Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Fevereiro 16, 2024

chamavioleta

Torne-se o seu Eu Superior e conheça ETs

O Conselho Arcturiano da nona dimensão

Canal: Daniel Scranton

Tradução a 15 de fevereiro de 2024

 
Become Your Higher Self & Meet E.T.s - the 9d arcturian council - channeled by daniel scranton
 
Saudações. Somos o Conselho Arcturiano. Temos o prazer de nos conectar com todos vós.
 
Temos tanto amor por vocês lá no planeta Terra, e sabemos que vocês têm muito amor dentro de vocês por nós e pelos outros coletivos nos outros sistemas estelares de que vocês estão cientes. Compreendemos o seu fascínio por outros sistemas estelares e outros seres, e apreciamos que tenha esse desejo de alcançar e de se ligar. Sabemos também que há muitos aspectos fascinantes do planeta Terra, dos vossos semelhantes e de vós próprios para explorarem à medida que continuam a aproximar-se do tempo do contacto extraterrestre completo.
 
À medida que descobrem o que é interessante e excitante sobre a humanidade e a vida na Terra, sentem-se mais dignos de contacto, mais dignos da atenção dos ETs com os quais estão tão fascinados. Vocês estão lá para se elevarem, para elevarem seu status, para que possam se alinhar com aquilo que é de dimensão superior e de vibração mais elevada. E você não faz isso dando-nos todos os elogios, todo o crédito, e vendo-nos como os únicos na galáxia que têm tudo junto.
 
Vocês estão se tornando os belos seres que realmente são em todos os momentos de todos os dias, e se puderem sentir isso a cada respiração que derem, poderão aproximar-se da verdade de quem são. Vocês são seres infinitos multidimensionais de amor e luz, e merecem experimentar a si mesmos dessa maneira. É hora de todos vocês se conhecerem como realmente são, e estão prontos para dar os próximos passos vibracionalmente, para senti-los e compreendê-los de uma maneira muito visceral.
 
Vocês estão prontos para se tornarem seus eus superiores, e aqueles de vocês que entendem que essa possibilidade existe estão fazendo isso, e vocês estão fazendo isso muito conscientemente. Vocês estão prontos para embarcar em muitas viagens, tanto fora de vocês como dentro de vocês, e demonstraram essa verdade para nós e para vocês mesmos.
 
À medida que começarem a viver a verdade de quem realmente são, Verão que todas as possibilidades existem para vocês neste momento e que já retiraram tantas limitações de si mesmos. Você verá que está inteiro e completo agora e que está pronto para embarcar na próxima jornada de expansão que é única para você. E não, você não precisa saber o que é isso neste exato momento. Você também não precisa se sentar e coçar a cabeça até descobrir. Você só precisa continuar dando passos em frente com essa fé e sabendo que está se movendo em direção a algo que é maior e melhor, e também reconhecerá que esses passos são passos que você dá dentro de você.
 
À medida que você se aproxima do infinito e do Eterno dentro de você, você embarca em muitas jornadas de consciência que resultarão em você ficar cara a cara com um extraterrestre. E esse E. T. será outro aspecto do VOCÊ que você realmente é como uma alma, como um aspecto da fonte.
 
Somos o Conselho Arcturiano e gostamos de nos conectar convosco.
 
 
Daniel Scranton
 

As minhas notas:
Deus, a Fonte da vida é puro amor incondicional, não um deus zeloso de [algumas das] religiões dogmáticas.
O Google apagou meus antigos blogs rayviolet.blogspot.com e
rayviolet2.blogspot.com, sem aviso prévio e apenas 10 horas depois de eu postar o relatório de Benjamin Fulford de 6 de fevereiro de 2023, acusando-me de publicar pornografia infantil.
(Uma Grande Mentira)

Agosto 06, 2023

chamavioleta

Por que as representações de Deus Pai se parecem com Zeus?

By Kabamur

Tradução a 6  de agosto de 2023

 

 

Aqueles que estão mais ruidosamente alertando sobre o inevitável engano alienígena já foram enganados.

A doutrina da Igreja serve aos anunnaki, interpretando Deus, e contradiz os verdadeiros profetas. Todos os Deuses que andaram na terra eram extraterrestres.

Image

 

Este versículo descreve Deus ou Satanás?

Por que algumas escrituras dizem "ninguém jamais viu a Deus" (João 4:12), enquanto outras descrevem Deus andando entre as pessoas e interagindo com elas?

Porque não são todos o mesmo Deus.

Você sabia que os adoradores de Satanás chamam Satanás de "Deus" e "Senhor"?

Acreditar que os livros sagrados não são editados e perfeitos é como as pessoas foram enganadas. Satanás não apenas se disfarçou de anjo de luz, mas de Deus.

Como discernir a diferença? Suas ações.

Jesus disse que seu Deus é apenas amor, enquanto outros versos descrevem Deus ordenando assassinato e Escravidão. Não é o mesmo Deus.

Jesus não acreditava em sacrifícios humanos, mas a Igreja afirma que, na época de Jesus, Deus precisava de sangue? Não nos ensinaram também que era Baal quem precisava de sangue?

Todos os deuses que andavam na terra eram Anunnaki, ou anjos caídos, fingindo ser deuses. O Deus de Jesus vive apenas dentro de nós.

O Salmo 18 descreve um Deus da tempestade. Zeus foi chamado Deus Pai. O Deus da tempestade na mitologia é Satanás. É a quem as elites adoram acima de tudo.

Quem é Baal Hadad? Zeus, ou Enlil. Em que ponto as pessoas acordam para essa loucura?

A última pílula vermelha para os religiosos é entender que os livros sagrados são um teste. Estas são histórias de pessoas seguindo entidades boas e más, que foram combinadas pelas elites para criar um sistema de controle chamado religião.

 

Image

 

Kabamur 
 
 
 

 
Transcrito por  http://achama.biz.ly  com agradecimentos a: 
 

 

Junho 30, 2023

chamavioleta

Você está pronto para o contato físico de E. T.?

O Conselho Arcturiano da 9ª Dimensão

Canalizado por Daniel Scranton

Tradução a 29 de junho de 2023

 
are you ready for physical ET contact? - the 9d arcturian council - channeled by daniel scranton - channeler of aliens
Saudações. Somos o Conselho Arcturiano. Temos o prazer de nos ligar a todos vós.
 
Estamos sempre surpreendidos com aquilo de que são capazes na Terra. Notámos que tiveram um pico na sua vibração global como Consciência Colectiva, e esse pico é, de facto, devido ao quão bem estão a lidar com todas as energias que vêm de cima e de baixo. Quando fazem progressos substanciais como este, os seres extraterrestres nos vossos céus tomam conhecimento. Estão à procura dessas janelas de oportunidade para ter mais contacto com todos vós, e aqueles que foram os grandes responsáveis pelo pico estão a aparecer mais claramente nos seus ecrãs de radar.
 
Em outras palavras, eles vão se conectar com aqueles de vocês que estão oferecendo uma vibração mais elevada primeiro. Eles fazem isso, não porque eles estão jogando favoritos, mas porque você demonstra que você pode lidar com energias de alta frequência, e então eles sabem que você pode ficar cara a cara com eles e lidar com sua energia. É claro que também estão cada vez mais perto do primeiro contacto devido a este pico, mas aqueles que estão na vanguarda, aqueles que estão acordados, são vocês que estão a liderar o caminho. São vocês que plantam as sementes e preparam o caminho para um evento de grupo para a humanidade envolvendo extraterrestres.
 
Agora, sabemos que há muitos de vocês que ainda não tiveram contacto consciente e que o querem, e sugerimos que relaxem e deixem de se apegar a ter essa experiência. Aqui está o porquê-mesmo se você continuar a deixar de lado o que é vibracional inferior e acessar o que é vibracional superior, os princípios da manifestação ainda são relevantes aqui. E assim, você não pode estar apegado a ter um cara a cara com um E. T. Se quiser manifestar essa experiência em sua realidade. Você tem que deixar ir e viver sua vida na vibração mais alta que puder. Novamente, demonstre a eles sua prontidão para o contato, mas também deixe de lado esse desejo e deixe o universo e seu Eu Superior lhe trazerem a experiência no momento apropriado para você.
 
Não há problema em estar ansioso e entusiasmado com as suas experiências de contacto, mas se está ligado a elas porque quer provar a outra pessoa que elas existem, ou quer provar a si mesmo que é especial o suficiente para receber esse contacto, então está apenas a atrasar o processo, o que é inevitável. É inevitável que vocês estejam face a face com os ETs nesta vida, mas querem aproveitar a viagem para esse evento. Você quer relaxar e permitir que isso aconteça no momento perfeito para você como indivíduo e para a humanidade como coletivo.
 
Você sempre pode pular para uma linha do tempo diferente, onde o momento do contato da humanidade é mais cedo, mas também pode pular para uma linha do tempo diferente, onde a linha do tempo para o contato da humanidade é mais tarde. Portanto, vivam suas vidas e estejam em um estado de alegria, e não tornem essa alegria condicional, e vocês estarão nessa linha do tempo em que esse evento pode acontecer para vocês e para o resto da humanidade. Você está indo tão bem em tantas áreas de sua evolução da consciência, e enquanto sua ânsia e entusiasmo por E. T. o contacto é bonito, deveis também demonstrar que podeis viver entre os vossos semelhantes como alguém que aceita, ama e tem compaixão por todos e cada um deles. Isso é outra coisa que os E. T. S em forma física estão procurando quando estão considerando quem exatamente lá na terra está pronto para o contato físico E. T.
 
Somos o Conselho Arcturiano e gostamos de nos conectar convosco.

Dezembro 26, 2020

chamavioleta

UM SER EXTRATERRESTRE PARA UNIR A RAÇA HUMANA

O Conselho Arcturiano da 9ª Dimensão

Canalizado por Daniel Scranton

Tradução: Adriano Pereira

a 25 de dezembro 2020

 

 
 
 
Saudações. Nós somos o Conselho Arcturiano. Temos o prazer de nos conectar com você e com todos vocês.
 
Temos estado em comunicação com vários grupos de seres extraterrestres e temos discutido com eles qual poderia ser seu papel, potencialmente, em ajudar a unir a humanidade.
 
Certamente, se todos vocês sabem que fazem parte de uma raça, a raça humana, então existe uma grande possibilidade de que vocês se unam como uma raça.
 
Saber que existem outras raças lá fora em seus céus e por toda a galáxia pode ajudar muito em fazer as pessoas verem que vocês são tão diferentes uns dos outros quanto são de uma raça extraterrestre.
 
Seres que nasceram e viveram fora de seu sistema solar, vindo até a Terra para se darem a conhecer, certamente teriam um impacto em como vocês se sentem uns pelos outros como seres humanos, compartilhando uma experiência comum aí na Terra.
 
É importante que todos percebam que vocês têm mais em comum do que pensam, e saber com certeza que existem extraterrestres pode ajudá-los a deixar de lado suas diferenças políticas, bem como suas diferentes perspectivas sobre o vírus, usando máscaras e tomando vacinas.
 
E então, nós deliberamos entre nós. Não acreditamos que a maioria dos humanos ficaria chocada ao saber, sem dúvida, que extraterrestres existem, e para muitos, qualquer coisa que eles veriam que sai de seu sistema de crenças seria considerado uma farsa; esse é um ponto.
 
Sentimos que a humanidade está pronta para um momento definitivo. Não os vemos prontos para um desembarque em massa de naves neste momento particular, mas vemos que o impacto de uma experiência com até mesmo um ser extraterrestre, seria de enorme impacto agora na união do coletivo humano.
 
Isso é tudo que você realmente precisa, uma distração da forma como você se sente dividido para superar essas perspectivas diferentes.
 
E mesmo que apenas uma pequena maioria dos humanos concordasse que os seres extraterrestres sejam reais, isso seria o suficiente para unir todos vocês.
 
É claro que vamos continuar a brincar com essa ideia com os grupos com os quais temos conversado até que todos possamos concordar sobre o que é melhor para a humanidade neste momento.
 
Nesse ínterim, continue olhando para seus céus em busca de mais atividades de OVNIs e continue a criar uma realidade para si mesmo, onde seu próprio contato com extraterrestres é inevitável, e é algo que acontecerá mais cedo ou mais tarde.
 
Somos o Conselho Arcturiano e gostamos de nos conectar com você e com todos vocês.
 
 
 
 



Compilado por http://achama.biz.ly de: 
Com agradecimentos.
 
 
Arquivos:
 
 
 Sítio (site) Principal: http://achama.biz.ly/
 
Vídeos banidos alternativos




Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.
A religião organizada é desnecessária à espiritualidade.
Excelentes ensinamentos dos mestres têm sido contaminados pelo controle dogmático dessas religiões.
Discernimento sim; julgamento não.
Com discernimento é possível alcançar o espírito da letra de qualquer escritura e é também bem mais fácil escutar a voz da alma que vem do coração.
 

 
Por favor, respeitem todos os créditos


Recomenda-se o discernimento.

 
Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores

 

Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.

 

Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.

 

 
Atualização diária.
 
Free counters!


Outubro 26, 2020

chamavioleta

HISTÓRIA HUMANA/EXTRATERRESTRE

Conselho Arcturiano da 9ª Dimensão

Canalizado por Daniel Scranton

Tradução: Adriano Pereira

a 26 de outubro 2020.

 
 
 
 
 
Saudações. Nós somos o Conselho Arcturiano. Temos o prazer de nos conectar com você e com todos vocês.
 
Estamos entusiasmados com a descoberta de muito de sua história passada aí no planeta Terra. Podemos ver que as pessoas estão desenterrando pequenos pedaços, pequenas pistas para que você saiba que sua história é muito mais extensa e gloriosa do que outras teorizaram ao longo da história.
 
Você descobrirá suas raízes extraterrestres por meio da ciência, e isso abrirá o caminho para um contato pleno e aberto com extraterrestres.
 
Depois de reconhecer que já foi visitado e já foi ajudado, será mais fácil para as pessoas deixarem de lado seus medos e preconceitos, e será mais fácil para todos abrirem seus braços, suas mentes e seus corações para os outros seres que desejam se conectar com vocês, que desejam brincar com vocês e que desejam co-criar com você e todos os humanos.
 
São experiências que muitas pessoas vêm buscando há décadas de suas vidas, e podemos vê-los cada vez mais perto da realização de que foram visitados e ajudados. Você já tem cientistas que estão descobrindo DNA extraterrestre dentro de certas criaturas marinhas, e essas descobertas continuarão. Eventualmente, a conexão entre o chamado “Lixo” do seu DNA lixo, como os cientistas o chamam, e outros seres será estabelecida.
 
E você continuará a descobrir a verdade de que existe vida lá fora, mesmo em seu sistema solar, e certamente além.
 
Sabemos que nada disso é novidade para você que está recebendo esta transmissão. Mas queremos garantir a você que as descobertas de seus cientistas continuarão a destrancar as portas para uma experiência de contato plena e aberta para toda a humanidade.
 
Enquanto isso, continue olhando para o céu e analise seus sonhos. Continue a ver as evidências de outras partes da galáxia em sua própria vida que estão afetando seu ser.
 
Sugerimos que você se concentre nos grupos que estão afetando você de uma forma positiva, porque eles superam em muito aqueles que procuram controlar e manipular você.
 
E quando você se junta com esses extraterrestres positivamente orientados, você é muito forte como um coletivo galáctico.
 
Somos o Conselho Arcturiano e gostamos de nos conectar com você e com todos vocês.
 
 
 



Compilado por http://achama.biz.ly de: 
Com agradecimentos.
 
 
Arquivos:
 
 
 Sítio (site) Principal: http://achama.biz.ly/
 
 
Para outros artigos espirituais e denúncias por favor visite:
 
Vídeos banidos alternativos




Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.
A religião organizada é desnecessária à espiritualidade.
Excelentes ensinamentos dos mestres têm sido contaminados pelo controle dogmático dessas religiões.
Discernimento sim; julgamento não.
Com discernimento é possível alcançar o espírito da letra de qualquer escritura e é também bem mais fácil escutar a voz da alma que vem do coração.
 

 
Por favor, respeitem todos os créditos


Recomenda-se o discernimento.

 
Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores

 

Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.

 

Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.

 

 
Atualização diária.
 
Free counters!


Junho 24, 2020

chamavioleta

Melhores pontos para ver discos voadores.

Escrito por Eu Sem Fronteiras.

24 de junho de 2020. 

 
 
Ilustração de disco voador abduzindo homem em campo.
 
 


 
 
Em 1982, o filme “E.T. – O Extraterrestre”, de Steven Spielberg, foi lançado mundialmente. No longa-metragem, um menino, Elliot, passa a abrigar dentro de casa um ser incomum. Embora a amizade dos dois seja admirável, nem todo mundo gostou de ter um habitante de outro planeta aqui na Terra.
 
 
A possível existência de vidas extraterrestres gera medo, desconfiança e receio em muitas pessoas. Em outras, causa admiração, espanto e uma profunda curiosidade. Uma questão que já deve ter passado pela cabeça até mesmo dos mais céticos é: os seres humanos estão sozinhos no universo?
 
 
Para responder a essa pergunta, existem as mais diferentes teorias. E existem também acontecimentos que fornecem bases sólidas para as hipóteses: o aparecimento de discos voadores na superfície terrestre. Os Objetos Voadores Não Identificados, como são chamados, são estudados pela ufologia e sempre dão o que falar quando são vistos.
 
 
A seguir, vamos relembrar quais foram as cinco aparições de discos voadores que marcaram a história mundial. Será que alguma delas aconteceu no Brasil? Será que você já tinha nascido quando aconteceu? Descubra!
 
 
Aparições de discos voadores
 
 
 
1) Washington, 1952 (EUA)
 
Foto: Jorge Alcala via Unsplash
 
 
A primeira aparição de disco voador aconteceu em 1952, na capital dos Estados Unidos da América, Washington. Naquela época, sete objetos voadores semelhantes, que emitiam uma luz amarela, foram vistos sobrevoando a cidade, durante vários finais de semana. A população estava amedrontada e acreditava que os alienígenas tramavam uma invasão.
 
 
Rapidamente, a Força Aérea estadunidense encontrou uma justificativa para o fenômeno. De acordo com a instituição, os radares aéreos apontaram a presença de OVNIs erroneamente, visto que, na verdade, o que aconteceu foi uma inversão térmica. O ar quente e úmido se encontrou com o ar frio e seco e comprometeu a leitura feita pelo equipamento. Mas nada explicou os objetos brilhantes no céu! (Ver nota*)
 
 
 
2) São Paulo, 1986 (Brasil)
 
Foto: Joao Tzanno via Unsplash
 
 
Parece que o Brasil já recebeu discos voadores! No ano de 1986, em São Paulo, o aparecimento de vinte OVNIs no espaço aéreo da cidade levou a uma medida desesperada das forças militares. Cinco jatos foram enviados ao céu para interceptar o que poderia ser uma invasão alienígena.
 
 
Misteriosamente, os objetos voadores não identificados desapareceram antes mesmo que os pilotos dos jatos pudessem vê-los. Para suprir a curiosidade da população, Geoffrey Perry, um pesquisador britânico, explicou que os OVNIs eram provenientes da destruição de uma estação espacial russa. A parte estranha dessa história é que esses supostos escombros nunca chegaram ao chão.
 
 
 
3) Bélgica, 1989-1990
 
Foto: Liby Penner via Unsplash
 
 
Durante vários meses, entre 1989 e 1990, na Bélgica, a Força Aérea identificou centenas de objetos voadores. Eram triângulos escuros e grandes, que emitiam luzes coloridas. Dessa vez, as autoridades belgas não tentaram justificar o fenômeno. Até hoje não há uma explicação oficial para o que foi visto no céu da Bélgica, mas uma pessoa tentou explicar.
 
 
 
Renaud Reclet, ufólogo francês, determinou que os OVNIs triangulares e brilhantes não passavam de helicópteros. Quantos helicópteros triangulares você já viu? Ao que parece, eram mesmo discos voadores!
 
 
 
4) Turquia, 2008
 
Foto: Ekrem Osmanoglu via Unsplash
 
 
Muito tempo depois das primeiras aparições, os discos voadores voltaram a ser discutidos. Na Turquia, em 2008, um grande disco foi avistado no céu durante meses. Por ser mais recente que os anteriores e por se tratar de um OVNI com o exato formato de um disco, esse é considerado um dos eventos mais importantes da ufologia.
 
 
A Turquia, no entanto, afirmou que o suposto disco voador era uma montagem ou uma animação. Essa versão difere da resposta oficial de autoridades mundiais de ufologia, que declararam que a nave espacial não era computadorizada.
 
 
 
5) Londres, 2011 (Inglaterra)
 
Foto: Eva Dang via Unsplash
 
 
No ano de 2011, em Londres, milhares de testemunhas compartilharam vídeos e imagens de três objetos voadores nos arredores da Torre de Londres, conhecida internacionalmente. Nesse caso, os discos voadores eram pontos luminosos esbranquiçados.
 
 
De acordo com ufólogos que tiveram conhecimento do fenômeno, os objetos não eram discos voadores, e sim uma montagem. Será que tantas pessoas assim decidiram dedicar um tempo para simular OVNIs?
 
 
 
Melhores lugares para ver discos voadores
 
 
Depois de conhecer as principais aparições de discos voadores no mundo, será que você está preparada(o) para presenciar esse fenômeno? Prepare os binóculos, escolha uma roupa confortável e separe uma câmera fotográfica com muita qualidade: hora de aprender quais são os 10 melhores lugares para ver discos voadores.
 
 
 
1) Wycliffe Well (Austrália)
 
Foto: 123RF
 
 
A Austrália é um destino conhecido internacionalmente por abrigar cangurus e coalas, mas você sabia que também é possível avistar discos voadores? Wycliffe Well é um dos melhores lugares para os amantes de ufologia, já que lá é conhecida como a capital dos objetos voadores. A melhor época para visitar o local é de maio a outubro.
 
 
 
2) Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (Brasil)
 
Foto: Reprodução CVC
 
 
No Brasil, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, localizado em Goiás, é um destino buscado por pessoas que desejam apreciar as visitas de seres extraterrestres. Os moradores da região afirmam que já viveram e presenciaram abduções, inclusive. Se você quiser saber mais sobre esses eventos, fale com os cidadãos locais sobre isso!
 
 
 
3) Área 51 (EUA)
 
Foto: Reprodução t13.cl
 
 
Quem adora teorias da conspiração e ufologia tem um prato cheio na Área 51, nos Estados Unidos da América. A região é oficialmente um aeroporto que não pode ser acessado por qualquer indivíduo, por funcionar como uma base militar. Acredita-se, no entanto, que esse seja um local onde o governo estadunidense produz armamentos e naves usando a tecnologia alienígena que armazenam.
 
 
 
4) Varginha (Brasil)
Foto: Reprodução Opus Pesquisa
 
 
Se você nunca ouviu falar sobre o E.T. de Varginha, está na hora de se atualizar sobre a ufologia no Brasil! O suposto aparecimento de um extraterrestre e de discos voadores em Varginha (no ano de 1996), Minas Gerais, transformou essa região em um destino turístico muito procurado por quem quer visualizar discos voadores. Existe até mesmo uma caixa d’água com formato de nave espacial!
 
 
 
5) Observatório Paranal (Chile)
 
Foto: Reprodução Eso.org
 
 
O Deserto do Atacama, no Chile, tem um local perfeito para visualizar OVNIs. O Observatório Paranal é o melhor lugar para identificar discos voadores no país, que acumula relatos desse tipo de fenômeno justamente nesse local. Se estiver passando pelo Chile, que tal dar uma olhada?
 
 
 
6) Itacuruba (Brasil)
 
 
O propósito de Itacuruba, em Pernambuco, não seria o de observar extraterrestres ou discos voadores. O Observatório Astronômico do Sertão de Itaparica fornece os materiais necessários para apreciar as estrelas e o céu, e, se a pessoa visitante tiver sorte, pode se deparar com um disco voador.
 
 
 
7) Triângulo de Molebka (Rússia)
 
 
Na Rússia, a região do Triângulo de Molebka é uma das mais misteriosas do mundo. Embora não seja possível avistar muitos discos voadores pelo céu, os relógios e os aparelhos eletrônicos param de funcionar no lugar. Esse fenômeno é interpretado pelos moradores russos como obra de alienígenas. Parece que só indo até lá para conferir!
 
 
 
8) Peruíbe (Brasil)
 
Foto: Reprodução Wikipédia
 
 
Peruíbe, em São Paulo, é um destino muito reconhecido pelos ufólogos. Se você quiser ir para a região com o objetivo de conhecer os mistérios sobre alienígenas ou aprender mais sobre os discos voadores, vai encontrar um roteiro de viagem especialmente para esse objetivo. Vale a pena conferir!
 
 
Você também pode gostar
 
 
9) Chapada Diamantina (Brasil)
 
 
Na Bahia, a Chapada Diamantina pode ser o destino que você procura para encontrar informações e dados sobre a presença alienígena no Brasil. Em dois pontos, a Cachoeira da Fumaça e o Poço Encantado, você conseguirá ver pinturas rupestres que narram a chegada de extraterrestres no território.
 
 
 
10) Parque Nacional de Sete Cidades (Brasil)
 
 
No Parque Nacional de Sete Cidades, no Piauí, a ufologia foi um pouco mais além do que nos outros locais. Para os moradores da região, a Pedra Castelo do Piauí não é uma formação rochosa qualquer. Acredita-se que um ser alienígena vive aprisionado dentro dela e, por isso, é possível identificar discos voadores no local.
 


 


 

 

 
 
*NR: Há forte evidência de que os OVNIs de 1952 sobre Washington (EUA) não eram alígenas mas sim nazi-sionisras da base secreta na Antártica, e permanecerem por lá até que os EUA aceitacem a rendição, subjugando-se ao control nazi-sionista. Um bom exemplo disso é a operação "paper clip". Esta submisão levou os EUA a ficarem sob total control do "deep state" e dos nazi-sionistas que governam o chamado estado de Israel.
 
Mais evidência nas denúncias de: Corey Goode, David Wilcock, Michael SallaEmery Smith, etc..
 
 

 

 
Agradecimentos a:  

 

Sítio Principal: http://achama.biz.ly/
 
 
 
 
Para outros artigos espirituais e denúncias por favor visite:
 
Vídeos banidos alternativos




Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.
A religião organizada é desnecessária à espiritualidade.
Excelentes ensinamentos dos mestres têm sido contaminados pelo controle dogmático dessas religiões.
Discernimento sim; julgamento não.
Com discernimento é possível alcançar o espírito da letra de qualquer escritura e é também bem mais fácil escutar a voz da alma que vem do coração.
 

 
Por favor, respeitem todos os créditos


Recomenda-se o discernimento.

 
Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores

 

Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.

 

Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.

 

 
Atualização diária.
 
Free counters!



geoglobe1


 


 

Outubro 30, 2015

chamavioleta

O Livro perdido de Enki 

 6ª Tabuleta

The Lost Book of Enki 

Memórias e profecias de um ”deus“ extraterrestre.

Por Zecharia Sitchin.


Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com 

Publicado anteriormente a 24/04/2015


Fazem cerca de 435.000 anos que astronautas de outro planeta e sistema solar chegaram à Terra em busca de ouro. Depois de aterrissar num dos mares da Terra, desembarcaram e fundaram Eridú, “Lar na Lonjura”.

Com o tempo, o assentamento inicial se estendeu até converter-se na flamejante Missão Terra, com um Centro de Controle de Missões, um espaçoporto, operações de mineração e, inclusive, uma estação orbital em Marte. Este livro conta a história desta saga extraterrestre, contada pelo próprio Enki.

Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Partes anteriores em:
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-atestado/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-1/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-2-final/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-terceira-tabuleta/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-quarta-tabuleta/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-quinta-tabuleta/

Sinopse da Sexta Tabuleta 
 
Enki revela um segredo aos incrédulos líderes: no Abzu perambula um ser selvagem similar aos Anunnaki; acrescentando sua essência vital com a dos Anunnaki, lhe poderá elevar até lhe converter em um trabalhador Primitivo e inteligente (um escravo).
A criação pertence ao Pai de Todo Princípio, gritou Enlil. Só lhe daremos nossa imagem a um ser já existente, argüiu Ninmah.
Necessitamos urgentemente do ouro para sobreviver, os líderes votam sim para a tentativa de se criar um trabalhador híbrido.
Enki, Ninmah e Ningishzidda, o filho de Enki, começam os experimentos genéticos.
Depois de muitos fracassos, consegue-se o modelo-perfeito. Surge o Adamu (Adão), Ninmah grita triunfante: Minhas mãos o produziram!
A renomada Ninti («Dama da Vida») por seu turno Ninki, a esposa de Enki, ajuda a criar a Ti-Amat, uma fêmea do Adamu (Eva).
Os seres terrestres, sendo híbridos, se cruzam mas não procriam.
Ningishzidda acrescenta dois ramos de essência à Árvore da Vida (DNA) dos Terrestres.
Ao descobrir os acontecimentos passados, Enlil expulsa os Terrestres do E.Din.
A dupla hélice do DNA humano, emblema de Ninghishzidda.


A dupla hélice do DNA humano, emblema de Ninghishzidda.

A SEXTA TABULETA

Criar um Trabalhador Primitivo, forjá-lo pelo sinal de nossa essência (DNA Anunnaki)! Assim disse Enki aos líderes. O ser que precisamos já existe! Assim lhes revelou Enki um segredo do Abzu (África). Assombrados escutaram outros as palavras de Enki; ficaram fascinados com suas palavras. Existem criaturas no Abzu, disse Enki, que caminham eretas, sobre duas pernas, as patas dianteiras as utilizam como braços, de mãos estão dotados. Vivem entre os animais das estepes. Não sabem andar vestidos, comem novelo com a boca, bebem água dos lagos e das sarjetas. Têm todo o corpo peludo, o cabelo da cabeça é como o de um leão; pulam com as gazelas, desfrutam com as criaturas prolíficas nas águas! Os líderes escutaram as palavras de Enki com surpresa.

No Edin (Mesopotâmia) não se viu nenhuma criatura como essa!, disse Enlil sem poder acreditar. Faz eons, em Nibiru, nossos predecessores possivelmente foram assim!, disse Ninmah. É um ser, não uma criatura!, disse Ninmah. Deve ser emocionante contemplá-lo! Enki lhes levou à Casa da Vida (Laboratório Genético?); em fortes jaulas havia uns destes seres. Ao ver Enki e os outros, ficaram a saltar, golpeavam com os punhos nas barras da jaula. Grunhiam e sopravam; não diziam palavras. São macho e fêmea!, disse Enki; têm masculinidade e feminilidade, procriam como nós, humanos vindos de Nibiru.



Ningishzidda, meu filho, comprovou sua Essência de Elaboração; (DNA) é similar à nossa, como duas serpentes entrelaçadas; Nossa essência vital se combinará com a deles, nosso sinal ficará sobre eles, vamos criar um Trabalhador Primitivo!

Ele compreenderá nossas ordens, usará as nossas ferramentas, levará a cabo os trabalhos duros nas escavações; dará alívio aos Anunnaki no Abzu (minas de ouro na hoje África do Sul)! Assim falava Enki, com entusiasmo, suas palavras soavam excitadas. Enlil vacilava ante as palavras: É um assunto de grande importância! Faz muito que se aboliu a escravidão em nosso planeta, os escravos agora são as máquinas e ferramentas, não outros seres vivos! Quer trazer para a existência humana uma nova criatura, não existente previamente; a criação do homem deve estar somente nas mãos do Pai de Todo Princípio!

Assim disse Enlil, opondo-se; suas palavras eram severas. Enki respondeu a seu irmão: Não escravos, a não ser como ajudantes é meu plano! O ser já existe!, disse Ninmah. O plano consiste em lhe dar mais capacidade! Não se trata de fazer uma nova criatura, mas sim de fazer presente nele mais a nossa imagem já existente!, disse Enki persuasivamente. Com poucas mudanças se pode conseguir, só se necessita uma gota de nossa essência!

É este um assunto grave, e não é de meu agrado!, disse Enlil. Vai contra as regras da viagem de planeta em planeta, proibiu-se pelas regras da vinda à Terra. Nosso objetivo era obter ouro, e não de substituir ao Pai de Todo Princípio!

Depois de falar assim Enlil, Ninmah foi a que lhe respondeu: Irmão meu!, disse Ninmah a Enlil, o Pai de Todo Princípio nos dotou de sabedoria e entendimento, para que propósito ele nos aperfeiçoou deste modo, se não for para fazer o máximo uso disso? O Criador de Tudo encheu nossa essência vital de sabedoria e entendimento, para que fôssemos capazes de fazer qualquer uso disso, não é isso para o que fomos destinados? Assim foram as palavras que Ninmah dirigiu a seu irmão Enlil. Com isso que nos concedeu em nossa essência, aperfeiçoamos máquinas, ferramentas, carros celestiais, fizemos em pedacinhos as montanhas com as armas de terror, e os céus (de Nibiru) curamos com ouro! Assim disse Ninurta à sua mãe.

Com a nossa sabedoria não vamos criar novos seres, vamos forjar novas ferramentas, vamos aliviar o trabalho com novas equipes, não com escravos! Lá onde nosso entendimento nos leve, a isso fomos destinados! Assim disse Ningishzidda, que estava de acordo com Enki e com Ninmah. Não podemos impedir que se usem os conhecimentos que possuímos!, disse Ningishzidda. Certamente, o Destino não pode ser alterado, desde o começo até o Final foi determinado! Disse-lhes Enlil. É Destino, ou é Sorte, o que nos trouxe para este planeta, a tirar ouro das águas, a pôr a trabalhar nas escavações aos heróis Anunnaki, a estar negando a criação de um Trabalhador Primitivo?



Essa, meus parentes, é a questão! Assim, com gravidade, disse Enlil. É Destino, é Sorte? Isso é o que terá que decidir. Está ordenado desde o começo, ou é algo pelo que devemos nos decidir? Decidiram expor o assunto ante Anu em Nibiru; Anu apresentou o assunto ante o conselho planetário. Consultou-se aos anciões, aos sábios, aos comandantes. As discussões foram largas e amargas, disseram-se palavras de Vida e Morte, de Sorte e Destino. Há alguma outra forma de se obter ouro? A sobrevivência de Nibiru está em perigo! Se tiver que se obter ouro, que se elabore, se crie o novo ser, decidiu o conselho. Que Anu deixe de lado as regras das viagens planetárias, que se salve Nibiru!

A decisão se transmitiu do palácio de Anu até a Terra; e a Enki encantou. Que Ninmah seja minha ajudante, tem conhecimentos (de genética) destes assuntos! Assim disse Enki. Olhava a Ninmah com desejo. Assim seja!, disse Ninmah. Assim seja!, disse Enlil. Através do Ennugi se anunciou a decisão aos Anunnaki no Abzu: Até que se consiga o novo ser, todos têm que voltar voluntariamente para o trabalho!, disse. Houve decepção; não houve rebelião; os Anunnaki voltaram para o trabalho. Na Casa da Vida, no Abzu, Enki explicou a Ninmah como elaborar o ser. Levou Ninmah a um lugar entre as árvores, era um lugar de jaulas. Nas jaulas havia estranhas criaturas, algo que ninguém tinha visto em liberdade: tinham a parte superior de uma espécie, a parte inferior de outra criatura; Enki mostrou a Ninmah criaturas de duas espécies combinadas por suas essências (fruto de experimentação genética)!

Voltaram para a Casa da Vida, levaram-na a um lugar limpo com um brilhante resplendor. No lugar limpo, Ningishzidda explicou a Ninmah os segredos da essência vital, como se pode combinar a essência de duas espécies, ele lhe mostrou. As criaturas das três jaulas são muito estranhas, são monstruosas!, disse Ninmah. Sim, são!, respondeu Enki. Obter a perfeição, para isso necessitamos de ti! Como combinar as essências, quanto delas, quanto disso reunir, em que útero começar a concepção, em que útero deverá dar a luz? Para isso se necessitam seus conhecimentos de ajuda e cura; necessitam-se os conhecimentos de alguém que tenha dado a luz, de alguém que seja mãe! No rosto de Ninmah havia um sorriso; recordava bem as duas filhas que tinha tido com Enki.

Ninmah fiscalizou com Ningishzidda as fórmulas sagradas que se guardavam secretamente nos ME, perguntava-lhe como se fez isto e aquilo. Examinou as criaturas das três jaulas, contemplou às criaturas bípedes. As essências se transmitem por inseminação de um macho a uma fêmea, os dois fios entrelaçados se separam e combinam para forjar uma descendência. Que um varão Anunnaki fecunde a uma fêmea bípede, que nasça uma descendência (híbrida) da combinação! Assim disse Ninmah. Isso tentamos, mas houve falhas!, respondeu-lhe Enki. Não houve concepção, não houve parto! Vem agora o relato de como se criou o Trabalhador Primitivo, de como Enki e Ninmah, com a ajuda da Ningishzidda, forjaram o novo ser.



Terá que tentar conseguir outra forma de mesclar as essências, disse Ninmah. Terá que encontrar outra forma de combinar os dois fios das essências, para que não resulte danificada a porção (do DNA) da Terra. Tem-se que configurar para que receba nossa essência gradualmente, só se poderia tentar pouco a pouco a partir das fórmulas ME da essência de Nibiru! Ninmah preparou uma mescla em um recipiente de cristal, pôs com muito cuidado o óvulo de uma fêmea bípede, junto com a que continha a semente (esperma) Anunnaki, fecundou o óvulo; inseriu de novo o óvulo na matriz da fêmea bípede. Desta vez houve concepção, havia um parto em gestação! Os líderes esperaram o tempo previsto para o nascimento, esperavam os resultados com o coração cheio de ansiedade.

O tempo previsto se cumpriu, mas não houve nascimento! Desesperada, Ninmah fez um corte, o que tinha sido concebido extraiu com tenazes. Era um ser vivo! Enki exclamou com regozijo. Conseguimos!, gritou Ningishzidda jubiloso. Ninmah sustentava em suas mãos ao recém-nascido, mas ela não estava cheia de gozo: o recém-nascido tinha cabelo por todo o corpo, sua parte superior era como as das criaturas da Terra, as partes inferiores se pareciam mais às dos Anunnaki. Deixaram que a fêmea bípede cuidasse do recém-nascido, que mamasse seu leite. O recém-nascido cresceu rápido, o que no Nibiru era uma hora, era quase um mês no Abzu (um ano de Nibiru equivale a 3.600 anos da Terra). O menino da Terra se fez mais alto, não era a imagem dos Anunnaki; suas mãos não se adaptavam às ferramentas, e não emitia mais que grunhidos!

Temos que voltar e tentar de novo!, disse Ninmah. Terá que se ajustar a mescla; me deixem ensaiar com os ME, deixem que faça o esforço com este ou aquele ME! Com a ajuda de Enki e de Ningishzidda repetiram os procedimentos, Ninmah considerou cuidadosamente as essências dos ME, tomou um pouco de um deles, tomou um pouco de outro deles, logo fecundou na terrina de cristal o óvulo da fêmea da Terra. Houve concepção, quando se cumprisse o tempo haveria nascimento! Este se parecia mais aos Anunnaki; deixaram que a mãe lhe desse de mamar, deixaram que o recém-nascido se convertesse em menino. Por seu aspecto, era atrativo; suas mãos estavam conformadas para sustentar ferramentas; puseram a prova seus sentidos, encontraram-nos deficientes: o menino da Terra não podia ouvir, sua visão era vacilante.

Uma e outra vez, Ninmah reajustou as mesclas, das fórmulas tomou pingos e partes; um ser tinha os pés paralisados, a outro gotejava o sêmen, a outro tremiam as mãos, a outro lhe funcionava mal o fígado; outro tinha as mãos muito curtas para alcançar a boca, outro não tinha os pulmões adequados para respirar. Enki estava decepcionado com os resultados. Não conseguimos o Trabalhador Primitivo!, disse a Ninmah. Estou descobrindo através de ensaios o bom ou mau neste ser! Respondeu Ninmah a Enki. Meu coração anima-me a que siga tentando-o! Uma vez mais, Ninmah fez uma mescla; uma vez mais, o recém-nascido era deficiente. Possivelmente o déficit não se encontre na mescla!, disse-lhe Enki.



Possivelmente o impedimento não esteja nem no óvulo da fêmea nem nas essências! Pelo que a Terra mesma está forjada, possivelmente seja isso o que falta! Não use um recipiente de cristais de Nibiru, faz o da argila da Terra! Assim disse Enki, em posse de grande sabedoria, a Ninmah. Possivelmente se requeira o que é a própria mescla da Terra, de ouro e cobre! Assim animou Enki, um cientista que sabe das coisas, a Ninmah, para que usasse a argila do Abzu. Na Casa da Vida, Ninmah fez um recipiente, o fez com a argila do Abzu. Como um banho purificador conformou o recipiente, para fazer dentro dele a mescla. Pôs com cuidado o óvulo de uma fêmea terrestre, de uma bípede, no recipiente de argila, pôs no recipiente a essência vital extraída do sangue de um Anunnaki, através das fórmulas ME, dirigiu isso a essência e pouco a pouco e com mesura foram acrescentadas ao recipiente, depois, inseriu o óvulo assim fertilizado na matriz da fêmea terrestre.

Há fecundação!, anunciou alegre Ninmah. Esperaram o tempo do nascimento. Quando se cumpriu o tempo, a fêmea terrestre começou a parir, um menino, um recém-nascido estava a ponto de chegar! Ninmah extraiu ao recém-nascido com as mãos; era um varão! Em suas mãos sustentou ao menino; Enki e Ningishzidda estavam pressentindo o sucesso. Os três líderes puseram-se a rir alegremente. Enki e Ningishzidda se davam palmadas nas costas, Ninmah e Enki se abraçaram e se beijaram. Suas mãos o têm feito!, disse-lhe Enki com um brilho nos olhos. Deixaram que a mãe desse de mamar ao recém-nascido; este cresceu mais rápido que um menino de Nibiru.

O recém-nascido progrediu de mês em mês, passou de bebê a menino. Seus membros eram adequados para o trabalho, falar não sabia, não compreendia as palavras, emitia grunhidos e bufos! Enki valorou o assunto, tomou em consideração o que se tinha feito em cada passo e em cada mescla. De tudo o que tentamos e trocou, há uma coisa que nunca se alterou!, disse a Ninmah: sempre se inseriu o óvulo fertilizado na matriz de uma fêmea terrestre. Possivelmente esteja nisso a obstrução que acontece! Assim disse Enki. Ninmah olhou Enki, contemplou-o desconcertada. O que, na verdade, está dizendo? dele, exigia ela uma resposta. Estou falando da matriz que dá a luz!, Respondeu Enki. De quem nutre o óvulo fertilizado, de quem dá a luz; para que seja a nossa imagem e semelhança {“Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; Gênesis 1:26}, possivelmente se necessite uma matriz Anunnaki!

Na Casa da Vida houve silêncio; Enki estava pronunciando palavras nunca antes escutadas! olharam-se um ao outro, estavam pensando no que poderia estar pensando o outro. Sábia são suas palavras, irmão meu!, disse Ninmah por fim. Possivelmente se inseriu a mescla correta na matriz equivocada; Agora bem, onde está a fêmea entre os Anunnaki que ofereça sua matriz (Útero), para criar possivelmente ao Trabalhador Primitivo perfeito, ou para levar possivelmente um monstro em seu ventre? Assim disse Ninmah, com a voz tremente. Deixa que pergunte a Ninki, minha esposa!, disse Enki. Convoquemos ela à Casa da Vida, para expor o assunto ante ela. Estava-se voltando para partir quando Ninmah lhe pôs a mão no ombro: Não! Não!, disse a Enki. Eu fiz as mesclas, a recompensa e o perigo devem ser meus! Serei eu a que proporcione a matriz Anunnaki, a que confronte o bom ou o mau fado!

Enki inclinou a cabeça, abraçou-a brandamente. Assim seja!, disse-lhe. Fizeram a mescla no recipiente de argila, uniram o óvulo de uma fêmea terrestre com a essência masculina Anunnaki. Enki inseriu o óvulo fertilizado na matriz de Ninmah; houve fecundação e concepção! O tempo, concebido por uma mescla, quanto durará?, perguntaram-se um a outro. Serão nove meses de Nibiru? Serão nove meses da Terra? Depois que na Terra, mas antes do que no prazo de Nibiru, ocorreu o parto; Ninmah deu a luz a um varão! Enki sustentou entre suas mãos ao menino; era a imagem da perfeição. Deu umas palmadas nas partes traseiras do menino; o recém-nascido emitiu os sons adequados! Passou o recém-nascido a Ninmah; ela o levantou entre suas mãos. Minhas mãos o têm feito!, exclamou vitoriosa. Vem agora o relato de como lhe pôs por nome Adamu (Adão), e de como se fez Ti-Amat para ele, uma contraparte (Eva) fêmea.


Ningishzidda, (de joelhos) Enki e Ninmah segurando o Adamu pelos três criado…

Os líderes examinaram com atenção o aspecto e os membros do recém nascido: suas orelhas tinham boa forma, não tinha os olhos obstruídos, tinha os membros adequados, conformados como pernas e pés na parte inferior e com braços e mãos na parte superior. Não era peludo como os selvagens, seu cabelo era negro escuro, sua pele era tersa (pura, limpa, brilhante), tersa como a pele dos Anunnaki, a cor de seu sangue era vermelho escuro, do mesmo tom que a argila do Abzu. Olharam sua parte íntima: sua forma era estranha, a parte dianteira estava envolta com uma pele. Era diferente da parte íntima dos Anunnaki, pendurava-lhe uma pele da parte dianteira! Que o Terrestre se distingua de nós, os Anunnaki, por esta pele!, disse Enki.

O recém-nascido Adamu começou a chorar; Ninmah o estreitou contra seu peito; deu-lhe o peito, o menino ficou a chupar do peito. Conseguimos a perfeição!, disse Ningishzidda eufórico. Enki olhava fixamente a sua irmã; não estava vendo Ninmah e a um ser, a não ser a mãe e filho. Porá-lhe um nome?, perguntou Enki. É um ser, não uma criatura! Ninmah pôs sua mão sobre o corpo do recém-nascido, acariciou com seus dedos sua vermelha e escura pele. Chamarei-lhe Adamu!, disse Ninmah. Aquele que é Como Argila da Terra, esse será seu nome! Fizeram um berço para o recém-nascido Adamu, puseram-no em um quarto na Casa da Vida. Verdadeiramente, conseguimos um modelo de Trabalhador Primitivo!, disse Enki. Agora se necessita um exército de trabalhadores como ele!, recordou-lhes Ningishzidda a seus maiores.

Na verdade, será um modelo; por isso a ele se refere, será tratado como um primogênito, do duro trabalho lhe protegerá, só sua essência será como um molde! Assim disse Enki; Ninmah ficou muito satisfeita com seu decreto. Que matrizes levarão os óvulos fertilizados à partir de agora?, perguntou Ningishzidda. Os líderes ponderaram o assunto; Ninmah ofereceu uma solução. Ninmah reuniu as curadoras de sua cidade, Shurubak; explicou-lhes o trabalho que se requeria delas, levou-as até o berço de Adamu, para que apreciassem ao recém-nascido Terrestre. Não é um mandato levar a cabo este trabalho!, disse-lhes Ninmah: Seu próprio desejo é a decisão!



Das Anunnaki reunidas, sete se adiantaram, sete aceitaram a tarefa. Que se recordem seus nomes para sempre!, disse Ninmah a Enki. Seu trabalho é heróico, graças a elas nascerá uma raça de Trabalhadores Primitivos! As sete que se adiantaram, cada uma anunciou seu nome; Ningishzidda registrou os nomes: Ninimma, Shuzianna, Ninmada, Ninbara, Ninmug, Musardu e Ningunna. Estes foram os nomes das sete que, por desejo próprio, mães de nascimento foram ser, para conceber e levar Terrestres em suas matrizes, para criar Trabalhadores Primitivos. Em sete recipientes, feitos de argila do Abzu, Ninmah pôs óvulos das fêmeas bípedes, Ninmah extraiu a essência vital de Adamu, inseriu-a pouco a pouco nos recipientes.

Depois, fez uma incisão nas partes masculinas de Adamu para deixar sair uma gota de sangue. Seja isto um Signo de Vida; proclame-se sempre que Carne e Alma se combinaram! Apertou as partes masculinas para que sangrassem, uma gota de sangue acrescentou em cada recipiente para a mescla. Nesta mescla de argila, o Terrestre e o Anunnaki se entrelaçarão! Assim disse Ninmah, um encantamento pronunciou: À unidade as duas essências, uma do Céu (Nibiru), uma da Terra, juntas se levarão, a da Terra e a de Nibiru, enlaçarão-se por parentesco sangüíneo! Isto pronunciou Ninmah; Ningishzidda também tomou nota de suas palavras. Os óvulos fertilizados se inseriram nas matrizes das heroínas iluminadas.

Houve fecundação e concepção; por antecipado, calculou-se o tempo previsto. No tempo previsto, tiveram lugar os partos! No tempo previsto, nasceram sete Terrestres varões, seus rasgos eram os adequados, emitiam bons sons; foram amamentados pelas heroínas. Criaram-se sete Trabalhadores Primitivos!, disse Ningishzidda. Repita-se o procedimento, que mais sete assumam o trabalho! Meu filho Ningishzidda!, disse-lhe Enki. Nem sequer de sete em sete será suficiente, fariam falta muitas heroínas curadoras, seu trabalho deste modo se faria eterno! Certamente, é um trabalho muito exigente, é pouco menos que insuportável!, disse-lhes Ninmah. Agora temos que fazer fêmeas para Adamu!, disse Enki, para que sejam os casais dos varões. Que se conheçam, para que os dois se façam uma só carne. Que procriem por si só, que façam sua própria prole, que por si mesmos façam nascer Trabalhadores Primitivos, para liberar as mulheres Anunnaki!

Tem que trocar as fórmulas ME, ajustaria de varão a fêmea! Assim disse Enki a Ningishzidda. Para fazer uma fêmea para o Adamu, é necessária a concepção na matriz de uma Anunnaki! Assim lhe respondeu Ningishzidda a seu pai Enki. Enki dirigiu seu olhar para Ninmah; antes que ela pudesse falar, ele levantou a mão. Deixa que desta vez chame a minha esposa Ninki!, disse com voz poderosa, Se estiver disposta, que ela crie o molde para a fêmea Terrestre! Ao Abzu, à Casa da Vida, chamaram Ninki, mostraram ao Adamu, explicaram tudo, deram-lhe explicações do trabalho que se requeria, deram-lhe conta do êxito e do perigo. Ninki estava fascinada com o trabalho. Faça-se!, disse-lhes. Ningishzidda fez os ajustes das fórmulas ME, com a mescla se fertilizou um óvulo. Enki o inseriu na matriz de sua esposa; fê-lo com muito cuidado. Houve concepção; no tempo previsto, Ninki ficou de parto; não houve nascimento.

Ninki contou os meses, Ninmah contou os meses; O décimo mês, um mês de maus fados, começaram a chamar. Ninmah, a dama cuja mão tinha aberto matrizes, fez uma incisão com um cortador (uma cezariana). Levava a cabeça coberta, levava amparos nas mãos; fez a abertura com destreza, o rosto se iluminou de repente: o que havia na matriz, da matriz saiu. Uma fêmea! deste a luz a uma fêmea!, disse-lhe com regozijo a Ninki. Examinaram com atenção o aspecto e os membros da recém-nascida, suas orelhas tinham boa forma, não tinha os olhos obstruídos, tinha os membros adequados, conformados com pernas na parte inferior e com mãos na parte superior. Não era peluda, como as areias da praia era a cor de seu cabelo (Loura), sua pele era tersa, era como a dos Anunnaki em textura e em cor.

Ninmah sustentou em suas mãos à menina. Deu-lhe uma palmada na parte traseira. A recém-nascida emitiu os sons adequados! Passou a recém-nascida a Ninki, a esposa de Enki, para que a amamentasse, a nutrisse e a cuidasse. Porá-lhe nome?, perguntou-lhe Enki a sua esposa. É um ser, não uma criatura. Está feita a nossa imagem e semelhança, está feita à perfeição, obtiveste um modelo para trabalhadoras fêmeas! Ninki pôs a mão sobre o corpo da recém-nascida, acariciou sua pele com os dedos. Ti-Amat será seu nome, a Mãe da Vida!, disse Ninki. Será chamada como o planeta de antigamente, do qual se forjaram a Terra e a Lua, das essências vitais de sua matriz se moldarão outras iluminadas, dará assim a vida a uma multidão de Trabalhadores Primitivos!


O E.DIN fundado por Enki, vindo de Nibiru para a Terra: Os quatro rios do Paraíso -“Éden”- citados no Gênesis ficavam no Iraque Antigo: o rio Tigre, rio Eufrates, rio Gehon e o rio Pishon: “O nome do primeiro é Pisom; este é o que rodeia toda a terra de Havilah. E o ouro dessa terra é bom; ali há o obdélio, e a pedra sardônica. E o nome do segundo rio é Giom; este é o que rodeia toda a terra de Cuxe. E o nome do terceiro rio é Tigre; este é o que vai para o lado oriental da Assíria; e o quarto rio é o Eufrates“. Gênesis 2:11-14

Assim disse Ninki; outros pronunciaram palavras de acordo. Vem agora o relato de Adamu e Ti-Amat vivendo no Edin, e de como lhes deu o Conhecimento (Eva comendo a “maçã”) da procriação e de lá ao Abzu foram expulsos. Depois de que fora feita Ti-Amat na matriz de Ninki, em sete recipientes feitos de argila do Abzu pôs Ninmah óvulos de fêmeas bípedes. Extraiu a essência vital de Ti-Amat e a inseriu nos recipientes. Nos sete recipientes, feitos de argila do Abzu, Ninmah formou a mescla; pronunciou encantamentos, como requeria o procedimento. Nas matrizes das heroínas iluminadas se inseriram os óvulos fertilizados. Houve concepção, no tempo previsto houve iluminações, no tempo previsto, nasceram sete fêmeas Terrestres. Seus rasgos eram os adequados, emitiam bons sons. Assim se criaram as sete homólogas femininas dos Trabalhadores Primitivos; os quatro líderes criaram sete varões e sete fêmeas.

Depois de serem assim criados os Terrestres, inseminem os varões às fêmeas, que os Trabalhadores Primitivos tenham descendência por si mesmos! Assim disse Enki a outros. Depois do tempo previsto, os descendentes terão outros descendentes, abundante será o número de Trabalhadores Primitivos, eles farão os trabalhos duros dos Anunnaki! Enki e Ninki, Ninmah e Ningishzidda estavam contentes, beberam do elixir do fruto. Fizeram-se jaulas para os sete e sete puseram-nas entre as árvores; Que cresçam juntos, alcancem a virilidade e a feminilidade, inseminem os varões às fêmeas, tenham descendência por si mesmos! Assim se diziam uns aos outros. Quanto ao Adamu e a Ti-Amat, lhes protegerá dos duros trabalhos das escavações, lhes levemos ao Edin, para mostrar ali nossa obra aos Anunnaki! Assim disse Enki a outros; com isto concordaram os outros.

Ao Eridú, a cidade do Enki no Edin, foram levados Adamu e Ti- Amat, lhes construiu uma morada em um recinto, para que pudessem vagar por ali. Os Anunnaki do Edin vieram vê-los, vieram do Lugar de Aterrissagem. Enlil veio vê-los; seu desgosto diminuiu ante sua visão. Ninurta veio para vê-los; Ninlil também. Da estação de passagem no Lahmu (Marte), Marduk, o filho do Enki, também baixou a Terra para ver. Era uma visão das mais surpreendentes, uma maravilha das maravilhas! Suas mãos o têm feito, disseram os Anunnaki aos ferreiros. Os Igigi, que foram e vinham entre a Terra e Lahmu (a estação em Marte), eram todos espectadores também. Fazendo-se Trabalhadores Primitivos, nossos dias de esforços chegarão a um fim! Assim diziam todos.

No Abzu, os recém-nascidos cresceram, os Anunnaki esperavam ansiosamente sua maturação. Enki era o supervisor, Ninmah e Ningishzidda também chegaram. Nas escavações, os Anunnaki se queixavam, cedendo a paciência à impaciência. Enki perguntava freqüentemente ao Ennugi, o supervisor; este lhe transmitia os protestos, pedindo Trabalhadores Primitivos. À volta da Terra cresceram em número, atrasava-se a maturidade dos Terrestres; observou-se que entre as fêmeas não havia concepção, não havia nascimentos! Ningishzidda se fez um assento de erva (camuflado) junto às jaulas de entre as árvores; esteve observando aos Terrestres dia e noite para determinar suas ações. Na verdade, viu-os emparelhar-se, os varões inseminavam às fêmeas! Mas não havia concepção, não havia nascimentos. Enki ponderou o assunto em profundidade, refletiu sobre as criaturas combinadas.

Nenhuma, nenhuma delas teve descendência! Ao combinar duas espécies, criou-se uma maldição!, disse Enki aos demais. Examinemos de novo as essências de Adamu e Ti-Amat!, disse Ningishzidda. Estudemos pouco a pouco seus ME para averiguar o que está mau! No Shurubak (no E.Din, o “jardim do Éden”), na Casa da Cura, contemplaram-se as essências de Adamu e Ti-Amat, compararam-se com as essências vitais de varões e fêmeas Anunnaki. Ningishzidda separou as essências como duas serpentes (DNA) entrelaçadas, as essências estavam dispostas como vinte e dois ramos em uma Árvore da Vida, suas porções eram compatíveis, determinavam adequadamente as imagens e semelhanças.

Vinte e dois (n.t pares de cromossomos, comuns ao homem e a mulher) eram em número; não incluíam a capacidade de procriar! Ningishzidda mostrou aos outros, outras duas porções da essência presentes nos Anunnaki (um 23º cromossomo, que determina o sexo). Uma masculina, outra feminina; sem elas, não havia procriação! Assim os explicava ele a eles. Nos moldes de Adamu e Ti-Amat, na combinação não se incluíram! Ninmah escutou isto e ficou muito preocupada; Enki se viu cheio de frustração. O clamor no Abzu é grande, está-se preparando de novo outro motim! Assim disse-lhes Enki. Terá que procurar Trabalhadores Primitivos, para que não se deixe de extrair ouro! Ningishzidda, perito nestes assuntos, propôs uma solução; a seus maiores, Enki e Ninmah, disse-lhes em um sussurro na Casa da Cura. Entre todos, fizeram sair às heroínas que ajudavam ao Ninmah, fecharam as portas atrás deles, e ficaram os três a sós com os dois Terrestres. 



Adão e Eva (a primeira mulher criada por Enki era loura), tentada pela serpente (ENKI) oferece a “maça” (capacidade reprodutiva doada pelos geneticistas de Nibiru) a Adão. Enlil (Yahweh) os expulsa do E.Din…

Ningishzidda fez descer um profundo sono sobre os outros quatro, aos quatro os fez insensíveis. Da costela de Enki extraiu a essência vital, na costela de Adamu inseriu a essência vital de Enki; da costela de Ninmah extraiu a essência vital, na costela de Ti-Amat inseriu a essência vital. Ali onde se fizeram as incisões, Ningishzidda fechou a carne depois. Logo, Ningishzidda despertou aos quatro. Já parece!, declarou com orgulho. À Árvore da Vida deles lhe acrescentaram dois ramos, com forças procriadoras se entrelaçaram agora suas essências vitais! Deixemos eles vagarem livremente, que se conheçam (Adamu-Adão e Ti-Amat-Eva) entre si como uma carne única!, disse Ninmah. Nas hortas do Edin ficou ao Adamu e a Ti-Amat (Eva) para que vagassem livremente. Tomaram consciência de sua nudez, fizeram-se conscientes de sua virilidade e sua feminilidade.

Ti-Amat se fez um avental de folhas, para distinguir-se das bestas selvagens.
Enlil/YAHWEH passeava pela horta com o calor do dia, desfrutava das sombras. Encontrou-se de improviso com o Adamu e com Ti-Amat, deu-se conta dos aventais com os que cobriam seu baixo ventre. O que significa isto?, perguntou Enlil; Enki lhe convocou para explicar-lhe. Enki explicou a Enlil o assunto da procriação: Os sete casais Terrestres fracassaram, admitiu a Enlil; Ningishzidda examinou as essências vitais, fazia falta uma combinação adicional! Grande foi o aborrecimento de Enlil, furiosas eram suas palavras: Nada de tudo isto era de meu agrado, eu me opunha a que atuássemos como Criadores. O ser que necessitamos já existe! Isso disse você, Enki. Tudo o que temos que fazer é pôr nosso sinal nele, para assim forjar aos Trabalhadores Primitivos!

Às mesmas heroínas curadoras as tem feito correr riscos, a Ninmah e a Ninki lhes pôs em perigo, tudo em vão, sua obra era um fracasso! Agora deste a estas criaturas as últimas porções de nossa essência vital, para que sejam como (iguais a) nós no conhecimento da procriação, possivelmente para lhes conferir a eles nossos ciclos vitais! Assim, com palavras iradas, falou Enlil. Enki chamou a Ninmah e a Ningishzidda para apaziguar com suas palavras a Enlil. Meu senhor Enlil!, disse Ningishzidda. Receberam o conhecimento da procriação, mas não lhes demos o ramo da Longevidade Anunnaki da Vida em sua árvore essencial! Depois falou Ninmah, disse a seu irmão Enlil: Que escolha tínhamos, irmão meu? Que acabasse tudo no fracasso, que confrontasse Nibiru sua fatídica sorte, tentar, tentar, tentar, e fazer que assumam o trabalho os Terrestres através da procriação? Então, que estejam onde se lhes necessita!, disse Enlil furioso. Ao Abzu, longe do Edin, que sejam expulsos do E.Din!

Continua com a Sétima Tabuleta

Saiba mais em:
  1. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  2. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-livro-perdido-de-enkiea/
  3. http://thoth3126.com.br/nibiru-crop-circle-enki-ea-na-italia/
  4. http://thoth3126.com.br/o-genesis-e-a-epopeia-de-gilgamesh/
  5. http://thoth3126.com.br/o-iraque-babilonia-ira-persia-e-a-luta-pela-heranca-extraterrestre/
  6. http://thoth3126.com.br/maldek-e-nibiru-mais-dois-planetas-de-nosso-sistema-solar/
  7. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  8. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-i/
  9. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-ii/
  10. http://thoth3126.com.br/cientistas-encontram-genes-extraterrestre-em-dna-humano/
  11. http://thoth3126.com.br/cidades-annunaki-encontradas-na-africa/
  12. http://thoth3126.com.br/os-quatro-rios-do-eden-o-paraisoe-din-e-nibiru/


    Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

    www.thoth3126.com.br

    Compartilhe:

    30Share on Facebook (Opens in new window)30
    4Click to share on Twitter (Opens in new window)4
    Click to share on Reddit (Opens in new window)
    Click to email this to a friend (Opens in new window)

    URL: http://wp.me/p2Fgqo-67m

Posted by Thoth3126 on 24/04/2015

-- *** --

Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.

Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.
Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um.

Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos em português:
http://rayviolet2.blogspot.com/search?q=Enki
 


Atualização diária

Se gostou! Por favor RECOMENDE aos seus Amigos.
achama.biz.ly 

Israel ou Cazária!?

achama.biz.ly email: nai@achama.biz.ly 


EN: VioletFlame * The Illuminati * Alternative Media * North Atlantic Islands * Indian Ocean Islands * South Atlantic Ocean Islands * Alternative Media * Creator's Map * ESU IMMANUEL * Exposing Media DesInformation * Galactic Federation * Indians, Prophecies and UFOs * Illuminati, The * Infinite Being * Israel (!?) * Jews..., the Real ones! * Khazars Jews are converted, not jenuine * Meditation * Media News * NESARA (!?) * SCIENCE, SPIRIT, Free Energy!... * UFO CONTACTS * UFOs (MORE) * USA The 4th NAZI Reich!? * Zionism Lies and The Illuminati * Light a Candle for PEACE * The Red Pill * The True Shadow Government

Outubro 04, 2015

chamavioleta

O Livro perdido de Enki 

 1ª Tabuleta, parte 2, final.

Publicado anteriormente a 08/04/2015

Edição e imagens: 

Thoth3126@gmail.com

Livroperdidode-Enki



O Livro Perdido de ENKI – The Lost Book of Enki – Memórias e profecias de um “deus“ extraterrestre:


Fazem cerca de 435.000 anos que astronautas de outro planeta e sistema solar chegaram à Terra em busca de ouro. Depois de aterrissar num dos mares da Terra, desembarcaram e fundaram Eridú, “Lar na Lonjura”.

Com o tempo, o assentamento inicial se estendeu até converter-se na flamejante Missão Terra, com um Centro de Controle de Missões, um espaçoporto, operações de mineração e, inclusive, uma estação orbital em Marte. Este livro conta a história desta saga extraterrestre, contada pelo próprio Enki.

Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Partes anteriores em:
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-atestado/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-1/

O LIVRO PERDIDO DE ENKI, MEMÓRIAS E PROFECIAS DE UM DEUS EXTRATERRESTRE – Primeira tabuleta, PARTE 2:

Continuação da Sinopse da Primeira Tabuleta, parte 2:


07. A origem dos deuses e as armas terríveis de Nibiru.

08. As guerras norte-sul de Nibiru, unificação e normas dinásticas.

09. Localização de Nibiru no sistema solar.

10. A evanescente atmosfera provoca mudanças climáticas em Nibiru.

11. Os esforços para obter ouro para evitar a debilitação da atmosfera de Nibiru.

12. Alalu, um usurpador, utiliza armas nucleares para agitar os gases vulcânicos.

13. Anu, herdeiro dinástico, depõe Alalu.

14. Alalu rouba uma espaçonave e escapa de Nibiru.

15. Representações de Nibiru como planeta radiante.


Eis aqui o relato dos Tempos Prévios, e das Armas de Terror. Antes dos Tempos Prévios foi o Princípio; depois dos Tempos Prévios foram os Tempos de Antigamente.


07. A origem dos deuses e as armas terríveis de Nibiru.


Nos Tempos de Antigamente (n.t. cerca de 440 mil anos a.C.), os deuses chegaram à Terra e criaram os terrestres. Nos Tempos Prévios, nenhum dos deuses estavam na Terra, nem se tinha feito ainda os terrestres. Nos Tempos Prévios, a morada dos deuses estava em seu próprio planeta; Nibiru é seu nome. Um grande planeta, avermelhado em resplendor; ao redor do Sol, uma volta alargada faz Nibiru. Durante um tempo, Nibiru está envolto no frio; durante parte de seu percurso, o Sol fortemente o esquenta. Uma grossa atmosfera envolve a Nibiru, alimentada continuamente com erupções vulcânicas. Todo tipo de vida esta atmosfera mantém; sem ela, tudo pereceria! No período frio, conserva no planeta o calor interno de Nibiru, como um quente casaco que se renova constantemente. No período quente, protege a Nibiru dos abrasadores raios do Sol. Em sua metade, as chuvas agüentam e liberam umidade e água, dando profundidade a lagos e rios.





Uma exuberante vegetação alimenta e protege nossa atmosfera; faz brotar todo tipo de vida nas águas e na terra. Depois de eons de tempo, brotou nossa própria espécie humana, por nossa própria essência uma semente eterna para procriar. À medida que nosso número crescia, nossos ancestrais se estenderam a muitas regiões de Nibiru. Alguns cultivaram a terra, as criaturas de quatro patas apascentavam. Uns viviam nas montanhas, outros fizeram seus lares nos vales. Houve rivalidades, tiveram lugar usurpações; houve conflitos, e os paus se converteram em armas. Os clãs se reuniram em tribos, e logo duas grandes nações se enfrentaram entre si. A nação do norte contra a nação do sul tomaram as armas.


O que sustentava a mão para lançar projéteis se permutou; armas de estrondo e resplendor incrementaram o terror. Uma guerra, larga e feroz, devorou o planeta; irmão lutou contra irmão. Houve morte e destruição, tanto no norte como no sul. Durante muitas órbitas, a desolação reinou nas terras; toda vida foi dizimada. Depois, declarou-se uma trégua; e mais tarde se fez a paz. Que as nações se unam, disseram os emissários entre si: que haja (apenas) um trono em Nibiru, (apenas) um rei que reine sobre todos. Que haja um líder do norte ou do sul eleito pelas sortes, um rei supremo tem que ser.


Se fosse do norte, que o sul escolha a uma mulher para que seja sua esposa, em igualdade como reina, para reinarem juntos. Se por sortes fora eleito um homem do sul, que uma mulher do norte seja sua esposa. Que sejam marido e mulher, para fazer uma só carne. Que seu filho primogênito seja o sucessor; que uma dinastia unificada seja assim formada, para estabelecer a unidade em Nibiru para sempre! Em meio às ruínas se iniciou a paz. Norte e sul por matrimônio se uniram. O trono real em uma carne combinada, uma sucessão não interrompida de realeza estabelecida! O primeiro rei depois da paz foi feito, um guerreiro do norte foi um poderoso comandante. Por sortes, veraz e justo, foi ele eleito; foram aceitos seus decretos na unidade. Para morada dela, construiu uma esplêndida cidade; Agadé, que significa Unidade, foi seu nome. Para seu reinado, um título real foi concedido; AN foi a escolha, o Celestial foi seu significado. Com braço forte, restabeleceu a ordem nas terras; decretou leis e regulamentos.


Designou governadores para cada terra; a restauração e o cultivo foi sua principal tarefa. Dele, nos anais reais, assim se registrou: An unificou as terras, a paz em Nibiru restaurou. Construiu uma nova cidade, os canais reparou, proveu alimento para o povo; houve abundância nas terras. Por esposa dele, o sul escolheu uma donzela, dotada tanto para o amor como para a luta. An.Tu foi seu título real; “A Líder Que É Esposa de An”, significava engenhosamente o nome dado. Deu a An três filhos e nenhuma filha. Ao primogênito pôs o nome de An.Ki; Pelo An um Sólido Fundamento era seu significado. Sozinho no trono, esteve ele sentado; uma esposa a escolher foi duas vezes proposta. Em seu reinado, as concubinas foram ao palácio; um filho não lhe nasceu. A dinastia assim iniciada se interrompeu com a morte de Anki; no fundamento, nenhum descendente seguiu. O filho médio, não o primogênito, Herdeiro Legal foi renomado.


Desde sua juventude, um dos três irmãos, Ib foi chamado amorosamente por sua mãe. Que Está no Meio significava seu nome. Nos anais reais, An.Ib é renomado: Em realeza celestial; durante gerações, “Que É Filho de An” significou seu nome. Aconteceu a seu pai An no trono; em suma, foi o terceiro a reinar. A filha de seu irmão pequeno escolheu por esposa. Nin.Ib foi chamada, “a Dama do Ib”. Ninib deu um filho a Anib; o sucessor do trono foi, o quarto da conta dos reis. Pelo nome real de An.Shar.Gal desejou que lhe conhecessem; Príncipe de An “Que É o Maior dos Príncipes” era o significado. Sua esposa, uma meio-irmã, Ki.Shar.Gal foi chamada igualmente. O conhecimento e a compreensão foi sua principal ambição; estudou assiduamente os caminhos dos céus. Estudou a grande volta de Nibiru, sua longitude fixou em um Shar {n.t. Um SHAR é o período orbital de Nibiru entre o nosso sol e a estrela Sírius, na Constelação do Cão Maior, e dura exatos 3.600 dos nossos anos da Terra} . Como um ano de Nibiru era a medida, por ele os reinados reais seriam numerados e registrados. Dividiu o Shar em dez partes, desse modo declarou duas festividades. Nas (quando Nibiru chegasse) proximidades do Sol celebrava-se uma festividade do calor.


Quando Nibiru fazia sua morada na distância, se decretou a festividade do frio. Substituindo a todas as festividades de antigamente de tribos e nações para unificar o povo, se estabeleceram as duas. Leis de marido e mulher, de filhos e filhas, estabeleceu por decreto; proclamou os costumes das primeiras tribos para todo o país. Nas guerras, as mulheres superavam em grande número aos homens. Decretos fez, um homem tem que ter mais de uma mulher por conhecer. Por lei, uma mulher tem que ser escolhida como esposa oficial, Primeira Esposa tem que ser chamada. Por lei, o filho primogênito era o sucessor de seu pai. Por estas leis, não demorou para chegar a confusão; se o filho primogênito não era nascido da Primeira Esposa. E depois nascia um filho da Primeira Esposa, convertendo-se por lei em Herdeiro Legal. Quem será o sucessor: aquele que pela conta dos Shars nasceu primeiro? Aquele nascido da Primeira Esposa? O filho Primogênito? O Herdeiro Legal? Quem herdará? Quem acontecerá?


No reinado do Anshargal, Kishargal foi declarada Primeira Esposa. Meia-irmã do rei era. No reinado de Anshargal, levaram-se concubinas de novo ao palácio. Das concubinas, nasceram-lhe filhos e filhas ao rei. Um filho de uma foi o primeiro a nascer; o filho de uma concubina foi o Primogênito. Depois, Kishargal teve um filho. Herdeiro Legal por lei era; mas Primogênito não era. No palácio, Kishargal levantou a voz, irada gritou: Se pelas normas meu filho, de uma Primeira Esposa nascido, vê-se privado da sucessão, que o dobro da semente não se esqueça! Embora de diferentes mães, de um mesmo pai o rei e eu somos descendentes. Eu sou a meio-irmã do rei; de mim, o rei é meio-irmão. Por isso, meu filho possui o dobro de semente de nosso pai Anib! Que, na sucessão, a Lei da Semente, a Lei do Desposório prevaleça! Que, na sucessão, o filho de uma meio-irmã, quando queira que nasça, por cima de todos outros filhos alcance a sucessão!


Anshargal, considerando-a, concedeu-lhe seu favor à Lei da Semente: A confusão de esposa e concubinas, de matrimônio e divórcio, evitaria-se com ela. Em seu conselho, os conselheiros reais adotaram a Lei da Semente para a sucessão. Por ordem do rei, os escribas anotaram o decreto. Assim foi proclamado o próximo rei pela Lei da Semente para a sucessão. Foi-lhe concedido o nome real de An.Shar. Foi o quinto no trono. Agora é feito o relato do reinado de Anshar e dos reis que lhe seguiram. Quando se trocou a lei, os outros príncipes se enfrentaram. Houve palavras, não houve rebelião.


Como esposa, Anshar escolheu a uma meia-irmã. Fez ela a sua Primeira Esposa; lhe chamou com o nome de Ki.Shar. Assim foi, por esta lei, que a dinastia continuou. No reinado de Anshar, os campos reduziram suas colheitas, frutos e cereais perderam abundância. De tempos em tempos, na cercania do Sol, o calor foi crescendo em força; nas moradas longínquas, o frio se fez mais intenso. No Agadé, a cidade do trono, o rei reuniu em assembléia àqueles de grande entendimento. À sábios eruditos, gente de grande conhecimento, lhes ordenou investigar. A terra examinaram, lagos e rios puseram a prova. Ocorreu antes, deu alguém uma resposta: Nibiru, no passado, mais fria e mais cálida foi; Destino é isto, na volta de Nibiru enraizado!


Outros de conhecimento, observando a órbita, não consideraram culpado o destino de Nibiru. Na atmosfera do planeta, fez-se uma brecha; esse foi seu achado. Os vulcões, ferreiros da atmosfera, lançavam ao céu menos erupções! O ar (atmosfera) de Nibiru se havia feito mais tênue, o seu escudo protetor tinha diminuído! No reinado de Anshar e Kishar, fizeram aparição as pragas do campo; não se podia vence-las com trabalho. O filho de ambos, En.Shar, ascendeu depois ao trono; da dinastia, era o sexto. “Nobre Professor do Shar” significava seu nome. Com grande entendimento nasceu, dominou muitos conhecimentos com muita erudição. Procurou caminhos para dominar as aflições; da órbita celeste de Nibiru, fez muitos estudos.


Ele pesquisava cinco membros da família do Sol, planetas de deslumbrante beleza. Procurando remédios para as aflições de Nibiru, fez examinar suas atmosferas. A cada um lhe deu um nome, a antepassados ancestrais honrou; considerou-os como casais celestes An e Antu, os planetas gêmeos, chamou os dois primeiros que foram encontrados. Além da órbita de Nibiru, estavam Anshar e Kishar, por seu tamanho os maiores. Como um mensageiro, Gaga entre os outros corria, às vezes o primeiro em encontrar Nibiru. Cinco em total eram os que recebiam a Nibiru no céu, enquanto circundava ao Sol (n.t. pela ordem de entrada de Nibiru em nosso sistema solar, os cinco planetas eram: Plutão, Netuno, Urano, Saturno e Júpiter).


Mais à frente, como uma fronteira, o Bracelete Esculpido (n.t Cinturão de Asteroides, entre a órbita de Marte e Júpiter, o que sobrou de MALDEK após a explosão deste planeta) circundava ao Sol; como um guardião da região proibida do céu, com escombros protegia. Outros filhos do Sol, quatro em número (n.t. de novo pela ordem de ENTRADA de Nibiru no nosso sistema solar: Marte, Terra, Vênus e Mercúrio), defendiam da intrusão do bracelete. As atmosferas dos cinco primeiros ( Plutão, Netuno, Urano Saturno e Júpiter) ficaram a estudar Enshar. Em sua volta repetida examinaram-se atentamente os cinco primeiros. Que atmosferas possuíam, examinaram-se intensamente por observação e com carros (n.t. Espaçonaves, UFOS, OVNIs) celestiais. Os achados foram surpreendentes, os descobrimentos confusos.





De órbita em órbita (SHARs), a atmosfera de Nibiru mais brechas sofria. Nos conselhos dos eruditos, os remédios se debatiam com avidez; consideraram-se formas de enfaixar a ferida urgentemente. Tentou-se um novo escudo que envolvesse o planeta; tudo o que se lançou para cima, caiu de volta ao chão (retornava ao planeta). Nos conselhos dos eruditos, estudaram-se as erupções dos vulcões. A atmosfera, criou-se pelas erupções vulcânicas; sua ferida tinha tido lugar pela diminuição das erupções. Que com invenções se potencializem novas erupções, que os vulcões cuspam de novo, estava dizendo um grupo de sábios. Como alcançar a façanha, com que ferramentas conseguir mais erupções, ninguém podia dar conta ao rei.


No reinado do Enshar, fez-se maior a brecha nos céus. As chuvas se negavam, os ventos sopravam mais forte; os mananciais das profundidades não emergiam. Nas terras, havia uma maldição; os peitos das mães se secaram. No palácio, havia aflição; havia uma maldição ali dentro. Como Primeira Esposa, Enshar desposou a uma meio-irmã, seguindo-se à Lei da Semente. Nin.Shar foi chamada de a Dama dos Shars. Um filho não teve. Por uma concubina, ao Enshar nasceu um filho; foi o filho Primogênito. Por Ninshar, Primeira Esposa e meio-irmã, não chegou um filho. Pela Lei de Sucessão, o filho da concubina subiu ao trono; foi o sétimo em reinar. Du.Uru foi seu nome real; “No Lugar de Morada Forjado” era seu significado; de fato, foi concebido na Casa das Concubinas, não no palácio.


Como esposa uma donzela amada desde sua juventude escolheu Duuru; por amor, não por semente, selecionou uma Primeira Esposa. Da.Uru foi seu nome real; “A Que Está a Meu Lado” era o significado. Na corte real a confusão corria desenfreada. Os filhos não eram herdeiros, as esposas não eram meio-irmãs. Nas terras de Nibiru ia crescendo o sofrimento. Os campos esqueceram de dar sua abundância, e entre o povo diminuiu a fertilidade. No palácio, a fertilidade estava ausente; não tinham tido nem filho nem filha. Da semente de An, sete foram os soberanos; depois, de sua semente se secou o trono. Dauru encontrou a um menino na porta do palácio; como a um filho o abraçou. Ao final, Dauru como a um filho o adotou, nomeou-o Herdeiro Legal; Lahma, que significa “Secura”, foi o nome que lhe deu. No palácio, os príncipes protestavam; no Conselho, havia queixa.


Ao final, Lahma subiu ao trono. Embora não fosse da semente de An, foi o oitavo rei em reinar. Nos conselhos dos eruditos, deram-se duas sugestões para sanar a brecha na atmosfera do planeta Nibiru: alguém sugeriu o uso de um metal, ouro era seu nome. Em Nibiru, era muito raro; dentro do Bracelete Esculpido era abundante. Era a única substância que se podia moer até o pó mais fino; elevado até o céu, podia ficar suspenso. Assim, com reaprovisionamentos, a brecha se sanaria, haveria um melhor amparo. Que se construam naves celestiais, que uma frota celestial traga o ouro a Nibiru!


Que se utilizem as Armas de Terror!, foi a outra sugestão; armas que sacudam e afrouxem o chão, que gretem as montanhas; Atacar com projéteis os vulcões, sua letargia remover, estimular suas erupções, recarregar a atmosfera, fazer desaparecer a brecha! Lahma era fraco para tomar uma decisão; não sabia que opção tomar.


Nibiru completou uma volta, dois Shars seguiu contando Nibiru. Nos campos, a aflição não retrocedia. A atmosfera não se reparava com as erupções vulcânicas. Passou um terceiro Shar, um quarto se contou. Não se obtinha ouro. Os conflitos abundavam no reino; a comida e a água escasseavam. A unidade se perdeu no reino; as acusações eram abundantes. Na corte real, os sábios se iam e vinham; os conselheiros corriam acima e abaixo. O rei não prestava atenção às suas palavras. Só procurava conselho em sua esposa; Lahama era seu nome. Se fosse o destino, supliquemos ao Grande Criador de Tudo, ao rei, disse ela. Suplicar, não atuar, é a única esperança! Na corte real, os príncipes estavam inquietos; dirigiam acusações ao rei: De forma estúpida e absurda, está trazendo calamidades ainda maiores em vez de paz!


Dos antigos depósitos, se recuperaram as armas; havia muito que falar de rebelião. Um príncipe, no palácio real, foi o primeiro em tomar as armas. Com palavras de promessa, agitou aos outros príncipes; Alalu era seu nome. Que Lahma já não seja mais o rei!, gritou. Que a decisão substitua à vacilação! Venham, vamos desalentar ao rei em sua morada; façamos que abandone o trono! Os príncipes fizeram caso às suas palavras; as portas do palácio abriram com violência; à sala do trono, sua entrada proibida, como águas em avalanche chegaram. O rei escapou à torre do palácio; Alalu foi em sua perseguição. Na torre houve luta; Lahma caiu morto. Lahma já não está vivo! Gritou Alalu. Já não está o rei, anunciou com alvoroço.





À sala do trono se dirigiu apressadamente Alalu, no trono ele mesmo se sentou. Sem direito nem conselho, ele mesmo se proclamou rei. Perdeu-se a unidade no reino; uns se alegraram pela morte da Lahma, outros se entristeceram pelo que tinha feito Alalu. Vem agora o relato do reinado de Alalu e da sua ida à Terra. Perdeu-se a unidade no reino; muitos se sentiam ofendidos sobre a realeza. No palácio, os príncipes estavam agitados; no conselho, os conselheiros estavam turvados. De pai a filho, a sucessão de An prosseguiu no trono; inclusive Lahma, o oitavo, tinha sido declarado filho por adoção. Quem era Alalu? Acaso era um Herdeiro Legal, era o Primogênito? Com que direito tinha usurpado o trono? Não era o assassino do rei? Ante os Sete Que Julgam, foi convocado Alalu para considerar sua sorte. Ante os Sete Que Julgam, Alalu expôs suas pretensões: Ainda sem ser Herdeiro Legal nem filho Primogênito, de semente real sim que era! Do Anshargal descendo, ante os juízes reclamou.


De uma concubina, meu antepassado nasceu; Alam era seu nome. Por conta do Shars, Alam foi o primogênito; lhe pertencia o trono. Por uma confabulação, deixou de lado seus direitos! A Lei da Semente de um nada se inventou, para que seu filho obtivesse a realeza. À Alam lhe privou da realeza; e ao filho dela, em seu lugar, foi concedida. Por descendência, sou o continuador das gerações de Alam; a semente do Anshargal está dentro de mim! Os Sete Que Julgam tiveram em conta as palavras de Alalu. Ao Conselho de Conselheiros passaram o assunto, para que dirimissem sua veracidade ou falsidade. trouxeram-se os anais reais da Casa de Registros; com muita atenção, leram-se.


An e Antu, eram o primeiro casal real de Nibiru; três filhos e nenhuma filha lhes nasceram. O Primogênito foi Anki; ele morreu no trono; não teve descendência. Em seu lugar, o filho médio subiu ao trono; Anib foi seu nome. Anshargal foi seu Primogênito; ao trono ascendeu. depois dele, no trono, não continuou a realeza do Primogênito Anki; A Lei de Sucessão se substituiu pela Lei da Semente. O filho de uma concubina era o Primogênito; pela Lei da Semente, lhe privava da realeza. Assim lhe concedeu a realeza ao filho de Kishargal; sendo a razão ser meio-irmã do rei. Do filho da concubina, do Primogênito, os anais não faziam menção. Dele sou descendente!, gritou Alalu aos conselheiros. Pela Lei de Sucessão, pertencia à realeza; pela Lei de Sucessão, à realeza tenho agora direito! Com vacilações, os conselheiros do Alalu exigiram um juramento de verdade. Alalu prestou o juramento; como rei lhe considerou o conselho.


Convocaram aos anciões, convocaram aos príncipes; ante eles, pronunciaram a decisão. De entre os príncipes, um jovem príncipe se adiantou; queria dizer algo a respeito da realeza. deveria-se reconsiderar a sucessão, disse à assembléia. Embora nem Primogênito, nem filho da rainha, de pura semente descendo: A essência do An se preservou em mim, sem diluir-se em concubina! Os conselheiros escutaram suas palavras com surpresa; ao jovem príncipe lhe disseram que se aproximasse. Perguntaram-lhe seu nome. É Anu; por meu antepassado An fui assim renomado! Perguntaram-lhe por suas gerações; dos três filhos do An, recordou-lhes: Anki foi o Primogênito, sem filho nem filha morreu; Anib foi o médio, no lugar do Anki subiu ao trono; Anib tomou por casamento à filha de seu irmão menor; a partir deles, registra-se nos anais a sucessão. Quem foi o irmão pequeno, filho do An e do Antu, da semente mais pura? Os conselheiros, admirados, olhavam-se entre si.


Enuru era seu nome!, anunciou-lhes Anu: Ele foi meu grande antepassado! Sua esposa, Ninuru, era uma meio-irmã; o filho dela foi o primogênito; Enama foi seu nome. A esposa deste era uma meio-irmã, pelas leis de semente e sucessão, um filho lhe deu. De descendentes puros continuaram as gerações, por lei e por semente perfeitas! Anu, por nosso antepassado An, puseram-me meus pais; Do trono se nos apartou; da semente pura do An não nos apartou! Que Anu seja rei!, gritaram muitos conselheiros. Que se destitua ao Alalu! Outros aconselharam cautela: Evitemos conflitos, que prevaleça a unidade! Chamaram a Alalu, para lhe contar o que foi descoberto.


Ao príncipe Anu, Alalu lhe ofereceu seu braço em abraço; ao Anu disse assim: Embora de diferente descendência, de um único antepassado descendemos ambos; vivamos em paz, juntos devolveremos a abundância a Nibiru! Me deixe conservar o trono, conserva você a sucessão! Ao conselho dirigiu estas palavras: Que Anu seja Príncipe Coroado, que ele seja meu sucessor! Que seu filho se case com minha filha, que unifique-se a sucessão! Anu fez uma reverência ante o conselho, ante a assembléia declarou assim: De Alalu, o copeiro serei, seu sucessor à espera; meu filho a sua filha escolherá como noiva. Essa foi a decisão do conselho; inscreveu-se nos anais reais. Desta maneira, Alalu seguiu sentado no trono.


Ele convocou aos sábios, a eruditos e comandantes consultou; para decidir, obteve muitos conhecimentos. Que se construam naves celestiais, decidiu, para procurar ouro no Bracelete Esculpido, decidiu. O Bracelete Esculpido destruíu as espaçonaves; nenhuma delas voltou. Que as Armas de Terror abram as vísceras de Nibiru, que os vulcões voltem para a erupção!, ordenou então. Armaram-se carros celestes com as Armas de Terror, com projéteis de terror golpearam aos vulcões dos céus. As montanhas se balançaram, os vales se estremeceram, enquanto grandes resplendores estalavam com estrondo. Havia muito alvoroço no reino; havia expectativas de abundância. No palácio, Anu era o copeiro do Alalu. Ele se prostraria aos pés do Alalu, poria-lhe a taça na mão.


Alalu era o rei; a Anu tratava como a um servo. No reino, o alvoroço se apagou; as chuvas se negavam a cair, os ventos sopravam com mais força. As erupções dos vulcões não aumentavam, não sanava a brecha na atmosfera. Nibiru seguia percorrendo suas voltas nos céus; de volta em volta, o calor e o frio se faziam mais difíceis de suportar. O povo de Nibiru deixou de venerar a seu rei; em vez de alívio, havia trazido miséria! Alalu seguia sentado no trono. O forte e sábio Anu, o primeiro entre os príncipes estava de pé ante ele. Prostraria-se ante os pés do Alalu, poria-lhe a taça na mão. Durante nove períodos contados, Alalu foi rei em Nibiru. No nono Shar, Anu apresentou batalha a Alalu. Desafiou a Alalu à um combate mão à mão, com os corpos nus. Que o vencedor seja rei, disse Anu.





“Para a gelada Terra pôs rumo Alalu; por um segredo do Princípio, escolheu seu destino”


Lutaram entre si na praça pública; as ombreiras das portas tremeram e as paredes se remexeram. Alalu fincou a joelho, caiu sobre seu peito. Alalu foi derrotado em combate; por aclamação, Anu foi proclamado rei. Anu foi escoltado até o palácio; Alalu ao palácio não voltou. De entre as massas, sigilosamente escapou; tinha medo de morrer como Lahma. Sem que o reconhecessem, foi apressadamente até o lugar dos carros celestiais. Alalu subiu a um carro armado de projéteis; fechou a portinhola atrás dele. Entrou na câmara da parte dianteira; ocupou o assento do comandante. Acendeu a luz, a câmara se encheu com uma aura azulada. Levantou as Pedras de Fogo; o zumbido destas, como a música, era cativante.


Avivou o Grande Quebrantador do carro; arrojava um resplendor avermelhado. Sem ninguém precaver-se disso, Alalu escapou de Nibiru na nave celestial. Para a gelada Terra pôs rumo Alalu; por um segredo do Princípio, escolheu seu destino.
Continua com a Segunda Tabuleta

O Livro perdido de Enki:
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/03/o-livro-perdido-de-enki-e-nibiru.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-introducao.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/09/o-livro-perdido-de-enki-atestado.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-1-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-1-tabuleta_4.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-2-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-3-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-4-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-5-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-6-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-7-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-8-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/10/o-livro-perdido-de-enki-9-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/10/o-livro-perdido-de-enki-10-tabuleta-o.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/10/o-livro-perdido-de-enki-11-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/11/o-livro-perdido-de-enki-12-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/11/o-livro-perdido-de-enki-13-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/11/o-livro-perdido-de-enki-14-tabuleta.html



Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.


Posted by Thoth3126 on 08/04/2015

www.thoth3126.com.br

Compartilhe:

27Share on Facebook (Opens in new window)27
3Click to share on Twitter (Opens in new window)3
Click to share on Reddit (Opens in new window)
Click to email this to a friend (Opens in new window)


Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.

Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos em português:
http://rayviolet2.blogspot.com/search?q=Enki

Atualização diária

Se gostou! Por favor RECOMENDE aos seus Amigos.
achama.biz.ly 

Israel ou Cazária!?

achama.biz.ly email: nai@achama.biz.ly 


EN: VioletFlame * The Illuminati * Alternative Media * North Atlantic Islands * Indian Ocean Islands * South Atlantic Ocean Islands * Alternative Media * Creator's Map * ESU IMMANUEL * Exposing Media DesInformation * Galactic Federation * Indians, Prophecies and UFOs * Illuminati, The * Infinite Being * Israel (!?) * Jews..., the Real ones! * Khazars Jews are converted, not jenuine * Meditation * Media News * NESARA (!?) * SCIENCE, SPIRIT, Free Energy!... * UFO CONTACTS * UFOs (MORE) * USA The 4th NAZI Reich!? * Zionism Lies and The Illuminati * Light a Candle for PEACE * The Red Pill * The True Shadow Government

Outubro 01, 2015

chamavioleta

O Livro perdido de Enki 

 1ª tabuleta, parte 1

Publicado anteriormente a 06/04/2015 

Edição e imagens: 

 Thoth3126@gmail.com 

O Livro Perdido de ENKI 

The Lost Book of Enki 

 Memórias e profecias de um “deus“ extraterrestre:


Há cerca de 435.000 anos que astronautas de outro planeta e sistema solar chegaram à Terra em busca de ouro. Depois de aterrissar num dos mares da Terra, desembarcaram e fundaram Eridú, “Lar na Lonjura”.

Com o tempo, o assentamento inicial se estendeu até converter-se na flamejante Missão Terra, com um Centro de Controle de Missões, um espaçoporto, operações de mineiração e, inclusive, estações orbitais na Terra e em Marte. Este livro conta a história desta saga extraterrestre, contada pelo próprio Enki.

Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Partes anteriores em:
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-atestado/

O LIVRO PERDIDO DE ENKI MEMÓRIAS E PROFECIAS DE UM DEUS EXTRATERRESTRE – Primeira tabuleta, PARTE 1:

Sinopse da Primeira Tabuleta:

01. Selo de Endubsar, escriba mestre.
02. Sinopse da Primeira Tabuleta.
03. Lamentação sobre a desolação da Suméria.
04. Como fugiram os deuses de suas cidades à medida que se propagava a nuvem radioativa nuclear.
05. As discussões no conselho dos deuses.
06. A fatídica decisão de liberar as Armas de Terror.

A PRIMEIRA TABULETA:

01. Selo de Endubsar, escriba mestre.

Palavras do senhor Enki, primogênito de Anu, que reina em Nibiru. Pesando no espírito, profiro os lamentos; lamentos amargos que enchem meu coração. Quão desolada está a Terra, as pessoas entregues ao Vento (Radioatividade gerada por explosões de artefatos nucleares em uma guerra entre os “deuses“) Maligno, seus estábulos abandonados, seus redis vazios. Quão desoladas estão as cidades, as pessoas amontoadas como cadáveres hirtos, afligidas pelo Vento Maligno. Quão desolados estão os campos, murcha a vegetação, alcançada pelo Vento Maligno. Quão desolados estão os rios, já nada vive neles, águas puras e cintilantes convertidas em veneno.



Das pessoas de negra cabeça, Sumer está vazia, foi-se toda vida; de suas vacas e suas ovelhas, Sumer está vazia, calado ficou o murmúrio do leite batido. Em suas gloriosas cidades, só ulula o vento; a morte é o único aroma. Os templos, cujas cúspides alcançavam o céu, por seus deuses foram abandonados. Não há domínio de senhorio nem de realeza; cetro e tiara desapareceram.

03. Lamentação sobre a desolação da Suméria.

Nas ribeiras dos dois grandes rios (o rio Tigre e o rio Eufrates, hoje no Iraque), em outro tempo exuberantes e cheios de vida, só crescem as más ervas. Ninguém percorre seus meio-fios, ninguém busca os caminhos; a florescente Sumer é como um deserto abandonado.

Quão desolada está a terra, lar de deuses e homens! Nessa terra caiu a calamidade, uma calamidade desconhecida para o homem. Uma calamidade que a Humanidade nunca antes tinha visto, uma calamidade que não se pode deter. Em todas as terras, do oeste até o leste, pousou-se uma mão que quebra e de terror. Os deuses, em suas cidades, estavam tão indefesos como os homens! Um Vento Maligno, uma tormenta nascida em uma distante planície, uma Grande Calamidade forjada em seu atalho.

Um vento portador de morte nascido no oeste se encaminhou para o leste, tendo estabelecido seu curso pela sorte. Uma devoradora tormenta como o dilúvio, de vento e não de água destruidora, de ar envenenado, não de ondas, entristecedora. Pela sorte, que não pelo destino, engendrou-se; os “grandes (n.t. e IMBECIS) deuses”, em seu conselho, a Grande Calamidade provocaram. Enlil e Ninharsag o permitiram; só eu estive suplicando para que se contivessem. Dia e noite, por aceitar o que os céus decretam, argumentei, mas em vão! Ninurta, o filho guerreiro de Enlil, e Nergal, meu próprio filho, liberaram as venenosas armas na grande planície.



Não sabíamos que um Vento Maligno seguiria ao resplendor! Choram eles agora em sua angústia. Quem podia predizer que a tormenta portadora de morte, nascida no oeste, tomaria seu curso para o leste? Lamentam-se os deuses agora. Em suas cidades sagradas, permaneceram os deuses, sem acreditar que o Vento Maligno tomaria sua rota para o Sumer.

04. Como fugiram os deuses de suas cidades à medida que se propagava a nuvem radioativa nuclear.

Um após o outro, os deuses fugiram de suas cidades, seus templos abandonaram ao vento. Em minha cidade, Eridú, não pude fazer nada para deter a nuvem venenosa. Fujam para campo aberto, eu dava instruções às pessoas; com Ninki, minha esposa, a cidade abandonei.

Em sua cidade, Nippur, lugar do Enlace Céu-Terra, Enlil não pôde fazer nada para detê-lo. O Vento Maligno se equilibrou sobre Nippur. Em sua nave celestial, Enlil e sua esposa partiram apressadamente. Na cidade da realeza do Sumer, em UR, Nannar a seu pai Enlil implorou ajuda; no lugar do templo que ao céu em sete degraus se eleva, Nannar se negou a considerar a mão da sorte. Meu pai, você que me engendrou, grande deus que a Ur concedeu a realeza, não deixe entrar o Vento Maligno!, apelou Nannar.


Escavações arqueológicas nas ruínas de Nippur.

Grande deus que decreta as sortes, deixa que Ur e seus habitantes se livrem, seus louvores prosseguirão!, apelou Nannar. Enlil respondeu a seu filho Nannar: Nobre filho, à sua admirável cidade concedi a realeza, mas não lhe concedi reinado eterno. Toma a sua esposa Ningal e foge da cidade! Nem sequer eu, que decreto as sortes, posso impedir seu destino!

Assim falou Enlil, meu irmão; ai, ai, que não era o destino! O dilúvio quando aconteceu não tinha causado uma calamidade maior sobre deuses e terrestres; ai, que não era destino! O Grande Dilúvio estava destinado a acontecer; mas não a Grande Calamidade da tormenta portadora de morte.

05. As discussões no conselho dos deuses.

Por romper uma promessa, por uma decisão do conselho ela foi provocada; pelas Armas de Terror ela foi criada. Por uma decisão, que não pelo destino, liberaram-se as armas venenosas; por deliberação se jogaram as sortes.

Contra Marduk, meu primogênito, dirigiram a destruição os dois filhos; havia vingança em seus corações. Não tem que tomar Marduk o poder!, gritou o primogênito de Enlil. Com as armas oporei a ele, disse Ninurta. De entre o povo levantou um exército, para declarar a Babilônia como o umbigo da Terra, assim gritou Nergal, irmão de Marduk. No conselho dos grandes deuses, palavras malévolas se difundiram.



Dia e noite levantei minha voz opositora; a paz aconselhei, deplorando as pressas. Pela segunda vez, o povo tinha elevado sua imagem celeste; por que opor-se a que continue, perguntei implorando. Comprovaram-se todos os instrumentos? Não tinha chegado a era de Marduk nos céus?, inquiri uma vez mais. Ningishzidda, meu filho, outros signos do céu citou. Seu coração, eu sabia, não podia perdoar a injustiça de Marduk contra ele. Nannar, filho de Enlil na Terra nascido, também foi implacável. Marduk, de meu templo na cidade do norte, sua própria morada tem feito! Assim disse.

Ishkur, o filho mais jovem de Enlil, exigiu um castigo; em minhas terras, fez prostituir-se ao povo ante ele!, disse. Utu, filho de Nannar, contra o filho de Marduk, Nabu, dirigiu sua ira: Tentou tomar o Lugar dos Carros Celestiais! (n.t. a Península do SINAI) Inanna, gêmea de Utu, estava fora de si; seguia exigindo o castigo de Marduk pelo assassinato de seu amado Dumuzi. Ninharsag, mãe de deuses e homens, desviou a olhar. Por que não está Marduk aqui? Disse simplesmente. Gibil, meu próprio filho, replicou pessimista: Marduk tem desprezado a todos os rogos; pelos sinais do céu reclama sua supremacia!

Só pelas armas será detido Marduk!, gritou Ninurta, primogênito de Enlil. Utu estava preocupado pela segurança do Lugar dos Carros Celestiais; não deve cair em mãos de Marduk! Assim disse. Nergal, senhor dos Domínios Inferiores, exigia ferozmente: Que se utilizem as antigas Armas de Terror para arrasar! A meu próprio filho olhei sem poder acreditar nisso: Para lutas entre irmão contra irmão as armas de terror se abjuraram o uso!


Restos de um Zigurate erigido em honra aos deuses na antiga cidade de UR na Suméria, hoje Iraque, onde “deus” fez um acordo com Abraâo…

06. A fatídica decisão de liberar as Armas de Terror.

Em lugar do comum acordo, houve silêncio. No silêncio, Enlil abriu a boca: Deve haver um castigo; como pássaros sem asas ficarão os malfeitores. Marduk e Nabu, de nosso patrimônio nos estão privando; há que lhes privar do Lugar dos Carros Celestiais! Que se calcine o lugar até o esquecimento!, gritou Ninurta: me deixem ser Aquele Que Calcina!

Excitado, Nergal ficou em pé e gritou: Que as cidades dos malfeitores também sejam destruídas, me deixem arrasar as cidades pecadoras, deixem que a partir de hoje meu nome seja o Aniquilador! Os terrestres, por nós criados, não devem ser danificados; os justos com os pecadores não devem perecer, exclamou energicamente. Ninharsag, a companheira que me ajudou a criá-los, estava de acordo: A questão somente tem que se resolver entre os deuses, o povo (da Terra) não deve ser prejudicado. Anu, da morada celestial, estava prestando atenção às discussões.

Anu, que determina as sortes, sua voz fez escutar desde sua morada celestial: Que as Armas de Terror sejam por esta vez usadas, que o lugar das espaçonaves propulsadas seja arrasado, que ao povo lhe perdoe. Que Ninurta seja o Calcinador, que Nergal seja o Aniquilador! E assim Enlil a decisão anunciou. À eles um segredo dos deuses revelarei; o lugar oculto das armas de terror lhes desvelarei. Os dois filhos, um meu, um dele, em sua câmara interior Enlil convocou. Nergal, quando voltou junto a mim, desviou o olhar. Ai!, gritei sem palavras, o irmão se revoltou contra o irmão! Acaso por sorte têm que repeti-los os Tempos Prévios?



Um segredo dos Tempos de Antigamente os revelou Enlil a eles, as Armas de Terror a suas mãos confiou! Enfeitadas de terror, com um resplendor se desataram; tudo o que tocam, em um montão de pó o convertem. Para irmão contra irmão na Terra foram abjuradas, para nenhuma região afetar. Então, o juramento se violou, como uma vasilha rota em inúteis partes.

Os dois filhos, plenos de gozo, com passos rápidos da câmara de Enlil emergiram, para a partida das armas. Os outros deuses voltaram para suas cidades; sem pressagiar nenhum deles sua própria calamidade! Eis aqui o relato dos Tempos Prévios, e das Armas de Terror. Antes dos Tempos Prévios foi o Princípio; depois dos Tempos Prévios foram os Tempos de Antigamente.
Continua…
O Livro perdido de Enki:
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/03/o-livro-perdido-de-enki-e-nibiru.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-introducao.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/09/o-livro-perdido-de-enki-atestado.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-1-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-1-tabuleta_4.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-2-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-3-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-4-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-5-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-6-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-7-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-8-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/10/o-livro-perdido-de-enki-9-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/10/o-livro-perdido-de-enki-10-tabuleta-o.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/10/o-livro-perdido-de-enki-11-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/11/o-livro-perdido-de-enki-12-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/11/o-livro-perdido-de-enki-13-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/11/o-livro-perdido-de-enki-14-tabuleta.html


Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Compartilhe:

31Share on Facebook (Opens in new window)31
3Click to share on Twitter (Opens in new window)3
Click to share on Reddit (Opens in new window)
Click to email this to a friend (Opens in new window)

Posted by Thoth3126 on 06/04/2015

URL: http://wp.me/p2Fgqo-5Q3

Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.
Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos em português:
http://rayviolet2.blogspot.com/search?q=Suméria

Atualização diária

Se gostou! Por favor RECOMENDE aos seus Amigos.
achama.biz.ly 

Israel ou Cazária!?

achama.biz.ly email: nai@achama.biz.ly 


EN: VioletFlame * The Illuminati * Alternative Media * North Atlantic Islands * Indian Ocean Islands * South Atlantic Ocean Islands * Alternative Media * Creator's Map * ESU IMMANUEL * Exposing Media DesInformation * Galactic Federation * Indians, Prophecies and UFOs * Illuminati, The * Infinite Being * Israel (!?) * Jews..., the Real ones! * Khazars Jews are converted, not jenuine * Meditation * Media News * NESARA (!?) * SCIENCE, SPIRIT, Free Energy!... * UFO CONTACTS * UFOs (MORE) * USA The 4th NAZI Reich!? * Zionism Lies and The Illuminati * Light a Candle for PEACE * The Red Pill * The True Shadow Government

Setembro 24, 2015

chamavioleta


O Livro perdido de Enki 

 Atestado

Publicado anteriormente a04/04/2015

Livroperdidode-Enki



O Livro Perdido de ENKI – The Lost Book of Enki – Memórias e Profecias de um “deus” extraterrestre:


Faz cerca de 435.000 anos que seres astronautas de outro planeta e sistema solar (Sírius) chegaram à Terra em busca de ouro. Depois de aterrissar num dos mares da Terra, desembarcaram e fundaram Eridú, “Lar na Lonjura”.

Com o tempo, o assentamento inicial se estendeu até converter-se na flamejante Missão Terra, com um Centro de Controle de Missões, um espaçoporto, operações de mineiração e, inclusive, uma estação orbital em Marte. Este livro conta a história desta saga extraterrestre, contada pelo próprio Enki.

Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Partes anteriores em:
http://thoth3126.com.br/nibiru-o-livro-perdido-de-enkiea/
http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki/

O LIVRO PERDIDO DE ENKI MEMÓRIAS E PROFECIAS DE UM DEUS EXTRATERRESTRE – ATESTADO

Palavras de Endubsar, escriba mestre, filho da cidade de Eridú, servo do senhor Enki, o grande deus. No sétimo ano depois da Grande Calamidade, no segundo mês, no décimo sétimo dia, fui chamado por meu Mestre o Senhor Enki, o grande deus, benévolo criador da Humanidade, onipotente e misericordioso.

Eu estava entre os sobreviventes de Eridú que tinham escapado à árida estepe quando o Vento (radiação) Maligno estava se aproximando da cidade. E vaguei pelo deserto, procurando ramos secos para fazer fogo. E olhei para cima e eis que um Torvelinho chegou do sul.



Tinha um resplendor avermelhado, e não fazia som algum. E quando tocou o chão, saíram de seu ventre quatro largos pés e o resplendor desapareceu. E me joguei no chão e me prostrei, pois sabia que era uma visão divina. E quando levantei meus olhos, havia dois emissários divinos perto de mim.

E tinham rostos de homens, e suas roupas brilhavam como metal brunido. E me chamaram por meu nome e me falaram, dizendo: foste chamado pelo grande deus, o senhor Enki. Não tema, pois foste puro. E estamos aqui para te levar ao alto, e te levar até seu retiro na Terra do Magan, na ilha no meio do Rio de Magan, onde estão as comportas.

E enquanto falavam, o resplendor se elevou como um carro de fogo e se foi. E me tiraram das mãos, cada um deles de uma mão. E me elevaram e me levaram velozmente entre a Terra e os céus, igual a uma águia. E pude ver a terra e as águas, e as planícies e as montanhas. E me deixaram na ilha, ante a porta da morada do grande deus. E no momento em que me soltaram das mãos, um resplendor como nunca tinha visto me envolveu e me afligiu, e caí ao chão como se tivesse ficado vazio do espírito de vida. Meus sentidos vitais voltaram para mim, como se despertasse do mais profundo dos sonhos, quando escutei o som de uma voz me chamando.



Estava em uma espécie de recinto. Estava escuro, mas também havia uma aura. Então, a mais profunda das vozes pronunciou meu nome outra vez. E, embora pudesse escutá-la, não saberia dizer de onde vinha a voz, nem pude ver quem estava falando. E respondi, aqui estou. Então, a voz me disse: Endubsar, descendente de Adapa, escolhi-te para que seja meu escriba, para que ponha por escrito minhas palavras nas tabuletas. E de repente apareceu um resplendor em uma parte do recinto.

E vi um lugar disposto como o lugar de trabalho de um escriba: uma mesa de escriba e um tamborete de escriba, e havia pedras finamente lavradas sobre a mesa. Mas não vi tabuletas de argila nem recipientes de argila úmida. E sobre a mesa só havia um estilete, e este reluzia no resplendor como não o tivesse podido fazer nenhum estilete de cano.

E a voz voltou a falar, dizendo: Endubsar, filho da cidade de Eridú, meu fiel servo. Sou seu senhor Enki. Convoquei-lhe para que escrevas minhas palavras, pois estou muito conturbado pela Grande Calamidade que desceu sobre a Humanidade. É meu desejo registrar o verdadeiro curso dos acontecimentos, para que tanto deuses como homens saibam que minhas mãos estão podadas. Desde o Grande Dilúvio, não tinha descido uma calamidade tal sobre a Terra, os deuses e os terrestres.

Mas o Grande Dilúvio estava destinado a acontecer, mas não essa grande calamidade (contaminação radioativa por explosões nucleares). Esta faz sete anos, não tinha que ter ocorrido. Podia-se ter evitado, e eu, Enki, fiz tudo o que pude para impedí-la; mas, ai fracassei! E foi sorte ou foi destino?


E o que estava destinado, em um ciclo será repetido

O futuro julgará, pois ao final dos dias um Dia do Julgamento haverá. Nesse dia, a Terra tremerá e os rios trocarão seu curso, e haverá escuridão ao meio-dia e um fogo nos céus de noite, será o dia da volta do deus celestial (verdadeiro). E haverá quem sobreviva e quem pereça, quem é recompensado e quem é castigado, deuses e homens por igual nesse dia tirarão o chapéu; pois o que deva acontecer, por isso aconteceu, será determinado; e o que estava destinado, em um ciclo será repetido, e o que foi fruto da sorte e ocorreu só pela vontade do coração, para o bem ou para o mal deverá ser julgado.

A voz caiu no silêncio; depois, o grande senhor falou de novo, dizendo: É por esta razão que contarei o relato veraz dos Princípios e dos Tempos Prévios e dos Tempos de Antigamente; pois, no passado, o futuro se acha oculto. Durante quarenta dias e quarenta noites, eu falarei e você escreverá; quarenta será à conta dos dias e as noites de seu trabalho aqui, pois quarenta é meu número sagrado entre os deuses.

Durante quarenta dias e quarenta noites, não comerá nem beberá; só esta onça de pão e água tomará, e lhe manterá durante todo seu trabalho. E a voz se deteve, e de repente apareceu um resplendor em outra parte do recinto. E vi uma mesa e, sobre ela, um prato e uma taça. E me levaram para ir ali, e havia pão no prato e água na taça.



E a voz do grande senhor Enki falou de novo, dizendo: Endubsar come o pão e bebe a água, e isso lhe manterá durante quarenta dias e quarenta noites. E fiz como me indicou. E depois, a voz me indicou que me sentasse ante a mesa de escriba, e o resplendor se intensificou ali. Não pude ver nenhuma porta nem abertura onde me encontrava, entretanto o resplendor era tão forte como o do sol do meio-dia. E a voz disse: Endubsar o escriba, o que vê? E olhei e vi o resplendor que iluminava a mesa, as pedras e o estilete, e também: Vejo umas tabuletas de pedra, e seu tom é de um azul tão puro como o céu. E vejo um estilete como nunca antes tinha visto. Seu corpo não parece de cano, e sua ponta tem a forma de uma garra de águia.

E a voz disse: São estas as tabuletas sobre as quais inscreverá minhas palavras. Por rápido meu desejo, hão-se esculpido do mais fino lápis lázuli, cada uma delas com duas faces lisas. E o estilete que vê é a obra de um deus, o corpo é feito de elétrons e a ponta feita de cristal divino. Se adaptará firmemente à sua mão, e te será tão fácil gravar com ele como marcar sobre argila úmida. Em duas colunas inscreverá a face frontal, em duas colunas inscreverá o dorso de cada tabuleta de pedra. Não te desvie de minhas palavras e minhas declarações!

E houve uma pausa, e eu toquei uma das pedras, e senti sua superfície como uma pele Lisa, suave ao tato. E tomei o estilete sagrado, e o senti como uma pluma em minha mão. E, depois, o grande deus Enki começou a falar, e eu comecei a escrever suas palavras, exatamente como as dizia. Às vezes, sua voz era forte; às vezes, quase um sussurro. Às vezes, havia gozo ou orgulho em sua voz; às vezes, dor ou angústia. E quando uma tabuleta ficava inscrita em todas as suas faces, tomava outra para continuar. E quando foram ditas as últimas palavras, o grande deus se deteve, e pude escutar um grande suspiro. E disse:



Endubsar, meu servo, durante quarenta dias e quarenta noites tem escrito fielmente minhas palavras. Seu trabalho aqui terminou. Agora, toma outra tabuleta, e nela escreverá seu próprio atestado; e ao final dela, como testemunha, marca-a com seu selo; e toma a tabuleta e ponha junto com as outras no cofre divino; pois, no momento designado, escolhidos virão até aqui e encontrarão o cofre e as tabuletas, e saberão tudo o que eu ditei a ti; e que o relato veraz dos Princípios, os Tempos Prévios, os Tempos de Antigamente e a Grande Calamidade será conhecida no sucessivo como As Palavras do Senhor Enki.

E haverá um Livro de Testemunhos do passado, e um Livro de previsões do futuro, pois o futuro no passado se acha, e o primeiro também será o último. E houve uma pausa, e tomei as tabuletas e as pus uma a uma na ordem correta dentro do cofre. E o cofre era feito de madeira de acácia com incrustações de ouro no exterior. E a voz de meu senhor disse: Agora, fecha a tampa do cofre e fixa o fechamento. E fiz como me indicou. E houve outra pausa, e meu senhor Enki disse: E quanto a ti, Endubsar, com um grande deus falaste e, embora não me vistes, em minha presença estivestes, portanto, está puro, e será meu porta-voz ante o povo.

Admoestará para que eles sejam justos, pois nisso se baseia uma boa e larga vida. E os confortará, pois no prazo de setenta anos se reconstruirão as cidades e as colheitas voltarão a crescer. Haverá paz, mas também haverá guerras. Novas nações se farão poderosas, reinos se elevarão e cairão. Os deuses de antigamente se apartarão, e novos deuses decretarão as sortes. Mas ao final dos dias prevalecerá o destino, e esse futuro se prediz em minhas palavras sobre o passado. De tudo isso, Endubsar, às pessoas falará.



E houve uma pausa e um silêncio. E eu, Endubsar, prostrei-me no chão e disse: Mas, como saberei o que dizer? E a voz do senhor Enki disse:


“Haverá sinais nos céus, e as palavras que tenha que pronunciar, virão a ti em sonhos e em visões. E, depois de ti, haverá outros profetas escolhidos. E ao final, haverá uma Nova Terra e um Novo Céu, e então já não haverá mais necessidade de profetas“.

E, então, fez-se o silêncio, e as auras se extinguiram, e o espírito me deixou. E quando recuperei os sentidos novamente, eu estava nos campos dos arredores de Eridú.

Continua 

O Livro perdido de Enki:
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/03/o-livro-perdido-de-enki-e-nibiru.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-introducao.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/09/o-livro-perdido-de-enki-atestado.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-1-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-1-tabuleta_4.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-2-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/10/o-livro-perdido-de-enki-3-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-4-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-5-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-6-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-7-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2015/04/o-livro-perdido-de-enki-8-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/10/o-livro-perdido-de-enki-9-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/10/o-livro-perdido-de-enki-10-tabuleta-o.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/10/o-livro-perdido-de-enki-11-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/11/o-livro-perdido-de-enki-12-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/11/o-livro-perdido-de-enki-13-tabuleta.html
http://rayviolet2.blogspot.com/2014/11/o-livro-perdido-de-enki-14-tabuleta.html



Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Compartilhe:

58Share on Facebook (Opens in new window)58
6Click to share on Twitter (Opens in new window)6
Click to share on Reddit (Opens in new window)
Click to email this to a friend (Opens in new window)

Posted by Thoth3126 on 04/04/2015

URL: http://wp.me/p2Fgqo-5Dq

Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.
Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos em português:
http://rayviolet2.blogspot.com/search?q=Zecharia Sitchin

Atualização diária

Se gostou! Por favor RECOMENDE aos seus Amigos.
achama.biz.ly 

Israel ou Cazária!?

achama.biz.ly email: nai@achama.biz.ly 


EN: VioletFlame * The Illuminati * Alternative Media * North Atlantic Islands * Indian Ocean Islands * South Atlantic Ocean Islands * Alternative Media * Creator's Map * ESU IMMANUEL * Exposing Media DesInformation * Galactic Federation * Indians, Prophecies and UFOs * Illuminati, The * Infinite Being * Israel (!?) * Jews..., the Real ones! * Khazars Jews are converted, not jenuine * Meditation * Media News * NESARA (!?) * SCIENCE, SPIRIT, Free Energy!... * UFO CONTACTS * UFOs (MORE) * USA The 4th NAZI Reich!? * Zionism Lies and The Illuminati * Light a Candle for PEACE * The Red Pill * The True Shadow Government

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub