Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Maio 10, 2023

chamavioleta

Suicídio e morte

Sananda
Canal: Jahn J Kassl

Tradução a 8 de fevereiro de 2023

 

Livre arbítrio?
JJK: "Toda a gente tem livre arbítrio - incluindo tirar a própria vida." Esta afirmação, que fiz na 125ª Leitura da Luz, abalou alguns leitores. "A vida é intocável", argumenta-se, e isso é uma licença para cometer suicídio, especialmente se não tiver de temer quaisquer consequências negativas depois. Fala-se de um "nevoeiro" em que a alma mergulha depois do suicídio - e de uma lição que é preciso apanhar. O que é que se passa realmente? Para mim, muitas imagens religiosas têm um efeito duradouro nas pessoas.
 
Para algumas pessoas, é impensável que a "morte voluntária" esteja sujeita ao livre arbítrio de uma pessoa. Então o que é que é verdade?
 
SANANDA: Estás abraçada e inserida no meu amor, pessoa amada! Não te preocupes! Nunca te preocupes! Especialmente quando as pessoas se despedem deste mundo sem terem esperado pelo chamamento de DEUS.
 
Se as pessoas escolherem a outra vida e não tiverem vivido esta vida em pleno, então não te lamentes, mas ganha confiança, porque tudo nasce do amor de DEUS e tudo está seguro no amor de DEUS.
 
Razões
Cada ser humano é livre nas suas decisões e acções terrenas. Isto descreve o livre arbítrio. De outro modo, o livre arbítrio de uma pessoa não seria digno de menção.
 
Mas o que é que acontece quando um ser humano, por sua livre vontade, embora muitas vezes em desespero, decide pôr termo à vida no corpo humano antes do tempo previsto? Depende sempre do indivíduo! As generalizações induzem em erro e confundem, em vez de orientar.
 
Há almas elevadas e maduras que escolhem antes da sua hora regressar à Luz. As razões para isso são diferentes, mas são semelhantes num ponto:
 
O homem não quer mais viver com certas circunstâncias e fardos! As pessoas que preparam conscientemente a sua partida, que estiveram apegadas à sua alma e a si próprias durante toda a sua vida, vivem esta transição tão conscientemente como viveram. Mesmo que não tenham podido completar completamente certos aspectos da sua existência na Terra:
 
Quem morre conscientemente, vive conscientemente na Luz. Isto mesmo que certas ordens não tenham sido cumpridas!
 
DEUS não julga! DEUS recebe cada vida na sua graça. Podeis ter consciência disso e deveis tê-lo sempre!
 
Mesmo que nenhum ser humano planeie terminar prematuramente a sua vida antes de descer à terra, esta opção está marcada para muitas pessoas nos planos alternativos.
 
O nevoeiro"
JJK: Existe um "nevoeiro" em que essas almas residem ou através do qual essas almas têm de passar?
 
SANANDA: Muitas almas ficam numa espécie de "nevoeiro" depois de terem deixado o seu corpo. É uma paragem para a purificação e clarificação da alma antes da sua viagem para as suas famílias cósmicas.
 
As pessoas que estiveram desorientadas durante toda a sua vida, que não encontraram ligação consigo próprias e que ignoraram as necessidades da alma, perdem-se em diferentes mundos nebulosos e são gradualmente recordadas da luz que são. Isto não tem nada a ver com a forma de morrer, mas sim com a forma de vida que a pessoa viveu.
 
JJK: Penso que muitas pessoas morrem aos 20 anos e são enterradas aos 80. Muitas pessoas não têm qualquer ligação à alma, negam o seu ser divino e negam a sua origem como seres espirituais. Não se pode estar morto! Podem até ter um sucesso económico visível, mas as suas vidas são planas e não têm qualquer relevância espiritual.
 
O "suicídio" num novo significado
Neste contexto, "suicídio" adquire um significado totalmente novo. Ou seja, que se pode matar mesmo estando vivo. Por outro lado, podemos deixar o nosso corpo voluntariamente, de forma consciente e ligada a nós próprios.
 
Recentemente, vi um vídeo de Sabine Mehne , uma mulher que lutava há muito tempo contra uma doença grave e que, após anos de sofrimento, tomou finalmente a decisão consciente de abandonar o corpo. Durante estes anos, adquiriu uma enorme sabedoria espiritual. A entrevista estava tão cheia de luz e de amor que raramente consegui perceber num ser humano.
 
Então, quando é que nos matamos realmente? O que é mais prejudicial, abandonar o corpo ou separar-se de si próprio para o resto da vida? O "suicídio" aos 20 anos, carregar o corpo até aos 80 e esperar pelo enterro? O que é que tem que qualidade e quais são os efeitos?
 
"A vida é intocável!", diz-se! De que tipo de vida estamos a falar?
 
SANANDA: Os mestres espirituais enfrentam a sua própria morte com entusiasmo e alegria. Conhecem o lugar e a hora.
 
Esses mestres serão chamados por DEUS ou são eles próprios que fazem essa escolha? Aqui a vontade de DEUS e a vontade do homem andam de mãos dadas.
 
Onde a separação entre DEUS e o homem é abolida, já não há separação nesta questão. Quando a SUA vontade e a vontade de DEUS são uma só, tudo segue o seu curso natural e divino. No entanto, este é o caso de muito poucas pessoas. Então, como é que é?
 
Os potenciais
Antes de encarnar, uma pessoa planeia os seus potenciais, as suas aprendizagens e os caminhos que quer seguir para os atingir. Muita coisa acontece exactamente com base neste plano concebido no além, algumas coisas acontecem de forma diferente. Porque a Terra é o planeta do amor e a estrela do livre arbítrio. Para a maioria das pessoas, o fim prematuro de uma vida humana significa que querem embarcar de novo nesta experiência de aprendizagem. Há uma tarefa a ser dominada ou um karma a ser equilibrado. Isto acontece sempre com clareza, através da orientação espiritual dos mestres e no amor.
 
A névoa aguarda apenas as pessoas que apresentam grandes impurezas, pois viveram toda a sua vida separadas da sua verdadeira natureza, do espírito e da alma. Este desrespeito tem consequências desfavoráveis e é necessário um extenso trabalho de purificação no além para libertar a consciência das cadeias terrenas.
 
A verdadeira tragédia
A verdadeira tragédia de uma pessoa, no entanto, é o "suicídio" ao longo da vida. Matar o divino, negar a sua espiritualidade e descartar o espírito e a alma. As pessoas que, muitas vezes, estão de boa saúde e não se preocupam com o seu bem-estar espiritual têm um percurso de regresso diferente do das pessoas que viveram amarradas.
 
JJK: O que é que acontece a essas pessoas?
 
SANANDA: Também elas são acompanhadas através do nevoeiro e trazidas para a luz até se poderem lembrar de novo - ou achas que DEUS se esqueceu de um dos seus filhos?
 
JJK: Essas pessoas entram nesse mundo solitário e nebuloso de que é difícil sair e de que falaram alguns "videntes"?
 
SANANDA: Esses planos etéricos de baixa vibração existem.
 
O mundo intermédio
É aqui que se reúnem todas as almas que passam desorientadas por não terem prestado atenção ao cuidado da sua alma durante toda a vida. Esta "névoa" existe para todos os seres humanos que viveram separados de si próprios, que deixaram o seu eu morrer muito antes da morte porque não foram capazes de se ligarem a si próprios.
 
Este mundo intermédio é uma etapa intermédia e a alma permanece aí apenas o tempo necessário. A vida é intocável - e lembra-te: Tudo é vida, especialmente o que está escondido dos vossos olhos.
 
JJK: Há muitos anos, quando estava a meio da minha crise de vida, há cerca de 10 anos, o suicídio também era um tema importante para mim. Quis mesmo suicidar-me pela primeira vez quando tinha 14 anos e até aos 25 anos foi uma questão recorrente. Isso foi muito concreto e muito mais do que apenas um pensamento!
 
Sei quanta coragem e força este passo exige e, por outro lado, como uma pessoa deve estar desesperada para pensar nisso ou mesmo para o fazer no final.
 
Então, o que fazer quando alguém se deixa levar por esta intenção? Devemos ajudá-lo a pôr em prática ou trazê-lo de volta à vida?
 
SANANDA: Todas as almas vêm à Terra para criar experiências e para serem bem sucedidas nas aventuras projectadas! Os projectos têm de ser dominados, é esse o sentido da vida humana. O Plano A do projecto prevê que o homem deixe a existência terrena quando chegar a hora que foi medida antes do nascimento. Esta hora permanece escondida da maioria das pessoas devido à sua própria programação.
 
Quase não há pessoas que queiram saber essa hora com antecedência. No entanto, aqueles que se propõem a descobrir este segredo, descobri-lo-ão.
 
No entanto, cada pessoa cria vários cenários antes do nascimento. É por isso que há sempre um plano B, um plano C ou um plano D. Isto deve ser respeitado. Assim, diferentes cenários de morte são possíveis e também prováveis.
 
Mesmo que uma vida humana esteja sujeita à vontade de DEUS, há sempre correcções e mudanças no curso predeterminado devido ao livre arbítrio do ser humano.
 
A vida é o plano A
JJK: Então deves ajudar as pessoas para que elas possam encontrar o caminho de volta à vida humana?
 
SANANDA: O que te manteve na Terra?
 
JJK: Eu tinha um impulso interior, uma vontade, e queria realmente saber o sentido da minha vida. Antes disso, não queria desistir? Depois, também tive pessoas que me deram esperança, coragem e apoio.
 
SANANDA: Assim, acontece que cada pessoa encontra o que precisa para corresponder a um dos seus projectos. Não se preocupem: o plano da névoa não entra naqueles que, de forma totalmente consciente, partem daqui para a luz, mas afecta aqueles que, inconscientemente, levam uma vida superficial de auto-alienação.
 
O verdadeiro suicídio é negar a sua natureza divina, não desistir do seu corpo físico.
 
Este é um aspecto parcial num segmento de tempo, um veículo para experiências que são únicas por serem desta forma.
 
Ninguém nasce para regressar cedo à luz, mas todos são recebidos como um rei se a sua alma se manteve pura durante toda a dor.
 
Sois amados e honrados, porque porque estais prontos para as respostas, as vossas perguntas conduzem-vos ao conhecimento.
 
Com amor infinito
SANANDA
 
 

 
Transcrito por achama.biz.ly com agradecimentos a: 
 
 

 

Março 03, 2023

chamavioleta

Saber além da nossa capacidade humana

Por Kenneth Schmitt

Traduzido a 2 de março de 2023

 

 

Quando estamos alinhados com a nossa consciência de coração, podemos usar a nossa imaginação de formas criativas e transformadoras de vida. Podemos imaginar que somos o Criador, infinitos em todos os sentidos e presentes em plena consciência de todas as potencialidades em todo o lado e sempre. Podemos escolher o que sentimos sobre nós próprios das formas mais maravilhosas e magníficas. Se queremos experimentar o êxtase e o amor para sempre, podemos criar a presença de outros Seres conscientes e infinitos que nos permitem interagir de formas agradáveis que melhoram a vida. Podemos criar o tipo de Seres que queremos interagir e com os quais queremos estar. Agora imaginem que nós somos esses Seres.
 
Imagine que somos criados para partilhar as experiências vivas do Criador de todos e para usar a nossa capacidade criativa de conceber experiências divertidas para participar com o Criador. Suponhamos que é isto que estamos a fazer agora. Estamos constantemente a criar experiências e interacções nos nossos pensamentos, sentimentos e acções. Na nossa perspectiva, podemos determinar a qualidade das nossas experiências, e oferecemos todas elas ao Criador, cuja consciência partilhamos em cada momento. Temos a liberdade máxima de pensar e sentir como quisermos em cada situação.
 
Qualquer situação que estejamos a viver actualmente está presente para nós devido à nossa concepção e intenção. Devido às limitações que impusemos à nossa consciência para participar plenamente na experiência humana, podemos não perceber o que a nossa vida actual significa para nós, mas com suficiente introspecção e consciência interior, ela pode tornar-se clara para nós. Todas as nossas experiências são significativas em algum nível de vibração. Estamos a descobrir qual a sensação de negatividade, e estamos a aprender a conduzir-nos e a ter consciência da qualidade do nosso próprio estado de estar em interacção com a negatividade.
 
Se formos perceptivos e abertos a receber inspiração, podemos saber que participamos numa consciência maior do que a nossa capacidade biológica nos permitiria. Esta consciência vem através do nosso próprio conhecimento interior para além da consciência do ego. Quando podemos resolver os nossos medos e crenças limitantes sobre nós próprios, podemos abrir a nossa consciência à nossa consciência do coração e à realização da nossa essência infinita. Somos os companheiros do Criador infinito e fractais da consciência universal.
 
Kenneth Schmitt
 
 
 

 
Transcrito por achama.biz.ly com agradecimentos a: 
 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub