Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Janeiro 26, 2024

chamavioleta

SEJA O PRÓPRIO AMOR

Mensagem de Jesus/Jeshua,

Canal: Judith Coates

Tradução: Regina Drumond

a 25 de janeiro de 2024

 

 

Eu o convido agora a respirar profundamente e sentir a paz que vem com essa respiração profunda.
 
Sinta-se imerso no amor e na paz – aquele espaço de unidade onde você sabe que realmente existe apenas um de nós. E nesse espaço convidaremos o aspecto Daquele conhecido como Jeshua para falar conosco.
 
Amado, Sagrado Filho de nosso Pai celestial – Mãe também. Aqui em espírito, aqui em corpo, aqui na Totalidade do Um, vocês são de fato meus irmãos e irmãs. Vocês são de fato os amigos com quem caminhei em outras vidas. Você é aquele que conhece a unidade do espírito e do corpo na fisicalidade que usa para expressar o amor que sabe ser a sua natureza.
 
É uma grande alegria olhar para todos vocês. A fisicalidade, sim, é linda, é radiante. Cada um de vocês está radiante em expectativa. Pois verdadeiramente, você está sempre nesse espaço quando volta sua atenção para mim, para o Cristo. Não apenas a personalidade de alguém, Jeshua, mas o espírito Crístico em você. Você é sempre um em qualidade dinâmica. E, às vezes, eu o vi onde um “ah” veio até você. E é como, “Oh, foi isso que ele quis dizer? Foi isso que eles quiseram dizer quando disseram X, Y e Z?” Sim. Leve isso ao seu coração. E saiba que verdadeiramente você é o Cristo. Caminhando com os dois pés, sim. Sentado, ouvindo com a fisicalidade. E ainda além disso, bem como o espírito de amor.
 
Esta é uma época em que você conhece o amor. Agora, embora eu saiba que há questões de: “O quê? O quê, que presente eu compro para fulano de tal? O que devo fazer no planejamento das próximas semanas?” E você tem todos os tipos de perguntas que vêm à mente. E você pensa: “Ah, somente um pouco de paz”.
 
E, amados, como já compartilhei com vocês muitas e muitas vezes. Essa paz está a apenas um fôlego de distância.
 
Permita-se respirar profundamente, sim. E registre-se mais uma vez, com a Unidade – “U” maiúsculo – de espírito que você é.
 
Pois você é espírito – ativando um corpo – e sentindo a expectativa da alegria dos Dias Sagrados. Isso é o que são estes dias. São tempos sagrados. Momentos em que há uma abertura que vocês decretaram, um caminho para voltar ao Lar mais uma vez, para aquele lugar de Unidade – “U” maiúsculo. Aquele lugar onde você sabe: “Estou ativando um corpo. Eu tenho um certo nome que uso, através de uma certa natureza.” E, às vezes, você se divertiu com a natureza porque há mais nisso do que você pensava que haveria. E tenho sentido a sua energia de vez em quando. E você também está em uma posição de unidade comigo – com o espírito de Cristo.
 
Muitas vezes alguém orará para mim. E quando eles fazem isso há uma certa separação entre “Bem, eu estou aqui e você está aí”, e assim por diante. Mas, na verdade, permita-se, com uma respiração profunda – isso é tudo o que é preciso – chegar a esse espaço de paz interior que sabe: “EU SOU”. Ponto final. "Eu sou tudo. Eu sou espírito. Eu sou Amor." O que você quiser reivindicar. Permita-se saber que você é de fato uma extensão – se quiser ver dessa maneira – do amor incorporado em um corpo. Sim, para que você possa abraçar e conversar com alguém e dizer: “Como você está linda hoje. Você está radiante. O que aconteceu? O que há de novo?” E você obtém respostas. E então alguém dirá: “Bem, não me sinto diferente”. E ainda assim algo aconteceu.
 
Neste momento, você está convidando a compreensão e o conhecimento. A plenitude de saber: “Eu sou um corpo, sim, ou, eu tenho um corpo. Mas eu sou o espírito do um.
 
E você é o espírito deste tempo, o Espírito Santo. O momento sagrado agora para celebrar, para voltar mais uma vez a esse espaço de conhecimento: “Tudo o que experiencio vem da unidade do meu Cristo. E mesmo aquelas experiências que eu chamo de não serem tão boas, elas estão me permitindo conhecer, sentir, ser tudo o que posso ser e sou neste espaço de unidade.”
 
Você é como nós o comparamos ao diamante. Vocês são as facetas do diamante. E você está mostrando a luz do espírito, e você está em um espaço... (Judith/Jeshua recebe uma garrafa de água) Obrigado, amado. Ele é muito intuitivo enquanto coça a cabeça. Sim, deveríamos ter você na câmera. (Judith toma um gole de água) Obrigada, terei muito cuidado com isso. E não irei me batizar como fiz outras vezes. Você poderia segurar, por favor, e se estiver muito fria, você pode colocá-la no chão. Sim, houve momentos em que fizemos o batismo com propósito. E às vezes, muitas vezes, não com propósito, mas por acaso e ainda assim não há acaso nisso. Tem sido um exemplo. O professor de vocês muitas vezes ensina melhor com o exemplo quando não interfere. Mas você já sabe disso.
 
​Esta temporada, é um momento de amor. Um momento que em seus dias é um momento de desafio porque há muitas coisas que vocês desejam fazer e um certo elemento de tempo relacionado a isso. E você diz: “Bem, Jeshua, como irei fazer tudo isso nas próximas semanas? Todos os presentes de Natal que quero comprar e presentear as pessoas para que saibam, na materialidade, o quanto me importo com elas?” É por isso que vocês dão presentes materiais. É para deixar que os outros saibam que verdadeiramente: “Eu o amo. Eu me importo com você. E este é um pequeno sinal do meu amor.” E espero que você encontre algo com que se sinta bem para dar a outras pessoas. E não haverá, como eu vi algumas vezes, um pouco do rancor que acontece: “Bem, eu não comprei a melhor coisa, mas Jeshua, eu não tinha as moedas de ouro para isso”. Você não precisa ter as moedas de ouro. Tudo o que você precisa é ter um sorriso no rosto. E talvez os braços estendidos para dizer: “Venha. Nós somos um."
 
Tente isso às vezes com certos parentes. E você sabe de quem falo, de quem se sente um pouco distante. E você diz: “Venha, eu lhe darei meu amor”. E você os reúne e eles pensam: “Oh meu Deus, o que está acontecendo?” Mas o amor está aí. E é realmente o que eles estão pedindo, querendo saber: “Eu tenho valor? Eu sou adorável?
 
E sim, cada um de vocês é adorável. Cada um de vocês traz um sorriso ao rosto dos outros de vez em quando. E você diz: “Bem, eu não quero ser alvo de risadas nas piadas. Espero apenas ser amado por mim mesmo em todo o meu esplendor.” Então, sim, viva o seu esplendor. Este momento da sua temporada é um momento de desafio. É um momento de manter a sua alegria, mantê-la mesmo quando as coisas não funcionam da maneira que você planejou.
 
Mas eu sei. Eu vejo. Eu ouço. Oh, meu Deus, eu ouço o que você está dizendo, pensando, sentindo. Mas permita-se o sorriso. Vá rapidamente para aquele espaço que diz: “Isso é realmente uma comédia. Achei que era sério, mas é uma comédia.” E olhe para você mesmo e para seus irmãos e irmãs e veja como eles estão agindo. Sim, a comédia, quer eles saibam ou não, sim.
 
E neste momento, eu sei que as listas que você faz - todas essas coisas que precisam ser feitas, lugares para ir, coisas para comprar, etc. .” E você pensa: Eu não conseguirei fazer isto em tempo." Isso não importa. Você é o criador do tempo. Você é quem define os requisitos. Portanto, respire fundo e diga: “Tudo bem, vou colocar um pouco de elástico nisso e deixá-lo esticar um pouco até o espaço onde eu conheça o amor”. Amor pelos outros, sim – é por isso que você dá os presentes. Mas amor a si mesmo, aquele eu que quer servi-lo como você se entende ser. Mas aquele eu que é verdadeiramente o Cristo, o eu que está nascendo de novo no pleno conhecimento de quem e o que você é.
 
E há momentos em que o ouvi dizer, e é bem verdade: “Jeshua, eu sou o bebezinho nisso. Estou apenas começando a ter uma ideia do que o Eu Crístico pode ser. Por favor, ajude em minha ignorância. E eu o faço. Estou sempre ao seu lado. Estou sempre dentro de você. Tudo que você precisa fazer é parar, respirar, sorrir e aceitar. Aceite o amor que você é. E se você acha que fez alguma coisa, algum tipo de acidente, permita-se ficar de lado e dizer: “Oh, eu fiz isso muito bem”. E você conhece esse sentimento? Sim, você conhece, sim. Às vezes você faz a comédia do erro, como você o chama. E ainda assim não é um erro. É uma comédia para deixá-lo saber, para se levar com leveza. Pois você é a luz. Lembre-se de que, ao fazer compras, “tenho que comprar o presente perfeito para fulano de tal”. Respire. Saiba que você é luz. Saiba que eles são luz e amor.
 
Ok, esse é o seu recurso por enquanto.
 
Você cria para si mesmo os desafios mais maravilhosos. “Não sei o que dar de presente para fulano de tal – esse é muito difícil de agradar. E se eu conseguir encontrar algo que o agrade, ficarei feliz.” E, no entanto, o maior presente de todos é o presente do amor. Ou ser capaz de dizer a outra pessoa: “Eu o amo. Eu entendo a humanidade. Eu entendo os altos e baixos. Eu entendo quando você dá o seu melhor. E, então, você pensa que talvez tenha falhado. Eu entendo que já estive lá, fiz isso muitas vezes”, você diz.
 
Mas isso não é o importante. O importante é a comédia dos erros. E eles não são erros, mas sim a comédia. Poder rir com o outro. E dizer: “Ei, você sabe, somos ótimos atores neste palco. Venha aqui." E você dá o abraço. Ou você diz: “Vou apertar a sua mão”, porque algumas pessoas não gostam do abraço. Elas se sentem sufocadas. “Então, vamos apertar a mão deles. Vou tocar no seu ombro. E eu lhes direi: “Somos um em espírito”. Ou quaisquer palavras que pareçam funcionar com a pessoa com quem você está falando, porque nem todos querem ser um em espírito. É como, “Não, eu quero ser eu mesmo. Eu não quero ser um com você.”
 
Ok, você já esteve lá. Você sentiu isso.
 
Todos vocês são belos, lindos espíritos tendo uma experiência humana. E ter a experiência humana não é a coisa mais fácil de fazer. Na verdade, é muito mais fácil ser a girafa. Ou ser o burro. Saibam que o humilde burro foi o escolhido por minha mãe Maria, para montar ao chegar a Belém.
 
Você é a essência do amor de Deus. E você está clamando neste momento da sua temporada para conhecer o amor.
 
“Mesmo que eu não encontre o presente certo para fulano de tal – ele é tão difícil de agradar, não importa o que eu lhe dê, não será bom o suficiente. Eu sei disso. E você sabe, isso fica registrado bem aqui, bem aqui, que não irá ser bom o suficiente. E ainda assim, eu lhe digo, você é quem dá valor a isso. Dê com amor, com um sorriso no rosto. E um abraço, se for apropriado.
 
​Saiba que você está dando em qualquer forma material o amor que acompanha o material. Você está dando carinho. "Eu me importo com você. É por isso que eu - você sabe quantas lojas eu fui antes de encontrar a coisa certa para dar? Você pode ou não dizer isso. Mas é bem verdade que o maior presente de todos é o presente do amor. O presente que diz: “Eu não me importo se você tem apenas um metro e meio de altura. Eu não me importo se você tem dois metros de altura. Eu não me importo se você tem músculos. Não me importo se você sabe cozinhar, embora seja melhor se você souber. Mas eu o amo. Quando você sorri (e isso é verdade para todos), quando você sorri, você ilumina toda a área ao seu redor.”
 
Isso é energia – o sorriso que sai e cura cada parte que aparentemente precisa ser curada. E, na verdade, nada se cura porque, para começar, tudo está completo. Mas se isto pode ser percebido, é aí que surge o problema. Então, você respira profundamente. E você diz: “Eu amo o que você é. Eu amo o seu senso de humor."
 
E a pessoa pode dizer: “Não tenho senso de humor. A vida é séria. Você não vê como eu sofro?” E você diz: “Sim, mas você faz isso com muito senso de humor. Saiba que meu Pai não faz lixo. Você é o presente mais lindo de todos.”
 
Quando você estiver com um amigo e ele estiver sofrendo, seja física ou emocionalmente devido às suas próprias necessidades percebidas, permita que ele saiba que você o valoriza. Ria. E quando ele disser “Oh, do que você está rindo? Não é engraçado." Você diz: “Bem, os que estão lá em cima estão sorrindo”. “Oh, você quer dizer os anjos? O que eles sabem?
 
Na verdade, eles sabem porque todo anjo - agora leve isso a sério - todo anjo já foi humano em algum momento.
 
“Eu não sabia. Onde você leu isso?” “Eu não preciso ler. Eu sei."
 
Todo anjo que quis ser um anjo teve que passar por certos - eu chamarei isso de treinamento -, eles não entenderiam certas experiências para serem capazes de estar em harmonia com os humanos que pareciam ser tão míopes. E ser um naquele espaço de amor angelical. Sim, os anjos. Eles já foram humanos? Eles foram. É por isso que eles o amam tanto, porque sabem como é ser humano. Estar maravilhado e perguntar “O que, tem mais?” E quando você chegar a esse espaço de pedir, isso será fornecido.
 
Pois, na verdade, você nunca está sozinho. Vocês são sempre “todos um”, mas não sozinhos. Permita-se respirar fundo sempre que houver uma dúvida. Respire fundo e volte para casa mais uma vez. Você é a essência da energia angélica tendo uma experiência humana. Mas a sua parte angelical está realmente cantando. Permita-se respirar profundamente.
 
Sinta a música dos anjos, pois você pode senti-la. Está aí para você.
 
Você pode senti-la e vir para casa por um momento ou mais. Provavelmente conhecendo a experiência humana, você pode não ficar lá por muito tempo, mas tocará o espaço da energia angélica. E é disso que se trata esta temporada.
 
Entrar em contato mais uma vez com um presente de amor em todas as suas formas, seja ele humano ou um pouco da natureza angelical. Sempre conhecendo a Unidade. Vocês nunca estão separados.
 
Permita-se respirar profundamente e volte para casa, para mim, mais uma vez. Bem vindo amado. Sim, você é sempre um, comigo.
 
Vocês estão agora entrando no momento em que há reverência pela criança sagrada, pela criança angélica recém-nascida. E esse é você, não importa quantos anos você tenha passado no corpo. Você ainda é a criança angelical no coração. Isso é quem você é e sempre será – a Totalidade angélica, a Unidade. Um com os anjos, tendo uma experiência humana. E indo muito bem com isso. Mesmo que: “Bem, Jeshua, você sabe que eu faço muita besteira. Eu faço muito estrume e sim, sei que é bom para fertilizantes e para cultivo. E eu sei que tudo que escolhi fazer teve seu lado bom, mas às vezes,...hmm, não cheira tão bem.
 
A experiência humana é de humor. Por que você acha que começa com “hu” – humano, humor. Ok, tire sua dica disso. E sempre que você quiser fazer algo humano e estiver se julgando, permita-se procurar o humor nisso. E garanto que você vai encontrar porque está aí.
 
Permita-se saber neste momento de desafio – e é – que vocês, como grupo, conhecem a unidade, vocês criaram um momento de desafio. Você olhará para o cenário mundial e haverá momentos em que verá muita tristeza. Quando você vê muita infelicidade. Momentos em que há conflito. Saiba que a condição humana, como é chamada, está pronta para transbordar de oportunidades para o sofrimento.
 
O corpo o chamará de vez em quando e dirá: “Oh, como eu sofro”. E as emoções lhe chamarão de vez em quando: “Oh, eu sofro”. Você já esteve lá? Claro. E você provavelmente já participou ao máximo. Espero que sim.
 
Se você vai interpretá-lo e todos são atores no palco, participe ao máximo. Diga: “Ah, ah, ah. Oh, tudo bem.
 
Talvez eu não queira estar lá.” E você não precisa estar. Você tem escolha.
 
Um dos presentes mais maravilhosos da experiência humana é o presente da escolha. E sim, se você quiser se emocionar e realmente ficar chateado com alguma coisa, vá em frente. Cuidado para não quebrar nada e principalmente de outra pessoa, ok? Mas vá em frente e se emocione. Diga: “Oh, eu sempre sofro. Eu sofro, Jeshua.”
 
E eu lhe direi: “Você está na cruz?” E você dirá: “Sim, de certa forma eu estou”. Eu sei. Mas isto também deverá passar.
 
“Nunca pensei nisso dessa forma.”
 
​Isto também passará. Permita-se sentir como o anjo que você é. Que você realmente tem a experiência. Você saberá tudo. Vocês pediram – todos vocês que estão ativando o corpo/forma humano – vocês pediram para conhecer profundamente essa forma humana, o sofrimento humano, a alegria humana. Então, se foi isso que vocês pediram, vão em frente. Vão em frente, emocionem-se.
 
E, então, as risadas surgirão. E você dirá: “Oh, meu Deus, eu não sabia que poderia fazer isso. Eu realmente me coloquei nisso, não foi? Ah, tudo bem. Você fez bem. Sim. E você irá apertar as mãos. Você se saiu bem. E alguém que teve que testemunhar o que você fez dirá: “Sim, com certeza você fez isso”. Parecia um inferno, sim. Mas o outro lado disso é voltar para casa, para um espaço de paz. Aquele espaço que sabe disso de verdade. Eu sou um sempre e para sempre.
 
Eu sou um com o ser angelical que sou. E eu sou um com o diabinho de vez em quando. Oh sim. Há uma pequena parte diabólica em você. “Ah, Jeshua. Você não deveria saber disso. Por que não? Você é o ator/atriz no palco da vida. Jogue ao máximo. E volte para casa naquele espaço. Do lar ao coração. O lar que diz: “Meu Deus, como você desempenhou esse papel!”. E você diz: “Sim, eu o fiz, não foi?”
Claro, porque de fato você é Um – “U” maiúsculo. E você está nascendo neste momento. Conheça as dores do parto. Chama-se trabalho – e é. Pois as mulheres que estão passando por isso escolheram o corpo feminino para dar à luz o pequeno. E há dor. Há luta. Há trabalho. “Jeshua, eu não sabia que seria um trabalho tão difícil. Quer dizer, aqui estou há 12 horas no relógio. Doze horas querendo parir, querendo parir, querendo parir." 
 
Você é a mãe. A progenitora. Não sei se estou inventando palavras, provavelmente. Enfim, trazendo à tona as experiências que mostram um sentido mais profundo da vida humana, o sentido mais profundo da vida espiritual. E é disso que se trata esta temporada no seu tempo. Nasce a consciência Crística.
 
Eu faço uma profecia. Leve isso a sério. Que neste momento, nesta temporada, como você registra no tempo, você voltará ao Lar, para a Totalidade de si mesmo. Não em um espaço que diz: “Tenho que dar a morte ao corpo”. Não, você pode continuar ativando o corpo. Mas haverá uma compreensão – tornando-se real em sua experiência – de unidade. De saber que: “Eu sou a mãe de todas as minhas experiências. Sou eu quem está evocando essa energia. Estou dando à luz. Estou experienciando-a. É meu filho.
 
Todas as experiências que vocês chamam de humanas, vocês estão dando à luz. E não são como punição.
 
Alguns disseram: “Oh, mal posso esperar para concluir a vida humana. É simplesmente terrível. Não. É um presente, pois você escolheu conhecer o auge da grande alegria e a intensidade da tristeza.
 
Você queria conhecer tudo. Você pediu para saber: “O que mais existe?” E como você pediu isso, você receberá mais. Considere tudo isso como bom. É uma dádiva cada experiência que você tem, mesmo que esteja sofrendo na cruz.
 
“Jeshua, isto foi um presente?” Foi mesmo. De que outra forma eu conheceria a experiência da vida e a sensação de vida sendo drenada do corpo?
 
​Era um caminho – isso poderia ser feito. E vocês experienciaram isso em muitos níveis, onde houve morte do corpo de muitas formas diferentes. E você disse: “Eu sou muito forte”, e você é. “E eu quero conhecer tudo.” E com essa pergunta e desejo, você irá conhecer tudo. E às vezes você irá dizer: “Eu realmente pedi isso?”
E, às vezes, pode ser no nível físico, às vezes no nível emocional do amor, onde você disse: “Eu amei esse outro. Eu lhe dei tudo e ele me virou as costas.” Ah, sim. Na verdade, ele não pode excluí-lo. Você é um com ele na experiência da vida humana, sim. E além disso. A experiência da unidade, do Ser.
 
Você é a criação mais maravilhosa. E este é o seu momento agora de dar à luz a lembrança do Filho Sagrado, o Filho Sagrado que surge e aparentemente como um bebê de colo – como um pequenino. E você olha para este. E tenho ouvido isto dito por muitos, muitos pais: “Agora, o que faço para cuidar deste pequenino?
 
Você sempre receberá o conhecimento para fazer o que precisa ser feito. Mas mais do que isso, você terá a oportunidade de sentir a abertura do coração. De olhar para este pequeno e ver o Cristo daquele pequeno. Aquele Cristo que concordou mais uma vez em encarnar. Sim.
 
E mesmo que o corpo não esteja se sentindo tão bem. E você fica um pouco mais velho e diz: “Por que escolhi isso?” - Pela experiência disso! “Ah, mas Jeshua, sou muito rico em experiências. Algumas coisas eu realmente não queria saber. Mas sim, você fez isto. E é por isso que você as chamou para você. Para que você pudesse conhecer.
 
Considere tudo isso como bom. Considere tudo como Vida – “V” maiúsculo – e o dom da Vida. Pois realmente existem alguns seres angélicos que estão perguntando, querendo conhecer, a encarnação. E você pergunta, você diz: “Por que eles iriam querer a encarnação quando são anjos e podem voar e ir aonde quiserem? E eles podem ser amor. Porque eles querem conhecer tudo. O mesmo que você.
 
Você disse: “Ok, eu sei que há uma parte angélica em mim. Mas eu também quero conhecer a humanidade. Quero conhecer o amor humano com todos os seus altos e baixos. Não é apenas amor angélico. Eu estive lá. Eu o senti. É bom. Mas quero conhecer tudo. Quero saber o quanto sou rico, o quanto eu posso ser rico na vida humana.”
 
E assim, portanto, é concedido a você ser o anjo na forma física. E há momentos, de vez em quando, em que você se surpreende e diz: “Você sabe que isso realmente parecia de outro mundo. Não me senti humano. Senti um amor que era abrangente. Eu amo esse sentimento.”
 
Claro que você ama. É da sua verdadeira natureza ir além do que você vê ser o corpo humano, ir além do que você entende como humano – e ser humano é bom, tudo bem – saber o que está além. O esquilo? O castor? O jacaré? A cobra? A cobra recebe uma surra de vez em quando. É muito artístico. OK. Cada forma de vida é, à sua maneira, o epítome da ideia.
 
“Ah. Ok, bem, eu entendo isso um pouco. De qualquer forma, Jeshua, o que devo fazer?” O que quer que lhe traga a plenitude da vida. O que quer que o leve a esse espaço e diga: “Ah, eu não sabia que poderia ser tão bom. Eu não sabia que poderia ser tão terrível.”
 
Ok, você é o ator/atriz neste palco. Foi você quem disse: “Eu posso me emocionar. Eu posso ficar triste. É terrível. É tão horrível. Ou: “Estou tão feliz. Isso é tão bom. Vou dar uma festa e todos vocês estão convidados.”
Ok, você conhece esses sentimentos. Enquanto eu estava me emocionando por você, você poderia ter esses sentimentos. Sim, você já esteve lá, fez isso. E você quer mais: “Isso é tão bom. Você sabe, venha para minha festa, estou dando uma festa. Na próxima quinta-feira à noite, às seis horas, iremos fazer essa refeição, teremos música, teremos baile, você não dança? Bem, tudo bem. Seja o que for." (Membro da audiência: eu estarei lá.) Você estará lá. Bom, muito bom. Uma festa com pelo menos um. Bom negócio. Estarei lá também.
 
Você é quem está organizando a sua vida humana. O drama, você diz, da vida humana. E ela tem seus altos e baixos de vez em quando. Mas você não fica tão deprimido. E na maior parte, você não fica tão eufórico. Você fica no estado intermediário de vez em quando, mas pode apreciar o drama. O que você julgaria como bom. O que você julgaria ser: “Não, não quero ir lá de novo”. OK.
 
Você é o criador da sua realidade, “r” minúsculo. Você é a Realidade “R” maiúscula. Não importa o que o r minúsculo esteja fazendo, o R maiúsculo – a sua Realidade – está permitindo a experiência. E você é o criador de como julga cada experiência. Então, chame a isto tudo de bom. Alegre-se. Esteja feliz novamente.
 
Você é quem escolhe, você é quem disse: “Eu irei em frente como a essência do amor. Na essência e como essência. EU SOU. Ponto final.
 
Eu sou o Eu Divino que conhece a minha unidade – especialmente nesta época do ano, quando alguns estão dizendo: “Sim. Eu chamo a divindade para ser una comigo, para que a divindade tome a forma humana como o pequeno bebê nos braços. Para poder ver a pureza e o potencial deste pequeno. Pois existe potencial para a unidade, para o conhecimento espiritual. Há também a unidade que diz: “Eu estive lá. Já tentei certas coisas e isso não me trouxe felicidade. Eu não irei para lá nesta vida.”
 
Você vê o que você fez. Você deu a si mesmo o presente de vidas aparentemente numerosas. Digo “aparentemente” porque você é, em essência, a energia Crística daqui para frente. Mas ao longo do caminho vocês pediram: “Vamos ter uma experiência de aventura. Eu quero escalar aquela montanha.” Você tem a experiência de ser o rato no armário, bagunçando toda a comida que está no armário. Você esteve lá, já fez isso. Qualquer coisa que você possa imaginar, você fez.
 
“Oh Jeshua, eu realmente não gosto disso. Quero dizer, há certas coisas que posso imaginar e hmm...” Ok, porque é tudo - ouça bem - é tudo um drama criado por você mesmo. E a verdade fundamental sobre você, subjacente a tudo isso, é que você está criando o drama disso enquanto estiver no palco. E é pelo seu prazer, ou talvez não tão prazeroso, saber o quanto você é poderoso como o Eu Divino. E então se afastar e dizer: “Uau! Rapaz, isso foi uma experiência. Acho que não irei lá novamente.”
 
Na verdade, se você quiser receber, foi assim que me senti em relação à crucificação. Eu disse: “Ok, já estive lá, fiz isso. Acho que não preciso fazer isso de novo.”
 
Para aqueles que interpretam tudo literalmente, sim, eu permiti que o corpo sofresse por um momento ou mais. Estive lá, fiz isso. Decidi: “Ok, eu sei como é. Não preciso ficar lá.
 
E isso é verdade para todos vocês. Cada experiência que você tem, você pode experimentá-la por uma fração de segundo. E se você sentir que não deseja permanecer nela, não precisa fazê-lo. Ouça bem isso. Pois, na verdade, você é o criador de suas próprias experiências. Você é o criador, como é dito em seu mundo, do seu próprio destino porque você escolhe como irá seguir. Escolha você, portanto, a alegria. Escolha você, portanto, o amor. Escolha você, portanto, o Cristo.
 
Este é o seu momento da Missa de Cristo – o Natal é o momento da lembrança do Cristo de vocês. O momento da lembrança de voltar para casa mesmo ativando o corpo humano.
 
“Mas Jeshua, pode ser isso? Quero dizer, se estou ativando o corpo humano, como posso conhecer o céu? Como posso conhecer Cristo? Há muito sofrimento no mundo humano.”
 
Você pode saber disso e saber pelo drama que é. Pois o próprio Deus de vocês está em um espaço de alegria, de paz, de unidade. O Eu Sagrado. Eu conheci esse espaço como o pequeno. Eu chorei? Sim, eu o fiz. Permiti que os pulmões do corpo e as cordas vocais fossem exercitados. "Eu sou humano. Eu estou vivo. Estou com fome”, como você fez como o pequeno. O bebê de colo dirá: “Eu preciso. Eu preciso de algo. Eu preciso." De que outra forma - até que você conhecesse os tons de voz na linguagem de seus pais - para ser conhecido? Você simplesmente deixou passar e disse: “Estou vivenciando algo”. E os pais olharam e disseram: “Bem, talvez ele esteja aí, ele está com fome. Talvez ela esteja com fome. Vamos tentar alguma coisa. Ah, ela está quieta agora. Acho que ela estava com fome. Claro.
 
Você conhece a vida humana em toda a sua glória. Permita-se desfrutar – estar na alegria – da vida humana e do amor que surge. Porque quando você olha para um pequeno e ele lhe dá aquele sorriso, é um sorrisinho infantil. Eles sabem o que estão fazendo? Sim e não. Mas eles estão criando essa conexão com você. E você olha para eles e vê aquele sorriso. E o que eles sabem exatamente? Seu coração se abre.
 
E você olha para este pequeno e pensa: “Para onde iremos nesta vida juntos? Que experiências iremos conhecer?” E o seu eu que foi encapsulado, muito próximo do corpo, se expande. E o recém-nascido traz de você novos parâmetros, novas jornadas, uma nova unidade de felicidade. E sim, novas perguntas do tipo: “Agora, o que eu faço com este?” Já ouvi todos os pais dizerem isso. "Agora o que eu faço?" E esse é um sentimento bastante humano. Eu fui útil ao trazer este. Eu realmente não sabia o que estava fazendo. Mas este surgiu para que eu conhecesse o amor.
 
E há sentimentos, às vezes sentimentos de inadequação. “Não sei o que fazer com esta coisa.
 
O que eu deveria fazer? Parece precisar de alimentação. Ok, etc. E você vive, você cresce, você ganha uma compreensão da unidade onde você é um com o pequeno. E você está perguntando: “Agora, o que eu faço?” E você pensa: “Oh, isso é o que devo fazer”. E você percebe – você torna real em sua experiência humana – a unidade não da linguagem verbal, mas da linguagem do Ser, a linguagem que diz: “Somos todos um como o Cristo”.
 
Este é um momento muito abençoado em sua experiência humana. Um tempo sim, isso é uma aventura. Chamo assim todos os anos quando falo com vocês, porque é uma aventura. Saber o que é o meu Cristo, este pequeno, aparente Cristo, o pequeno. E ainda assim, ao mesmo tempo, você é o grande que pode entrar em sintonia com aquele pequeno e se alegrar. É um momento de alegria, é um momento de: “Sim, o Cristo está nascendo bem diante dos meus olhos. O Cristo está surgindo – na forma.”
 
Você conhece a aventura disso? Sim, é uma grande aventura. Este pequeno está se perguntando: ‘Agora, o que eu faço? Ah, isso se movimenta. Ah, isso se movimenta. Ah, ah.” E há um grito para os céus e o pai vem correndo. “Oh, que poder eu tenho.”
 
Todos vocês já estiveram lá, fizeram isso. Você gritou para os céus e alguém veio e lhe deu algo. Às vezes era isso o que você queria: a nutrição do corpo, seja através do peito ou da mamadeira. Ou às vezes foi um tapa. E você disse: “Oh, a vida humana não é tão fácil”. Mas você invocou a aventura chamada vida.
 
Este é um momento de vida nova. É um momento de nascer o Cristo, a natureza de Cristo surgindo como humana.
 
E ainda mais do que isso. Pois quando o humano olha para o pequeno e diz: “Como isso aconteceu?” E, mais especificamente, “O que acontece agora?” Sim, é a aventura da vida. Você pediu aventura. Até neste dia e hora. Mesmo neste dia. Você perguntou para saber o que há mais? O que há mais na aventura humana? Todos vocês são grandes aventureiros.
 
“Ah, não, Jeshua. Não. Não, eu não vou lá. Não, isso é muito perigoso.” Tenho novidades para você. Vocês escolheram antes mesmo de encarnarem que teriam a aventura. Bem-vindo ao mundo, pequeno. Grande.
 
Este é realmente um momento de seu próprio nascimento. Você pediu um tempo de aventura, um tempo de novidade, um tempo de questionamento, um tempo de mais. Você tem um ditado em seu mundo. Poderoso. “E há mais.”
 
E há mais. E aqui está. Cada dia no seu tempo é uma aventura. Vá em frente na aventura. Esteja na alegria. Esteja no espaço onde: “Eu conheço o humano, mas sei algo mais. Eu sou o Cristo, mesmo sendo um pequeno recém-nascido. E sim, Jeshua, sinto-me como um pequeno recém-nascido. Eu não sei onde isso vai dar.Como será isto?
 
É o amor nascendo neste plano. Viva no amor. Alegre-se, esteja novamente na alegria. Que assim seja.
 
Oh, há um pós-escrito. Há mais. E há mais.
 
Judith Coates
 
 

 
Transcrito por  http://achama.biz.ly  com agradecimentos a: 
 

As minhas notas:
Deus, a Fonte da vida é puro amor incondicional, não um deus zeloso de [algumas das] religiões dogmáticas.
O Google apagou meus antigos blogs rayviolet.blogspot.com e
rayviolet2.blogspot.com, sem aviso prévio e apenas 10 horas depois de eu postar o relatório de Benjamin Fulford de 6 de fevereiro de 2023, acusando-me de publicar pornografia infantil.
(Uma Grande Mentira)

Free counters!Visitor Map
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub