Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Benjamin Fulford - 11.08.2014

Cenários de longo prazo para o planeta Terra são negociados entre as várias sociedades secretas.

Por Benjamin Fulford

Tradução: Candido Pedro Jorge 



Aviso aos leitores, esta semana marca o início da minha licença anual de um mês de internet. Portanto, até a edição de 25 de agosto, os informes abrangerão temas não sensíveis ao tempo.

Os recentes acontecimentos no Oriente Médio têm se desenvolvido da mesma forma que me foi explicada pelos Illuminati gnósticos, vários anos atrás. Desde que suas previsões se tornaram realidade, vale a pena mencionar outras predições e acordos alcançados pelas principais sociedades secretas nos bastidores.

No Oriente Médio, a Al Qaeda, agora renomeada como isis, uma organização ocidental dirigida por um ex agente do Komintern na Europa Oriental, quer apagar as fronteiras artificiais criadas pelas potências coloniais durante o século XX. O objetivo é criar um novo califado que se estenda do norte da África até as fronteiras do Irã. Este Califado terá uma estrutura federal independente com base em limites étnicos e históricos. Haverá também um acordo de paz, 800 anos de atraso, celebrado entre facções xiitas e sunitas do mundo islâmico. Os Xiitas fazem parte do Império Persa, incluindo partes do que é hoje o Iraque, Síria e Líbano. Os sunitas estão divididos principalmente etnias: árabe, curda e turca. Israel irá se tornar uma área autônoma judaica no califado. As fronteiras do Califado irão se espalhar por toda a África do Norte. Pelo menos esse é o plano que foi explicado a este escritor por gnósticos illuminati, membros do BIS, da Loja P2 e de outras fontes.

Poderá haver alguma movimentação de grupos étnicos para novas regiões, a fim de tornar possível a criação de fronteiras livres de problemas, dizem as fontes. Isso poderia levar a alguma agitação antes que da poeira assentar.

A África Subsaariana também está em processo de se tornar numa Federação Africana. Espera-se que as fronteiras coloniais artificiais sejam redesenhadas ao longo de linhas étnicas e linguísticas. A exploração da África pelas empresas transnacionais que tiram seus recursos e sonegam impostos já está em processo de ser eliminada. No final do processo, os africanos serão algo como os árabes, no sentido de que sejam ricos, como resultado de seus recursos naturais.

A América do Sul também está formando uma unidade de Governo Federal. Neste momento, ocorre um cabo de guerra entre os norte-americanos que desejam mesclar a América do Sul à América do Norte e a Europa e os chineses que querem aprofundar as suas ligações com uma América do Sul independente. Os chineses estão usando a aliança BRICS como seu método de sedução. Os europeus estão usando um Papa argentino. Os norte-americanos estão tentando abrir suas fronteiras para atrair imigrantes e criar uma união de fato com a América Latina. Isso é o que está por trás da campanha que o governo dos Estados Unidos orquestrou para acomodar imigrantes latinos. No final, a estrutura política flexível será o que os japoneses chamam de "cor Tamamushi". O Tamamushi é um besouro que parece ser de cores diferentes quando vistos de diferentes ângulos. Em outras palavras, todo mundo vai ver a cor que deseja na nova organização.

Os Estados Unidos, como parte de sua mudança para o Leste, estarão cada vez mais integrados com a China, sua principal fonte de financiamento. O resultado mais provável é o aumento da imigração proveniente da China e um aumento da presença de empresas chinesas nos EUA. Isto será especialmente verdade para a Costa Oeste, onde algumas cidades, como São Francisco, provavelmente, acaba com maioria asiática. O Pentágono e o complexo militar-industrial irão tentar se tornar a base para uma das forças de defesa global. Já estamos vendo os esforços do Pentágono para integração com as forças armadas da China, Japão, Coréia do Sul e outras nações. O tipo de governo estabelecido pelo Pentágono é a meritocracia. O exemplo que existe para este novo tipo de governança é aquele visto em programas de televisão e filmes da serie Jornada das Estrelas.

Para a Europa, o cenário de longo prazo requer o centro do poder europeu deslocado para a Alemanha e a Rússia. A disputa sobre a Ucrânia e possíveis novos problemas ocorridos na Europa Oriental, especialmente na Sérvia, fazem parte do processo de ajuste dos limites de influência entre a Rússia e a Alemanha. Países franceses e mediterrâneos encontram suas economias cada vez mais dominadas pela influencia russa e alemã, incluindo um grande número de turistas russos ao longo do Mediterrâneo. Espera-se que a Inglaterra fique de fora e tente manter um centro de comércio internacional e um crescente centro financeiro cada vez mais neutro na linha Suíça. Militarmente, se unirá a outros países de língua Inglesa, como Austrália, Canadá, Nova Zelândia e Estados Unidos.

Na Ásia, a China irá assumir o seu papel tradicional como o Império Central, a ser visto como um lugar de compromisso, moderação e soluções caso a caso. Os chineses também desejam ter a influência que merecem como a nação com a maior população e a maior economia do mundo. Sem duvida, a Historia respalda esta afirmação e não vejo nenhum benefício em ser militarmente agressiva ou tentar controlar outros países.

As nações asiáticas, fora a China continuarão separadas do núcleo central por boas razões históricas. Os mongóis, coreanos e japoneses são todos membros de um grupo linguístico distinto que segue sua ascendência aos povos pastorais das planícies da Eurásia. Sua linguagem é muito diferente da chinesa, com uma diferença básica na ordem das palavras. Enquanto no Inglês e Chinês ordem das palavras é sujeito, verbo, objeto (Eu vou para casa) para os agricultores ("pastores") é SOV, como em "Eu para casa vou". No entanto, como sempre foi o caso, os agricultores mantêm fortes laços com seus vizinhos agrícolas chineses.

O Sudeste Asiático, por sua vez, está dominado por pessoas que fugiram da China durante vários períodos seguintes a mudança de regime e também possuírem uma alergia histórica ao excessivo controle central chinês. Em outras palavras, a Ásia Oriental será dividida basicamente em Ásia chinesa e não chinesa.

Outro gigantesco poder que possivelmente crescerá igual ou até mesmo eclipsar a China é a Índia. A Índia tem uma população muito mais jovem que a China. A percentagem de chienese menores de 15 anos é de 17% contra 31% na Índia. Além disso, 50% da população indiana tem menos de 25 anos de idade e 65% com menos de 35 anos, enquanto a China está envelhecendo rapidamente. Espera-se também que a Índia alcance um auge com o governo recentemente eleito de Modi. Portanto, as tendências demográficas, como estão agora, mostram que a Índia irá começar a ultrapassar a China em duas décadas. Funcionários do governo chinês, por sua vez, estão considerando importar noivas da Índia para compensar a quantidade excessiva de homens não casados, criada pela política do filho único na China.

O resultado final no longo prazo de tal movimento populacional, poderia se transformar em algo conhecido como Chindia.

Estas tendências econômicas, políticas e demográficas de longo prazo, irão forçar o fim das atuais estruturas ocidentais dominadas pelas Nações Unidas, o Banco Mundial, o Tribunal Penal Internacional, o FMI, o BIS, etc.. As nações ocidentais, especialmente os Estados Unidos, agora tem apenas uma possibilidade de escolha: abrir suas instituições internacionais para o mundo, ou simplesmente manter a cabeça na enterrada areia e lentamente serem extintas.

Outro grande problema que os povos do planeta terão que enfrentar mais cedo ou mais tarde é a questão de como regulamentar as grandes corporações transnacionais. Muitas das grandes empresas são economicamente mais poderosas do que a maioria das nações do planeta. Por operarem através de fronteiras, buscam constantemente brechas e migram para locais onde corrompem funcionários com temas como assassinato, poluição, evasão fiscal, etc. Ou novas instituições e normas internacionais são estabelecidas para controlar ou monitorar o mundo corporativo, ou as corporações controlarão o mundo. A situação, quando as corporações se apoderam do governo é chamada de fascismo. Em outras palavras, se as nações do mundo não fizerem alguma coisa sobre esta situação o mais rapidamente possível, vamos acabar com uma Nova Ordem Mundial fascista.



Fonte primária: http://benjaminfulford.net


Por favor, respeitem todos os créditos.
Arquivos em português:

 Atualização diária
 


EN: VioletFlame *
ES: LLAMA VIOLETA