Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Guerra econômica liderada pelos EUA, não socialismo, está dilacerando a Venezuela. ~ Caleb T. Maupin.



É a Guerra econômica liderada pelos EUA, não o socialismo, que está dilacerando a Venezuela.

Por Caleb T. Maupin.

Postado em 27 de janeiro de 2019 por Edward Morgan. 

 
Os americanos foram treinados por décadas de propaganda da Guerra Fria para procurar qualquer confirmação de que "socialismo significa pobreza". Mas, no caso da Venezuela e de outros estados que não são governados pelo livre mercado, esse clichê simplesmente não parece verdadeiro.
 
.
Um apoiador do governo usa uma camiseta com a imagem do falecido presidente venezuelano Hugo Chávez, enquanto aguarda os resultados durante as eleições para o Congresso em Caracas, Venezuela, domingo, 6 de dezembro de 2015. Alguns membros da oposição estão zangados depois de autoridades ordenou que os centros de votação permanecessem abertos por mais uma hora, mesmo que ninguém estivesse na fila para votar. Os oponentes do governo cercaram algumas estações de voto exigindo que a Guarda Nacional cumprisse o cronograma original de fechamento às 18h. (Foto AP / Alejandro Cegarra)
 
 
 
 
 

WASHINGTON - (ANÁLISE) A crise política e econômica que a Venezuela enfrenta está sendo apontada incessantemente como prova da superioridade do livre mercado.
 
Imagens e retratos de venezuelanos que se amotinam nas ruas devido aos altos custos dos alimentos, às mercearias vazias, à escassez de medicamentos e às lixeiras transbordantes são as manchetes, e os relatórios apontam para o socialismo como a causa.
 
O Chicago Tribune publicou uma obra intitulada Commentary: “Uma revolução socialista pode arruinar quase todos os países.” Uma manchete no blog Hit and Run da Reason proclama: “O socialismo venezuelano ainda é um desastre completo.” A edição norte-americana da semana diz: “O socialismo autoritário causou o colapso da Venezuela."
 
De fato, a mídia corporativa de propriedade das empresas aconselha os americanos a olhar para as linhas de inflação e alimentos na Venezuela, e depois repetir para si mesmos os clichês que ouviram na escola primária sobre como "o comunismo simplesmente não funciona".
 
Na realidade, milhões de venezuelanos viram suas condições de vida melhoradas através do processo bolivariano. Os problemas que assolam a economia venezuelana não se devem a alguma falha inerente do socialismo, mas a preços artificialmente baixos do petróleo e à sabotagem por forças hostis à revolução.
 
A partir de 2014, o Reino da Arábia Saudita inundou o mercado com petróleo barato. Esta não é uma mera decisão de negócios, mas uma medida calculada coordenada com as metas de política externa dos EUA e de Israel. Apesar de não apenas perder dinheiro, mas até cair em dívidas, a monarquia saudita continua a expandir seu aparato de produção de petróleo. O resultado tem levado o preço do petróleo a cair de US $ 110 por barril para US $ 28 nos primeiros meses deste ano. O objetivo é enfraquecer os oponentes de Wall Street, Londres e Tel Aviv, cujas economias estão centradas nas exportações de petróleo e gás natural.
 
E a Venezuela é um desses países. Os esforços sauditas para reduzir os preços do petróleo reduziram drasticamente o orçamento estatal da Venezuela e levaram a enormes conseqüências para a economia venezuelana.
 
 
Ao mesmo tempo, empresas privadas de processamento e importação de alimentos lançaram uma campanha coordenada de sabotagem. Isso, juntamente com o enfraquecimento de um setor estatal vitalmente importante da economia, resultou em inflação e escassez de alimentos. Os preços artificialmente baixos do petróleo deixaram o estado venezuelano faminto de dinheiro, provocando uma crise no financiamento dos programas sociais que foram fundamentais para o fortalecimento do Partido Socialista Unido.
 
A corrupção é um grande problema na Venezuela e em muitos países do terceiro mundo. Isso era verdade antes do processo bolivariano, assim como depois que Hugo Chávez lançou suas reformas econômicas massivas. Em situações de extrema pobreza, as pessoas aprendem a cuidar umas das outras. Espera-se quase que as pessoas que trabalham no governo usem sua posição para cuidar de seus amigos e familiares. A corrupção é um grande problema em qualquer sistema, mas é muito mais fácil tolerar em condições de maior abundância. O problema foi ampliado na Venezuela devido à queda na receita do Estado causada pelos baixos preços do petróleo e pela sabotagem dos importadores de alimentos.
 
 
A experiência bolivariana na Venezuela
 
Os americanos foram treinados por décadas de propaganda da Guerra Fria para procurar qualquer confirmação de que "socialismo significa pobreza". Um retrato rápido e simplista dos problemas enfrentados atualmente pela Venezuela, juntamente com o fato de o presidente Nicolas Maduro se descrever como marxista, pode certamente dê-lhes essa confirmação. No entanto, a história real e indiscutível da construção socialista em todo o mundo, incluindo as recentes décadas na Venezuela, conta uma história completamente diferente.
 
 
Hugo Chávez foi eleito presidente da Venezuela em 1999. Sua eleição foi vista como um referendo sobre as políticas de livre mercado extremo promulgadas na Venezuela durante os anos 90. Em dezembro, quando atravessei os bairros do centro de Caracas, os venezuelanos falavam desses tempos com horror.
 
In this Thursday, June 23, 2016 photo, pro-government demonstrators gather in Bolivar Square to show their support of Venezuela's President Nicolas Maduro, in Caracas, Venezuela. The demonstrators gathered as the Organization of American States is meeting to discuss a report from Secretary General Luis Almagro denouncing violations of the Venezuela's constitution.
Manifestantes se reúnem na Praça Bolívar para mostrar seu apoio ao presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, em Caracas, na Venezuela. Os manifestantes se reuniram quando a Organização dos Estados Americanos se reúne para discutir um relatório do Secretário-Geral Luis Almagro, denunciando as violações da Constituição da Venezuela.
 
 
Os venezuelanos contaram como as privatizações exigidas pelo Fundo Monetário Internacional tornaram a vida na Venezuela quase inabitável durante os anos 90. O lixo não seria coletado. A eletricidade dispararia por semanas. Haido Ortega, membro de um órgão governamental local na Venezuela, disse: "Nos governos anteriores tivemos que queimar pneus e entrar em greve apenas para obter eletricidade, arrumar as ruas ou obter algum investimento".
 
Chávez tomou posse em uma plataforma que defende um caminho entre o capitalismo e o socialismo. Ele reestruturou a companhia petrolífera estatal para que os lucros fossem para o estado venezuelano, não para os bolsos das corporações de Wall Street. Com os lucros das exportações de petróleo da Venezuela, Chávez financiou um enorme aparato de programas sociais.
 
Depois de derrotar uma tentativa de golpe contra ele em 2002, Chávez anunciou o objetivo de levar a Venezuela ao "socialismo do século 21". Chávez citou Marx e Lênin em seus muitos telespectadores para o país e mobilizou o país em torno da meta de criar um país próspero. sociedade não capitalista.
 
Em 1998, a Venezuela tinha apenas 12 universidades públicas, hoje tem 32. Médicos cubanos foram trazidos para a Venezuela para fornecer assistência médica gratuita em clínicas comunitárias. O governo fornece cozinha e aquecimento de gás para bairros de baixa renda e lança uma campanha de alfabetização para adultos sem instrução.
 
Durante o governo de George W. Bush, os preços do petróleo eram os mais altos que já haviam sido. A destruição do Iraque, sanções ao Irã e à Rússia, greves e tumultos na Nigéria - esses eventos criaram uma escassez nos mercados internacionais, elevando os preços.
 
As grandes receitas do petróleo permitiram que Chávez e o Partido Socialista Unido tirassem milhões de venezuelanos da pobreza. Entre 1995 e 2009, a pobreza e o desemprego na Venezuela foram ambos cortados pela metade.
 
Após a morte de Chávez, Nicolas Maduro deu continuidade ao programa bolivariano. “Missões Habitacionais” foram construídas em todo o país, proporcionando às famílias de baixa renda na Venezuela lugares para morar. O governo venezuelano informa que mais de 1 milhão de modernos prédios de apartamentos foram construídos até o final de 2015.
 
Os problemas atualmente enfrentados pela Venezuela começaram em 2014. A já crescente abundância de petróleo devido a fraturamento hidráulico, ou fracking, foi agravada pela Arábia Saudita inundando os mercados com petróleo barato. O resultado: quedas maciças nos preços. Apesar de enfrentar uma crise fiscal interna, a Arábia Saudita continua a expandir seu aparato de produção de petróleo.
 
O preço do petróleo continua baixo, uma vez que as negociações entre os países da Opep estão ocorrendo na esperança de que os preços possam ser retomados. Embora a mídia americana insista que os baixos preços do petróleo são apenas o ciclo natural do mercado em funcionamento, é bastante conveniente para a política externa dos EUA. A Rússia, a Venezuela, o Equador e a República Islâmica do Irã, todos têm economias centradas em empresas estatais de petróleo e exportações de petróleo, e cada um desses países sofreu com os baixos preços do petróleo.
 
A presidente esquerdista do Brasil, Dilma Rousseff, já foi deposta devido ao escândalo em torno da Petrobras, estatal petroleira que está enfrentando problemas econômicos devido à queda do preço do petróleo. Embora grande parte do petróleo do Brasil seja para consumo doméstico, foi revelado que aqueles que a demitiram coordenaram-se com a CIA e outras forças em Washington e Wall Street, utilizando as conseqüências econômicas dos baixos preços do petróleo para derrubar a presidente brasileira.
 
O filho do presidente Ronald Reagan argumentou que Obama está intencionalmente reduzindo os preços do petróleo não apenas para enfraquecer a economia venezuelana, mas também para adulterar a influência da Rússia e do Irã. Escrevendo para Townhall em 2014, Michael Reagan se gabou de que seu pai fez a mesma coisa para prejudicar a União Soviética durante os anos 80:
 
“Como vender petróleo era a fonte da riqueza do Kremlin, meu pai conseguiu que os sauditas inundassem o mercado com petróleo barato.

Os preços mais baixos do petróleo desvalorizaram o rublo, fazendo com que a URSS fosse à falência, o que levou à perestroika e a Mikhail Gorbachev e ao colapso do Império Soviético.”
 
 
 
A história da construção socialista
 
Antes da revolução de 1917, a Rússia era um país primitivo e agrário. Em 1936, após a conclusão do Plano Quinquenal, era uma potência industrial mundial, superando todos os outros países do mundo em termos de produção de aço e tratores. O estéril campo soviético estava iluminado com eletricidade. Os filhos de camponeses analfabetos em toda a União Soviética cresceram para serem os cientistas e engenheiros que primeiro conquistaram o espaço sideral. A economia planejada da União Soviética melhorou drasticamente os padrões de vida de milhões de pessoas, trazendo-lhes água corrente, moradia moderna, emprego garantido e educação gratuita.
 
Não há contradição entre planejamento central e crescimento econômico. Em 1949, a China não tinha indústria siderúrgica. Hoje, mais da metade de todo o aço do mundo é produzido na indústria siderúrgica chinesa controlada pelo governo.
 
Cuba eliminou o analfabetismo e os cubanos desfrutam de uma das maiores expectativas de vida na América Latina.
 
People hold up images showing Fidel Castro, second from right, Venezuela's late President Hugo Chavez, center, and Cuba's revolutionary hero Ernesto 'Che' Guevara, bottom left and right, during a May Day march in Revolution Square in Havana, Cuba, Wednesday, May 1, 2013. The image of Chavez carries the words in Spanish "Chavez : Our best friend." (AP Photo/Ramon Espinosa)
As pessoas exibem imagens que mostram Fidel Castro, segundo a direita, o presidente venezuelano Hugo Chávez e o herói revolucionário de Cuba, Ernesto 'Che' Guevara, na parte inferior esquerda e direita, durante uma marcha do Dia de Maio na Praça da Revolução em Havana, Cuba, quarta-feira. 1º de maio de 2013. A imagem de Chávez traz as palavras em espanhol “Chávez: nosso melhor amigo”. (AP Photo / Ramon Espinosa)
 
Quando os governos marxista-leninistas da Europa Oriental entraram em colapso no início dos anos 90, economistas como Jeffrey Sachs, da Universidade de Columbia, que pode ser considerado entre os "verdadeiros crentes" do capitalismo, previram um rápido crescimento econômico. Desde a década de 1990, as condições em que George W. Bush chamou de "Nova Europa" tornaram-se muito piores do que sob o socialismo. A expectativa de vida diminuiu e a mortalidade infantil aumentou. Humanos e traficantes de drogas se estabeleceram. Em pesquisas intermináveis, o povo da Europa Oriental repetidamente diz que a vida era melhor antes da derrota do comunismo.
 
A recuperação da Rússia do desastre dos anos 90 surgiu com a reorientação da economia para uma economia centrada no controle público de seus recursos de petróleo e gás natural - muito parecido com a Venezuela. O governo de Putin também promoveu uma repressão ao pequeno número de "oligarcas" que se tornaram ricos após o fim da União Soviética. Uma vez que o estado forte para controlar a economia foi restabelecido, o produto interno bruto da Rússia aumentou em 70% durante os primeiros oito anos da administração de Putin. De 2000 a 2008, a pobreza foi reduzida à metade e a renda dobrou.
 
 
O capitalismo neoliberal falhou
 
 
É somente porque esses fatos estão simplesmente fora dos limites da mídia americana e de suas discussões sobre socialismo e capitalismo que se acredita que a narrativa distorcida sobre as atuais dificuldades da Venezuela.
 
tea_party_placard_obamafascism-001
A mídia americana perpetuou uma falsa narrativa induzida pela guerra fria sobre a natureza do socialismo.
 
Ao discutir os méritos do capitalismo e do socialismo, a mídia americana geralmente restringe a conversa a apontar que os países socialistas no terceiro mundo têm padrões de vida mais baixos do que os Estados Unidos, um país amplamente identificado com o capitalismo. Sem qualquer contexto ou comparação justa, isso por si só deve provar a superioridade inerente do capitalismo ao estilo norte-americano.
 
Se o tipo de “livre comércio” neoliberal defendido por corporações americanas fosse a solução para a pobreza global, o México, um país há muito tempo invadido pelo Acordo de Livre Comércio da América do Norte, seria um exemplo brilhante de desenvolvimento, não uma confusão de cartéis de drogas e pobreza. O mesmo pode ser dito em países ricos em petróleo, como a Nigéria, onde as exportações são enormes, mas a população continua em péssimas condições.
 
Os governos de Bangladesh, Honduras, Guatemala, Indonésia e Filipinas fizeram tudo o que podiam para desregulamentar o mercado e acomodar o "investimento" ocidental. Apesar das promessas dos teóricos neoliberais, suas populações não viram suas vidas melhorarem substancialmente.
 
Se compararmos a economia mais orientada para o mercado dos EUA, não para os países do sul global que tentam se desenvolver com uma economia planejada, mas para outros países ocidentais com mais governos social-democratas, a inferioridade do “livre mercado” também pode ser revelado.
 
 
Os EUA são classificados 43 no mundo em termos de expectativa de vida, de acordo com o CIA World Factbook. As pessoas vivem mais na Alemanha, Grã-Bretanha, Espanha, França, Suécia, Austrália, Itália, Islândia - basicamente, quase todos os outros países ocidentais. Estatísticas sobre a taxa de mortalidade infantil dizem aproximadamente a mesma coisa. Os serviços nacionais de saúde, juntamente com uma maior segurança no emprego e proteções econômicas, geram populações muito mais saudáveis.
 
Mesmo enquanto os estados social-democratas de bem-estar social da Europa se aproximam do modelo econômico dos EUA com “cortes de austeridade”, os EUA ainda estão atrás deles em termos de saúde social básica. Os países da Europa Ocidental, com poderosas uniões, fortes partidos socialistas e trabalhistas, e sistemas de justiça criminal menos punitivos tendem a ter sociedades mais saudáveis.
 
A percepção americana de que o socialismo ou a intervenção do governo cria automaticamente a pobreza, enquanto uma abordagem de laissez faire desencadeia a prosperidade sem limites, é simplesmente incorreta. Apesar das dificuldades atuais, essa realidade se reflete nas duas últimas décadas da história da Venezuela.
 
 
Um voto de punição, não um voto para o capitalismo
 
Os preços artificialmente baixos do petróleo deixaram o estado venezuelano faminto de dinheiro, provocando uma crise no financiamento dos programas sociais que foram fundamentais para o fortalecimento do Partido Socialista Unido.
 
 
É estranho que a imprensa principal culpe o "socialismo" pelos problemas alimentares na Venezuela, quando os distribuidores de alimentos permanecem nas mãos de corporações privadas. Como o analista político venezuelano Jesus Silva me disse recentemente: “A maior parte da comida na Venezuela é importada por empresas privadas, eles pedem dólares subsidiados pelas vendas governamentais de petróleo para fazer isso; eles raramente produzem algo ou investem seu próprio dinheiro ”.
 
Segundo Silva, as sanções econômicas impostas à Venezuela pelos EUA, além da crise do petróleo, tornaram mais difícil para o governo venezuelano pagar às empresas privadas importadoras de alimentos em dólares americanos. Em resposta, as empresas de alimentos estão "executando sabotagem geral".
 
“A economia da Venezuela depende das vendas de petróleo. Agora que os preços do petróleo estão caindo, o desafio é conseguir outras fontes de renda econômica ”, explicou. "Enquanto isso, a oposição está ganhando apoio eleitoral devido à atual crise econômica."
 
Quando o Partido Socialista Unido e seu pólo patriótico alinhado perderam o controle do Parlamento em dezembro, muitos previram o colapso iminente do governo bolivariano. No entanto, meses se passaram e isso claramente não aconteceu.
 
Enquanto uma clara maioria lançou um voto castigo em dezembro, punindo o governo por má administração da crise, o governo Maduro tem um sólido núcleo de ativistas socialistas que permanecem leais ao projeto bolivariano. Por toda a Venezuela, as comunas foram estabelecidas. Ativistas de esquerda vivem juntos e trabalham em cooperativas. Muitos deles estão armados e organizados em “milícias bolivarianas” para defender a revolução.
 
 
Mesmo alguns dos mais fortes críticos do governo venezuelano admitem que melhorou muito a situação no país, apesar das atuais dificuldades.
 
Em dezembro, falei com Glen Martinez, radialista de Caracas que votou pela oposição. Ele rejeitou a noção de que o capitalismo de livre mercado retornaria à Venezuela. Como ele explicou, a maioria das pessoas que votaram contra o Partido Socialista Unido - inclusive ele próprio - está frustrada com a forma como a atual crise está sendo tratada, mas não quer um retorno ao modelo econômico neoliberal dos anos de 1999.
 
Ele disse que as reformas econômicas estabelecidas durante o governo de Chávez nunca seriam revertidas. "Não somos as mesmas pessoas que éramos antes de 1999", insistiu Martinez.
 
O Partido Socialista Unido está atualmente engajado em uma reorientação maciça, na esperança de aguçar sua resposta à sabotagem econômica e fortalecer a direção socialista da revolução. Fala-se também de reformas maciças na forma como o governo opera, a fim de evitar os exemplos extremos de corrupção e má administração que estão causando frustração na população.
 
O clima está sendo intensificado por uma série de recentes assassinatos políticos. As tensões continuam a existir na fronteira da Venezuela com o governo da Colômbia alinhado com os EUA. A base sólida dos ativistas socialistas não permitirá que a revolução seja derrubada e as tensões continuem a aumentar. A principal tarefa do Maduro e do Partido Socialista Unido é manter a Venezuela unida e não deixar o país se transformar em um estado de guerra civil.
 
 

artigo anterior * Todos os artigos




 
Por favor, respeitem todos os créditos


Recomenda-se o discernimento.






Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.


Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.


Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.


 


Atualização diária.


Free counters!


 
 
 
 
geoglobe1