Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

O Livro perdido de Enki – 6ª Tabuleta -- Zecharia Sitchin.

O Livro perdido de Enki 

 6ª Tabuleta

The Lost Book of Enki 

Memórias e profecias de um ”deus“ extraterrestre.

Por Zecharia Sitchin.


Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com 

Publicado anteriormente a 24/04/2015


Fazem cerca de 435.000 anos que astronautas de outro planeta e sistema solar chegaram à Terra em busca de ouro. Depois de aterrissar num dos mares da Terra, desembarcaram e fundaram Eridú, “Lar na Lonjura”.

Com o tempo, o assentamento inicial se estendeu até converter-se na flamejante Missão Terra, com um Centro de Controle de Missões, um espaçoporto, operações de mineração e, inclusive, uma estação orbital em Marte. Este livro conta a história desta saga extraterrestre, contada pelo próprio Enki.

Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Partes anteriores em:
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-atestado/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-1/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-2-final/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-terceira-tabuleta/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-quarta-tabuleta/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-quinta-tabuleta/

Sinopse da Sexta Tabuleta 
 
Enki revela um segredo aos incrédulos líderes: no Abzu perambula um ser selvagem similar aos Anunnaki; acrescentando sua essência vital com a dos Anunnaki, lhe poderá elevar até lhe converter em um trabalhador Primitivo e inteligente (um escravo).
A criação pertence ao Pai de Todo Princípio, gritou Enlil. Só lhe daremos nossa imagem a um ser já existente, argüiu Ninmah.
Necessitamos urgentemente do ouro para sobreviver, os líderes votam sim para a tentativa de se criar um trabalhador híbrido.
Enki, Ninmah e Ningishzidda, o filho de Enki, começam os experimentos genéticos.
Depois de muitos fracassos, consegue-se o modelo-perfeito. Surge o Adamu (Adão), Ninmah grita triunfante: Minhas mãos o produziram!
A renomada Ninti («Dama da Vida») por seu turno Ninki, a esposa de Enki, ajuda a criar a Ti-Amat, uma fêmea do Adamu (Eva).
Os seres terrestres, sendo híbridos, se cruzam mas não procriam.
Ningishzidda acrescenta dois ramos de essência à Árvore da Vida (DNA) dos Terrestres.
Ao descobrir os acontecimentos passados, Enlil expulsa os Terrestres do E.Din.
A dupla hélice do DNA humano, emblema de Ninghishzidda.


A dupla hélice do DNA humano, emblema de Ninghishzidda.

A SEXTA TABULETA

Criar um Trabalhador Primitivo, forjá-lo pelo sinal de nossa essência (DNA Anunnaki)! Assim disse Enki aos líderes. O ser que precisamos já existe! Assim lhes revelou Enki um segredo do Abzu (África). Assombrados escutaram outros as palavras de Enki; ficaram fascinados com suas palavras. Existem criaturas no Abzu, disse Enki, que caminham eretas, sobre duas pernas, as patas dianteiras as utilizam como braços, de mãos estão dotados. Vivem entre os animais das estepes. Não sabem andar vestidos, comem novelo com a boca, bebem água dos lagos e das sarjetas. Têm todo o corpo peludo, o cabelo da cabeça é como o de um leão; pulam com as gazelas, desfrutam com as criaturas prolíficas nas águas! Os líderes escutaram as palavras de Enki com surpresa.

No Edin (Mesopotâmia) não se viu nenhuma criatura como essa!, disse Enlil sem poder acreditar. Faz eons, em Nibiru, nossos predecessores possivelmente foram assim!, disse Ninmah. É um ser, não uma criatura!, disse Ninmah. Deve ser emocionante contemplá-lo! Enki lhes levou à Casa da Vida (Laboratório Genético?); em fortes jaulas havia uns destes seres. Ao ver Enki e os outros, ficaram a saltar, golpeavam com os punhos nas barras da jaula. Grunhiam e sopravam; não diziam palavras. São macho e fêmea!, disse Enki; têm masculinidade e feminilidade, procriam como nós, humanos vindos de Nibiru.



Ningishzidda, meu filho, comprovou sua Essência de Elaboração; (DNA) é similar à nossa, como duas serpentes entrelaçadas; Nossa essência vital se combinará com a deles, nosso sinal ficará sobre eles, vamos criar um Trabalhador Primitivo!

Ele compreenderá nossas ordens, usará as nossas ferramentas, levará a cabo os trabalhos duros nas escavações; dará alívio aos Anunnaki no Abzu (minas de ouro na hoje África do Sul)! Assim falava Enki, com entusiasmo, suas palavras soavam excitadas. Enlil vacilava ante as palavras: É um assunto de grande importância! Faz muito que se aboliu a escravidão em nosso planeta, os escravos agora são as máquinas e ferramentas, não outros seres vivos! Quer trazer para a existência humana uma nova criatura, não existente previamente; a criação do homem deve estar somente nas mãos do Pai de Todo Princípio!

Assim disse Enlil, opondo-se; suas palavras eram severas. Enki respondeu a seu irmão: Não escravos, a não ser como ajudantes é meu plano! O ser já existe!, disse Ninmah. O plano consiste em lhe dar mais capacidade! Não se trata de fazer uma nova criatura, mas sim de fazer presente nele mais a nossa imagem já existente!, disse Enki persuasivamente. Com poucas mudanças se pode conseguir, só se necessita uma gota de nossa essência!

É este um assunto grave, e não é de meu agrado!, disse Enlil. Vai contra as regras da viagem de planeta em planeta, proibiu-se pelas regras da vinda à Terra. Nosso objetivo era obter ouro, e não de substituir ao Pai de Todo Princípio!

Depois de falar assim Enlil, Ninmah foi a que lhe respondeu: Irmão meu!, disse Ninmah a Enlil, o Pai de Todo Princípio nos dotou de sabedoria e entendimento, para que propósito ele nos aperfeiçoou deste modo, se não for para fazer o máximo uso disso? O Criador de Tudo encheu nossa essência vital de sabedoria e entendimento, para que fôssemos capazes de fazer qualquer uso disso, não é isso para o que fomos destinados? Assim foram as palavras que Ninmah dirigiu a seu irmão Enlil. Com isso que nos concedeu em nossa essência, aperfeiçoamos máquinas, ferramentas, carros celestiais, fizemos em pedacinhos as montanhas com as armas de terror, e os céus (de Nibiru) curamos com ouro! Assim disse Ninurta à sua mãe.

Com a nossa sabedoria não vamos criar novos seres, vamos forjar novas ferramentas, vamos aliviar o trabalho com novas equipes, não com escravos! Lá onde nosso entendimento nos leve, a isso fomos destinados! Assim disse Ningishzidda, que estava de acordo com Enki e com Ninmah. Não podemos impedir que se usem os conhecimentos que possuímos!, disse Ningishzidda. Certamente, o Destino não pode ser alterado, desde o começo até o Final foi determinado! Disse-lhes Enlil. É Destino, ou é Sorte, o que nos trouxe para este planeta, a tirar ouro das águas, a pôr a trabalhar nas escavações aos heróis Anunnaki, a estar negando a criação de um Trabalhador Primitivo?



Essa, meus parentes, é a questão! Assim, com gravidade, disse Enlil. É Destino, é Sorte? Isso é o que terá que decidir. Está ordenado desde o começo, ou é algo pelo que devemos nos decidir? Decidiram expor o assunto ante Anu em Nibiru; Anu apresentou o assunto ante o conselho planetário. Consultou-se aos anciões, aos sábios, aos comandantes. As discussões foram largas e amargas, disseram-se palavras de Vida e Morte, de Sorte e Destino. Há alguma outra forma de se obter ouro? A sobrevivência de Nibiru está em perigo! Se tiver que se obter ouro, que se elabore, se crie o novo ser, decidiu o conselho. Que Anu deixe de lado as regras das viagens planetárias, que se salve Nibiru!

A decisão se transmitiu do palácio de Anu até a Terra; e a Enki encantou. Que Ninmah seja minha ajudante, tem conhecimentos (de genética) destes assuntos! Assim disse Enki. Olhava a Ninmah com desejo. Assim seja!, disse Ninmah. Assim seja!, disse Enlil. Através do Ennugi se anunciou a decisão aos Anunnaki no Abzu: Até que se consiga o novo ser, todos têm que voltar voluntariamente para o trabalho!, disse. Houve decepção; não houve rebelião; os Anunnaki voltaram para o trabalho. Na Casa da Vida, no Abzu, Enki explicou a Ninmah como elaborar o ser. Levou Ninmah a um lugar entre as árvores, era um lugar de jaulas. Nas jaulas havia estranhas criaturas, algo que ninguém tinha visto em liberdade: tinham a parte superior de uma espécie, a parte inferior de outra criatura; Enki mostrou a Ninmah criaturas de duas espécies combinadas por suas essências (fruto de experimentação genética)!

Voltaram para a Casa da Vida, levaram-na a um lugar limpo com um brilhante resplendor. No lugar limpo, Ningishzidda explicou a Ninmah os segredos da essência vital, como se pode combinar a essência de duas espécies, ele lhe mostrou. As criaturas das três jaulas são muito estranhas, são monstruosas!, disse Ninmah. Sim, são!, respondeu Enki. Obter a perfeição, para isso necessitamos de ti! Como combinar as essências, quanto delas, quanto disso reunir, em que útero começar a concepção, em que útero deverá dar a luz? Para isso se necessitam seus conhecimentos de ajuda e cura; necessitam-se os conhecimentos de alguém que tenha dado a luz, de alguém que seja mãe! No rosto de Ninmah havia um sorriso; recordava bem as duas filhas que tinha tido com Enki.

Ninmah fiscalizou com Ningishzidda as fórmulas sagradas que se guardavam secretamente nos ME, perguntava-lhe como se fez isto e aquilo. Examinou as criaturas das três jaulas, contemplou às criaturas bípedes. As essências se transmitem por inseminação de um macho a uma fêmea, os dois fios entrelaçados se separam e combinam para forjar uma descendência. Que um varão Anunnaki fecunde a uma fêmea bípede, que nasça uma descendência (híbrida) da combinação! Assim disse Ninmah. Isso tentamos, mas houve falhas!, respondeu-lhe Enki. Não houve concepção, não houve parto! Vem agora o relato de como se criou o Trabalhador Primitivo, de como Enki e Ninmah, com a ajuda da Ningishzidda, forjaram o novo ser.



Terá que tentar conseguir outra forma de mesclar as essências, disse Ninmah. Terá que encontrar outra forma de combinar os dois fios das essências, para que não resulte danificada a porção (do DNA) da Terra. Tem-se que configurar para que receba nossa essência gradualmente, só se poderia tentar pouco a pouco a partir das fórmulas ME da essência de Nibiru! Ninmah preparou uma mescla em um recipiente de cristal, pôs com muito cuidado o óvulo de uma fêmea bípede, junto com a que continha a semente (esperma) Anunnaki, fecundou o óvulo; inseriu de novo o óvulo na matriz da fêmea bípede. Desta vez houve concepção, havia um parto em gestação! Os líderes esperaram o tempo previsto para o nascimento, esperavam os resultados com o coração cheio de ansiedade.

O tempo previsto se cumpriu, mas não houve nascimento! Desesperada, Ninmah fez um corte, o que tinha sido concebido extraiu com tenazes. Era um ser vivo! Enki exclamou com regozijo. Conseguimos!, gritou Ningishzidda jubiloso. Ninmah sustentava em suas mãos ao recém-nascido, mas ela não estava cheia de gozo: o recém-nascido tinha cabelo por todo o corpo, sua parte superior era como as das criaturas da Terra, as partes inferiores se pareciam mais às dos Anunnaki. Deixaram que a fêmea bípede cuidasse do recém-nascido, que mamasse seu leite. O recém-nascido cresceu rápido, o que no Nibiru era uma hora, era quase um mês no Abzu (um ano de Nibiru equivale a 3.600 anos da Terra). O menino da Terra se fez mais alto, não era a imagem dos Anunnaki; suas mãos não se adaptavam às ferramentas, e não emitia mais que grunhidos!

Temos que voltar e tentar de novo!, disse Ninmah. Terá que se ajustar a mescla; me deixem ensaiar com os ME, deixem que faça o esforço com este ou aquele ME! Com a ajuda de Enki e de Ningishzidda repetiram os procedimentos, Ninmah considerou cuidadosamente as essências dos ME, tomou um pouco de um deles, tomou um pouco de outro deles, logo fecundou na terrina de cristal o óvulo da fêmea da Terra. Houve concepção, quando se cumprisse o tempo haveria nascimento! Este se parecia mais aos Anunnaki; deixaram que a mãe lhe desse de mamar, deixaram que o recém-nascido se convertesse em menino. Por seu aspecto, era atrativo; suas mãos estavam conformadas para sustentar ferramentas; puseram a prova seus sentidos, encontraram-nos deficientes: o menino da Terra não podia ouvir, sua visão era vacilante.

Uma e outra vez, Ninmah reajustou as mesclas, das fórmulas tomou pingos e partes; um ser tinha os pés paralisados, a outro gotejava o sêmen, a outro tremiam as mãos, a outro lhe funcionava mal o fígado; outro tinha as mãos muito curtas para alcançar a boca, outro não tinha os pulmões adequados para respirar. Enki estava decepcionado com os resultados. Não conseguimos o Trabalhador Primitivo!, disse a Ninmah. Estou descobrindo através de ensaios o bom ou mau neste ser! Respondeu Ninmah a Enki. Meu coração anima-me a que siga tentando-o! Uma vez mais, Ninmah fez uma mescla; uma vez mais, o recém-nascido era deficiente. Possivelmente o déficit não se encontre na mescla!, disse-lhe Enki.



Possivelmente o impedimento não esteja nem no óvulo da fêmea nem nas essências! Pelo que a Terra mesma está forjada, possivelmente seja isso o que falta! Não use um recipiente de cristais de Nibiru, faz o da argila da Terra! Assim disse Enki, em posse de grande sabedoria, a Ninmah. Possivelmente se requeira o que é a própria mescla da Terra, de ouro e cobre! Assim animou Enki, um cientista que sabe das coisas, a Ninmah, para que usasse a argila do Abzu. Na Casa da Vida, Ninmah fez um recipiente, o fez com a argila do Abzu. Como um banho purificador conformou o recipiente, para fazer dentro dele a mescla. Pôs com cuidado o óvulo de uma fêmea terrestre, de uma bípede, no recipiente de argila, pôs no recipiente a essência vital extraída do sangue de um Anunnaki, através das fórmulas ME, dirigiu isso a essência e pouco a pouco e com mesura foram acrescentadas ao recipiente, depois, inseriu o óvulo assim fertilizado na matriz da fêmea terrestre.

Há fecundação!, anunciou alegre Ninmah. Esperaram o tempo do nascimento. Quando se cumpriu o tempo, a fêmea terrestre começou a parir, um menino, um recém-nascido estava a ponto de chegar! Ninmah extraiu ao recém-nascido com as mãos; era um varão! Em suas mãos sustentou ao menino; Enki e Ningishzidda estavam pressentindo o sucesso. Os três líderes puseram-se a rir alegremente. Enki e Ningishzidda se davam palmadas nas costas, Ninmah e Enki se abraçaram e se beijaram. Suas mãos o têm feito!, disse-lhe Enki com um brilho nos olhos. Deixaram que a mãe desse de mamar ao recém-nascido; este cresceu mais rápido que um menino de Nibiru.

O recém-nascido progrediu de mês em mês, passou de bebê a menino. Seus membros eram adequados para o trabalho, falar não sabia, não compreendia as palavras, emitia grunhidos e bufos! Enki valorou o assunto, tomou em consideração o que se tinha feito em cada passo e em cada mescla. De tudo o que tentamos e trocou, há uma coisa que nunca se alterou!, disse a Ninmah: sempre se inseriu o óvulo fertilizado na matriz de uma fêmea terrestre. Possivelmente esteja nisso a obstrução que acontece! Assim disse Enki. Ninmah olhou Enki, contemplou-o desconcertada. O que, na verdade, está dizendo? dele, exigia ela uma resposta. Estou falando da matriz que dá a luz!, Respondeu Enki. De quem nutre o óvulo fertilizado, de quem dá a luz; para que seja a nossa imagem e semelhança {“Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; Gênesis 1:26}, possivelmente se necessite uma matriz Anunnaki!

Na Casa da Vida houve silêncio; Enki estava pronunciando palavras nunca antes escutadas! olharam-se um ao outro, estavam pensando no que poderia estar pensando o outro. Sábia são suas palavras, irmão meu!, disse Ninmah por fim. Possivelmente se inseriu a mescla correta na matriz equivocada; Agora bem, onde está a fêmea entre os Anunnaki que ofereça sua matriz (Útero), para criar possivelmente ao Trabalhador Primitivo perfeito, ou para levar possivelmente um monstro em seu ventre? Assim disse Ninmah, com a voz tremente. Deixa que pergunte a Ninki, minha esposa!, disse Enki. Convoquemos ela à Casa da Vida, para expor o assunto ante ela. Estava-se voltando para partir quando Ninmah lhe pôs a mão no ombro: Não! Não!, disse a Enki. Eu fiz as mesclas, a recompensa e o perigo devem ser meus! Serei eu a que proporcione a matriz Anunnaki, a que confronte o bom ou o mau fado!

Enki inclinou a cabeça, abraçou-a brandamente. Assim seja!, disse-lhe. Fizeram a mescla no recipiente de argila, uniram o óvulo de uma fêmea terrestre com a essência masculina Anunnaki. Enki inseriu o óvulo fertilizado na matriz de Ninmah; houve fecundação e concepção! O tempo, concebido por uma mescla, quanto durará?, perguntaram-se um a outro. Serão nove meses de Nibiru? Serão nove meses da Terra? Depois que na Terra, mas antes do que no prazo de Nibiru, ocorreu o parto; Ninmah deu a luz a um varão! Enki sustentou entre suas mãos ao menino; era a imagem da perfeição. Deu umas palmadas nas partes traseiras do menino; o recém-nascido emitiu os sons adequados! Passou o recém-nascido a Ninmah; ela o levantou entre suas mãos. Minhas mãos o têm feito!, exclamou vitoriosa. Vem agora o relato de como lhe pôs por nome Adamu (Adão), e de como se fez Ti-Amat para ele, uma contraparte (Eva) fêmea.


Ningishzidda, (de joelhos) Enki e Ninmah segurando o Adamu pelos três criado…

Os líderes examinaram com atenção o aspecto e os membros do recém nascido: suas orelhas tinham boa forma, não tinha os olhos obstruídos, tinha os membros adequados, conformados como pernas e pés na parte inferior e com braços e mãos na parte superior. Não era peludo como os selvagens, seu cabelo era negro escuro, sua pele era tersa (pura, limpa, brilhante), tersa como a pele dos Anunnaki, a cor de seu sangue era vermelho escuro, do mesmo tom que a argila do Abzu. Olharam sua parte íntima: sua forma era estranha, a parte dianteira estava envolta com uma pele. Era diferente da parte íntima dos Anunnaki, pendurava-lhe uma pele da parte dianteira! Que o Terrestre se distingua de nós, os Anunnaki, por esta pele!, disse Enki.

O recém-nascido Adamu começou a chorar; Ninmah o estreitou contra seu peito; deu-lhe o peito, o menino ficou a chupar do peito. Conseguimos a perfeição!, disse Ningishzidda eufórico. Enki olhava fixamente a sua irmã; não estava vendo Ninmah e a um ser, a não ser a mãe e filho. Porá-lhe um nome?, perguntou Enki. É um ser, não uma criatura! Ninmah pôs sua mão sobre o corpo do recém-nascido, acariciou com seus dedos sua vermelha e escura pele. Chamarei-lhe Adamu!, disse Ninmah. Aquele que é Como Argila da Terra, esse será seu nome! Fizeram um berço para o recém-nascido Adamu, puseram-no em um quarto na Casa da Vida. Verdadeiramente, conseguimos um modelo de Trabalhador Primitivo!, disse Enki. Agora se necessita um exército de trabalhadores como ele!, recordou-lhes Ningishzidda a seus maiores.

Na verdade, será um modelo; por isso a ele se refere, será tratado como um primogênito, do duro trabalho lhe protegerá, só sua essência será como um molde! Assim disse Enki; Ninmah ficou muito satisfeita com seu decreto. Que matrizes levarão os óvulos fertilizados à partir de agora?, perguntou Ningishzidda. Os líderes ponderaram o assunto; Ninmah ofereceu uma solução. Ninmah reuniu as curadoras de sua cidade, Shurubak; explicou-lhes o trabalho que se requeria delas, levou-as até o berço de Adamu, para que apreciassem ao recém-nascido Terrestre. Não é um mandato levar a cabo este trabalho!, disse-lhes Ninmah: Seu próprio desejo é a decisão!



Das Anunnaki reunidas, sete se adiantaram, sete aceitaram a tarefa. Que se recordem seus nomes para sempre!, disse Ninmah a Enki. Seu trabalho é heróico, graças a elas nascerá uma raça de Trabalhadores Primitivos! As sete que se adiantaram, cada uma anunciou seu nome; Ningishzidda registrou os nomes: Ninimma, Shuzianna, Ninmada, Ninbara, Ninmug, Musardu e Ningunna. Estes foram os nomes das sete que, por desejo próprio, mães de nascimento foram ser, para conceber e levar Terrestres em suas matrizes, para criar Trabalhadores Primitivos. Em sete recipientes, feitos de argila do Abzu, Ninmah pôs óvulos das fêmeas bípedes, Ninmah extraiu a essência vital de Adamu, inseriu-a pouco a pouco nos recipientes.

Depois, fez uma incisão nas partes masculinas de Adamu para deixar sair uma gota de sangue. Seja isto um Signo de Vida; proclame-se sempre que Carne e Alma se combinaram! Apertou as partes masculinas para que sangrassem, uma gota de sangue acrescentou em cada recipiente para a mescla. Nesta mescla de argila, o Terrestre e o Anunnaki se entrelaçarão! Assim disse Ninmah, um encantamento pronunciou: À unidade as duas essências, uma do Céu (Nibiru), uma da Terra, juntas se levarão, a da Terra e a de Nibiru, enlaçarão-se por parentesco sangüíneo! Isto pronunciou Ninmah; Ningishzidda também tomou nota de suas palavras. Os óvulos fertilizados se inseriram nas matrizes das heroínas iluminadas.

Houve fecundação e concepção; por antecipado, calculou-se o tempo previsto. No tempo previsto, tiveram lugar os partos! No tempo previsto, nasceram sete Terrestres varões, seus rasgos eram os adequados, emitiam bons sons; foram amamentados pelas heroínas. Criaram-se sete Trabalhadores Primitivos!, disse Ningishzidda. Repita-se o procedimento, que mais sete assumam o trabalho! Meu filho Ningishzidda!, disse-lhe Enki. Nem sequer de sete em sete será suficiente, fariam falta muitas heroínas curadoras, seu trabalho deste modo se faria eterno! Certamente, é um trabalho muito exigente, é pouco menos que insuportável!, disse-lhes Ninmah. Agora temos que fazer fêmeas para Adamu!, disse Enki, para que sejam os casais dos varões. Que se conheçam, para que os dois se façam uma só carne. Que procriem por si só, que façam sua própria prole, que por si mesmos façam nascer Trabalhadores Primitivos, para liberar as mulheres Anunnaki!

Tem que trocar as fórmulas ME, ajustaria de varão a fêmea! Assim disse Enki a Ningishzidda. Para fazer uma fêmea para o Adamu, é necessária a concepção na matriz de uma Anunnaki! Assim lhe respondeu Ningishzidda a seu pai Enki. Enki dirigiu seu olhar para Ninmah; antes que ela pudesse falar, ele levantou a mão. Deixa que desta vez chame a minha esposa Ninki!, disse com voz poderosa, Se estiver disposta, que ela crie o molde para a fêmea Terrestre! Ao Abzu, à Casa da Vida, chamaram Ninki, mostraram ao Adamu, explicaram tudo, deram-lhe explicações do trabalho que se requeria, deram-lhe conta do êxito e do perigo. Ninki estava fascinada com o trabalho. Faça-se!, disse-lhes. Ningishzidda fez os ajustes das fórmulas ME, com a mescla se fertilizou um óvulo. Enki o inseriu na matriz de sua esposa; fê-lo com muito cuidado. Houve concepção; no tempo previsto, Ninki ficou de parto; não houve nascimento.

Ninki contou os meses, Ninmah contou os meses; O décimo mês, um mês de maus fados, começaram a chamar. Ninmah, a dama cuja mão tinha aberto matrizes, fez uma incisão com um cortador (uma cezariana). Levava a cabeça coberta, levava amparos nas mãos; fez a abertura com destreza, o rosto se iluminou de repente: o que havia na matriz, da matriz saiu. Uma fêmea! deste a luz a uma fêmea!, disse-lhe com regozijo a Ninki. Examinaram com atenção o aspecto e os membros da recém-nascida, suas orelhas tinham boa forma, não tinha os olhos obstruídos, tinha os membros adequados, conformados com pernas na parte inferior e com mãos na parte superior. Não era peluda, como as areias da praia era a cor de seu cabelo (Loura), sua pele era tersa, era como a dos Anunnaki em textura e em cor.

Ninmah sustentou em suas mãos à menina. Deu-lhe uma palmada na parte traseira. A recém-nascida emitiu os sons adequados! Passou a recém-nascida a Ninki, a esposa de Enki, para que a amamentasse, a nutrisse e a cuidasse. Porá-lhe nome?, perguntou-lhe Enki a sua esposa. É um ser, não uma criatura. Está feita a nossa imagem e semelhança, está feita à perfeição, obtiveste um modelo para trabalhadoras fêmeas! Ninki pôs a mão sobre o corpo da recém-nascida, acariciou sua pele com os dedos. Ti-Amat será seu nome, a Mãe da Vida!, disse Ninki. Será chamada como o planeta de antigamente, do qual se forjaram a Terra e a Lua, das essências vitais de sua matriz se moldarão outras iluminadas, dará assim a vida a uma multidão de Trabalhadores Primitivos!


O E.DIN fundado por Enki, vindo de Nibiru para a Terra: Os quatro rios do Paraíso -“Éden”- citados no Gênesis ficavam no Iraque Antigo: o rio Tigre, rio Eufrates, rio Gehon e o rio Pishon: “O nome do primeiro é Pisom; este é o que rodeia toda a terra de Havilah. E o ouro dessa terra é bom; ali há o obdélio, e a pedra sardônica. E o nome do segundo rio é Giom; este é o que rodeia toda a terra de Cuxe. E o nome do terceiro rio é Tigre; este é o que vai para o lado oriental da Assíria; e o quarto rio é o Eufrates“. Gênesis 2:11-14

Assim disse Ninki; outros pronunciaram palavras de acordo. Vem agora o relato de Adamu e Ti-Amat vivendo no Edin, e de como lhes deu o Conhecimento (Eva comendo a “maçã”) da procriação e de lá ao Abzu foram expulsos. Depois de que fora feita Ti-Amat na matriz de Ninki, em sete recipientes feitos de argila do Abzu pôs Ninmah óvulos de fêmeas bípedes. Extraiu a essência vital de Ti-Amat e a inseriu nos recipientes. Nos sete recipientes, feitos de argila do Abzu, Ninmah formou a mescla; pronunciou encantamentos, como requeria o procedimento. Nas matrizes das heroínas iluminadas se inseriram os óvulos fertilizados. Houve concepção, no tempo previsto houve iluminações, no tempo previsto, nasceram sete fêmeas Terrestres. Seus rasgos eram os adequados, emitiam bons sons. Assim se criaram as sete homólogas femininas dos Trabalhadores Primitivos; os quatro líderes criaram sete varões e sete fêmeas.

Depois de serem assim criados os Terrestres, inseminem os varões às fêmeas, que os Trabalhadores Primitivos tenham descendência por si mesmos! Assim disse Enki a outros. Depois do tempo previsto, os descendentes terão outros descendentes, abundante será o número de Trabalhadores Primitivos, eles farão os trabalhos duros dos Anunnaki! Enki e Ninki, Ninmah e Ningishzidda estavam contentes, beberam do elixir do fruto. Fizeram-se jaulas para os sete e sete puseram-nas entre as árvores; Que cresçam juntos, alcancem a virilidade e a feminilidade, inseminem os varões às fêmeas, tenham descendência por si mesmos! Assim se diziam uns aos outros. Quanto ao Adamu e a Ti-Amat, lhes protegerá dos duros trabalhos das escavações, lhes levemos ao Edin, para mostrar ali nossa obra aos Anunnaki! Assim disse Enki a outros; com isto concordaram os outros.

Ao Eridú, a cidade do Enki no Edin, foram levados Adamu e Ti- Amat, lhes construiu uma morada em um recinto, para que pudessem vagar por ali. Os Anunnaki do Edin vieram vê-los, vieram do Lugar de Aterrissagem. Enlil veio vê-los; seu desgosto diminuiu ante sua visão. Ninurta veio para vê-los; Ninlil também. Da estação de passagem no Lahmu (Marte), Marduk, o filho do Enki, também baixou a Terra para ver. Era uma visão das mais surpreendentes, uma maravilha das maravilhas! Suas mãos o têm feito, disseram os Anunnaki aos ferreiros. Os Igigi, que foram e vinham entre a Terra e Lahmu (a estação em Marte), eram todos espectadores também. Fazendo-se Trabalhadores Primitivos, nossos dias de esforços chegarão a um fim! Assim diziam todos.

No Abzu, os recém-nascidos cresceram, os Anunnaki esperavam ansiosamente sua maturação. Enki era o supervisor, Ninmah e Ningishzidda também chegaram. Nas escavações, os Anunnaki se queixavam, cedendo a paciência à impaciência. Enki perguntava freqüentemente ao Ennugi, o supervisor; este lhe transmitia os protestos, pedindo Trabalhadores Primitivos. À volta da Terra cresceram em número, atrasava-se a maturidade dos Terrestres; observou-se que entre as fêmeas não havia concepção, não havia nascimentos! Ningishzidda se fez um assento de erva (camuflado) junto às jaulas de entre as árvores; esteve observando aos Terrestres dia e noite para determinar suas ações. Na verdade, viu-os emparelhar-se, os varões inseminavam às fêmeas! Mas não havia concepção, não havia nascimentos. Enki ponderou o assunto em profundidade, refletiu sobre as criaturas combinadas.

Nenhuma, nenhuma delas teve descendência! Ao combinar duas espécies, criou-se uma maldição!, disse Enki aos demais. Examinemos de novo as essências de Adamu e Ti-Amat!, disse Ningishzidda. Estudemos pouco a pouco seus ME para averiguar o que está mau! No Shurubak (no E.Din, o “jardim do Éden”), na Casa da Cura, contemplaram-se as essências de Adamu e Ti-Amat, compararam-se com as essências vitais de varões e fêmeas Anunnaki. Ningishzidda separou as essências como duas serpentes (DNA) entrelaçadas, as essências estavam dispostas como vinte e dois ramos em uma Árvore da Vida, suas porções eram compatíveis, determinavam adequadamente as imagens e semelhanças.

Vinte e dois (n.t pares de cromossomos, comuns ao homem e a mulher) eram em número; não incluíam a capacidade de procriar! Ningishzidda mostrou aos outros, outras duas porções da essência presentes nos Anunnaki (um 23º cromossomo, que determina o sexo). Uma masculina, outra feminina; sem elas, não havia procriação! Assim os explicava ele a eles. Nos moldes de Adamu e Ti-Amat, na combinação não se incluíram! Ninmah escutou isto e ficou muito preocupada; Enki se viu cheio de frustração. O clamor no Abzu é grande, está-se preparando de novo outro motim! Assim disse-lhes Enki. Terá que procurar Trabalhadores Primitivos, para que não se deixe de extrair ouro! Ningishzidda, perito nestes assuntos, propôs uma solução; a seus maiores, Enki e Ninmah, disse-lhes em um sussurro na Casa da Cura. Entre todos, fizeram sair às heroínas que ajudavam ao Ninmah, fecharam as portas atrás deles, e ficaram os três a sós com os dois Terrestres. 



Adão e Eva (a primeira mulher criada por Enki era loura), tentada pela serpente (ENKI) oferece a “maça” (capacidade reprodutiva doada pelos geneticistas de Nibiru) a Adão. Enlil (Yahweh) os expulsa do E.Din…

Ningishzidda fez descer um profundo sono sobre os outros quatro, aos quatro os fez insensíveis. Da costela de Enki extraiu a essência vital, na costela de Adamu inseriu a essência vital de Enki; da costela de Ninmah extraiu a essência vital, na costela de Ti-Amat inseriu a essência vital. Ali onde se fizeram as incisões, Ningishzidda fechou a carne depois. Logo, Ningishzidda despertou aos quatro. Já parece!, declarou com orgulho. À Árvore da Vida deles lhe acrescentaram dois ramos, com forças procriadoras se entrelaçaram agora suas essências vitais! Deixemos eles vagarem livremente, que se conheçam (Adamu-Adão e Ti-Amat-Eva) entre si como uma carne única!, disse Ninmah. Nas hortas do Edin ficou ao Adamu e a Ti-Amat (Eva) para que vagassem livremente. Tomaram consciência de sua nudez, fizeram-se conscientes de sua virilidade e sua feminilidade.

Ti-Amat se fez um avental de folhas, para distinguir-se das bestas selvagens.
Enlil/YAHWEH passeava pela horta com o calor do dia, desfrutava das sombras. Encontrou-se de improviso com o Adamu e com Ti-Amat, deu-se conta dos aventais com os que cobriam seu baixo ventre. O que significa isto?, perguntou Enlil; Enki lhe convocou para explicar-lhe. Enki explicou a Enlil o assunto da procriação: Os sete casais Terrestres fracassaram, admitiu a Enlil; Ningishzidda examinou as essências vitais, fazia falta uma combinação adicional! Grande foi o aborrecimento de Enlil, furiosas eram suas palavras: Nada de tudo isto era de meu agrado, eu me opunha a que atuássemos como Criadores. O ser que necessitamos já existe! Isso disse você, Enki. Tudo o que temos que fazer é pôr nosso sinal nele, para assim forjar aos Trabalhadores Primitivos!

Às mesmas heroínas curadoras as tem feito correr riscos, a Ninmah e a Ninki lhes pôs em perigo, tudo em vão, sua obra era um fracasso! Agora deste a estas criaturas as últimas porções de nossa essência vital, para que sejam como (iguais a) nós no conhecimento da procriação, possivelmente para lhes conferir a eles nossos ciclos vitais! Assim, com palavras iradas, falou Enlil. Enki chamou a Ninmah e a Ningishzidda para apaziguar com suas palavras a Enlil. Meu senhor Enlil!, disse Ningishzidda. Receberam o conhecimento da procriação, mas não lhes demos o ramo da Longevidade Anunnaki da Vida em sua árvore essencial! Depois falou Ninmah, disse a seu irmão Enlil: Que escolha tínhamos, irmão meu? Que acabasse tudo no fracasso, que confrontasse Nibiru sua fatídica sorte, tentar, tentar, tentar, e fazer que assumam o trabalho os Terrestres através da procriação? Então, que estejam onde se lhes necessita!, disse Enlil furioso. Ao Abzu, longe do Edin, que sejam expulsos do E.Din!

Continua com a Sétima Tabuleta

Saiba mais em:
  1. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  2. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-livro-perdido-de-enkiea/
  3. http://thoth3126.com.br/nibiru-crop-circle-enki-ea-na-italia/
  4. http://thoth3126.com.br/o-genesis-e-a-epopeia-de-gilgamesh/
  5. http://thoth3126.com.br/o-iraque-babilonia-ira-persia-e-a-luta-pela-heranca-extraterrestre/
  6. http://thoth3126.com.br/maldek-e-nibiru-mais-dois-planetas-de-nosso-sistema-solar/
  7. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  8. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-i/
  9. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-ii/
  10. http://thoth3126.com.br/cientistas-encontram-genes-extraterrestre-em-dna-humano/
  11. http://thoth3126.com.br/cidades-annunaki-encontradas-na-africa/
  12. http://thoth3126.com.br/os-quatro-rios-do-eden-o-paraisoe-din-e-nibiru/


    Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

    www.thoth3126.com.br

    Compartilhe:

    30Share on Facebook (Opens in new window)30
    4Click to share on Twitter (Opens in new window)4
    Click to share on Reddit (Opens in new window)
    Click to email this to a friend (Opens in new window)

    URL: http://wp.me/p2Fgqo-67m

Posted by Thoth3126 on 24/04/2015

-- *** --

Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.

Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.
Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um.

Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos em português:
http://rayviolet2.blogspot.com/search?q=Enki
 


Atualização diária

Se gostou! Por favor RECOMENDE aos seus Amigos.
achama.biz.ly 

Israel ou Cazária!?

achama.biz.ly email: nai@achama.biz.ly 


EN: VioletFlame * The Illuminati * Alternative Media * North Atlantic Islands * Indian Ocean Islands * South Atlantic Ocean Islands * Alternative Media * Creator's Map * ESU IMMANUEL * Exposing Media DesInformation * Galactic Federation * Indians, Prophecies and UFOs * Illuminati, The * Infinite Being * Israel (!?) * Jews..., the Real ones! * Khazars Jews are converted, not jenuine * Meditation * Media News * NESARA (!?) * SCIENCE, SPIRIT, Free Energy!... * UFO CONTACTS * UFOs (MORE) * USA The 4th NAZI Reich!? * Zionism Lies and The Illuminati * Light a Candle for PEACE * The Red Pill * The True Shadow Government

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.