Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Asteroide se desintegrou misteriosamente, Hubble registra em fotos.

Asteroide P/2013 R3 

sofreu misteriosa desintegração

Posted by Thoth3126 on 18/01/2015

asteroide-breakdown-01



O Telescópio Espacial Hubble da NASA gravou o fato inédito e nunca antes visto, a quebra em pedaços de um asteróide em até 10 pedaços menores.

Cometas frágeis, que são compostos de gelo e poeira, foram vistos caindo aos pedaços ao se aproximar do sol, mas nada como isso já foi observado antes no cinturão de asteroides.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Misteriosa Desintegração do Asteroide P/2013 R3, testemunhado pelo Telescópio Espacial Hubble

Créditos: Dr. Tony Phillips | Crédito: Science @ NASA

“Isto era um rocha espacial, e vê-la desmoronar diante de nossos olhos foi incrível”, disse David Jewitt, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, que liderou a investigação astronômica do evento.

O asteróide se desintegrando, foi designado de P/2013 R3, e foi notado pela primeira vez como um objeto difuso de aparência incomum pelos observadores do Catalina e Cometa Pan starrs em 15 de setembro de 2013. Observações de acompanhamento se iniciou em 1º de Outubro com o Observatório WM Keck no topo do Mauna Kea, um vulcão adormecido na ilha do Havaí, que revelou três corpos em movimento juntos em um envelope de poeira com tamanho de quase o diâmetro da Terra.


Esta série de imagens do Telescópio Espacial Hubble revela o rompimento de um asteroide durante período de vários meses, com início no final de 2013. Os maiores fragmentos são de até 180 metros (200 jardas) de raio de tamanho.

“O Observatório Keck nos mostrou essa coisa que valia a pena olhar com o Hubble”, disse Jewitt. “Com a sua resolução superior, as observações do telescópio espacial Hubble logo mostrou que havia realmente 10 objetos incorporados, cada um com caudas de poeira tipo de cometa. Os quatro maiores fragmentos rochosos são de até 400 metros de diâmetro, cerca de quatro vezes o comprimento de um campo de futebol.”

Os dados do Hubble mostram os fragmentos se afastando uns dos outros em um passeio com velocidade próxima a uma milha por hora. O asteróide começou a se quebrar e desmoronar no início do ano passado, mas novas peças continuam a revelar-se, como provado nas imagens mais recentes.

É improvável que o asteroide se desintegrasse por causa de uma colisão com outro asteroide, o que teria sido instantâneo e muito violento por comparação com o que foi observado. Detritos de tal colisão em alta velocidade também seria de se esperar que viajasse muito mais rápido do que a velocidade observada. Nem o asteroide se desintegraria devido à pressão dos gelos interiores, aquecimento e vaporização.

Isso deixa um cenário em que o asteroide está se desintegrando devido a um efeito sutil da luz solar, o que faz com que a taxa de rotação do asteroide aumentar gradualmente. Eventualmente, as suas partes componentes – como uvas em uma haste – sucumbiram à força centrífuga e foram jogadas para longe. A possibilidade de desintegração dessa maneira tem sido discutida pelos cientistas durante vários anos, mas nunca havia sido observada de forma confiável.

Para este cenário ocorrer, o asteroide P/2013 R3 devia ter uma pequena fratura interior – provavelmente como resultado de numerosas colisões não destrutivas com outros asteroides. A maioria dos pequenos asteróides se imagina terem sido severamente danificados desta forma. O P/2013 R3 é provável que seja o subproduto de uma tal colisão em algum momento nos últimos bilhões de anos.

Com a descoberta anterior de um asteróide ativo com seis caudas , chamado P/2013 P5, os astrônomos estão descobrindo mais evidências de que a pressão da luz solar pode ser a principal força causando a desintegração de pequenos asteroides – com menos de um quilômetro de diâmetro – em nosso sistema solar.

Detritos remanescentes do asteróide, pesando cerca de 200 mil toneladas, vai, no futuro, fornecer uma rica fonte de meteoroides. A maioria vai finalmente mergulhar no sol, mas uma pequena fração dos detritos pode um dia se incêndiar em todo nosso céu ao caírem, como meteoros, na Terra.

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br