Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Autoconhecimento – uma jornada

Autoconhecimento – uma jornada

Por Juliana Meyer Luzio.

16 de outubro de 2020

 

 
 
 
O que é autoconhecimento? Ouvimos muito essa palavra e possivelmente acreditamos que nos conhecemos e que sabemos exatamente quem somos.
 
Por um lado, de fato sabemos algumas coisas sobre nós, temos informações concretas sobre nossa vida, nossa história e portanto sobre quem somos.
 
Eu por exemplo sou a Juliana, tenho 43 anos, gosto de viajar, ler, trabalhar, sou curiosa e tenho uma vida agitada com dois filhos, três cachorros e um marido. E posso passar um tempo grande falando sobre minha história e o que sei de mim. O mesmo acontece com você.
 
Sabemos várias coisas sobre nós e podemos dizer que isso é autoconhecer-se. Porém, existem tantas outras que preferimos NÃO saber a nosso respeito ou que estão tão guardadas que raramente acessamos e ainda há aquelas que só descobrimos diante de situações que acontecem em nossa vida.
 
Encontramos assim uma nuance do autoconhecimento que pede um saber mais refinado, que requer observação, acolhimento e não julgamento. Nesta via o autoconhecer-se é ser íntimo das emoções que sentimos, perceber como cada uma delas nos afeta e como reagimos diante de suas manifestações.
 
Eternal Happiness / Pexels
 
Contudo aprendemos a fugir do que sentimos, esconder aquilo que socialmente entendemos como ruim e errado, mas que nos constitui, não tem jeito! Somos seres em evolução, imperfeitos, vulneráveis, impermanentes, inconstantes e nos deparar com isso requer generosidade e compaixão por nós mesmos.
 
Considero essa nuance do autoconhecimento uma jornada – o que é diferente de uma caminhada, uma viagem ou um passeio. Não é apenas trilhar um caminho que já existe, seguir as placas e chegar ao destino, ela requer observação, exploração, atenção, compreensão do todo ao redor, silêncio, cálculos.
 
Nos exige esforço, coragem e dá trabalho. Nos pede flexibilidade, disponibilidade, desprendimento, desapego, pois mudanças acontecerão, coisas ficarão para trás, se quebrarão e ainda, sim, precisaremos continuar limpando e removendo os obstáculos.
 
Nessa jornada adentramos nossa floresta interior, podamos e às vezes arrancamos grandes árvores, cortamos todo o mato e a erva daninha. Teremos que enfrentar fantasmas, medos, monstros e destituí-los do poder que têm sobre nós. Esbarraremos em pedras, buracos, armadilhas, terra ressecada, plantas venenosas e será imprescindível removê-las e ultrapassá-las.
 
Somente após um extenuante e doloroso percurso conseguiremos ter vislumbres de luz e clareiras, avistaremos boas raízes, brotos, flores e conseguiremos semear novas sementes.
 
Conhecer-se não é só um passeio por estradas panorâmicas, planas e com lindos horizontes.
 
Conhecer-se é também mergulhar no escuro, nadar contra a maré, sentir-se triste, decepcionado e cansado, mas reencontrar-se mais forte, seguro e belo na outra margem.
 
Autoconhecimento significa conhecer nossa luz e nossa sombra, reconhecer as repetições familiares que vivemos, as máscaras que vestimos, as fantasias e narrativas que construímos no ambiente em que vivemos. Significa saber de nossa singularidade e dar espaço e visibilidade para simplesmente sermos quem somos neste instante.
 
Quando estamos num processo de autoconhecimento, aprendemos a validar o que temos de diferente, de único, aprendemos a valorizar nossos dons e nossa maneira ímpar de ver e sentir a vida. Sem julgar se somos melhores ou piores do que os outros.
 
Priscilla Du Preez / Unsplash
 
Aliás quando entramos nesse processo e topamos percorrê-lo com afinco, descobrimos que justamente por sermos únicos no olhar, no sentir e no expressar entendemos de verdade que somos um a mais no centro e que todos os outros têm seus valores, sua história e forma de ser, sentir, olhar e expressar. Isso nos tira um peso imenso, o peso da ilusão de ter que ser o melhor.
 
Autoconhecer-se é saber que diante de mim há um outro tão importante, tão singular e tão valioso quanto eu e que ambos, eu e esse outro, nos transformamos diariamente nessa relação e que portanto não corremos risco ao seu lado, ao contrário, a cada dia temos a oportunidade de aprender com ele, aprender mais sobre quem somos diante de cada acontecimento, sentimento e ação que o outro nos provoca.
 
Essa jornada requer principalmente confiança, uma vez que ao começá-la não sabemos onde é o seu fim nem se é possível chegar até ele.
 
Afinal, somos seres humanos e estamos em constante transformação. Somos afetados direta e diariamente pelo meio em que vivemos, o que torna nossa jornada de autoconhecimento algo contínuo.
 
Candice Picard / Unsplash
 
Se temos toda uma carga ancestral que num certo grau nos constitui e temos uma história que foi marcando e orientando nosso modus operandi, temos também o agora e o instante seguinte que chamamos de futuro e que gerarão novas marcas, que nos convocarão a novas maneiras de sentir e novas experiências.
 
Assim autoconhecer-se é algo infinito, contínuo e uma longa jornada!
 
Mas que vale cada passo porque nos liberta da pequenez e do isolamento que supomos sobre nós mesmos e nos conecta com o mistério da vida, do tempo e do pertencer a esse mistério de forma única e complementar.
 
 
Juliana Meyer Luzio
 
Juliana Meyer Luzio
 
Facebook: julianaterapeutaintegrativa | iandeprodutosartesanais
Instagram: @iandeprodutosartesanais
Skype: juliana luzio
Email: juliana@gerovalor.com.br
WhatsApp: (11) 98709-6916
 


 


Sítio (site) Principal: http://achama.biz.ly/
e-mail: site@achama.biz.ly
 
 
Para outros artigos espirituais e denúncias por favor visite:
 
Vídeos banidos alternativos



Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.
A religião organizada é desnecessária à espiritualidade.
Excelentes ensinamentos dos mestres têm sido contaminados pelo controle dogmático dessas religiões.
Discernimento sim; julgamento não.
Com discernimento é possível alcançar o espírito da letra de qualquer escritura e é também bem mais fácil escutar a voz da alma que vem do coração.
 

 
Por favor, respeitem todos os créditos


Recomenda-se o discernimento.

 
Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores

 

Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.

 

Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.

 

 
Atualização diária.
 
Free counters!