luz são naturalmente antiautoritários, o que significa que resistem naturalmente às decisões ou valores baseados somente em poder ou hierarquia. Este traço de antiautoritarismo está presente mesmo entre os que parecem tímidos e envergonhados. Ele está relacionado com a própria essência da missão deles aqui na Terra.






- Os Trabalhadores da Luz sentem-se atraídos para ajudar as pessoas, como terapeutas ou como professores. Podem ser psicólogos, curadores, professores, enfermeiros, etc. Mesmo que a sua profissão não esteja diretamente relacionada com ajudar pessoas, sua intenção de contribuir para o bem-estar da humanidade está claramente presente.






- Sua visão da vida é colorida por um sentido espiritual de como todas as coisas estão relacionadas umas com as outras. Consciente ou inconscientemente, eles levam dentro de si memórias de esferas de luz não terrestres. Podem – ocasionalmente – sentir saudades dessas esferas de luz e sentir-se como um estranho na Terra.






- Honram e respeitam profundamente a vida, o que freqüentemente se manifesta como afeição pelos animais e preocupação com o meio ambiente. A destruição de partes do reino animal ou vegetal na Terra pela ação do homem evoca neles profundos sentimentos de perda e aflição.






- São bondosos, sensíveis e empáticos. Podem sentir-se incômodos ao se defrontarem com um comportamento agressivo e geralmente têm dificuldade para se defender. Podem ser sonhadores, ingênuos ou profundamente idealistas, assim como insuficientemente “enraizados”, isto é, não ter os pés na terra. Como eles têm facilidade para captar sentimentos e humores (negativos) das pessoas que os rodeiam, é importante que possam, regularmente, passar algum tempo a sós. Isto lhes permite distinguir entre seus próprios sentimentos e os das outras pessoas. Necessitam de momentos de solidão para recuperar a própria base e estar em contato com a mãe Terra.






- Eles viveram muitas vidas na Terra, nas quais estiveram profundamente envolvidos com a espiritualidade e/ou religião. Estiveram presentes, em grande número, nas velhas ordens religiosas do seu passado, como monges, monjas, ermitães, psíquicos, bruxas, xamãs, sacerdotes, sacerdotisas, etc. Foram os que construíram uma ponte entre o visível e o invisível, entre o contexto diário da vida terrestre e os reinos misteriosos de pós-vida, de Deus e dos espíritos do bem e do mal. Por desempenharem este papel, muitas vezes eles foram renegados e perseguidos. Muitos de vocês foram sentenciados à fogueira devido aos dons que possuíam. Os traumas das perseguições deixaram profundas marcas na memória de suas almas. Isso pode manifestar-se atualmente como medo de estar completamente enraizado, isto é, medo de estar realmente presente, porque vocês se lembram de terem sido brutalmente atacados por serem quem eram.






PERDER-SE : O PERIGO PARA O TRABALHADOR DA LUZ






Os Trabalhadores da Luz podem estar presos nos mesmos estados de ignorância e ilusão que qualquer outra pessoa. Embora comecem de um ponto de partida diferente, a capacidade deles para romper o medo e a ilusão, com o propósito de alcançar a iluminação, pode ser bloqueada por muitos fatores. (Por iluminação, queremos dizer o estado no qual vocês compreendem que são essencialmente da Luz, capazes de escolher a luz em qualquer momento).






Um dos fatores que bloqueiam o caminho da iluminação para os Trabalhadores da Luz é o fato de terem uma pesada carga cármica, que pode levá-los a se extraviarem por bastante tempo. Como afirmamos anteriormente, esta carga cármica está relacionada com decisões que eles tomaram com relação à humanidade em suas etapas iniciais. Foram decisões essencialmente desrespeitosas para com a vida (falaremos disto mais tarde, neste capítulo). Todos os Trabalhadores da Luz que vivem agora desejam corrigir alguns de seus erros passados e recuperar e cuidar do que foi destruído por causa disso.






Quando os Trabalhadores da Luz completarem seu caminho através da carga cármica, isto é, quando liberarem todo tipo de necessidade de poder, compreenderão que são essencialmente seres de luz. Isso lhes permitirá ajudar outras pessoas a achar seu próprio ser verdadeiro. Mas primeiro eles mesmos têm que passar por esse processo, o que geralmente exige grande determinação e perseverança no nível interno. Devido aos valores e julgamentos neles incutidos pela sociedade, os quais freqüentemente vão contra seus próprios impulsos naturais, muitos Trabalhadores da Luz se perderam, terminando em estados de desconfiança de si mesmos, auto-negação e, inclusive, depressão e desesperança. Isto porque eles não conseguem se adaptar à ordem estabelecida e concluem que deve haver algo de terrivelmente errado com eles.






O que os Trabalhadores da Luz têm que fazer, neste ponto, é deixar de procurar validação externa, através de pais, amigos ou da sociedade. Em algum momento, você (que está lendo isto) terá que dar o salto para a verdadeira autorização, o que significa realmente acreditar em si mesmo e verdadeiramente honrar suas inclinações naturais e seu conhecimento interior, agindo de acordo com eles. Nós o convidamos a fazer isso e lhe asseguramos que estaremos com você em cada passo do caminho – exatamente como você, num futuro não distante, estará aí para ajudar outros em seu caminho.


Parte 1
Parte 2


   
* NR: Também é conhecido por Isa (Islão), Esu, Emanuel, Sananda, etc. (Espiritualidade) e Jesus ou Jeshua.

BRICS, o que aconteceu com a Economia?

O que aconteceu com a economia dos BRICS?

A desaceleração econômica dos países membros do grupo conhecido como  BRICS está acontecendo.

Posted by Thoth3126 on 06/12/2014

 

 

brics-bandeiras
Já nesta década, a taxa média de crescimento econômico caiu em mais de dois pontos percentuais.

O homem que inventou o termo “Brics”, Jim O’Neill, então da Goldman Sachs, acredita que a transição pode ser gerida sem muita turbulência. Outros são mais cautelosos.

Em 2001, os Brics foram considerados os países que poderiam remodelar a economia mundial. BRASIL, RÚSSIA, ÍNDIA e CHINA – na época o grupo não incluía a ÁFRICA DO SUL – foram identificados como economias grandes e de crescimento rápido que teriam papeis globais cada vez mais influentes no futuro.

Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

A crise econômica chega aos países dos BRICS e a desaceleração de suas economias causa incertezas em relação ao seu futuro

Andrew Walker Correspondente de economia da BBC – Dia 30 novembro 2014

http://www.bbc.co.uk/


Mas a desaceleração econômica pela qual o Brasil está passando se repete em todos os paises integrantes do grupo. O que aconteceu com estas economias?

Hoje, China e Rússia são possivelmente as mais preocupantes para o resto do mundo no curto prazo. Podem provocar uma reformulação séria e bastante indesejável na economia mundial.


Última Reunião dos Países dos Brics foi no Brasil, países enfrentam dificuldade econômicas

No caso da China, há o risco de a desaceleração econômica se transformar em algo mais prejudicial para a economia mundial. Com a Rússia, há a possível consequência econômica do conflito na Ucrânia.

A desaceleração da China aconteceria mais cedo ou mais tarde. Na verdade, é notável que não tenha vindo antes.

A China tem registrado taxas extraordinárias de crescimento econômico há muito tempo – uma média de 10% ao ano nas últimas três décadas. Mas este crescimento é baseado em taxas muito elevadas de investimento, atualmente em 48% da renda nacional ou PIB.

Quando o investimento é alto assim, há sempre o risco de que muitos projetos acabem sendo um desperdício ou não sejam rentáveis, minando as finanças dos próprios investidores e de qualquer banco-empresa que tenha emprestado dinheiro a eles.


Brasil e Rússia dependem muito ainda em parte das exportações de commodities, como produtos agrícolas e a Rússia do petróleo e gás.

Poucos países têm taxas de investimento mais altas do que as chinesas – e nenhum deles têm muito a ensinar para a China. São eles Butão, Guiné Equatorial, Mongólia e Moçambique. Outro fator que ajuda a entender o crescimento chinês é o volume das exportações do país.

Mas não é possível depender disso atualmente, quando o resto do mundo ainda luta para se recuperar da crise financeira.
Transição chinesa

O que o governo chinês quer fazer é avançar no sentido de um crescimento econômico um pouco mais lento e mais influenciado por venda de bens e serviços para os consumidores chineses.

A desaceleração está acontecendo. Já nesta década, a taxa média de crescimento caiu em mais de dois pontos percentuais. O homem que inventou o termo “Brics”, Jim O’Neill, então da Goldman Sachs, acredita que a transição pode ser gerida sem muita turbulência. Outros são mais cautelosos.

O professor Kenneth Rogoff, da Universidade de Harvard, diz que a desaceleração da China é ao mesmo tempo inevitável e desejável, mas adverte: “Não é fácil conter o crescimento gradualmente sem provocar problemas generalizados de projetos de investimentos ambiciosos.”



Ele diz que, se o crescimento chinês entrar em colapso, a queda global poderia ser muito pior que a causada por uma recessão normal nos EUA. Já a Rússia é uma história diferente. Seu impacto econômico potencial sobre o resto do mundo em um futuro próximo está altamente relacionado com questões políticas.

O conflito na Ucrânia e as sanções econômicas impostas pelos EUA e União Europeia já prejudicou a Rússia economicamente. As sanções impostas pelo Ocidente e o receio entre os investidores de que elas possam aumentar e agravarem uma desaceleração econômica que ocorreria de qualquer maneira.

O país já perdeu US$ 85 bilhões este ano, de acordo com dados do Banco Central russo. A Rússia é muitas vezes criticada por ter um ambiente de negócios difícil, devido à burocracia e incertezas sobre o sistema legal. O FMI já falou disso antes, e Jim O’Neill também afirma que a Rússia precisa de normas confiáveis de direito empresarial.

Os problemas da Rússia já tiveram impacto econômico além de suas fronteiras, notadamente na Alemanha. As exportações deste pais para a Rússia caíram acentuadamente – o que é um fator importante para se entender por que agora a Alemanha está perto da recessão.


O Kremlin de Moscou, habitualmente conhecido apenas como Kremlin é uma fortaleza situada no centro da cidade e que serve de sede do governo da Rússia. Ocupa cerca de 30 hectares e contém vários monumentos no seu interior.

Olhando para o futuro, o FMI também advertiu que “riscos geopolíticos”, ou seja, a crise na Ucrânia e no Oriente Médio, são algumas das principais ameaças para a recuperação da economia global que já é, nas palavras do próprio FMI, “fraca e desigual”.
A Força da Índia

Outros dos países membros dos Brics com problemas claros é o BRASIL – apesar de o país representar menor perigo dentro do contexto global. Assim como a Rússia, é uma economia em que as exportações de commodities desempenharam um papel importante para os bons resultados da década de 2000.

Na Rússia, a mercadoria que se exportava era energia, o petróleo e gás. Já o Brasil tem minério de ferro e commodities agrícolas como soja, carne, frango, café e açúcar.

Jim O’Neill diz que ambos precisam tomar medidas para tornarem-se menos dependentes do setor de exportação de commodities. Devem melhorar a sua competitividade de trabalho, diz, e se tornarem mais atraentes para o investimento privado em outras áreas de produção industrial.

Entre os países do Bric original – que não incluia a África do Sul -, a Índia aparentemente é o que está causando menos ansiedade nos mercados financeiros e instituições econômicas internacionais no momento. O crescimento ganhou força este ano, embora esteja muito aquém daquele da década anterior. Muitos investidores receberam bem o novo governo de Narendra Modi, que assumiu o cargo em maio.


ÍNDIA: O Taj Mahal, às margens do Rio Yamuna, na cidade de Agra, um templo que o imperador Shah Jahan (Kuthumi Lal Singh) mandou construir em memória de sua esposa favorita, Aryumand Banu Begam, a quem chamava de Mumtaz Mahal (“A joia do palácio”).

“Estou mais otimista do que estive por algum tempo atrás sobre a Índia”, diz Jim O’Neill.

Então, será que os Brics estão desmoronando?

É bom lembrar de onde este conceito veio. Ele apareceu pela primeira vez em um artigo escrito em 2001 por Jim O’Neill. Não era um grupo, mas apenas uma maneira conveniente, com uma sigla e acrônimo agradável, para detectar tendências importantes.

Somente anos depois os países começaram a fazer cúpulas anuais e, nesta fase inicial, o grupo não incluía a África do Sul. O “s” no final de Brics aparecia apenas como um plural, mas agora significa a África do Sul (South Africa em inglês).
Alcançando o crescimento

O objetivo do trabalho era mostrar o papel cada vez mais influente que esses países desempenhariam na economia global pelos próximos 10 anos, e argumentar que a cooperação econômica internacional deveria mudar para refletir esta realidade diferente. E isso ocorreu.

Desde 2008, um dos fóruns-chave para questões de política econômica tem sido o grupo G20, que inclui todos os Brics entre os seus membros.

Os Brics eram as maiores economias emergentes doplaneta. Não havia nenhum país africano quando a ideia foi usada pela primeira vez, e em termos do seu peso econômico a África do Sul estava bem atrás dos outros, e também de alguns que não foram incluídos, como a Indonésia e o México.


O Brasil é uma economia em que as exportações de commodities desempenharam um papel importante para os bons resultados da década de 2000.

Um artigo de acompanhamento de dois outros economistas do Goldman Sachs estendeu a análise até 2050 e sugeriu que os Brics, em conjunto, poderiam ser maiores que os seis principais países industrializados somados já em 2039. A rigor, os artigos do Goldman Sachs não eram previsões. Eram retratos de como o mundo poderia ser se os países crescessem o quanto podem. As taxas de crescimento previstas eram muito maiores do que a de países ricos.

Eles têm a possibilidade de alcançar esses países ao investir rapidamente em tecnologia, o que já está estabelecido em economias desenvolvidas. Eles também têm mão de obras (barata) disponível, para as indústrias em rápida expansão, por causa da população em crescimento e urbanização, com as pessoas se mudando do campo para as cidades.

Nas projeções originais de Jim O’Neill, o crescimento chinês ao longo dos próximos 10 anos foi fixado em 7%, da Índia de 5%, e Rússia e Brasil, em 4%.

O Brasil foi o único que não atingiu essa projeção.

Mas todos os Brics têm desacelerado na década atual, por mais de dois pontos percentuais cada, com exceção da África do Sul.
Potencial para o futuro

O FMI investigou a desaceleração dos países em desenvolvimento. Uma parte significativa dele reflete a demanda internacional mais fraca por suas exportações e políticas governamentais dos próprios países, que se tornaram uma limitação ao crescimento, à medida que reverteram políticas de estímulo anteriores -cortando gastos ou aumento impostos para reduzir as necessidades de financiamento.

Mas também há outros fatores que afetam a capacidade das economias emergentes de crescer no futuro – que limitam o que o FMI chama de “potencial de crescimento”.

As taxas de juros tendem a subir gradualmente de seus atualmente baixos níveis nos países ricos – particularmente nos EUA e no Reino Unido. Isso vai afetar as taxas globais e tornar o investimento mais caro em economias emergentes.



Muitos também terão de lidar com o envelhecimento da população e um crescimento mais lento do número de pessoas em idade ativa. Para alguns, a vantagem demográfica que tinham anteriormente está desaparecendo.

Rússia e China estão entre nesse grupo. Isso foi levado em conta nas projeções do Goldman Sachs. Jim O’Neill diz que, mais recentemente, suas políticas nesta área têm sido “surpreendentemente boas”.

A China está afrouxando sua política de filho único e, diz ele que, “a Rússia tem tido algum sucesso no aumento da expectativa de vida com políticas muito mais inteligentes sobre o consumo de álcool.”

Apesar de todos os Brics terem desacelerado nesta década, os que apresentam perfomance mais fracas agora são Brasil e Rússia.

Suas taxas médias de crescimento têm sido inferiores a dos Brics asiáticos o tempo todo e, neste ano, eles desaceleraram ainda mais. Para 2014 como um todo, o FMI projetou crescimento para os dois, mas muito pouco – de 0,3% para o Brasil e 0,2% para a Rússia.

Os dois números, aliás, são bem menores do que foi previsto este ano até para a zona do euro – apesar de ela ainda estar em crise e ter sido descrita como assombrada pelo “fantasma da estagnação” por Mark Carney, do Banco da Inglaterra.

Jim O’Neill ainda não acha que é o caso de tirar Brasil e Rússia do Brics – mas os últimos anos têm certamente sido uma decepção. Portanto, não é hora de abandonar, desistir dos Brics.

Os países que integram o grupo estão passando por alguns problemas, certamente. Para mudar o quadro, a China, em particular, está embarcando em uma operação audaciosa, enquanto busca uma forma diferente e, talvez, em última análise, mais sustentável de desenvolvimento econômico.


A África do Sul é o parceiro mais recente do grupo e o país que mais cresce no continente africano

Os Brics e seu desempenho importam para o resto do mundo, mais do que importavam na virada do século – o que é, afinal, o ponto principal do conceito original.

Saiba MUITO mais acessando:
http://thoth3126.com.br/voo-mh17-derrubado-para-gerar-crise-com-a-russia/
http://thoth3126.com.br/os-anjos-caidos-the-watchers-os-vigilantes/
http://thoth3126.com.br/grande-midia-7-pecados-que-eles-nao-querem-que-voce-saiba/
http://thoth3126.com.br/grupo-bilderberg-misterios-e-controle-alienigena/
http://thoth3126.com.br/reptilianos-mais-informacoes/
http://thoth3126.com.br/illuminati-revelacoes-de-um-membro-no-topo-da-elite-explosivo/
http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua-ii/
http://thoth3126.com.br/profecia-maya-pos-2012-o-fim-do-mundo-e-um-apocalipse-made-in-eua/
http://thoth3126.com.br/banco-dos-brics-lanca-desafio-ao-predominio-financeiro-dos-eua/
http://thoth3126.com.br/midia-dos-eua-as-6-corporacoes-que-controlam-a-informacao/
http://thoth3126.com.br/brasil-reuniao-do-brics-em-fortaleza/
http://thoth3126.com.br/alemanha-pede-para-entrar-no-brics-grandes-mudancas/

Permitida a reprodução desde que mantido na formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br


Por favor, respeitem todos os créditos
Arquivos em português:

 Atualização diária


 

Pensamento do Dia, 6 de Dezembro de 2014

 Sathya Sai Baba



Para discernir entre o bem e o mal, deve-se recorrer às escrituras. 

Os Vedas surgiram a partir do próprio Divino e foram "ouvidos" por sábios em sintonia com a voz do Divino que, por sua vez, ensinaram a seus discípulos. 

Este processo de transmitir os Vedas e a sabedoria consagrada neles se manteve ao longo de muitas gerações de gurus e discípulos até hoje. 

Os Upanishads, o Brahma Sutra e a Bhagavad Gita contêm a essência dos Vedas. 

Portanto, estes são designados como 'três textos fundamentais (Prasthana traya)' da ciência da espiritualidade. 

Somente a aquisição do conhecimento superior pode cumprir o principal objetivo da vida humana; torna a pessoa consciente de que não é o corpo insensível, inerte, mas uma personificação de ser-consciência-bem-aventurança. 

Quando essa verdade desperta e é experimentada, você está livre da névoa da ignorância e se liberta nesta vida presente.

Fonte: http://www.sathyasai.org.br/
Canal Youtube: Sai Love




Por favor, respeitem todos os créditos
Arquivos em português:

 Atualização diária