Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Abril 10, 2020

chamavioleta

A Terraist Letter to Insight 2020

By Ethan Indigo Smith.

Contributing writer for Wake Up World

April 9th, 2020 

 
 



 
Dear infected and afflicted,
 
No matter the proposed biological or radiological origins of the Corona virus, its true source is the bleakness of our very own consciousness. Corona is our karma, the effect of our causes, our actions motivated by ill will, selfishness and overall lacking consciousness.
 
I am a dropout. I write this to you tired. I am tired of the poor and basic institutionalized messages, the terrorist letters to incite swamped vision and sick action. I am tired of illminded political/religious monolithic and monothematic institutionalized thinking and being which so swamps the world no matter the slight variance or modified label. I write this terraist letter to insight 20/20 for the unity of humanity, as a contrast to the greedy, divisive and basic messaging so commonplace globally which, the divisive terrorist messages and modalities.
 
I had this letter on my desk since January 2020, for well over three months. Then there were the paradigm fires across the world, mainly Australia, South America and Africa and in January I paused my sentiment. I settled to pen my thoughts in February and the world changed again. There was the militaristic tension and flareup between United States and Iran. And as February transformed into March the world, not just China, became immersed in the novel corona virus pandemic. Since then situations within nations around the world and global relationships have been changing in terms which made me rethink this letter, to you, every day, nearly every hour.
 
2020 is a ‘spiritual 2×4’ year. We apparently are to be hit with it until the lessons are collectively addressed and we see with 20/20 clarity. Whenever an individual fails to face a reckoning or fails to learn a lesson it only postpones the process and as time goes on the inevitable lesson has to break through more layers of patterning and so the harder the eventual lesson will hit. Eventually if the individual, or collective, fails to assimilate the lesson, one is inevitably hit with the proverbial ‘spiritual 2×4’ up across one’s head. The novel corona virus is a ‘spiritual 2×4’ representing lessons humanity avoided for too long. Our sick unsustainable status quo has resulted in the sickness presently.
 
The closing and quieting of the world via because of the novel corona virus is leading to a review of our internal dimensions as well as our external functions, but we are literally being forced to go inward and address our consciousness, our patterns. Our heroes of the world before 2020 were incited, active, passionate order followers of national/religious rhetoric who performed no matter the divisiveness. Our heroes coming out of 2020 will be of insight, intuition, the compassionate peaceful warriors who will unite all terraists, all beings, at all costs.
 
Humanity is currently going through a breakthrough process. It is extreme to breakthrough the ice of poor conscious patterns. We are in the midst of the breaks. In order to develop we must breakthrough, we must take on the fight of raising our inner consciousness and simplifying our activity during the process and after. We must rise to and breakthrough or we will sink back under, together.
 
Being forced to go inwards and look internally at our own shit is the initial benefit of the novel corona virus and a paradigm shift in and of itself. If we take on the internal battle things will shift, but only after it hits. No institution, business, function of the world compels or forces us to look inward. Only situations and experiences enable such situations in which we gain insight 20/20. A practical global pause is the perfect way to engage such situational experience. The novel corona virus offers us the opportunity to learn the lessons we have rejected; namely around developing our internal world, our internal level of consciousness.
 
Religious institutions might have at one time proposed situational experience to gain insight. But religion has become an enveloping snare to incite partisan mind states often enough rather than inspiration for insight. The world is in fight right now. And the highest art of fighting is required. We must fight without fighting -for our very own wellness and for the wellness those around us and of our surroundings. Our very individual existence is dependent on an internal biological battle, just as we have reached this crisis due to a progression of losing or failing to fight an internal spiritual battle.
 
 
“The supreme art of war is to subdue the enemy without fighting.” ~Lao Tzu
 
Religion etymologically originates in the idea of being in a bind, in a fight, in a wrestling match with god/godliness so as to become more resembling godliness through learning lessons, through fighting without fighting. Spirituality has become what religion was and we must go internal to wrestle our own consciousness to raise our juvenile behavior into godly wisdom. We collectively got smacked upside the head with the ‘spiritual 2×4’ because we ceased wrestling with god/godliness and submitted to institutionalization, bowed to religious/political institutions instead of wrestled with ideas and engaged knowledge and wisdom. We must fight internally and ignore the external instead of fighting for the external and ignoring our internal.
 
 
“If you know the enemy and know yourself, you need not fear the result of a hundred battles. If you know yourself but not the enemy, for every victory gained you will also suffer a defeat. If you know neither the enemy nor yourself, you will succumb in every battle.” ~Lao Tzu
 
Islam means submission. Christianity and Islam built their ideas off of the Judaism. One idea within Judaism, and by extension Christianity and Islam, is the idea of a wrestling with God or godliness within and the detractor of God or godliness within. Just as the highest martial art is fighting without fighting we have to fight -internally. We must fight the battle in which we are not fighting externally, but embracing the bind of a wrestling match to master battle of consciousness within.
 
 
“Know thyself.”
 
A wonderful illustration of the internal wrestling match is depicted in the most famous story of one of the oldest and most popular gods from India. Hindu parables of are so old as to have many layers of meaning and have multiple variations. One such story tells of competition between Ganesh and his brother, Kartikeya. A dispute over who was the wiser arose. They decided to settle it by seeing who could travel around the world. Kartikeya embarked on a world tour on his vehicle, a fast peacock. Ganesh remained at home with his counterpart mouse and traveled the world inwardly through his learning of all things. And when Kartikeya returned Ganesh simply drew a circle around his parents, or around a globe of the Earth, depending on the version of the story. Despite variations in the telling of the story the fundamental lesson remains that the internal traverse is much more expansive than the external one. Ganesh traveled the internal world through mental and spiritual investigation, while Kartikeya circumnavigated the world externally through physical and natural investigation. Ganesh was pronounced the wiser by all.
 
We must cease fighting for institutions externally and, like Ganesh, fight the battle to develop our own consciousness internally, in the battle for our own true nature.
 
Ethan
 
 
Recommended articles by Ethan Indigo Smith:
 
 
About the author:
Activist, author and Tai Chi teacher Ethan Indigo Smith was born on a farm in Maine and lived in Manhattan for a number of years before migrating west to Mendocino, California. Ethan’s work is both deeply connected and extremely insightful, blending philosophy, politics, activism, spirituality, meditation and a unique sense of humor.
 
You can connect with Ethan on Facebook, check out his author page on Amazon, or visit his new websites, Geometry Of Energy and Meditation 108, where Ethan offers lessons on individuation, meditation, the conceptualization of energy, and the metaphysical significance of 108.
 
 
Ethan’s books include:
The Geometry of Energy: How to Meditate: Simple and profound, this book offers an empowering four-step meditation, focused through the sacred dimensions of geometry.
The Little Green Book of Revolution an inspirational book based on ideas of peaceful revolution, historical activism and caring for the Earth like Native Americans.
Meditation and Geometry for The Youth: A short and sweet book to introduce young people to meditation and sacred geometry, in a simple format for the youth and youthful alike.
108 Steps to Be In The Zone, a set of 108 meditative practices for self discovery and individual betterment, including techniques to develop balance, transmute sexual energy.



Compiled by http://violetflame.biz.ly from: 



Archives:
 

Main Site:
 
Alternative to Google

Alternatives to YouTube
 
Jordan Sather's 

 
 



No religious or political creed is advocated here.

Organised religion is unnecessary to spirituality.

Excellent teachings of the masters have been contaminated by the dogmatic control of these religions.

Discernment yes; judgement does not.
If you use discernment you are free to research with an open mind. 

With discernment it is possible to reach the spirit of the letter of any writing and it is also much easier to listen to the voice of the soul that comes from the heart.
Individually you can be helped to find your Truth that is different of everyone. 


Please respect all credits.

 
Discernment is recommended.
 

All articles are of the respective authors and/or publishers responsibility. 
 
 
 
Free counters!

  geoglobe1
 
 

Agosto 14, 2017

chamavioleta





O Guerreiro do Arco-íris


“Nós seremos conhecidos para sempre pelo rasto que deixamos” – Provérbio Dakota
Se apoia preferencialmente as instituições em vez dos indivíduos, então é melhor não ler isto. Se desconsiderar a Regra Nativa Americana das Sete Gerações, talvez este artigo não seja para si. Se a frase “que se foda a guerra” o irrita por causa da sua linguagem “suja” e não porque a humanidade ainda está a lutar contra a devastação causada pelos conflitos institucionais, sugiro que procure outro material de leitura mais adequado às suas sensações refinadas. Se apoia a guerra como um meio político, se apoia a ideia de que a paz só pode ser alcançada pela força, se apoia o lucrativo status quo suportado pelos Democratas e Republicanos (ou qualquer paradigma de esquerda / direita sob o qual vive actualmente), então vá em frente. Se se opõe ao conceito da verdadeira mudança, da revolução social (tal como foi educado para fazer), também pode parar por aqui.
Se, por outro lado, esse sentimento o inspira, se a insanidade da guerra for tão insignificante quanto o “que se foda guerra” parece ser um uso razoável da linguagem, então espero que continue a ler o resto do artigo.

O Mundo da Guerra do Wendigo

Os nativos americanos olhavam para os recém-chegados europeus como afligidos espiritualmente. Provavelmente havia muitas descrições para essa mania, mas uma que sobreviveu é Wendigo. Traduzido por aproximação, a palavra “Wendigo” significa “o espírito maligno que devora a Humanidade”. Os nativos americanos acreditam que, quando uma pessoa consome a carne de outro ser humano, ele é possuído por espíritos malignos e transformado num Wendigo, uma criatura com olhos brilhantes, longos e amarelados dentes caninos, longas línguas e garras penetrantes.
Um humano infectado com o Wendigo devora a força proverbial ou real de carne ou da vida de outras pessoas, lugares e coisas com uma fome insaciável. Cumulativamente, uma raça humana infectada pelo Wendigo coloca um problema muito maior…
“Se extrairmos coisas preciosas da terra, vamos perecer” – Profecia Hopi
Seja tomada literal ou figurativamente, a história do Wendigo tem muitas lições para a nossa sociedade hoje. Vivemos num mundo de guerra Wendigo, um lugar onde a força domina e um apetite insaciável pelo lucro e materialismo é considerado uma qualidade – e, de facto, necessária.
Os Wendigos querem. Sempre com fome, nunca estão satisfeitos e nunca têm o suficiente. Isso leva à destruição da sua própria casa. Não pode lutar contra um Wendigo, pois ele é feito de um mal incolor e a luta só o alimenta. Escavando infinitamente, o voraz Wendigo só pode ser confrontado com mãos e coração abertos. Somente pela partilha pode ser derrotado.

Dois Corações

O povo Hopi do Arizona descreveu com eloquência esta situação quando eles encontraram com indivíduos institucionalizados pela primeira vez. Referiram-se aos europeus institucionalizados que chegaram às suas costas como tendo “dois corações”, pois reconheceram que aqueles que sucumbem à ganância e ao ego, que perdem a conexão consciente e que só podem existir no momento, tiveram um segundo “coração” para alimentar – um que nunca poderia ser satisfeito. Podemos ver esta coragem em todos os aspectos da nossa sociedade hoje: literalmente devorando tudo diante dela, a nossa cultura busca constantemente, mas raramente consegue a satisfação.
“Quando um homem se afasta da natureza, o seu coração endurece” – Provérbio Lakota
Vivemos hoje num mar de poluição e corrupção sistémica. Criamos uma cultura de separação baseada apenas em ideais “masculinos”, abandonando e até mesmo minando as virtudes “femininas” da sustentabilidade, individualidade, cooperação, comunidade e educação. Agora, as mulheres podem fazer parte das forças masculino, desde que recebam salários iguais… nós festejamos batalhas, vitórias e heróis de guerra, em vez de cuidadores, pacificadores, pacifistas e pensadores progressistas, artistas e poetas. Nós cedemos o nosso poder a instituições que valorizam descaradamente a concorrência, a conformidade, a guerra, o lucro e o poder sobre a igualdade, a paz, a diversidade, o avanço e a solução – e nós permitimos que eles determinem por nós as opções e direcções disponíveis nas nossas vidas sem nunca os responsabilizarmos por esse abuso de poder.
E, por causa desses dois corações, perdemos colectivamente o rumo.

O Coração do Guerreiro do Arco-Íris

O arco-íris é o oposto do mal incolor. Um arco-íris é composto por claridade e também é um reflexo de todas as cores. Um arco-íris simboliza a Graça omnipotente na sua clareza e a sua capacidade de refletir igualmente todas as sete cores. Um arco-íris não representa nada mas é todas as coisas ao mesmo tempo. Os diamantes partilham essa qualidade de clareza e capacidade de refletir. Um guerreiro do arco-íris é como um arco-íris de diamante, translúcido, mas reflete todas as cores, em oposição à opacidade e falta de cor do mal.


Os “Guerreiros do Arco-íris” mostravam às pessoas que o Grande Espírito era repleto de Amor e Compreensão, e ensina-las como tornar a Terra bela outra vez.

 
Para ser um Guerreiro do Arco-Íris, é necessário deixarmos de ter 2 corações e parar de alimentar o Wendigo. Pararmos de escolher cores, lados, nações, bandeiras e todo o tipo de reflexões institucionais. Quando alguém reside no seu próprio coração, sem impulsos para falar ou agir em nome de ou alimentar um segundo coração institucional, alcança-se a liberdade da mediação institucional do mundo do Wendigo. Liberto da fidelidade institucional, os Guerreiros do Arco-Íris representam todas as cores, todos os indivíduos, todos os seres. Eles celebram – e quando necessário, defendem – a santidade de toda vida e de tida a Criação. Mas, em vez de empunhar uma espada, o Guerreiro do Arco-Íris tem um coração claro, uma mente afinada e mãos abertas, e cria mudanças através de processos pacíficos. Os Guerreiros do Arco-Íris têm os seus corações no lugar certo, para além de terem os seus corações correctamente alinhados para promoverem mudanças sustentadas e pacíficas.
“Quando eu tinha dez anos de idade, olhei para a terra, para os rios, para o céu acima e para os animais ao meu redor e não conseguia evitar pensar que eles tinham sido criados por um grande poder. Eu estava tão ansioso por entender esse poder que eu questionei as árvores e os arbustos. Parecia que as flores estavam a olhar para mim, e eu queria perguntar-lhes: “Quem te criou?” Olhei para as pedras cobertas de musgo. Algumas delas pareciam ter as características de um homem, mas não podiam responder. Então eu tive um sonho, e no meu sonho apareceu-me uma dessas pequenas pedras redondas que me disse que o criador de tudo era Wakan Tanka, e que, para o honrar, devia honrar as suas criações na natureza. A pedra disse que, pela minha busca, eu me mostrava digno de ajuda sobrenatural. Disse que se eu estivesse a curar uma pessoa doente eu poderia pedir a sua ajuda, e que todas as forças da natureza ajudar-me-iam a encontrar uma cura” – Tatanka-ohitika, O Búfalo Bravo

Individuação Sem Instituição

Os índios americanos viveram em harmonia com o meio ambiente durante milénios, porém ocorria uma desarmonia, ocasionalmente, entre os povos da Ilha da Tartaruga. As tribos lutavam umas contra as outras às vezes, mas nunca na escala massiva das guerras europeias. A sua cultura permaneceu alicerçada no masculino e no feminino em iguais proporções, sem a falsidade do colonialismo híper-masculinizado dos europeus, e as disputas entre as tribos ficavam realmente resolvidas. De facto, o termo “enterrar o machado” provém da lenda iroquesa que celebrava o pacificador que reuniu as cinco nações sob o pinheiro da paz:
Durante a época em que as pessoas se tornaram ingratas, todas as aldeias estiveram em guerra. Um círculo vicioso de guerra e de vingança saiu fora de controlo até ao ponto em que ninguém já realmente sabia qual a razão do conflito. Uma criança nasceu de uma virgem e, quando cresceu, viajou para todas as nações para as convencer a unirem-se em paz. Após algum um tempo, ele conseguiu reunir as pessoas e convencê-las a enterrarem literalmente as suas armas sob um pinheiro branco, e simbolicamente enterrarem o seu ódio e vingança. Ele também amarrou as setas de cada tribo para representar a sua Unidade, como um só.
Hoje, o nosso mundo chegou a um estado em que nos esquecemos daquilo pelo qual estamos a lutar. Vivemos vingativamente, com medo, com força, continuando numa espiral descendente de colectivismo oligárquico e de guerra, que começou muito antes de qualquer um de nós ter nascido. Para a maioria de nós, a própria ideia de amarrar as nossas setas, no sentido figurativo, em Unidade com os indivíduos e instituições externas parece irrisório – o sonho dos idealistas. E mais ainda, independentemente de ser um preconceito individual ou de uma nação, de quem beneficia desse sentimento ou de quem sofre as consequências dele. Nós temos o poder de trazer a Paz…

Uma pequena Revolução verde

rainbow-prophecy_new-world
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A verdadeira revolução social começa nas bases e não no topo. Cabe aos Guerreiros do Arco-íris fazer a Paz, ser a Paz e difundir a Paz. É hora de exigir o fim da guerra! É hora de começarmos a curar a Mãe Terra e os seus habitantes de gerações de separação, conflito e destruição. Estamos em todo o lado e somos mais do que fomos levados a acreditar. E não há tempo a perder: sem fundações alicerçadas no Perdão, na Compaixão e na Unidade, não haverá cura e, sem cura, não haverá revolução, e sem revolução não haverá Paz.
“Se quiserem ganhar a revolução, devem vencê-la pelo Rasta. Não é possível vencer de outra forma, porque se for de outra maneira vai acabar por ter de lutar novamente. Quando é Rasta vence e é o fim da guerra.” – Bob Marley
Os Guerreiros do Arco-irís são transparentes ao mesmo tempo que têm todas as cores ou vibrações, mas para curar uma sociedade com dois corações, uma revolução bem-sucedida deve ser verde. Certamente, o simbolismo “verde” da energia integrativa e da vida mais limpa é ultra-importante e imprescindível no imediato para a revolução mas, para além disso, uma revolução bem-sucedida tem de ser verde, mais especificamente, na medida em que deve refletir a energia de cura do chacra do coração. O chacra do coração está associado à cor verde e é central entre os sete chakras, a sua centralidade é indicativa de Poder, Graça, Amor e Equanimidade – as únicas qualidades que podem superar essa doença humana.
Se uma revolução não começa ou emana do coração, se a revolução é um acto de violência e não um acto de Amor então, mais do que provavelmente, a revolução irá falhar e o ciclo de conflitos e destruição continuará. A garra do Wendigo deve ser confrontada com uma mão humana aberta, e apenas partilhando e cuidando de mão e mente abertas podemos derrotar o Wendigo.
Esteja centrado e aberto, com a clareza semelhante à de um diamante, como um Guerreiro do Arco-íris.

“Quando a Terra for devastada e os animais estiverem a morrer, uma nova tribo de pessoas de muitas cores, classes, credos virá para a Terra e, pelas suas acções e criações, tornará a Terra verde novamente. Eles serão conhecidos como os Guerreiros do Arco-íris” – Profecia dos nativos americanos

Ethan Indigo Smith
 



 
Agradecimentos a: http://pt.prepareforchange.net/ ...

 
Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos deste escritor em português: 
 




Recomenda-se o discernimento.






Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.


Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.


Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.




Atualização diária.



Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub