Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Invasão da Mente por VALIS,

 
A Invasão da Mente por VALIS, 

“Sistema de Inteligência Vivo Vasto e Ativo” 

(Philip K. Dick)

Por Anthony Peake

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch


 
 
 

Em entrevista ao jornalista inglês Charles Platt, em 1979, o escritor de ficção científica americano Philip K. Dick afirmou que, na primavera de 1974, sua mente foi tomada por algo que ele descreveu como uma “mente transcendentalmente racional”. Dick acrescentou que até aquele ponto ele se sentiu como se tivesse “sido louco toda a sua vida e de repente ele tinha ficado curado.” O que ele poderia querer dizer com um comentário tão estranho? Era simplesmente imaginação do escritor ou algo de significativo? Dick certamente pensava que sim.
-----------

A Invasão da Mente por VALIS, “Sistema de Inteligência Vivo Vasto e Ativo”


Philip K. Dick (1928-1982) é considerado por muitos um dos maiores escritores americanos da segunda metade do século XX. Isso foi reconhecido pela colega escritora Ursula LeGuin quando o chamou de um “Borges cultivado em casa”, em referência às obras do grande escritor argentino.

Mas Philip K. Dick era mais do que apenas um escritor; ele era um filósofo que descreveu em seus contos e romances uma visão do mundo provocada por suas próprias experiências. Nos últimos anos de sua curta carreira, ele escreveu uma série de romances semi-autobiográficos descrevendo seu encontro com essa entidade que invadiu sua consciência. O mais famoso desses romances é “VALIS, “Vast Acting Living Intelligence System” (VALIS, “Sistema de Inteligência Vasta e Ativa”), mas, de muitas maneiras, o que mais se segue ao encontro real de Dick é seu romance publicado postumamente, Radio Free Albemuth, recentemente transformado em um filme intrigante, com o mesmo título, escrito, produzido e dirigido por JohnAlan Simon, baseado em Los Angeles.



A Grande Conspiração (é tão “grande” que passa despercebida)




Há fortes evidências de que a entidade que Phil chamaria mais tarde de VALIS, “Sistema de Inteligência Vasta e Ativa”, esteve com ele a maior parte de sua vida, só se manifestando através de uma série de facilitadores neurológicos (naturais e artificiais) que afetavam Dick no início dos anos 70.

Desde tenra idade, havia algo distintamente estranho em Philip K. Dick. Ele era um filho quieto, um tanto introvertido, se recuperando da perda de sua irmã gêmea Jane, que morreu logo após ambos nascerem em um frio de dezembro de Chicago em 1928, e do subsequente abandono de seu pai alguns anos depois. À medida que envelhecia, ele era claramente muito inteligente, mas com certos problemas neurológicos e psicológicos que lhe causavam dificuldades na escola. Essas questões tendiam a vir à tona durante períodos de estresse, como exames. O jovem Phil sofreria ataques de vertigem, juntamente com fortes sentimentos de desassociação do mundo físico. Certa vez, ele descreveu a sensação como se visse o mundo pelo lado errado de um telescópio. Foi em um exame crucial de física que algo muito peculiar aconteceu.

Em uma entrevista com seu amigo Greg Rickman gravada em outubro de 1981, Dick descreveu como o exame não estava indo bem:

Fiquei quase duas horas olhando para a página e minha entrada na faculdade dependia de fazer o teste corretamente. Foi o teste final … eu não entendia o princípio. Eu nem me lembrava do princípio e muito menos saber como aplicá-lo. Eu rezei e rezei e rezei e rezei e então essa voz clicou e disse … “o princípio é realmente muito simples.” E então continuou e declarou o princípio e explicou como seria aplicado … recebi (o teste) de volta com um “A.” 1

Dick acreditava que essa “entidade” era uma forma de “guia” pessoal que se tornaria um elemento permanente em sua vida, permanecendo adormecido por anos, mas envolvendo-se em sua vida e em tempos de grande crise. Em outra entrevista, Rickman perguntou a Dick se a voz já havia retornado. O escritor descreveu que, embora regularmente sentisse sua presença, seus comentários verbais eram muito raros. Dick citou uma manifestação particularmente estranha que ocorreu no final da década de 1960.


Série “The Man In the High Castle” e a ‘Guerra Temporal’ com o Deep State

Ele descreveu como estava assistindo a um programa de TV sobre as tartarugas de Galápagos. A luta pela sobrevivência de uma tartaruga fêmea em particular realmente o perturbou. Depois de botar os ovos, ela virou na direção errada e, em vez de ir para o mar, rastejou para o interior. Logo o calor provocou desidratação extrema. Ela estava morrendo. Quando ela começou a desaparecer, suas pernas ainda eram vistas em movimento. O filme havia sido editado para dar a impressão de que a tartaruga moribunda estava imaginando que ela estava de volta ao oceano. Ele foi dormir com essa imagem trágica em mente. Ele acordou no meio da noite para ouvir a mesma voz que ouvira muitos anos antes durante o exame de física. Explicou-lhe que a tartaruga realmente acreditava que ela estava na água:


Fiquei terrivelmente espantado e estupefato ao ouvir aquela voz novamente. Não era minha própria voz, porque uma das frases que a voz dizia era “E ela verá o mar” e eu não usaria as duas palavras “ver” e “mar” na mesma frase. A “Voz” tende a fazer isso, escolhas de palavras que eu não uso. Uma vez, usou a expressão “um veneno muito venenoso” que eu não usaria. 


2



Philip K. Dick alega que também entrou em contato com seres de um satélite extraterrestre orbitando a Terra há muito tempo, chamado de BLACK KNIGHT, descoberto em uma órbita polar (algo impossível na época) em 1960.FONTE


Dick ficou intrigado com a fonte dessa “voz”. Ela estava claramente localizada dentro de seu cérebro (uma “voz” sem SOM) e, no entanto, usava terminologia e estruturas de palavras que lhe eram estranhas. De fato, ficou claro em sua experiência no exame de infância que esse ser sabia coisas que ele não sabia.

No final da década de 1970, Dick descobriu uma possível resposta para esse mistério. Naquela época, ele havia encontrado as teorias do psicólogo de Princeton, Julian Jaynes. Alguns anos antes, em 1976, Jaynes havia escrito um livro altamente influente intitulado The Origin of Consciousness in the Breakdown of the Bicameral Mind (A Origem da Consciência no Colapso da Mente Bicameral). Jaynes sugeriu que os cérebros dos seres humanos antigos podem ter sido “bicameral”.


Visão Remota (R.V.) viagem no tempo/espaço em Consciência, pelo Dr. Courtney Brown PhD (1)

Por “bicameral” Jaynes significava que os hemisférios gêmeos dos cérebros de nossos ancestrais estavam isolados um do outro. Enquanto os humanos modernos entendem que a “narrativa interior” que todos usamos para decidir sobre nossas ações faz parte de um “eu” singular, para os antigos não era assim. Eles ouviam a “voz interior” e a identificaram com a voz dos deuses. Jaynes então argumentou que, por volta de 1000 a.C., os dois hemisférios do cérebro de alguma forma se fundiram em uma consciência unitária do tipo experimentado hoje. Ele acreditava que certas condições neurológicas, como a esquizofrenia, são um retrocesso a esse estado dual anterior de consciência. Dessa maneira, ele tentou explicar como certas pessoas ouvem vozes que dão instruções, criticam ou auxiliam regularmente.

Dick sugeriu a Rickman que isso pode ter sido a fonte da “voz”, a sua “parceira” ao longo da vida, uma versão subliminar e muito mais sábia de si mesmo, localizada no hemisfério direito:




Eu tenho isso. Eu tenho aquela coisa de intuição no hemisfério direito. A menos que você saiba o que é, parece poder psíquico. É assim que o hemisfério certo funciona. Tem que funcionar assim …. E parece que conhece o futuro. O que vê está no caminho de um padrão, e parte de um padrão ainda está por vir. Na verdade, está vendo parte de um padrão que não esta totalmente emergido. Ele pode dizer a partir da seção que tem como será o padrão total. Pode preencher a peça que falta. 3

Seu comentário aqui é importante. Ele está sugerindo que esse parceiro ao longo da vida tem “poder psíquico” e que ele usa esses poderes para ajudar seu associado menos capaz localizado no hemisfério esquerdo. A pergunta que precisa ser respondida é como algo localizado no cérebro pode ter acesso a informações que não estão disponíveis através dos sentidos cotidianos? [impossível] Uma pista pode estar em outro incidente muito curioso que Dick descreveu em uma entrevista de 1977 com o jornalista Richard Lupoff. Vale a pena citar na íntegra:


Na época em que eu começava a escrever ficção científica, dormi uma noite e acordei e havia uma figura parada na beira da cama, olhando para mim. Eu grunhi de espanto e, de repente, minha esposa acordou e começou a gritar, porque ela também podia ver o que vi. Ela começou a gritar, mas eu o reconheci e comecei a tranquilizá-la, dizendo que era eu quem estava lá e não tinha medo. Nos últimos dois anos – digamos que foi em 1951 – eu sonhei quase todas as noites em que voltei àquela casa, e tenho uma forte sensação de que naquela época, em 1951 ou 52, eu via meu “futuro eu”, que de alguma forma, de alguma maneira que não entendemos – eu não chamaria de oculto – passado para trás durante um dos meus sonhos agora daquela casa, voltando lá e me vendo novamente. Então, realmente existem algumas coisas [muito] estranhas … 4

O que Dick está sugerindo aqui é que seu “futuro eu” era capaz de voltar no tempo e experimentar de outro local no espaço um incidente de vida anterior. Observe que existem dois pontos de vista aqui. O eu mais velho de Dick não revive a experiência do ponto de vista de seu eu mais jovem. Ele vê isso como um observador externo. Isso sugere um lapso de tempo muito estranho, ou então, de alguma maneira profunda, parte de Phillip K. Dick pôde ver os incidentes atuais de seu próprio passado. E se a consciência existente no hemisfério direito mais antigo de Dick perceber toda a sua vida de um ponto de vista fora do tempo linear e, como tal, puder viajar para qualquer lugar dentro da linha do tempo do autor? Se foi esse o caso, então, do seu ponto de vista, é totalmente precognitivo. Ele conhece o resultado de todas as decisões que seu parceiro existente em tempo linear tomará.


Black Knight , um satélite Extraterrestre espião em órbita da Terra

Isso sugere uma explicação impressionante: que a voz norteadora pode ter sido o próprio futuro de Dick o guiando para o seu próprio futuro. O fato de o autor ter acesso contínuo a informações conhecidas por seu eu futuro é evidenciado a partir do modo como Dick frequentemente afirmava que suas tramas ficcionais provinham de suas experiências futuras. Ele citou um punhado de “experiências futuras” bastante surpreendentes que apareceram em seus escritos de ficção anteriores. Por exemplo, aqui Phil descreve como um incidente em seu livro Flow My Tears, The Policeman Said na verdade, aconteceria muitos anos depois:




Em 1970, escrevi um romance chamado Flow My Tears, The Poliman Said. Um dos personagens é uma garota de dezenove anos chamada Kathy. O nome do marido dela é Jack. Kathy parece trabalhar para o criminoso clandestino, mas mais tarde, à medida que lemos mais profundamente o romance, descobrimos que na verdade ela está trabalhando para a polícia. Ela tem um relacionamento com um inspetor de polícia. O personagem é pura ficção. Ou pelo menos eu pensei que fosse. De qualquer forma, no dia de Natal de 1970, eu conheci uma garota chamada Kathy – isso foi depois que eu terminei o romance, você entende. Ela tinha dezenove anos então. O namorado dela se chamava Jack. Logo soube que Kathy era traficante de drogas. Passei meses tentando fazê-la desistir de traficar drogas; Fiquei avisando-a repetidamente que ela seria pega. Então, uma noite, quando estávamos entrando juntos em um restaurante, Kathy parou e disse: “Não posso entrar. Sentado no restaurante estava um inspetor de polícia que eu conhecia. “Eu tenho que dizer a verdade”, disse Kathy. “Eu tenho um relacionamento com ele.” Certamente, essas são coincidências estranhas. Talvez eu tenha precognição.5

É possível que ao escrever Flow My Tears Dick tenha incorporado “memórias futuras” subliminares em sua obra de ficção? Como sabemos, a maioria dos escritores usa técnicas de visualização nas quais eles permitem que seu subconsciente leve a história para onde ela precisa ir. Será que Phil simplesmente acessou as “memórias” de seu próprio hemisfério não dominante? Houve um segundo incidente na vida de Dick, no qual ele se viu experimentando na vida real um evento que descreveu anteriormente em Flow My Tears.

No livro, um dos personagens, Felix Buckman, encontra um estranho negro em um posto de gasolina a noite. Buckman está em um estado muito emotivo, pois acabou de ouvir que sua irmã havia morrido. O estranho e Buckman fazem uma ligação emocional. Buckman então se afasta, apenas para voltar e abraçar o homem alguns minutos depois. Quatro anos depois de escrever o romance, Phil se viu ajudando um estranho em um posto de gasolina durante toda a noite quando foi dominado por uma poderosa sensação de déjà vu:


De repente, percebi que essa era a cena do meu romance – o romance escrito oito anos antes. O posto de gasolina que ficava a noite toda aberto estava exatamente como eu o imaginara quando escrevi a cena – a luz branca, o rapaz da bomba – e agora vi algo que nunca tinha visto antes. O estranho que eu estava ajudando era negro. Voltamos ao carro parado, apertamos as mãos e depois voltei ao meu prédio. Eu nunca mais o vi. Ele não pôde me pagar, porque eu não havia dito a ele qual dos muitos apartamentos era meu ou qual era meu nome. Fiquei terrivelmente abalado com essa experiência. Eu literalmente vivi uma cena completamente como apareceu no meu romance. 


O Golpe de Estado (soft coup) suave em curso nos EUA (Guerra Civil à vista)

Dick escreveu Flow My Tears no início da década de 1970, um período de sua vida em que ele ficou fascinado pelo funcionamento dos dois hemisférios do cérebro. Como já vimos, Dick ficou intrigado com o trabalho de Julian Jaynes. Ele também tomara conhecimento das operações cirúrgicas de Roger Sperry, um neurocirurgião do Instituto Californiano de Tecnologia. Sperry e seu colega Michael Gazzaniga haviam operado o cérebro de indivíduos com epilepsia grave.

Acreditava-se que, cortando os canais de comunicação entre os dois hemisférios do cérebro, eles poderiam impedir que as crises se espalhassem por todo o cérebro. No objetivo inicial, obtiveram sucesso, os pacientes apresentaram uma melhora acentuada. Mas houve efeitos colaterais intrigantes, incluindo a observação bizarra de que os pacientes haviam se tornado com personalidades duplas. Com efeito, Sperry e Gazzaniga criaram uma situação neurológica semelhante ao bicameralismo de Jaynes. Dick ficou fascinado com as implicações dessas operações e se perguntou se sua “voz interior” poderia ser explicada por esse resultado.

No início de março de 1974, Dick leu um artigo na popular revista científica Psychology Today, que sugeria que ele pudesse verificar suas suspeitas sobre sua própria dualidade mental. O autor do artigo Harvey Ross descreveu como a condição de um menino com visões severas induzidas por esquizofrenia foi melhorada pela introdução de uma dieta rica em proteínas e pobre em carboidratos, complementada por um coquetel de vitaminas. Ross deu a receita do coquetel e incluiu nele as instruções de que 500 mg de vitamina C devem ser tomados no primeiro mês, com um aumento de 1.000 mg no segundo mês. Ross argumentou que a grande dose de vitaminas traz uma melhora acentuada no disparo das células cerebrais (neurônios), o que, por sua vez, facilita a sincronização dos dois hemisférios do cérebro.7



Dick estava muito empolgado com essa descoberta. Era uma maneira de ele se curar de seu próprio “bicameralismo”, reconectar os dois hemisférios de seu cérebro e finalmente abrir uma comunicação direta, e não arbitrária, com a parte dele que se identificara como seu “Espírito Tutelar” [Talvez o seu EU SUPERIOR] . ”Como o coquetel de vitaminas era solúvel em água e facilmente disponível em qualquer farmácia, Dick decidiu que ele mesmo tentaria isso. Ele já estava ciente dos desenvolvimentos na neurologia, sugerindo que os hemisférios direito e esquerdo do cérebro funcionam independentemente e que a maioria das pessoas “normais” usa apenas seu hemisfério “dominante”. Para Phil, era lógico concluir que, usando a receita de Ross, a consciência humana poderia ser elevada a outro nível de consciência:

Ocorreu-me que talvez em uma pessoa normal com sincronização normal, ou seja, com sincronização média, isso possa causar o disparo tão eficiente que os dois hemisférios do cérebro possam se unir. 8

Ele então continua descrevendo como, depois de tomar a dose, descobriu que seus dois hemisférios realmente “se uniram” como ele a denominou. De acordo com um de seus biógrafos, Lawrence Sutin, Dick realmente errou a receita e acabou tomando sete gramas a mais de vitamina C do que deveria. 


Velha (des)Ordem desmorona: China e Rússia lideram cooperação e crescimento da Eurásia

Essa “reunião” pode ter facilitado a parte mais intrigante da vida de Dick; uma série de eventos que ocorreram em fevereiro e março de 1974 que mais tarde ele descreveria como sendo sua “teofania”. Seu uso da redação aqui é bastante preciso. “Teofania” é grego para “a experiência de Deus” e é exatamente isso que Phil acreditava que ocorreu naquele período. Parece que a overdose de vitamina C, misturada com um coquetel de analgésicos que ele tomava para aliviar os sintomas de um dente do siso afetado, pode ter permitido que seu misterioso parceiro se tornasse muito mais imanente em sua vida. Ele chamou essa entidade de “IA”, “Firebright”, Zebra, “Sophia”, Shekinah, finalmente se estabelecendo como VALIS, “Vast Acting Living Intelligence System” (VALIS, “Sistema de Inteligência Vasta e Ativa”). Este ser tornou-se muito ativo na vida de Phil. Organizou suas contas,

Então, qual foi a fonte dessa “mente transcendentalmente racional”? Era realmente uma manifestação de Deus que Phil acreditava que fosse? Era simplesmente um “diálogo interno” incompreendido, sugerindo que Phil estava experimentando uma forma de esquizofrenia? Uma sugestão intrigante feita por, entre outros, o astrofísico Bernard Haisch, o antropólogo Martin W. Ball e o comediante Bill Hicks é que somos todos Deus e que, em certas circunstâncias, todos podemos acessar elementos da “mente de Deus”[absolutamente CORRETO].

Phillip K. Dick tinha uma opinião semelhante. Em seu diário pessoal, agora publicado sob o título de A Exegese de Philip K. Dick, Dick faz o seguinte comentário:


Nós mesmos somos unidades do sistema de memória de Deus (o organismo total)? Suponhamos que, para alguns de nós, pelo menos, esse (chamado, eu acho, testemunhar) seja nosso principal objetivo? Nós somos (partes de) sua memória?

Dick uma vez se descreveu como um “pan-ateísta acósmico”. Ele definiu isso como alguém que não acredita que o universo exista em si mesmo, mas que é uma extensão de Deus no espaço e no tempo. Para Phil, Deus existe fora do espaço e do tempo e se estende e abrange todo o espaço-tempo.


O QUANTO você esta disposto(a) à descobrir sobre a verdade?



Em seu romance VALIS, ele descreveu isso como sendo um “deus oculto”, que se assemelha a “paus, árvores e latas de cerveja em sarjetas”, acrescentando mais tarde que Deus posteriormente se torna “detritos que não são mais percebidos”. Na exegese, ele foi além : “Premissa: as coisas estão do avesso… Portanto, o lugar certo para procurar o Todo-Poderoso está, por exemplo, no lixo do beco.”

Nesse modelo, o que exatamente é “Deus”? É claro que Dick não estava descrevendo o conceito ocidental de divindade pessoal, mas mais a idéia oriental de uma força vital impessoal onipresente e onisciente que permeia tudo. Trabalhos recentes de pesquisadores como Vlatko Vedral, Tom Campbell, Nick Bostrom e Frank Tipler sugerem que o grande mistério da divisão da mente e da matéria pode ser explicado se, em um nível mais fundamental, tudo é simplesmente informação matemática.

Em seu livro Decoding Reality , o físico quântico Vedral apresenta suporte para essa crença. De fato, o universo e tudo nele são um enorme programa de “computador” que contém as informações codificadas de tudo o que aconteceu, esta acontecendo e pode acontecer. Este “programa” existe fora do espaço-tempo (na medida em que o próprio espaço-tempo faz parte do programa). Em uma citação que poderia ter sido extraída da exegese de Dick , o matemático francês Alain Connes fez a seguinte observação:

É a humildade, finalmente, que me obriga a admitir que o mundo matemático existe independentemente da maneira pela qual o apreendemos, que não está localizado no tempo e no espaço. Mas a maneira pela qual a apreendemos está sujeita a regras muito semelhantes às da biologia. A avaliação de nossa percepção da realidade matemática faz com que um novo sentido se desenvolva, o que nos dá acesso a uma realidade que não é nem visual nem auditiva, mas é algo completamente diferente.
Monarch (MK-ULTRA) Programa de Controle Mental dos EUA

Como somos todos elementos do programa, é lógico concluir que, em determinadas circunstâncias, podemos perceber informações no programa. Essa informação (ou informação, como foi denominada por outro grande cientista-filósofo, David Bohm) é análoga aos dados digitalizados encontrados codificados na superfície reflexiva de um DVD. O DVD contém TODAS as informações do respectivo filme, videogame ou qualquer outra narrativa linear criada para reproduzir uma obra.

Mas a natureza linear existe apenas do [limitado] ponto de vista do observador. Na realidade, todas as informações existem em um único local, neste caso, o próprio DVD. Muitos anos atrás, Philip K. Dick fez uma analogia semelhante usando a tecnologia de seu tempo, um disco de gramofone de longa duração. O sistema de informação em que o universo físico se baseia:

… Contém nele como plano ou extensão simultânea tudo o que era, assim como os sulcos de um LP contêm a parte da música que já foi tocada; eles não desaparecem depois que a agulha os rastreou. Um registro fonográfico é, na verdade, uma longa espiral helicoidal e pode ser representado inteiramente de uma forma geométrica plana: no espaço, embora eu suponha que você possa falar sobre a agulha que acumula a música à medida que ela avança.

Isso explica a origem da “mente transcendentalmente racional” de Dick? Ele estava realmente acessando o campo de informação a partir do qual tudo o que percebemos é construído? Ou simplesmente ele havia tomado muitas substâncias que alteram a mente?

Seja como for, o encontro de Philip K. Dick com o noético continuará fascinando, seduzindo e intrigando todos os que os encontrarem e, ao fazê-lo, será a fonte de debate e discussão por muitos anos. Espero que este artigo tenha dado sua pequena contribuição a essas discussões.



Acesso remoto ao Futuro/Passado (“Project Looking Glass”) e a guerra entre Trump e Deep State

A adaptação cinematográfica do romance “Radio Free Albemuth“, de Philip K. Dick, foi lançada em junho de 2014. O filme foi escrito, dirigido e produzido por John Alan Simon e estrelado por Alanis Morissette no papel principal.


Este artigo foi publicado na revista New Dawn Special Issue Vol 8 No 4 .


Fonte: 






 

Site Pincipal: http://achama.biz.ly/
 
 
 
 
Para outros artigos espirituais e denúncias por favor visite:
 
BitChute Channel do Jordan Sather




Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.
A religião organizada é desnecessária à espiritualidade.
Excelentes ensinamentos dos mestres têm sido contaminados pelo controle dogmático dessas religiões.
Discernimento sim; julgamento não.
Com discernimento é possível alcançar o espírito da letra de qualquer escritura e é também bem mais fácil escutar a voz da alma que vem do coração.
 

 
Por favor, respeitem todos os créditos


Recomenda-se o discernimento.

 
Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores

 

Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.

 

Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.

 

 
Atualização diária.
 
Free counters!



geoglobe1