Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Antártida: descoberto vulcão ativo ~ Ker Than

Erupção poderia elevar os níveis dos oceanos: Um recém-descoberto vulcão foi encontrado enterrado sob uma espessa camada de gelo na Antártida.

 27/11/2014

 

Erupção poderia elevar os níveis dos oceanos: Um recém-descoberto vulcão foi encontrado enterrado sob uma espessa camada de gelo na Antártida. Ele poderia acelerar a perda de gelo e elevar os níveis globais dos oceanos quando ele entrar em erupção plena, dizem cientistas que o descobriram enterrado sob espessa camada de gelo com um quilômetro de espessura.

Tradução, edição e imagens:
Thoth3126@gmail.com

Vulcão ativo encontrado sob o gelo da Antártida: Erupção poderia elevar os níveis dos oceanos. Erupção Inevitável vai acelerar a perda de gelo no continente gelado, diz estudo.

http://news.nationalgeographic.com/http://www.voanews.com/

Ker Than for National Geographic

Um recém-descoberto vulcão foi encontrado enterrado sob uma espessa camada de gelo com cerca de um quilômetro de espessura na Antártica que poderia acelerar a perda de gelo e elevar os níveis globais dos oceanos quando ele entrar em erupção, dizem os cientistas.

Um grupo de cientistas da Universidade de Washington, inicialmente se reuniram para estudar a história do clima da Antárctica. Para isso, eles montaram equipamentos sísmicos em todo a região de Marie Byrd Land, no oeste da Antárctica para “pesar o gelo.” 



Os sismólogos detectaram atividade vulcânica sob o gelo a cerca de 55 km á frente do Monte Sidley (acima) e descobriram um novo vulcão sob uma camada de gelo de um quilômetro.

Dois eventos sísmicos, um em Janeiro de 2010 e outro em março de 2011, intrigou a equipe. Os eventos eram fracos e de freqüência muito baixa , o que sugeria fortemente que eles não eram de origem tectônica.


A descoberta, detalhada na edição atual da revista Nature Geoscience, marca a primeira vez que um vulcão ativo foi descoberto encoberto sob o gelo do continente gelado da Antártica. (Veja também “gigantes sob o oceano Vulcões encontrados na Antártida.” )

Quando ele entrará em erupção plena, ninguém pode prever, mas quando acontecer “vai criar lagos muito cheios com milhões de litros de água por baixo do gelo”, disse o líder do estudo, Doug Wiens, professor de ciências da terra e planetária da Universidade de Washington em St. Louis, em um comunicado.

Esta água vai correr por debaixo do gelo em direção ao mar e se alimentar em uma das principais correntes de gelo que drenam o gelo da Antártica para a Plataforma de Gelo Ross, explicou Wiens.

O que há de novo?

A descoberta do novo vulcão foi acidental. Em janeiro de 2010, os cientistas criaram uma série de sismógrafos, ou detectores de terremotos, na região de Marie Byrd Land, uma região montanhosa no oeste da Antártida. A matriz dos instrumentos detectou dois enxames de terremotos com cerca de um ano de diferença, em 2010 e 2011. Os terremotos eram pequenos, com magnitudes de entre 0,8 e 2,1.


O cume do Monte Erebus lança uma longa sombra sobre o Mar de Ross. O Monte Erebus é o vulcão mais ativo na Antártida e um dos poucos no mundo com um lago permanente de lava derretida em sua cratera. FOTOGRAFIA DE GEORGE STEINMETZ, CORBIS

Os tremores ocorreram a uma profundidade de cerca de 15 a 25 milhas (25 a 40 km), perto da fronteira entre a crosta e o manto da Terra, e muito mais profundos do que os terremotos normais da crosta terrestre. A profundidade em que os terremotos ocorreram, bem como a sua baixa freqüência, sugere que eles poderiam ser chamados de terremotos profundos de longo período, ou DPLs (Deep Long Period earthquakes), que ocorrem em áreas vulcânicas.

“Os pesquisadores não estão realmente certos ainda sobre o que causa os DPLs”, disse Amanda Lough, estudante de pós-doutorado no laboratório de Wiens e o primeiro autor do estudo, em um comunicado. “Parece que variam de acordo com cada complexo vulcânico, mas a maioria dos pesquisadors pensam que é o movimento do magma e outros fluidos que leva a produzir vibrações induzidas por pressão em rachaduras nos sistemas vulcânicos e hidrotermais.”

Porque é que a descoberta é importante?

Lough e sua equipe dizem que não é uma questão de se o vulcão recentemente descoberto vai entrar em erupção, mas quando. “É mais provável que ele já entrou em erupção antes“, disse Lough. Isso porque o vulcão fica no topo de uma parte elevada de terra que a equipe acredita que é composta de material que irrompeu anteriormente.

O que aconteceria em uma erupção?

O vulcão está coberto pelo peso de uma cobertura de mais de meia milha (um quilômetro) de gelo, por isso teria que ser uma erupção extraordinariamente poderosa para romper a superfície. No entanto, o calor do vulcão poderia aumentar a fusão a base de água de degelo glaciar e poderia atuar como um lubrificante que faz com que o fluxo de gelo que se sobrepõe ao mar derreta mais rápido. O nível do mar poderia subir uma certa quantidade como resultado.


A Terra de Marie Byrd, é a única porção do mundo que não é e nem pertence a uma nação soberana. Mesmo não tendo governo podemos dizer que ela é autônoma, pois não depende de nenhum país. Não podemos confundir, Marie Byrd não é um país e também não pertence a nenhum.

“Nós não estamos falando de uma grande erupção, que causaria que a camada de gelo viesse a derreter e causar um aumento do nível do mar catastrófico”, disse Lough à National Geographic.

“Este complexo vulcânico atua há milhões de anos … Houve erupções no passado deste sistema e o gelo vem sobrevivendo durante milhões (??) de anos, [assim] erupções futuras sozinhas não vai fazer com que a camada de gelo acabe em colapso.”

O que vem a seguir?

A maioria dos sismógrafos utilizados para descobrir o vulcão foram removidos e instalados em outras áreas na Antártica, por isso um estudo mais aprofundado da sua atividade sísmica atual já não é possível. Mas Lough disse que espera que os cientistas vão continuar a estudar o vulcão usando outros instrumentos.

“Estou muito animada, porque este trabalho despertou um grande interesse na comunidade de glaciologia”, ela disse, “e espero que alguém vá aceitar o desafio de responder às perguntas de quais são os possíveis resultados de uma erupção.”

Saiba mais em:
http://thoth3126.com.br/nazistas-na-antarticaum-video-russo-a-respeito/
http://thoth3126.com.br/antartica-degelo-comecou-e-e-irreversivel-dizem-cientistas/
http://thoth3126.com.br/antartica-com-o-degelo-aparecem-piramides/
http://thoth3126.com.br/antartica-derretimento-de-enorme-geleira-e-irreversivel/
http://thoth3126.com.br/eventos-incriveis-acontecendo-na-antartica/
http://thoth3126.com.br/novo-telescopio-no-polo-sul-spt-south-pole-telescope/
http://thoth3126.com.br/antarctica-tem-lagos-com-aguas-quentes-em-seu-interior/
http://thoth3126.com.br/antartica-estranhas-aberturas-e-base-nazista-neuschwabenland/
http://thoth3126.com.br/operacao-highjump-conexao-ufo-dos-nazistas-na-antartica/
http://thoth3126.com.br/nazistas-na-antartica-e-a-conexao-ufo-operacao-highjump-final-2/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Posted by Thoth3126 on 27/11/2014

www.thoth3126.com.br


Por favor, respeitem todos os créditos
Arquivos em português:

 Atualização diária