Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Setembro 17, 2020

chamavioleta

How Israeli (Khazaria) Piracy Destroyed Gaza’s Once Thriving Fishing Industry.

By Ramzy Baroud.

Posted September 14, 2020 by Edward Morgan.

 

.

On August 16, the Israeli navy declared the Gaza sea a closed military zone. A few days later, a group of Gaza fishermen decided to take their chances by fishing within a mere two or three nautical miles off the Gaza shore. No sooner had they cast their nets, Israeli navy bullets began whizzing all around them.
 
Soon after the incident, I spoke with one of these fishermen. His name is Fathi.
 
“My wife, my eight children and I, we all live off fishing. The Israeli navy shot at us today and asked us to leave the sea. I had to return to my family empty-handed, without any fish to sell and nothing to give to my children,” Fathi told me.
 
This fisherman’s story is typical. According to the Israeli rights group B’tselem, “about 95% of fishermen in Gaza live below the poverty line”.
 
Gaza’s fishermen are true heroes. Against numerous odds, they brave the sea every day to ensure the survival of their families.
 
In this scenario, the Israeli navy represents modern-day pirates opening fire at these Palestinian men – and, in some cases, women – sinking their boats sometimes and driving them back to the shore. In Gaza, this has been the routine for almost 13 years.
 
As soon as Israel declared the complete closure of Gaza’s fishing zone it prevented thousands of fishermen from providing for their families, thus destroying yet another sector in Gaza’s decimated economy.
 
The Israeli military justified its action as a retaliatory measure against Palestinian protesters who have reportedly launched incendiary balloons into Israel in recent days. The Israeli decision, therefore, may seem rational according to the poor standards of mainstream journalism. A slight probe into the subject, however, reveals another dimension to the story.
 
Palestinian protesters have, in fact, released incendiary balloons into Israel which, reportedly, cause fires in some agricultural areas adjacent to occupied Gaza. However, the act itself has been a desperate cry for attention.
 
Gaza is almost completely out of fuel. The Strip’s only power generator was officially shut down on August 18. The Karem Abu Salem Crossing, which allows barely limited supplies to reach Gaza through Israel, has also been closed by an Israeli military order. The sea, Gaza’s last resort, has, recently, turned into a one-sided war between the Israeli navy and Gaza’s shrinking population of fishermen. All of this has inflicted severe damage to a region that has already endured tremendous suffering.
 
Gaza’s once healthy fishing sector has been almost obliterated as a result of the Israeli siege. In 2000, for example, the Gaza fishing industry had over 10,000 registered fishermen. Gradually, the number has dwindled to 3,700, although many of them are fishermen by name only – as they can no longer access the sea, repair their damaged boats or afford new ones.
 
Those who remain committed to the profession do so because it is, literally, their last means of survival – if they do not fish, their families do not eat. The story of Gaza’s fishermen is also the story of the Gaza siege. No other profession has been as directly linked to Gaza’s woes as that of fishing.
 
When the Oslo Accord was signed between the Israeli government and the Palestine Liberation Organization in 1993, Palestinians were told that one of the many fruits of peace would be the expansion of Gaza’s fishing zone – up to 20 nautical miles (approximately 37 km), precisely.
 
Like the rest of Oslo’s broken promises, the fishing agreement was never honored, either. Instead, up to 2006, the Israeli military allowed Gazans to fish within a zone that never exceeded 12 nautical miles. In 2007, when Israel imposed its ongoing siege on Gaza, the fishing zone was reduced even further, first to six nautical miles and, eventually, to three.
 
Following each Israeli war or violent conflagration in Gaza, the fishing zone is shut down completely. It is reopened after each truce, accompanied by more empty promises that the fishing zone will be expanded several nautical miles in order to improve the livelihood of the fishermen.
 
After the Egyptian negotiated truce that followed a brief but deadly Israeli campaign in November 2019, the fishing zone was expanded, again, to reach 15 nautical miles, the largest range in many years.
 
However, this respite was short-lived. In no time, the Israeli navy was sinking boats, firing at fishermen and pushing them back into the original small spaces in which they operated.
 
While Israel has redeployed its forces to the outskirts of Gaza in 2005, under international law it is still considered an Occupying Power, obligated to ensure the welfare and the rights of the occupied Palestinians living there. Of course, Israel has never honored international law, neither in Gaza, nor anywhere else in occupied Palestine.
 
In February 2018, Isma’il Abu Ryalah was killed by the Israeli navy while fishing in his small boat five nautical miles off the Gaza shore. Predictably, no Israeli was ever held accountable for Abu Ryalah’s murder. Soon after the incident, desperation – but also courage – prompted thousands of Gaza fishermen back to the sea, despite the impending danger posed by modern-day pirates masquerading as an army.
 



Compiled by http://violetflame.biz.ly from: 
 
Archives:
 
 
Main Site:
violetflame.biz.ly
site@violetflame.biz.ly
Alternative to Google

Alternatives to YouTube

Alternative banned videos
https://altcensored.com/

 

 
All articles are of the respective authors or publishers' responsibility. 
 


 
No religious or political creed is advocated here.

Organized religion is unnecessary to spirituality.

Excellent teachings of the masters have been contaminated by the dogmatic control of these religions.

Discernment yes; judgment does not.
If you use discernment you are free to research with an open mind. 

With discernment, it is possible to reach the spirit of the letter of any writing and it is also much easier to listen to the voice of the soul that comes from the heart.
Individually you can be helped to find your Truth that is different from everyone. 


Please respect all credits.

 
Discernment is recommended.
 
 

 

Like this! please bookmark. It is updated daily

 


 
 

Julho 19, 2017

chamavioleta


RUSSOS, CHINESES E AMERICANOS PLANEJAM UMA MACIÇA CAMPANHA PARA EXPOR O GOVERNO SECRETO KHAZARIANO

Por Benjamin Fulford, 17 de julho de 2017

Tradução: Candido Pedro Jorge

 
 
 
Reuniões de alto nível entre militares chineses, russos e norte-americanos chegaram à conclusão de que uma pequena e aguda "guerra" pode ser necessária para expor os nazistas e sua rede secreta mundial, diz a Sociedade Secreta Asiática e fontes do Pentágono. O plano para expor o governo secreto assumiria a forma de um ataque militar convencional dos EUA, da Rússia e da China contra a Coréia do Norte, dizem as fontes. "Isso forçará os apoiadores da Coreia do Norte se mostrarem", dizem as fontes da Sociedade Secreta Asiática.

Anos de pesquisa forense deste escritor, revelaram uma rede secreta conectando as minas de ouro no Pacífico Sul, a grade das bases da Antártida, bases submarinas ocultas, comércio mundial de narcóticos, Coréia do Norte e Israel entre outras coisas. Esta rede, criada por aliados fascistas que não se renderam no final da Segunda Guerra Mundial, acredita estar fornecendo a Coreia do Norte suas armas nucleares e mísseis.

Por essa razão, fontes da Sociedade Secreta asiática dizem que uma campanha que retrata a Coréia do Norte como um vilão será intensificada nos próximos meses, em preparação para uma guerra curta mas intensa no início do próximo ano. Esta guerra não envolverá países como eles existem agora, mas sim seria entre forças ocultas por trás dos países, dizem as fontes. Dessa forma, russos, chineses e americanos atacariam a Coréia do Norte, que estaria apoiada por facções secretas russas, chinesas e americanas, tornando-se uma guerra entre sociedades secretas e não tradicional entre os países, concordam as fontes. O objetivo será forçar os grupos secretos que operam nos bastidores a se exporem, dizem fontes da Sociedade Secreta Asiática.

Fontes do Pentágono dizem que a Coréia do Norte e Israel são entidades intimamente ligadas. Para pressioná-los, na semana passada, tropas russas entraram no sul da Síria, em frente as Clinas de Golan, dizem elas. Ao mesmo tempo, a Rússia disparou um míssil Iskander de um Oblast autônomo judeu perto da Coréia, "para enviar uma mensagem contundente de que Israel deve devolver as Colinas de Golan", dizem as fontes do Pentágono.

Os judeus, também, estão despertando para o fato de que seus líderes da máfia khazariana são as mesmas pessoas que criaram o holocausto. O major-general Yair Golan, vice chefe de gabinete do exército de Israel, comparou o mês passado o atual governo de Israel com os nazistas e se recusou a recuar, num sinal de que os khazarianos, provavelmente, perderão o controle de Israel e da Coréia do Norte.

http://www.blacklistednews.com/IDF_Chief_Says_Israel_is_Becoming_Like_Nazi_Germany%2C_Refuses_to_Back_Down/59669/0/38/38/Y/M.html

O governo do Japão, recentemente, aprovou uma lei de conspiração que permite prender as pessoas que planejem cometer crimes, porque deseja ter uma desculpa legal para deter todos os profissionais de guerra que devem fugir da Coréia do Norte para o Japão, uma vez que a luta irrompa, dizem fontes asiáticas.

É claro que a solução ideal seria a exposição desses grupos secretos sem ter que recorrer a uma guerra, dizem fontes da Sociedade do Dragão Branco na Ásia.

O outro assunto muito interessante abordado pelas fontes da Sociedade Secreta Asiática tem a ver com inteligência artificial. Por mais estranho que possa parecer, existe um crescente consenso de que a realidade que estamos experimentando seja o produto de uma inteligência artificial. Isso nos foi dito no passado por um membro do grupo MJ12, pelos Illuminat gnósticos e, agora, pela Sociedade Secreta Asiática. Além disso, essa IA parece estar presa num loop.

Isso pode parecer estranho, mas ao se retroagir as notícias diárias ou mesmo notícias semanais tendo uma visão de longo prazo, se percebe uma repetição maciça em certos aspectos das notícias do mundo. Por exemplo, ao se ler artigos sobre Israel e os palestinos da década de 1970, estes seriam muito difíceis de serem distintos dos artigos que aparecem este ano. Toda a questão parece estar presa num loop de feedback repetitivo.

O mesmo pode ser dito sobre a Coréia do Norte, onde os problemas relacionados com esse país que desencadeiam mísseis que "poderiam em breve atingir os Estados Unidos", tem se repetido num ciclo há muitos anos. Na verdade, a Coréia do Norte lançou um satélite em 1998, o que significa que há muito tem capacidade para atingir os Estados Unidos continentais com uma arma nuclear. Então, por que esse meme do míssil norte-coreano continua a ser repetido?

Outros loops de repetição de notícias a longo prazo incluem argumentos sobre ilhas em disputa no Mar da China Meridional, questões de 70 anos relativas à Segunda Guerra Mundial, Ucrânia, Irã etc.


O outro loop que vi se repetindo nas últimas décadas foi o anúncio da descoberta de uma maneira de prolongamento da vida, sempre algumas semanas mais tarde seguida por alguma razão de que esse método não será perseguido.

A fonte desses laços de notícias recorrentes foi atribuída à máfia khazariana. No entanto, por mais estranho que possa parecer, quando este escritor seguiu a trilha forense de David Rockefeller, dos Rothschilds e da P2 do Vaticano, a mesma acabou levando à pessoas na Itália e na Suíça, como Vincenzo Mazzara, um cavalheiro dos Cavaleiros Teutônicos, que Afirmam receber suas ordens através dos raios gama, de uma entidade que conhecem como o sol negro.

Para aqueles que preferem olhar para o mundo real, aqui e agora, ainda há um caso claro de que certos atores na comunidade de inteligência que trabalham numa agenda secreta, continuem repetindo certos ciclos de notícias em detrimento da humanidade como um todo.

Existe a chance de, finalmente, pôr fim a esse absurdo já neste outono. Um campo de batalha fundamental será o Japão. Agora que Richard Armitage foi descartado e o agente dos Rothschild, Michael Greenberg é um homem caçado, Gerald Curtis, relativamente moderado, tornou-se o principal manipulador do Japão para as forças de ocupação americanas.

O principal agente de poder japonês, agora, é um homem chamado Kazuyoshi Kokubo, filho do imperador Hirohito, nascido de uma princesa coreana, de acordo com fontes da família real japonesa. Também, há o antigo ex-primeiro-ministro Yasuhiro Nakasone, que tem trabalhado arduamente para criar um governo favorável a Henry Kissinger, dizem as fontes. Essas pessoas poderão ser removidas, se necessário, dizem fontes do submundo japonês.

As sociedades secretas asiáticas, os chefes do submundo japonês, os militares e os chapéus brancos da agência de inteligência dos EUA concordaram que fazer do Japão um país independente, mais uma vez, seria uma troca no jogo para todo o planeta.

Se o Japão se tornasse independente, imediatamente, iria parar com a máfia de khazariana de saquear seus bancos, fundos de pensão, poupança postal e outras riquezas. Isso definitivamente puxaria o fio da tomada do governo corporativo dos Estados Unidos em Washington DC e em Israel.

O presidente dos EUA, Donald Trump, por todo seu zelo de reforma e sua capacidade de liderança, está apenas prolongando a inevitável falência da Corporação dos EUA vendendo armas e exortando pagamentos de países vassalos. A subsidiária de Porto Rico em total default em maio e, embora não faça parte da corporação e, estados como Illinois também estão falidos. Este ano, como foi o caso há muitos anos, o governo corporativo dos EUA e seus acionistas terão todo tipo de truques para tentar chutar a falência estrada abaixo, após o vencimento do prazo fiscal, em 30 de Setembro.

Neste contexto, a Sociedade Secreta Asiática, os maiores credores da Corporação dos Estados Unidos, estão seriamente examinando uma proposta da SDB para que Canadá assuma a falência dos EUA e restabeleça esse país à democracia, ao estado de direito e à sanidade. Em tal cenário, os militares dos EUA permaneceriam totalmente financiados, desde que prometessem trabalhar para o bem maior. Isso acabaria imediatamente com a maioria da miséria e conflito do mundo.

O presidente francês, a serviço de Rothschild, Emmanuel Macron, também está fazendo um movimento para obter controle nos EUA. Donald Trump, o principal general dos EUA, Joseph Dunford, o chefe da CIA, Mike Pompeo e o Conselheiro de Segurança Nacional H. R. McMaster foram convidados pela França para as celebrações do Dia da Bastilha quando 200 soldados dos EUA lideraram o desfile militar. Fontes do Pentágono dizem que os franceses propuseram que eles e não os alemães, deveriam ser o principal contato dos EUA na Europa. Os franceses também propuseram ações militares conjuntas na África e no Oriente Médio contra o ISIL e contra os chineses, dizem as fontes do Pentágono.

Os Rothschilds franceses, também, estão tentando convencer o regime de Trump para permitir que seu escravo, o ministro japonês das Finanças, Taro Aso, seja o próximo primeiro-ministro do Japão e, assim, permitir que os Rothschilds continuem podendo saquear esse país. Alguém deveria lembrar aos franceses que a tomada da Bastilha objetivou acabar com o controle de linhagem por pessoas como os Rothschilds.

Em todo caso, também, existe uma limpeza que continua acontecendo em Washington. Ex-líderes do antigo regime nos EUA, como a procuradora-geral, Loretta Lynch, forneceram testemunhos detalhados sobre seus chefes da máfia khazariana, como os Clintons.

Numa nota final, agentes da máfia de khazariana estão tentando dificultar este boletim. Todas as receitas de subscrição deste blog foram confiscadas, desde Março pelas autoridades fiscais japonesas num provável caso de dupla tributação. No entanto, mesmo esta falsa fatura fiscal estava começando a ser paga quando, então, agora, o Paypal está impedindo os assinantes de pagarem suas inscrições deste blog. Como resultado, esse escritor teve sua conta reduzida sua renda em 80%. Agora, num último toque, depois que nosso novo time de TI criou um sistema pelo qual as pessoas poderiam pagar usando crypto-moedas, um monte de tampões usados e um urso de pelúcia sem cabeça e sangrento foram despejados em sua propriedade. Isso mostra que tipo de pessoas doentes e malignas estamos descrevendo. No entanto, não seremos dissuadidos e o time de TI, atualmente, está trabalhando na atualização do site e na implementação de um novo sistema de pagamento, baseado em cartão de crédito.
 
 
Benjamin Fulford 
 



 
Agradecimentos a:  Sementes das Estrelas 

 
Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos deste escritor em português: 
 




Recomenda-se o discernimento.






Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.


Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.


Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um de nós.




Atualização diária.



geoglobe1
 
 

 
 

Agosto 25, 2015

chamavioleta

Top cientista israelense diz que judeus Ashkenazi vieram da Khazaria, região da Europa Central, e que não tem origem na Palestina 

(n.t. ou na antiga cidade de UR, na antiga Mesopotâmia, como descendentes de Abraão, que descendia de Sem, portanto Semitas)

Posted by Thoth3126 on 16/02/2015


Eran Elhaik, da John Hopkins University, um cientista geneticista molecular israelense, publicou uma pesquisa que diz desmascarar essa afirmação. E isso desencadeou um enorme e previsível confronto. “Ele esta simplesmente errado”, disse Marcus Feldman, da Universidade de Stanford, um dos principais pesquisadores em genética judaica, referindo-se a pesquisa de Elhaik.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Um geneticista israelense desafia a hipótese “sionista” de que todos os judeus pertencem a uma raça e estão intimamente relacionados, dando-lhes, assim, um ancestral comum na Terra Santa e uma reivindicação bíblica para a Palestina.

Fontes: http://www.darkmoon.me/2013/top-israeli-scientist-says-ashkenazi-jews-came-from-khazaria-not-palestine/

Postado por Montecristo


Os cientistas não costumam chamar uns aos outros de “mentirosos” e “fraudulentos”. Mas isso é como o pesquisador Eran Elhaik, da Johns Hopkins University, com pós-doutorado, descreve um grupo de geneticistas amplamente respeitados, incluindo Harry Ostrer, professor de patologia e genética do Albert Einstein College of Medicine da Universidade de Yeshiva e autor do livro “Legacy: A Genetic History of the Jewish People“, publicado em 2012 . 


Região da Europa Central, no Cáucaso, que seria a origem do atual povo judeu Askhenazim, da raça branca, não semita, de acordo com o pesquisador e outros.

Há anos, os resultados do professor Ostrer e vários outros cientistas têm se mantido praticamente incontestados sobre a genética dos judeus e a história que contam sobre as suas origens comuns do Oriente Médio compartilhadas por muitas populações judaicas em todo o mundo. Judeus – e particularmente os Ashkenazim – são de fato uma raça, um povo, como a pesquisa de Ostrer demonstra.

É uma teoria que mais ou menos afirma o entendimento daquilo que os próprios judeus mantêm de quem eles são no mundo: um povo que, embora disperso, compartilham um vínculo étnico-racial enraizado em sua origem ancestral comum dos judeus nativos da antiga Judeia ou Palestina, como os romanos chamavam a região depois que conquistaram a pátria judaica.

Mas agora, Elhaik, um cientista geneticista molecular israelense, publicou uma pesquisa que diz desmascarar essa afirmação. E isso desencadeou um enorme e previsível confronto. “Ele esta simplesmente errado”, disse Marcus Feldman, da Universidade de Stanford, um dos principais pesquisadores em genética judaica, referindo-se a pesquisa de Elhaik.

As vezes fortes emoções geradas por essa disputa científico de uma questão central e politicamente carregada que cientistas e outros têm ponderado por décadas: DE ONDE no mundo que os judeus Ashkenazi tem a sua ORIGEM?

________________________________________________

O debate toca sobre questões sensíveis como a de que se o povo judeu é uma raça ou uma religião, e se os judeus ou os palestinos são descendentes dos habitantes originais daquilo que é hoje o Estado de Israel.

________________________________________________

A teoria de Ostrer às vezes é empacotada para emprestar uma autoridade de ciência para a narrativa sionista, que vê a migração de judeus modernos ao que hoje é Israel e seu domínio sobre aquela terra, como um simples ato de reintegração de posse pelos descendentes dos moradores originais daquela terra.

Ostrer se recusou a ser entrevistado para esta reportagem. Mas, em seus escritos, Ostrer aponta os perigos de tal reducionismo, alguns dos mesmos marcadores genéticos comuns entre os judeus, ele identifica que podem ser encontrados em palestinos, também. 


O pesquisador israelense Eran Elhaik, da Johns Hopkins University, com pós-doutorado.

Ao utilizar ferramentas moleculares sofisticadas, Feldman, Ostrer e a maioria dos outros cientistas no campo genético descobriram que os judeus são geneticamente homogêneos. Não importa onde eles vivam, dizem esses cientistas, os judeus são geneticamente mais semelhantes entre si do que com seus vizinhos não-judeus, e eles têm uma ascendência comum do Oriente Médio.

Essa pesquisa dos geneticistas faz apontar para o que é conhecido como a Hipótese Renânia. Segundo essa hipótese, os judeus Ashkenazi seriam descendentes dos judeus que fugiram da Palestina depois da conquista muçulmana no século VII e se estabeleceram no sul da Europa. No final da Idade Média eles se mudaram da Alemanha ou desde a Renânia para a Europa Oriental.

“Bobagem”, disse Elhaik, um judeu israelense de 33 anos de idade, de Beersheba, que obteve um doutorado em evolução molecular da Universidade de Houston. Ele é filho de um homem italiano e uma mulher iraniana que se casaram em Israel, Elhaik, um homem compacto, de cabelos escuros, sentou-se recentemente para uma entrevista em seu despojado cubículo estreito de um escritório na Universidade Johns Hopkins, onde ele trabalhou por quatro anos.

Em “A conexão perdida da ascendência européia judaica: Contrastando as HipótesesRenânia e a Khazar”, publicado em dezembro na revista Genome Biology and Evolution, Elhaik diz que ele comprovou que as raízes Ashkenazi dos judeus residem no Cáucaso – uma região no fronteira da Europa e da Ásia, que se situa entre os mares Negro e Cáspio – e não no Oriente Médio. Eles são descendentes, argumenta ele, dos khazares, um povo turco que viveu em um dos maiores estados medievais da Eurásia e depois migrou para a Europa Oriental, nos séculos 12 e 13. A genética e os Genes do tipo Ashkenazi, Elhaik acrescentou, são muito mais heterogêneas do que Ostrer e outros proponentes da Hipótese Renânia acreditam. Elhaik encontrou um marcador genético comum do Oriente Médio em DNA de judeus, mas, segundo ele, este poderia ser do Irã, não da antiga Judéia.

Elhaik escreve que os khazares (que foram) convertidos ao judaísmo no século VIII, embora muitos “historiadores” acreditem que apenas a realeza e alguns membros da aristocracia se converteram.Mas a conversão generalizada pelos khazares ao judaísmo é a única maneira de explicar o enorme crescimento da população judaica européia para 8 milhões no início do século 20 a partir de sua minúscula base desde a Idade Média, diz Elhaik.

Elhaik baseia sua conclusão na análise de dados genéticos publicados por uma equipe de pesquisadores liderados por Doron Behar, geneticista populacional e médico sênior do Rambam Medical Center, em Israel, em Haifa. Usando os mesmos dados, a equipe de Behar, publicado em 2010 um documento concluindo que a maioria dos judeus contemporâneos de todo o mundo e algumas populações não-judaicas do Levante, ou do Mediterrâneo Oriental, estão intimamente relacionados.

Elhaik usou alguns dos mesmos testes estatísticos como Behar e outros, mas ele escolheu comparações diferentes. Elhaik comparou “assinaturas genéticas” encontrados em populações judaicas como os armênios e georgianos (n.t. caucasianos como o antigo povo Khazar) modernos, que ele usa como um padrão atual para os Khazarians há muito extintos, porque eles vivem na mesma área em que existiu aquele estado medieval Khazar.


A Khazaria e o império Khazar entre os anos de 600 a 850 d.C. quando o judaísmo foi adotado no reino. Esse povo era da raça branca ariana e caucasiana e nunca foi semita.

“É uma premissa irrealista”, disse o geneticista da Universidade de Arizona Michael Hammer, um dos co-autores da pesquisa de Behar, que Elhaik usou. Hammer salienta que os armênios têm raízes no Oriente Médio, que, segundo ele, é por isso que eles pareciam estar geneticamente relacionados com os judeus Ashkenazi no estudo de Elhaik.

Hammer, que também co-escreveu o primeiro artigo que mostrava que os Kohanim(*) dos tempos modernos são descendentes de um único ancestral masculino, chama Elhaik e outros proponentes da Hipótese khazar “gente isolada… que têm um ponto de vista minoritário que não é suportado cientificamente. Eu acho que os argumentos que eles fazem são muito fracos e que expandem o que sabemos”.

————————————————————————————-

(*) Kohanim, Kohen ou Cohen (ou Kohain ; hebraico : כֹּהֵן ., “padre”, pl כֹּהֲנִים Cohanim ) é a palavra hebraica para sacerdote. Os Cohanim judaicos acredita-se serem haláchicos e tradicionalmente ser de descendência patrilinear direta do sacerdote personagem bíblico Aarão, o irmão de Moisés.

Durante a existência do Templo de Jerusalém, os Cohanim realizavam as oferendas diárias e nos feriados religiosos (deveres Yom Tov). Hoje o sacerdote Cohanim mantém uma situação menos distinta dentro do judaísmo, e estão vinculados a restrições adicionais de acordo com o judaísmo ortodoxo.

————————————————————————————–

Feldman, diretor do Stanford’s Morrison Institute for Population and Resource Studies ecoa Hammer. “Se você pegar toda a cuidadosa análise genética populacional que tem sido feito ao longo dos últimos 15 anos … não há dúvida sobre a origem comum do povo judeu no Oriente Médio”, disse. Ele acrescentou que o resultado da pesquisa de Elhaik “é uma espécie de outsider”.

A análise estatística de Elhaik não passaria pela maioria dos estudiosos contemporâneos, disse Feldman: “Ele parece estar aplicando as estatísticas de uma forma que lhe dá resultados diferentes daquilo que todo mundo tem obtido a partir de dados essencialmente semelhantes.” Elhaik, que sequer acredita que Moisés, Aarão ou as 12 tribos de Israel algum dia existiram, dá de ombros para as críticas.

“Esse é um argumento circular”, disse ele sobre a noção de que semelhanças genéticas de judeus e armênios resultam de ancestrais comuns no Oriente Médio e não da região da Khazaria, a área onde os armênios vivem. Se você acredita nisso, diz ele, então outras populações não-judaicas, como a Geórgia, que são geneticamente semelhantes aos armênios devem ser consideradas geneticamente relacionados aos judeus, também, “e assim por diante e assim por diante.”

Dan Graur, supervisor de doutorado de Eran Elhaik na Johns Hopkins University, e membro do conselho editorial da revista que publicou o resultado de suas pesquisas, chama seu ex-aluno de “muito ambicioso, muito independente. Isso é o que eu gosto”. Graur, um romeno-nascido judeu que atuou no corpo docente da Universidade de Tel Aviv por 22 anos antes de se mudar há 10 anos para a escola de Houston, disse sobre Elhaik”, que ele escreve mais provocante do que poderia ser necessário, mas é o estilo dele”. Graur chama a conclusão da pesquisa de Elhaik de que os judeus Ashkenazi se originaram a leste da Alemanha” de uma estimativa muito honesta”. 


Shlomo Sand, professor de história na Universidade de Tel Aviv e autor do polêmico livro de 2009 “The Invention of the Jewish People”

Em uma reportagem que acompanhou o artigo de revista de Eran Elhaik, Shlomo Sand, professor de história na Universidade de Tel Aviv e autor do polêmico livro de 2009 “The Invention of the Jewish People” (A Invenção do Povo Judeu), disse que o estudo reinvindica o mesmo que as suas idéias desde longa data.

“É tão óbvio para mim”, disse Sand a revista. “Algumas pessoas, historiadores e até mesmo cientistas, fecham os olhos para a verdade. Uma vez que, antigamente dizer que os judeus eram uma raça era ser anti-semita, agora dizer que eles não são uma raça é que é ser anti-semita. É uma loucura como (n.t. os manipuladores da) a história brinca com a gente. “

O artigo recebeu pouca cobertura na mídia norte americana (n.t. controlada pelos sionistas e elitistas da NWO), mas tem atraído a atenção de grupos anti-sionistas e da “supremacia branca anti-semitas”, disse Elhaik.

Curiosamente, enquanto os blogueiros anti-sionistas têm aplaudido o trabalho de Elhaik, dizendo que isso prova que os judeus contemporâneos não têm direito legítimo nenhum ao território de Israel (Palestina), alguns supremacistas brancos atacaram ele.

David Duke, por exemplo, é perturbado pela afirmação de que os judeus não são uma raça.”O comportamento disruptivo e conflitivo que marcou as atividades da supremacia judaica através dos milênios sugere fortemente que os judeus mantiveram-se mais ou menos geneticamente uniformes e têm … desenvolvido uma estratégia de sobrevivência evolutiva de grupo baseada em uma unidade biológica comum – algo que milita fortemente contra a teoria Khazar”, escreveu o ex- integrante da (racista) Ku Klux Klan e ex-deputado estadual da Louisiana-EUA em seu blog, em fevereiro.

“Eu não estou me comunicando com eles”, disse Elhaik sobre os supremacistas brancos. Ele disse que eles também o incomodam, e Elhaik é um veterano de sete anos de serviço no exército israelense, o que os anti-sionistas têm capitalizado sobre a sua pesquisa, pelo menos porque “ela não vai ser provada estar errada a qualquer momento ou em breve . “

Mas os defensores da hipótese Renânia também têm uma agenda política, disse ele, afirmando que eles “foram motivados para justificar e corroborar a narrativa (do movimento) sionista . “

Para ilustrar seu ponto de vista, Elhaik gira em torno de sua cadeira para ficar de frente ao seu computador e busca por uma troca de e-mail de 2010, com Ostrer. “Foi um grande prazer ler o artigo recente do seu grupo, “Filhos de Abraão na era do genoma”, que iluminam a história do nosso povo”, escreveu Ostrer a Elhaik . “É possível ver os dados utilizados para o estudo?”

Ostrer respondeu que os dados não estão disponíveis publicamente. “É possível colaborar com a equipe por escrito através de uma breve proposta que descreva o que você pretende fazer”, escreveu ele. “Critérios para revisão incluem a novidade e a força da proposta, sem sobreposição com as atividades atuais ou previstas, e sem caráter difamatório (n.t. ou apenas contrário) para o povo judeu“.

Essa última exigência, Elhaik argumenta, revela o viés de Ostrer e de seus colaboradores.

Permitindo aos cientistas o acesso aos dados somente se a pesquisa não vai difamar os judeus é (uma situação) “muito peculiar”, disse Catherine DeAngelis, que editou o Journal of the American Medical Association por uma década. “O que isso faz é configurar-se para receber uma crítica: espere um minuto. O que esses caras estão tentando esconder? “

Apesar do que seus críticos afirmam, Elhaik diz, ele não esta lá para provar que os judeus contemporâneos não têm ligação com o povo judeu da Bíblia. Seu foco principal de pesquisa é a genética da doença mental, o que, explica ele, levou-o a questionar o pressuposto de que os judeus ashkenazim são uma população útil para estudar porque eles são tão homogêneos.

Elhaik diz que ele leu pela primeira vez sobre a hipótese khazar uma década atrás, em um livro de 1976 escrito pelo falecido autor (judeu) húngaro-britânico Arthur Koestler, ” A Décima Terceira Tribo “, escrito antes que os cientistas tivessem até mesmo as ferramentas para comparar genomas. 


O autor (judeu) húngaro-britânico Arthur Koestler, e seu livro “A Décima Terceira Tribo”

Koestler, que era judeu de nascimento, disse que seu objetivo ao escrever o livro era eliminar as bases racistas do anti-semitismo na Europa. “Se essa teoria (origem dos judeus no Cáucaso, no império Khazar) se confirmar, o termo” anti-semitismo “se tornaria vazio de significado”, a capa do livro declara. Embora o livro de Koestler tivesse sido geralmente bem revisado, alguns céticos questionaram a compreensão do autor da história da Khazaria .

Para Graur não é surpresa que Eran Elhaik tenha se levantado contra a “panelinha“ de cientistas que acreditam que os atuais judeus são geneticamente homogêneos (n.t. semitas e com origem no Oriente, na Palestina) . “Ele gosta de ser combativo”, disse Graur. “Isso é o que é ciência.”

Mais informação em:
http://thoth3126.com.br/o-reino-dos-khazares/
http://thoth3126.com.br/o-reino-dos-khazares-parte-ii-final/
http://thoth3126.com.br/historia-dos-illuminati-e-da-nova-ordem-mundial-nwo/


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

www.thoth3126.com.br

Compartilhe:

384Share on Facebook (Opens in new window)384
7Click to share on Twitter (Opens in new window)7
Click to share on Reddit (Opens in new window)
Click to email this to a friend (Opens in new window)


Por favor, respeitem todos os créditos


Arquivos em português:

http://rayviolet2.blogspot.com/search?q=Khazaria



Atualização diária


Se gostou! Por favor RECOMENDE aos seus Amigos.
achama.biz.ly 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub