Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Os deuses Anunnaki e Nephilim.

Os deuses Anunnaki e Nephilim.

http://www.halexandria.org/.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch 

 
 
.
 
 
 

Nephilim é frequentemente traduzido como “gigantes”, uma interpretação legítima e apropriada, mas que pode ser apenas parcialmente precisa. Uma definição melhor pode ser “aqueles que desceram”[dos “céus”], “aqueles que desceram” ou “aqueles que foram abatidos”. Os Anunnaki dos antigos textos sumérios são similarmente definidos como “aqueles que vieram do céu para a terra”. Zecharia Sitchin [1], Laurence Gardner [2] e Willian Bramley [3] identificaram os Nephilim como os Anunnaki, mais especificamente, como os seus soldados rasos.

 
 
 
Em Gênesis 6: 1-4 se declara que:
 
“E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas,

Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. Então disse o Senhor: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama”. –  Gênesis 6:1-4

Nephilim é frequentemente traduzido como “gigantes”, uma interpretação legítima e apropriada, mas que pode ser apenas parcialmente precisa. Uma definição melhor pode ser “aqueles que desceram”[dos “céus”], “aqueles que desceram” ou “aqueles que foram abatidos”. Os Anunnaki dos antigos textos sumérios são similarmente definidos como “aqueles que vieram do céu para a terra”. Zecharia Sitchin [1], Laurence Gardner [2] e Willian Bramley [3] identificaram os Nephilim como os Anunnaki, mais especificamente, como os seus soldados rasos.
Na Bíblia, no Velho Testamento também existem várias referências a um povo de gigantes chamados por ANAQUIN, um nome muito semelhante a Anunnaki:


“E antes o nome de Hebrom era Quiriate-Arba, porque Arba foi o maior homem entre os ANAQUINS. E a terra repousou da guerra”. –  Josué 14:15
“Os emins dantes habitaram nela; um povo grande e numeroso, e alto como os gigantes. Também estes foram considerados gigantes como os ANAQUINS; e os moabitas os chamavam emins”. –  Deuteronômio 2:10,11
Praticamente todos os estudiosos históricos e teológicos de mente aberta concordam que o livro de Gênesis do Antigo Testamento foi extraído dos registros sumérios mais antigos, apenas por causa da semelhança em suas  religiões comparativas . O épico Enuma Elish , a Epopéia da Criação Suméria e o Gênesis têm uma enorme variedade de elementos comuns. As histórias de um grande dilúvio e , entre outras histórias, também são comuns aos relatos sumérios e bíblicos. Uma conclusão inevitável é que os Anunnaki [Anaquins] eram tão reais quanto Noé, Moisés ou Abraão. 
Laurence Gardner [2] escreveu:
“Cada item de atestado escrito e pictórico confirma que os antigos sumérios eram absolutamente sinceros sobre a existência dos Anunnaki, e aqueles indivíduos como Enki, Enlil, Nin-khursag e Inanna cumpriram funções terrenas com a comunidade designada como deveres. Eles eram patrocinadores e fundadores; eles eram professores e juízes; eles eram tecnólogos e fazedores de reis. Eles eram venerados conjunta e separadamente como arcontes e mestres, mas certamente não havia ídolos de adoração religiosa como os deuses ritualísticos de culturas subsequentes se tornaram. Na verdade, a palavra que acabou sendo traduzida como ‘adoração’ foi avod , que significava simplesmente ‘trabalhar’. A presença dos Anunnaki pode confundir os historiadores, sua linguagem pode confundir os lingüistas e suas técnicas avançadas podem confundir os cientistas, mas descartá-los é tolice. Os próprios sumérios nos disseram exatamente quem eram os Anunnaki, e nem a história nem a ciência podem provar o contrário”.  
Os registros sumérios registraram em grande detalhe as histórias dos Anunnaki e, entre elas, de alguns personagens centrais, Enki, Enlil, Ninki, Inanna, Utu, Ningishzida, Marduk e muitos outros. A principal dessas histórias era o conflito contínuo entre Enki e Enlil , os filhos do deus supremo da época, Anu. Muito da história humana antiga e do Gênesis bíblico podem ser explicados como as diferenças militantes entre esses dois meio-irmãos e como eles afetaram a vida de todos os seres sencientes na Terra.
Mas os Anunnaki eram mais do que apenas um par de meio-irmãos briguentos. Eles eram o conselho de deuses e deusas , que se reuniam periodicamente para considerar suas ações futuras em relação uns aos outros e, provavelmente, como um item menor e indefinido em sua agenda, o destino da humanidade [que eles criaram]. Os Anunnaki, dependendo do contexto, eram os Nephilim , os deuses que o pai de Abraão, Terah, (de acordo com o livro de Josué) teria servido, eram os anjos caídos [Fallen Angels – The Watchers, os Vigilantes], os indivíduos menores da raça da qual Anu, Enki, Enlil, Inanna e os outros notáveis ​​surgiram, e “juízes” sobre a questão da vida e da morte.    Eles eram de fato os “bene ha-elohim”, que se traduz como “os filhos dos deuses”, ou igualmente provável, “os filhos das deusas”. Por exemplo, do Salmo 82:
“Deus [El] está na congregação dos poderosos; julga no meio dos deuses [Elohim] . Até quando julgareis injustamente, e aceitareis as pessoas dos ímpios? (Selá.) Fazei justiça ao pobre e ao órfão; justificai o aflito e o necessitado. Livrai o pobre e o necessitado; tirai-os das mãos dos ímpios. Eles não conhecem, nem entendem; andam em trevas; todos os fundamentos da Terra vacilam. Eu disse: Vós sois deuses {Elohim], e todos vós filhos do Altíssimo [El]. Todavia morrereis como homens, e caireis como qualquer dos príncipes. Levanta-te, ó Deus, julga a terra, pois tu possuis todas as nações”. –  Salmos 82:1-8
Os Anunnaki também foram comparados com os “Vigilantes” (que também são mencionados nos livros de Daniel e Jubileus), ou seja, conforme esta escrito no livro de Daniel:
“Estava vendo isso nas visões da minha cabeça, estando eu na minha cama; e eis que um vigia, um santo, descia do céu”, – Daniel 4:13
De acordo com Zecharia Sitchin [1] e sua tradução e interpretação dos antigos textos sumérios, os Anunnaki eram seres extraterrestres (também conhecidos como “anjos”?), Que eram uma raça com um tempo de vida extremamente longo, podendo viver até mais de 500.000 anos. Laurence Gardner [2] reduz isso [erroneamente] para a ordem de 50.000 anos, e observa especificamente que os Anunnaki não eram imortais. Ele ressaltou que não existem registros existentes que se relacionem com suas mortes naturais, mas as mortes violentas de Apsu, Tiamat, Mummu e Dumu-zi são fornecidas com alguns detalhes. (Sitchin e Gardner também discordam sobre a data do Grande Dilúvio; Sitchin assumindo um período em torno de 11.000 aC, [foi em 10.986 aC] enquanto Gardner assume que foi cerca de 4.000 aC)
O livro de Sitchin, O 12º Planeta, da série Cronicas da Terrapublicado em 1976 foi o primeiro volume moderno a começar a descrever os Anunnaki e os Nephilim e sua chegada à Terra, supostamente, em cerca de 485.000 anos atrás, e o planeta e sistema solar de onde eles vieram – um planeta chamado Nibiru, que orbita a estrela/sol Sírius, na Constelação do Cão Maior. Sitchin acredita que Nibiru está em uma órbita ao redor do nosso Sol, mas em uma órbita fortemente elíptica que requer 3.600 anos terrestres para fazer uma órbita completa [entre os dois sistemas solares, o nosso e Sírius].  Pensa-se que o periélio de Nibiru (ponto de abordagem mais próximo do Sol) está dentro do cinturão de asteróides principal entre Marte e Júpiter [antiga localização do planeta Maldek], a uma distância do Sol de aproximadamente 2,75 UA (uma UA sendo a distância média do Sol à Terra). (os Anais da Terra inclui uma descrição detalhada de como Nibiru criou o cinturão de asteróides destruindo um planeta, Tiamat, na mesma atual órbita do Cinturão de Asteroides, e que criou a Terra na sequência, a Terra sendo um remanescente do planeta maior que foi destruído.)

 
Soldado dos EUA diz que matou à tiros gigante (Nephilim?) com cerca de 4,5 metros no Afeganistão.
FONTE
Nibiru não é conhecido pela “astronomia moderna” principalmente devido à natureza elíptica extrema de sua órbita e ao fato de seu afélio (ponto mais distante do Sol na órbita do planeta) ser outro sistema solar, a estrela/sol de Sírius. Além disso, Nibiru pode estar [e realmente esta] agora muito longe no espaço profundo e improvável de ser detectado. (Ou perto, por exemplo, Planeta X ).  {Sua última passagem pelo interior de nosso sistema solar, sem causar NENHUMA CATÁSTROFE pode ter coincidido com o fenômeno da Estrela de Belém durante o nascimento de Jesus Cristo, fenômeno astronômico que foi visto desde a Pérsia até a Palestina, durante um certo tempo, antes disso sua anterior passagem teria sido em torno de 3.760 a.C., coincidindo com a DATA DE INÍCIO do calendário HEBREU …}
Embora Sitchin e Gardner possam discordar do período da extensão da longa vida dos Anunnaki, é claro que esses deuses e deusas, acidentes descobertos ou “Anunnaki-cida”, vivem muito tempo, pois nenhum dos grandes personagens [como Enlil, Enki, Inanna, et caterva] tem sua morte narrada desde que chegaram na Terra a cerca de 500 mil anos atrás. Também foi teorizado que, por causa de sua longa vida, eles não se movem exatamente na “via rápida” – pelo menos na medida em que os humanos o fazem.
Isso pode ser fundamentalmente importante porque, muito possivelmente, o curtíssimo tempo de vida humano, embora enormemente breve em comparação com os deuses e deusas Anunnaki, pode, no entanto, ser compensado pelos humanos possuírem a capacidade de realizar muitas coisas em um tempo relativamente curto. A criatividade de uma vida encurtada e, portanto, altamente motivada é provavelmente muito maior do que a de um deus ou semideus descansando sobre seus louros. Isso também pode estar relacionado à ideia de por que os deuses e deusas Anunnaki se preocupam com a humanidade. Os humanos podem, por um lado, atuar como trabalhadores para cumprir a agenda dos Anunnaki, mas uma criatividade acelerada pode valer a pena para os Anunnaki gerenciarem uma tripulação do planeta Terra tão heterogênea quanto a raça humana.
Mas a conexão entre humanos e os Anunnaki é muito mais profunda do que a de mestres e escravos. Todas as evidências defendem fortemente o conceito de que Adão e Eva e seus ancestrais, primos e sei lá mais o quê foram criados pela engenharia genética e pela mistura do DNA dos Anunnaki com algum Homo erectus, o progenitor reinante do homem macaco na época. Fundamentalmente, isso aconteceu porque os Anunnaki precisavam de alguém [escravos] para trabalhar nas minas [no sul da África, inicialmente] em busca de ouro e outros metais preciosos .
O site http://www.vibrani.com/Anunnaki.htm fornece o que pode ser apenas uma visão privilegiada dos Anunnaki – mas da perspectiva de Enki. A vantagem deste link é que ele fornece muitos detalhes sobre a história pré-Anunnaki. Embora essas informações canalizadas sejam sempre especulativas, elas merecem uma consideração séria.
Outra fonte especulativa de possíveis implicações é o site de William James, Zero Point – Power of the gods, no qual ele deu uma possível resposta à pergunta lógica de qual era a fonte de energia / poder dos Anunnaki. Com efeito, ele vinculou a física e a história antiga por meio de “uma série de aventuras que enfoca os potenciais ilimitados da Energia de Ponto Zero e os deuses antigos das civilizações que existiram há muito tempo. “Por meio de evidências de apoio, esta combinação de ciência e história efetivamente fornece maior credibilidade para ambos. Além disso (e em muitos aspectos importantes, os escritos do Sr. James também podem” estimular a imaginação do leitor a considerar as possibilidades desta fantástica fonte de energia “… para não mencionar dar uma intrigante visão sobre os praticantes dessa fonte de energia, os Anunnaki.
A questão mais fundamental com respeito aos Anunnaki é se eles ainda estão ou não na Terra! Zecharia Sitchin [1] apontou que ele nunca disse que eles saíram (e não há evidências de que tenham saído). Houve, no entanto, uma mudança política aparentemente fundamental dos Anunnaki por volta de 600 aC, em que a interferência aberta e cotidiana dos Anunnaki [a interferência DIRETA de extraterrestres] nos assuntos humanos desapareceu. Há também o cenário encapsulado na ópera clássica de Richard Wagner, The Ring of the Nibelung , que incluía Night Falls on the Gods e a entrada dos deuses em Vahalla – títulos que sugerem possíveis mudanças no status dos deuses Anunnaki. Finalmente, existe evidências que sugerem que este estado de coisas pode ser temporário e pode estar programado para terminar após o fim do calendário maia [o 13º Baktun] que aconteceu em 22 de dezembro de 2012.
Do ponto de vista da humanidade, a natureza disfuncional da família de deuses Anunnaki e a rivalidade contínua  de Enki e Enlil [Yahweh] pode ainda estar em curso e ter enormes efeitos na nossa vida física, emocional, mental e espiritual, na superfície do planeta. É uma pergunta muito importante e que precisa ser respondida por cada um de nós.
“E houve ainda outra guerra em Gate; onde havia um homem de grande estatura, e tinha vinte e quatro dedos, seis em cada mão, e seis em cada pé, e que também era filho de gigante”. 1 Crônicas 20:6.
 
 




Sítio (site) Principal: http://achama.biz.ly/
e-mail: site@achama.biz.ly
 
 
Para outros artigos espirituais e denúncias por favor visite:
 
Vídeos banidos alternativos




Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.
A religião organizada é desnecessária à espiritualidade.
Excelentes ensinamentos dos mestres têm sido contaminados pelo controle dogmático dessas religiões.
Discernimento sim; julgamento não.
Com discernimento é possível alcançar o espírito da letra de qualquer escritura e é também bem mais fácil escutar a voz da alma que vem do coração.
 

 
Por favor, respeitem todos os créditos


Recomenda-se o discernimento.

 
Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores

 

Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.

 

Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.

 

 
Atualização diária.
 
Free counters!


 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.