Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

A Chama Violeta

Sítio dedicado à filosofia humana, ao estudo e conhecimento da verdade, assim como à investigação. ~A Luz está a revelar a Verdade, e a verdade libertar-nos-á! ~A Chama Violeta da Transmutação

Outubro 23, 2015

chamavioleta

Vimanas, UFOs

 descoberta uma peça muito antiga.

By Terrence Aym

Uma peça manufaturada de Alumínio com a idade de 20 mil Anos, um trem de pouso de um “Vimana” (uma antiga espaçonave) da antiga ÍNDIA – Bharata – foi descoberto. 

http://beforeitsnews.com/


Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com


Publicado anteriormente a  23/04/2015




Uma peça manufaturada de Alumínio com a idade de 20 mil Anos, um trem de pouso de um “Vimana” (uma antiga espaçonave) da antiga ÍNDIA – Bharata – foi descoberto.

Alguns estudiosos estão convencidos de que uma antiga e avançada civilização existiu onde a moderna e atual nação da Índia existe hoje. Eles reclamam que as cidades-estado pré-históricas (pré-dilúvio) tinham tecnologias muito avançada, incluindo armas de alta energia, aviões a jato, espaçonaves e até mesmo a bomba atômica.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Uma peça manufaturada de Alumínio com a idade de 20 mil Anos, um trem de pouso de um “Vimana” (uma antiga espaçonave) da antiga ÍNDIA – Bharata – foi descoberto.

http://beforeitsnews.com/

By Terrence Aym (Reporter) Contributor profile

Agora, um artefato deslumbrante e fabricado tecnologicamente em passado remoto foi identificado por alguns pesquisadores como uma parte de um conjunto do trem de pouso de aeronaves, datado com cerca de 20 mil anos de idade, e feito de um metal que não foi descoberto pela nossa civilização atual até o início dos anos de 1800.



Por muitos anos, alguns pesquisadores da antiga Índia e da Ásia têm tentado convencer os céticos ocidentais de que os chamados textos religiosas do Rig Veda também são narração de FATOS da história realmente descritiva e autêntica. Dando credibilidade às suas reivindicações existem vários artefatos manufaturados encontrados ao longo dos últimos anos e descrições detalhadas da engenharia de aeronaves vimanas e da sua construção.

A incrível descoberta na década de 1990 dos restos de uma antiga cidade no norte da Índia, cujo local ainda era altamente radioativo enviou alguns arqueólogos correndo para o local da descoberta.

E então, um artefato muito estranho, o Wedge of Aiud (Cunha de Aiud), descoberta em 1973, foi visto com um novo olhar: uma antiguíssima peça de metal usinado feita de uma liga de alumínio (metal não encontrado na natureza). Originalmente se pensava que tivesse cerca de 400 anos, mas novos e mais modernos testes têm determinado que sua idade é de 18.000 a.C., a partir do Pleistoceno, cerca de 20.000 anos antes da descoberta do alumínio nos atuais tempos modernos.

Mais estranho ainda, alguns especialistas acreditam que o artefato pode ser parte de um trem de pouso de algum tipo de espaçonave… Possivelmente de um dos antigos Vimanas indianos, as máquinas voadoras descritas nos textos sagrados do RigVeda .



As super cidades-estados pré-dilúvio perdidas.

As provas que vem se acumulando durante os últimos séculos acrescenta credibilidade à ideia de que super cidades-estado cresceram na região em algum momento no final da última Idade do Gelo. A melhor evidência para a localização de algumas dessas cidades – que poderiam ter gerado a civilização pelo mundo se encontra no norte da Índia e sul do Paquistão, e num trecho desolado do deserto de Gobi, na Mongólia, ao noroeste da China.

Essas culturas tão avançados se diz terem possuído uma tecnologia muito elevada, igual e superior em alguns aspectos à do século 21.Textos antigos se referem a edifícios imponentes, vários tipos de aeronaves, um elevado nível de ciência e engenharia, e até mesmo uma arma que os físicos de hoje acreditam que foi usado pela primeira vez nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial: a bomba atômica.

Pode ser que essas culturas avançadas se eliminaram umas às outras por se envolver em uma guerra nuclear limitada. Evidências colhidas ao longo das últimas décadas apontam nessa direção. Talvez, depois de uma série de ataques devastadores, a rede remanescente dessas antigas e avançadas culturas desabou, sucumbindo às devastações da depressão econômica, deslocamentos da população (ao abandonar as cidades radioativas) e doença.

Ilustração de um vimana por David H. Childress

As máquinas (Vimanas) antigas que voavam

De acordo com os reverenciados textos indianos dos Vedas, escritos em sânscrito, os Vimanas e ram máquinas voadoras. A palavra vimana é usada ainda hoje na linguagem moderna indiana para se referir a aeronave. Enquanto a maioria dos vimanas eram usados para o transporte através da atmosfera, alguns foram descritos como sendo usados para viajar no espaço exterior, enquanto outros eram uma forma limitada de submarino.

Assim como aeronaves modernas, os vimanas tiveram várias configurações e tamanhos, dependendo do que eles foram projetados para realizar. Alguns tinham dois motores, como a agnihotra-vimana , outros, como a gaja-vimana , tinham mais. Ao todo, podem ter sido tantos tipos como uma dúzia de tipos diferentes de vimanas todos projetados para diferentes fins. A maioria deles voavam.

Se assim for, os vestígios de uma ou mais dessas culturas pode ter servido para alimentar a lenda da grande cidade de Atlântida que aparece nos diálogos de Platão, Timeu e Crítias escritos por volta de 360 a.C. Após o colapso dessas cidades-estado, o restante da Humanidade caiu na barbárie e conhecimento da tecnologia fantástica se transformou em mito. Este ponto de vista é suportado pelo fato de que algumas das primeiras pinturas nas cavernas revelam um maior nível de sofisticação do que aquelas que foram criadas centenas de anos mais tardiamente. A raça humana regrediu e as glórias das super-cidades estado foi ocultada pelas brumas rodopiantes do tempo.


Um Ataque atômico … Há 20.000 anos

Vestígios de uma antiga guerra atômica entre avançadas e poderosas cidades-estado ainda permanecem no norte da Índia, Paquistão e em partes do grande Deserto de Gobi, na Mongólia. Os cientistas sabem há muitos anos sobre a extensão de areia vitrificada que cobre uma região do Deserto de Gobi. A areia fundida, de cor esverdeada, só pode ser criada através da exposição a um calor intenso. Geólogos acreditam que a areia se tornou vitrificada pela exposição à ação vulcânica; astrônomos afirmam que um grande meteoro poderia ter feito isso; e os físicos perguntam se o vidro não foi causado por uma explosão atômica.

Esses três incidentes são as únicas coisas que poderiam ser responsáveis pela existência da região de areia vitrificada, que se situa nos trechos solitários da terra árida. Mas as origens vulcânicas estão fora, pois que não existem vulcões na região. E também não existe evidência de uma cratera meteórica ou resíduo que seria encontrado se uma rocha do espaço batesse no deserto e deixasse cicatrizes no terreno e queimasse a areia ao ponto de fusão em vidro.


Vestígios de uma antiga guerra atômica entre avançadas e poderosas cidades-estado ainda permanecem no norte da Índia, Paquistão e em partes do grande Deserto de Gobi, na Mongólia.

O processo de eliminação deixa apenas uma explosão atômica para explicar a estranha condição da areia, uma região vitrificada onde nada nasce e cresce. Suportando a teoria atômica existe o fato de que uma parte da área do terreno tem um maior nível de radiação de fundo fora da área afetada semelhante. É quase como se algo que existisse na região deserta e foi vaporizado por uma explosão como as explosões que destruíram Hiroshima e Nagasaki.

Outra descoberta que confirma a existência de uma avançada civilização de cidades-estado tecnologicamente avançada cerca de 20.000 anos atrás, foi a descoberta impressionante dos restos de uma antiga cidade, Mohenjo-Daro, no estado noroeste do Rajastão, na Índia. O local foi encontrado quando começou a construção para o desenvolvimento de novas habitações.


O local foi encontrado quando começou a construção para o desenvolvimento de novas habitações.

O que surpreendeu os arqueólogos foram os restos carbonizados de edifícios parcialmente derretidos e os esqueletos radioativos que foram cobertos por uma espessa camada de cinzas – confirmado mais tarde como tudo sendo radioativo. As cinzas cobriam uma área quadrada de três milhas. Outra pesquisa mostra que existiam várias cidades-estado principais e que pelo menos duas ou mais estavam em guerra uns contra os outros. Enquanto muita atenção tem sido focada nas pesquisas arqueológicas das cidade-estado do norte da Índia, pouco tem sido gasto investigando os restos da antiga explosão atômica no Deserto de Gobi.


Sitio arqueológico de Mohenjo-Daro, onde foram encontrados altos níveis de radioatividade e esquelestos radioativos.

A antiga região é considerada por alguns professores universitários locais como sendo uma precursora da civilização mais moderna chamada de Matsya, outro antigo estado da civilização védica. A cultura Matsya acredita-se estar associada a um estado anterior chamado de Jaipur. Outro texto indiano, o Mahabharata , considerado por alguns estudiosos para apresentar mais do que fato de mito, contêm passagens que descrevem em detalhe o ataque atômico sobre a cidade que a equipe de construção acidentalmente descobriu:

“Um projétil único carregado com todo o poder no Universo … Uma coluna incandescente de fumaça e chamas tão brilhantes quanto 10.000 sóis, subiram em todo o seu esplendor … Ela era uma arma desconhecida, um trovão de ferro, um gigantesco mensageiro da morte, que reduziu às cinzas uma raça inteira. “Os corpos estavam tão queimados a ponto de ser irreconhecíveis. Seus cabelos e unhas caíram, a cerâmica quebrou sem causa aparente, e os pássaros ficaram brancos . “Depois de algumas horas, todos os alimentos estavam infectados. Para escapar deste fogo, os soldados se jogavam no rio.”



Esqueletos com radiotividade de pessoas mortas em explosão atômica na antiga Índia.

Essa antiga conflagração atômica descrita no livro sagrado do Mahabharata foi tão terrível e mortal como o ataque sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em agosto de 1945. Apesar do texto sugerir o ataque de uma arma nuclear por um míssil, antigos escritos indianos também descrever em detalhes surpreendentes, as máquinas voadoras chamadas vimanas . Os textos descrevem as características de vôo, a construção, o grupo motopropulsor (um híbrido jato foguete movido por motores de plasma de mercúrio), e especificações de engenharia dos Vimanas. A misteriosa Cunha de Aiud pode ter vindo de um vimana .



O Enigma do trem de pouso de alumínio de um “Vimana” com 20 mil anos: ‘A Cunha de Aiud’

Perto das pitorescas margens do rio Mures localizado a pouco mais de uma milha a leste da pequena cidade de Aiud, na Roménia, um artefato bizarro foi descoberto apelidado de Cunha de Aiud. O Pesquisador Boczor Iosif investigou a respeito encontrou a informação de que a cunha foi descoberta debaixo de 35 pés de areia. Dois ossos de mastodonte alegadamente também se encontravam perto da cunha.

Um relatório de Lars Fischinger declara que ele e um colega, o Dr. Niederkorn, analisaram a cunha no Instituto de Pesquisa e Design. Eles determinaram que o artefato era de uma liga metálica composta de 12 metais diferentes.

O relatório lista que o alumínio era o metal com a maior composição com cerca de 89% do objeto, o resto dos metais eles listaram como sendo: 6,2% de cobre, 2,84% de silício, zinco 1,81%, 0,41% de chumbo, estanho 0,33%, 0,2% de zircônio, cádmio 0,11%, 0,0024% níquel, 0, 0023% de cobalto, bismuto 0,0003% , de prata 0,0002% e vestígios de Galium. ”



Florian Gheorghita, segurando a Cunha de Aiud

Os resultados do teste confundiram os dois pesquisadores pois que o metal alumínio não foi descoberto até o início dos anos de 1800. O Dr. Fischinger observa que a produção comercial de alumínio requer a fundição do minério em temperaturas de até 1.000 graus Fahrenheit.

Inicialmente, o objeto foi pensado para ter apenas cerca de 400 anos. Isso mudou drasticamente quando ele foi analisado cuidadosamente na quantidade de oxidação que cobre a cunha. Eles reajustaram a idade da peça em milhares de anos a mais para o passado.

É agora estimado que a Cunha de Aiud pode datar de 18.000 a.C. e essa data coincide com a idade dos vimanas descritos nos Rig Vedas da antiga ÍNDIA. Após os resultados do teste das analises, a cunha foi enviado para o Museu de História na Transilvânia, Romênia, onde hoje se situa em uma prateleira, sem perturbações, por mais de duas décadas.

Finalmente, em 1995, outro pesquisador romeno, Florian Gheorghita, se deparou com o artefato no porão do museu. A cunha foi testada novamente. Desta vez, em dois laboratórios diferentes: o Instituto Arqueológico de Cluj-Napoca e um laboratório independente na Suíça. Os testes confirmaram os resultados a que chegaram Fischinger e Niederkorn.



Esboço por Florian Gheorghita do artefato em questão

Gheorghita escreveu na publicação Ancient Skies que pediu a um engenheiro aeronáutico para estudar o artefato. O engenheiro observou a configuração e o buraco perfurado na cunha e afirmou que um padrão de escoriações e arranhões no metal o levou a acreditar que a peça era parte de um trem de pouso de uma aeronave. Um esboço foi feito para ilustrar a configuração.

Uma vez que as antigas cidades-estado tinham um sistema de transporte avançado - talvez até mesmo com veículos espaciais – era fácil navegar pelo mundo apenas como as “aeronaves modernas” fazem hoje.

A evidência de engenharia metalúrgica apoia a teoria de que a misterioso Cunha de Aiud é um pedaço de um trem de pouso, que caiu de um vimana antigo há cerca de 20 mil anos atrás na atual Romênia e ficou soterrado por milênios sob os bancos de areia do rio Mures, que o engoliu. Talvez um dia a terra venha a revelar mais de seus antigos segredos, espero que seja um vimana inteiro – e intacto.



Esboço por Florian Gheorghita do próprio artefato

UPDATE: Um leitor do Beforeitsnews, John Cooper, chamou minha atenção para uma foto que ele postou em sua página no Facebook ( clique aqui para ver em tamanho real a foto ).

Esta é uma construção modular para um conjunto do trem de pouso. Observe as semelhanças entre os footpads do trem de pouso em sua foto e a semelhança dos esquemas de engenharia feito por Florian Gheorghita da Cunha de Aiud.


Esta é uma construção modular atual para um conjunto do trem de pouso.

Muitos agradecimentos a John Cooper por fazer esta foto disponível para os leitores do nosso site. – Terrence Aym.

Mais informação sobre VIMANAS: http://thoth3126.com.br/vimanas-ufos-da-antiga-india-baratha/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Compartilhe:

632Share on Facebook (Opens in new window)632
11Click to share on Twitter (Opens in new window)11
Click to share on Reddit (Opens in new window)
Click to email this to a friend (Opens in new window)

Posted by Thoth3126 on 23/04/2015


URL: http://wp.me/p2Fgqo-1gq

-- *** --

Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.

Nenhum credo religioso ou político é defendido aqui.
Individualmete pode-se ser ajudado a encontrar a própria Verdade que é diferente a cada um.

Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos em português:
http://rayviolet2.blogspot.com/search?q=Terrence Aym

Atualização diária

Se gostou! Por favor RECOMENDE aos seus Amigos.
achama.biz.ly 

Israel ou Cazária!?

achama.biz.ly email: nai@achama.biz.ly 


EN: VioletFlame * The Illuminati * Alternative Media * North Atlantic Islands * Indian Ocean Islands * South Atlantic Ocean Islands * Alternative Media * Creator's Map * ESU IMMANUEL * Exposing Media DesInformation * Galactic Federation * Indians, Prophecies and UFOs * Illuminati, The * Infinite Being * Israel (!?) * Jews..., the Real ones! * Khazars Jews are converted, not jenuine * Meditation * Media News * NESARA (!?) * SCIENCE, SPIRIT, Free Energy!... * UFO CONTACTS * UFOs (MORE) * USA The 4th NAZI Reich!? * Zionism Lies and The Illuminati * Light a Candle for PEACE * The Red Pill * The True Shadow Government

Julho 05, 2015

chamavioleta

Rama e Sita desembarcam de seu “Vimana Pushpaka” representado em formato de um Cisne.  

Posted by Thoth3126 on 30/01/2015

vimana-Rama 




No antigo Mahabharata, há menção de armas de raios divinas e, mesmo algum tipo de arma hipnótica.

E também no Ramayana, há uma farta descrição de veículos aéreos chamados de Vimanas, que navegam em grandes altitudes com a ajuda de mercúrio e um grande “vento” propulsor.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

A ÍNDIA (Bharata-Arya Vata) antiga, antes mesmo do dilúvio – 10.986 a.C. – teve uma civilização com tecnologia superior à que temos hoje e provavelmente mantinha contato com extraterrestres …

http://www.bibliotecapleyades.net/ e http://www.atributetohinduism.com/


BANGALORE, 11 de outubro, 2008


A Índia pode ter tido uma civilização superior à nossa e com possíveis contatos com visitantes extraterrestres; os dispositivos de voo chamados de “Vimanas” descritos em vários antigos textos hindus podem sublinhar suas possíveis conexões com tecnologia aeroespacial que desenvolvemos hoje, um cientista italiano declarou à World Space Conference (Conferência Mundial do Espaço).





O Dr. Roberto Pinotti pediu aos delegados para examinarem em detalhe os textos hindus em vez de desconsiderarem todas as descrições e tradições sobre os Vimanas como um mero mito:


“A importância de tais estudos e investigações pode vir a ser chocante para o homem de hoje, pois a existência de aparelhos voadores além da mitologia só pode ser explicada com a existência de uma civilização superior há muito esquecida na Terra“, disse ele.


Lembrando que deuses e heróis hindus lutaram nos céus usando veículos (Vimanas de diferentes tipos e tamanhos) voadores equipados com armas terríveis. O cientista italiano, o Dr. Pinotti, disse que alguns eram semelhantes a nossas máquinas voadoras modernas de propulsão à jato.


Os 32 segredos


Ele disse que certas descrições dos Vimanas pareciam ‘muito detalhadas e de natureza técnica para serem rotuladas como um mito”. Ele citou a existência de vários textos antigos para mostrar que havia 32 segredos relativos à operação dos Vimanas, alguns dos quais poderiam ser comparadas ao uso moderno de radar, a energia solar e fotografia.





Citando o “Vymanika Shastra ‘ ele disse que os dispositivos de vôo antigos da Índia eram feitos a partir de ligas especiais de metal que absorviam calor chamados por “Somaka, e Mourthwika”.


Ele disse que o texto também discute os sete tipos de espelhos e lentes instaladas a bordo dos Vimanas para fins defensivos e ofensivos. O chamado ‘Pinjula Mirror’ oferecia uma espécie de “escudo visual” impedindo que os pilotos de serem cegados por “raios do mal” e a arma “Marika” que era usada para atingir aeronaves inimigas não parece muito diferente do que nós chamamos hoje tecnologia de raios laser”, disse ele.


De acordo com o especialista italiano, os «princípios contidos na página 1 relativos à propulsão, tanto quanto as descrições que são feitas, podem ser definidos como princípios elétricos e químicos, mas a energia solar também estava envolvida”.


Por exemplo, o ‘Tripura Vimana’ mencionado no ‘Vymanika Shastra’ era uma grande embarcação aérea operada pela “força motriz gerada pelos raios solares”, disse o Dr. Pinotti, adicionando que a ‘sua forma alongada era certamente muito mais próximo ao de um dirigível moderno’. (um Vimana no formato de um charuto?)


Design sofisticado


De acordo com Dr. Pinotti, o enorme ‘Shakuna Vimana’ descrito no texto “pode ??ser definido como um cruzamento entre um avião e um foguete de nossos tempos e seu design pode lembrar um ônibus espacial de hoje.” “Certamente, ele expressa o projeto aeronáutico mais complexo e sofisticado entre todas as outras descrições de Vimanas mencionados no “Vaimānika Shāstra“, disse ele.


Ele descreveu o autor do tratado “Vaimānika Śāstra” como um homem “tentando explicar uma tecnologia avançada”. O Dr. Pinotti, que fez um estudo exaustivo da antiga história da astronáutica hindu, disse que em um outro texto, o Samarangana Sutradhara tem 230 estrofes dedicados aos princípios da construção de Vimanas e seu uso na paz e na guerra.


Ele disse que os antigos arianos habitantes da Índia sabiam o uso do elemento “fogo”, como pode ser visto a partir de suas ‘armas Astra’ que incluíram a Soposamhara (míssil de fogo), Prasvapna (o que causa o sono) e quatro tipos de armas Agni Astras que viajavam em folhas de fogo e produziam um trovão.





Ele disse que o carro (Vimana) aéreo que deveria ir até Suryamandala (um sistema solar) e o Naksatramandala (sistema estelar) não pode ser descartado como um mito por causa da “natureza técnica” de sua descrição.


Dr. Pinotti disse que as representações de viagens espaciais, a destruição total produzida por armas incríveis e o fato de que os Vimanas se assemelhavam com os UFOs, os objetos voadores não identificados modernos gostaria de sugerir que a Índia teve uma “civilização muito superior tecnologicamente à nossa, mas que foi esquecida.


«À luz disto, nós consideramos que seria melhor examinar mais detalhadamente os textos hindus” e submeter os modelos descritivos de Vimanas a um escrutínio mais científico”, disse ele.


Jerry W. Decker, Ron Barker, Chuck Henderson – Ciências Vangard / KeelyNet





Um “VIMANA” moderno em foto feita em Cerro Gordo, Novo México, EUA, com reator de fusão (no centro) de mercúrio …


{n.T. Excerto do post Vimanas (UFOs) existiam na Índia há milênios:


“O escritor e estudioso erudito do sânscrito Subramanyam Iyer passou muitos anos de sua vida decifrando coleções antigas de folhas de palmeira encontradas nas aldeias de sua nativa Karnataka, no sul da Índia. Um dos manuscritos em folha de palmeira que ele pretendia decifrar é o Amsu Bodhini, que, de acordo com um texto anônimo de 1931, contém informações sobre os planetas, os diferentes tipos de luz, calor, cor e campos eletromagnéticos; os métodos utilizados para a construção de máquinas capazes de atrair os raios solares e, por sua vez, de analisar e separar os componentes de energia, a possibilidade de conversar com pessoas em lugares remotos e enviar mensagens através de um cabo, e na fabricação de máquinas para o transporte de pessoas para outros planetas!”

“Os fatos não deixam de existir porque são ignorados” – Aldous Huxley

Mais informação sobre VIMANAS:
http://thoth3126.com.br/india-maquinas-voadoras-descritas-em-antigos-textos/
http://thoth3126.com.br/antartica-estranhas-aberturas-e-base-nazista-neuschwabenland/
http://thoth3126.com.br/vimana-antigo-20-mil-anos-trem-de-pouso-descoberto/
http://thoth3126.com.br/vimanas-ufos-visitavam-a-india-ha-milenios/
http://thoth3126.com.br/espaconavesvimanas-da-antiga-india-baratha/
http://thoth3126.com.br/natal-jesus-cristosananda-a-sua-historia/
http://thoth3126.com.br/o-ramayana-uma-epopeia-hindu/


Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.





www.thoth3126.com.br

Compartilhe:

5Share on Facebook (Opens in new window)5
1Click to share on Twitter (Opens in new window)1
Click to share on Reddit (Opens in new window)
Click to email this to a friend (Opens in new window)

Por favor, respeitem todos os créditos



Arquivos em português:

 Atualização diária

Abril 13, 2015

chamavioleta

Vimanas (UFOs) existiam na Índia há milênios

Posted by Thoth3126 on 13/04/2015

UFO ovni

Histórias (muito) antigas sobre Vimanas, veículos aéreos, espaçonaves e armas poderosas descritos nos principais escritos antigos da cultura hindu.


Desde tempos imemoriais, a Índia tem sido sinônimo de conhecimento e sabedoria espiritual e as pessoas, ao longo dos séculos e da história, têm sido atraídas para a sua terra e montanhas sagradas em busca de crescimento na sua busca espiritual, muitos do Ocidente reconheceram a grandeza metafísica e da nobreza do pensamento hindu.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com.br

“Os fatos não deixam de existir porque são ignorados” – Aldous Huxley

Excerto do livro “A Tribute to Hinduism: Thoughts and Wisdom Spanning Continents and Time About India and her Culture”, by Sushama Londhe

Fontes: http://www.atributetohinduism.com/ e http://www.bibliotecapleyades.net

Contribuição de John Burrows

A Índia, de acordo com o Dr.V. Raghavan, chefe aposentado do prestigiado departamento de sânscrito da Universidade de Madras na Índia, ele estava sozinho no palco defendendo a existência de extraterrestres na pré-história da Índia. O Dr. Raghavan argumenta que os documentos seculares em sânscrito (língua clássica da Índia e do Hinduísmo) provam que os alienígenas do espaço exterior visitaram a sua nação em tempos remotos.


Livro “A Tribute to Hinduism: Thoughts and Wisdom Spanning Continents and Time About India and her Culture“, by Sushama Londhe

“Cinqüenta anos investigando estas antigas obras me convenceram de que há seres vivos inteligentes em outros planetas, e que eles visitaram a Terra, no passado tanto quanto 4, 000 aC”, diz o estudioso.

“Existe apenas uma massa de informações fascinantes sobre máquinas voadoras, armas de ficção científica até mesmo fantásticas, que podem ser encontrados em traduções dos Vedas (escrituras), épicos indianos, e outros antigos textos em sânscrito”.

No (épico) Mahabharata, há menção de iluminação e armas de raios divinas, mesmo algum tipo de arma hipnótica. E no Ramayana, há uma farta descrição de veículos aéreos chamados de Vimana, que navegam em grandes altitudes com a ajuda de mercúrio e um grande “vento” propulsor.


“Estes Vimanas eram veículos espaciais semelhantes aos chamados discos voadores (UFOs-Ovnis) relatados em todo o mundo hoje. O livro Ramayana descreve ainda um belo carro aéreo que “chegou brilhando, um carro divino maravilhoso que acelerou através do ar”. Em outra passagem, há menção de um carro que está sendo visto “navegando à vela como uma lua’.

As referências no Mahabharata não são menos surpreendente:


- A pedido de Rama, a magnífica carruagem levantou-se fazendo uma montanha de nuvens, com um tremendo barulho. Outra passagem lê: Bhima voou com sua Vimana em um enorme raio que era tão brilhante como o sol e fez um barulho como o trovão de uma tempestade.

No antigo escrito Vymanka-Shastra (ciência da aeronáutica), há uma descrição de um Vimana:

“Um aparelho que pode ir por sua própria força, de um lugar para outro ou de planeta em planeta”.

O Dr. Raghavan aponta, “As revelações contidas no texto tornam-se ainda mais surpreendentes: São descritas trinta e uma peças de que a máquina é feita, incluindo um espelho debaixo dela para fotografar. O texto também enumera 16 tipos de metais que são necessários para a construção daquele veículo voador: Metais adequados, são 16 tipos de metais. Mas. apenas três deles são conhecidos por nós hoje, o resto permanece intraduzível e desconhecido. “.

Outro estudioso e autoridade nessa área, que concorda com as interpretações do Dr. Raghavan é o Dr. AV Krishna Murty, professor de aeronáutica no Instituto Indiano de Ciência em Bangalore. “É verdade”, diz o Dr. Krishna Murty, “que os antigos Vedas hindus e outro textos referem-se a aeronáutica, naves espaciais, máquinas voadoras, e sobre antigos astronautas.” Um estudo dos textos em sânscrito me convenceu de que a Índia antiga (Bharata) sabia o segredo de construir máquinas voadoras e que essas máquinas foram modeladas através de naves espaciais provenientes de outros planetas”.



As antigas tradições védicas da Índia dizem-nos que estamos agora na Quarta Era da Humanidade. Os Vedas chamam a passagem das eras como “A Era de Ouro”, “A Era de Prata” e “A Era do Bronze”, e estamos agora, de acordo com suas escrituras, no período (n.t. FINAL) do “Kali Yuga, a Idade do Ferro”. em seu final, um longo peródo com 432 mil anos, que se iniciou cerca de 430 mil anos atrás. Quando adentramos no início de um novo milênio e novo século, o XXI, as profecias tanto dos nativos peles vermelhas norte americanos, os maias, os incas e outros povos, afirmam que estamos chegando ao final de uma era.

Os sagrados textos em sânscrito da Índia estão cheios de referências a deuses que lutaram batalhas no céu usando Vimanas equipados com armas ão mortais quanto qualquer uma que tenhamos criado nestes tempos mais esclarecidos, citamos por exemplo, uma passagem descrita no Ramayana (Caminho de Rama) onde se lê:

“O carro Puspaka cujo brilho lembra o Sol e pertence ao meu irmão foi levado pelo poderoso RavanA, que o excelente carro aéreo vai a todos os lugares à sua vontade …. que o carro se assemelha a uma nuvem brilhante no céu.”.. E o Rei [Rama] nele entrou, e a um comando de Raghira o excelente carro ergueu-se e voou para a atmosfera superior.”

No Mahabharata, um poema indiano antigo de enorme extensão, nós aprendemos que um indivíduo chamado Asura Maya tinha um Vimana medindo doze côvados de circunferência, com quatro rodas fortes. O poema é uma verdadeira mina de ouro de informações relativas a conflitos (aéreos) entre os deuses que combatiam sobre suas diferenças aparentemente usando armas tão letais quanto as que hoje somos capazes de implantar.

Além de ‘mísseis em chamas’, o poema registra o uso de outras armas mortíferas. ‘Dardo de Indra’ operado através de um “refletor” circular. Quando disparado, ele produzia um “raio de luz”, que, quando focada em qualquer alvo, imediatamente “o consumia em chamas com seu poder”. Em uma luta particular, Krishna, está perseguindo seu inimigo pelos céus, Salva, quando de repente o Vimana de Salva, Saubha se torna invisível de alguma forma. Implacável, Krishna imediatamente dispara uma arma especial: ‘Eu rapidamente disparei sobre ele uma flecha guiada pelo som, que o matou, “. Muitas outras armas terríveis são descritas, a bem da verdade, no Mahabharata, mas a mais temível de todas é aquela utilizada contra os Vrishis. Os registros narram:


“Gurkha voando em seu rápido e poderoso Vimana, disparou contra as três cidades dos Vrishis e Andhakas um único projétil carregado com todo o poder do universo. Uma enorme coluna incandescente de fumaça e fogo, tão brilhante quanto dez mil sóis, subiu em todo o seu esplendor. Era uma arma desconhecida, um raio de ferro, um gigantesco mensageiro da morte, que reduziu a cinzas toda a raça dos Vrishnis e Andhakas e suas cidades”.

É importante notar que esses tipos de registros não são feitos isoladamente. Eles podem ser interligados com relatos semelhantes em outras civilizações antigas. Os efeitos deste raio de Ferro tem um anel anonimamente reconhecível. Aparentemente, os mortos por este raio de ferro ficavam tão calcinados que seus cadáveres eram inidentificáveis. Os sobreviventes sofriam muito, uma vez que (a radioatividade) a contaminação pelo raio fazia seus cabelos e unhas caírem.

Talvez o que mais perturba e seja desafiador, é que as informações sobre essas fantásticas máquinas Vimanas voadoras, supostamente míticas, descritas nos registros antigos hindus, é que existem alguns registros descrevendo como realmente se pode construí-las meticulosamente, as instruções são bastante precisas. No livro sânscrito do Samarangana Sutradhara (com 230 versos) está escrito:


“Forte e durável tem o corpo do Vimana a ser produzido, como um grande pássaro voador de material leve. Dentro dele se deve colocar o motor (um reator de fusão de plasma) de mercúrio com seu aparato de aquecimento de ferro por baixo. Por meio do poder latente no mercúrio, que define o turbilhão de condução em movimento, um homem sentado em seu interior pode percorrer uma grande distância nos céus. Os movimentos do Vimana são tais que ele pode ascender verticalmente, descendo verticalmente, mover-se obliquamente para a frente e para trás. Com a ajuda das máquinas os seres humanos podem voar no ar e os seres celestes podem descer à terra”.

O Hakatha (código de Leis dos babilônios) afirma inequivocamente: O privilégio de operar uma máquina voadora é grande. O conhecimento do vôo é uma das mais antigas das nossas heranças. Um presente dos “Aqueles que são mais elevados”. Recebemos a tecnologia deles como um meio de salvar muitas vidas. Mais fantástico ainda é a informação dada no antigo trabalho caldeu, “The Sifrala”, que contém mais de cem páginas de detalhes técnicos sobre a construção de uma máquina voadora. Ele contém palavras que se traduzem como bastão de grafite, bobinas de cobre, indicador de cristal, esferas de vibração, ângulos estáveis, etc (Ancient Indian Aircraft Technology – From The Anti-Gravity Handbook by D. Hatcher Childress).



Muitos pesquisadores do atual enigma UFO tendem a ignorar um fato muito importante. Enquanto eles assumem que a maioria dos discos voadores são de alienígenas, ou talvez de origem Governamental secreta e militar, outra possível origem dos UFOs seria a Índia antiga e o continente de Atlântida. O que sabemos sobre antigos veículos voadores hindus nos vem de fontes indianas muito, mas muito antigas; textos que chegaram até nós através de dezenas, milhares de séculos, e por escrito.

Não há dúvida de que a maioria destes textos são autênticos, muitos são os próprios mais bem conhecidos épicos indianos muito antigos (n.t. que narram batalhas épicas com utilização de vimanas nos céus do planeta, em guerras entre deuses) e há literalmente centenas destes textos. A maioria deles ainda não foram traduzidos para o Inglês do antigo sânscrito.

O Imperador Ashoka (n.t. foi um imperador indiano da dinastia máuria que reinou entre 273 e 232 a.C.) criou uma “Sociedade Secreta dos Nove Homens Desconhecidos”: grandes cientistas indianos da época (2.300 anos passados) que eram supostamente para catalogar as muitas ciências descritas nos antiquíssimos textos sagrados hindus. Ashoka manteve seu trabalho em segredo, porque ele estava com medo de que a ciência avançada catalogada por esses homens, obtidas a partir de fontes hindus muito antigas, seria usada para o propósito do mal da guerra, que Ashoka era fortemente contra, tendo sido convertido ao budismo, após derrotar um exército rival em uma batalha sangrenta.

Os “nove homens desconhecidos” escreveram um total de nove livros, presumivelmente um cada. Um dos nove livros era chamado de “Os segredos da Gravitação”. Este livro, é conhecido pelos historiadores, mas atualmente na verdade, não é visto por eles como um tratado sobre o “controle da gravidade.” Ele provavelmente ainda esta escondido em algum lugar, mantido em alguma biblioteca secreta na Índia, no Tibet, ou outro lugar onde (talvez até mesmo em algum lugar na América do Norte ).

Pode-se certamente entender o raciocínio de Ashoka para querer manter esse conhecimento em segredo, supondo que ele existisse. Ashoka também estava ciente das guerras devastadoras utilizando tais veículos avançados e outras “armas futuristas” que tinham destruído o antigo império indiano de Rama vários milhares de anos antes, até mesmo do dilúvio. Apenas alguns anos atrás, os chineses descobriram alguns documentos em sânscrito, em Lhasa, no Tibet e os enviaram para a Universidade de Chandrigarh para serem traduzidos. A Drª. Ruth Reyna, da Universidade Chandrigarh disse recentemente que os documentos contêm instruções para a construção de espaçonanaves interestelares!

Seu método de propulsão, disse ela, era “anti-gravitacional” e estava baseado em um sistema análogo ao de “laghima”, o poder ainda desconhecido do ego existente na composição fisiológica do homem, “uma força centrífuga forte o suficiente para neutralizar toda e qualquer atração gravitacional”.

De acordo com os iogues hindus, é este “laghima”, o poder/força que permite que uma pessoa possa levitar. A Drª Ruth Reyna disse que a bordo dessas máquinas, que eram chamadas de “Astras” pelo texto, os antigos hindus poderiam ter enviado um destacamento de homens para qualquer planeta, de acordo com o documento, que se pensa ter milhares de anos. Também se afirma que esses manuscritos revelam o segredo de “ANTIMA”, “uma cobertura pela invisibilidade” e “GARIMA”, ou de “como se tornar tão pesado quanto uma montanha de chumbo”.


Vôo Route de Rama (fonte: Vimana na Índia Antiga – por Dileep Kumar Kanjilal).

Naturalmente, os cientistas hindus contemporâneos não levaram os textos muito a sério, mas depois tornaram-se mais positivos sobre o valor deles quando os chineses anunciaram que estavam incluindo certas partes dos seus dados científicos para estudo em seu próprio programa espacial!. Este foi um dos primeiros exemplos de um governo que admitiu estar pesquisando a força anti-gravidade. Os manuscritos não dizem definitivamente que uma viagem interplanetária havia sido feita mas faz menção, acima de todas as coisas, de uma viagem planejada para a Lua, embora não esteja claro no texto se essa viagem foi realmente realizada.

No entanto, um dos grandes épicos indianos, o Ramayana, narra uma história altamente detalhada nele de uma viagem à lua em um Vimana (ou “Astra”), e de fato detalha uma batalha na lua com um “Asvin” (ou uma espaçonave Atlante) dirigível. Este é apenas um pequeno pedaço de evidência da existência da tecnologia aeroespacial recente de anti-gravidade usada pelos antigos hindus, quando a Índia de hoje era então chamada de Bharata. Para realmente entender a tecnologia, temos de ir muito mais longe no tempo.

O chamado “Império de Rama” no Norte da Índia e do hoje Paquistão, existiu e se desenvolveu durante, pelo menos, quinze mil anos ininterruptos no subcontinente indiano e era uma nação composta de muitas cidades grandes e sofisticadas, muitas das quais os restos arqueológicos estão ainda para ser encontrados nos desertos do Paquistão, no norte e oeste da Índia.

Rama existiu, aparentemente, ao mesmo tempo que a civilização Atlante então existente no continente no meio do Oceano Atlântico norte, próximo ao equador de hoje, entre a África e a América do Norte, e era governada por “iluminados Reis Sacerdotes” que governavam as suas cidades.


O avatar Rama (Krishna) e Sita, junto de Seus associados, desembarca de um Vimana estilizado como um grande pássaro, durante a era do Treta-yuga.

As sete maiores cidades e capitais do Império de Rama são conhecidas em textos hindus clássicos como “As Sete Cidades Rishi”. De acordo com antigos textos hindus, as pessoas tinham máquinas voadoras que eram chamadas por “Vimanas”. O antigo épico indiano descreve um Vimana com um duplo deck, uma aeronave circular com vigias e uma cúpula, tanto quanto nós podemos imaginar um disco voador. Voava com a “velocidade do vento” e fazendo um “som melodioso”.

Havia pelo menos quatro tipos diferentes de Vimanas, alguns eram em forma de pires, outros o formato era de longos cilindros (“em forma de charuto”). Os antigos textos hindus sobre Vimanas são tão numerosos, que levaria vários volumes para se relacionar o seu conteúdo. Os antigos hindus, que fabricavam estas espaçonaves, escreveram manuais de voo completos sobre o controle de vários tipos diferente de Vimanas, escritos que muitos deles estão existem, e mesmo alguns foram até mesmo traduzidos para o Inglês.

O Samarangana Sutradhara é um tratado científico lidando com todos os ângulos possíveis sobre as viagens aéreas em um Vimana. Há 230 versos que lidam com a construção, a decolagem, o voo por milhares de quilômetros, os desembarques normais e forçados, e até mesmo sobre possíveis colisões com pássaros.

Em 1875, o Vaimanika Sastra, um texto do século IV a.C., escrito por Bharadwaj, o Sábio, utilizando textos ainda muito mais antigos como sua fonte, foi redescoberto em um templo na Índia. Ele trata sobre a operação de Vimanas e informações sobre sua direção, precauções para vôos longos, proteção das aeronaves de tempestades e relâmpagos e como mudar a unidade de força (reator de fusão a mercúrio) inclusive para “energia solar” de uma fonte de energia livre, algo que soa como propulsão a “anti-gravidade.”



O Vaimanika Sastra (ou Vymaanika-Shaastra) tem oito capítulos somente com diagramas, descrevendo três tipos de espaçonaves, incluindo aparelhos que não podiam nem pegar fogo nem se quebrar. Menciona igualmente 31 partes essenciais destes veículos e 16 materiais a partir dos quais eles são construídos, materiais que absorvem a luz e calor, pelo que são considerados adequados para a construção de Vimanas.

Este documento foi traduzido para o Inglês e está disponível por livro publicado por editora: VYMAANIDASHAASTRA AERONAUTICS – Por Maharishi Bharadwaj, traduzido para o Inglês e editado, impresso e publicado por Mr. G.R. Josyer, Mysore, Índia, 1979.

G.R. Josyer é o diretor da Academia Internacional de Investigação em sânscrito, localizada em Mysore, Índia. Parece não haver dúvida de que os Vimanas eram movidos por uma espécie de reator que gerava uma força “anti-gravidade”. Vimanas decolavam verticalmente, eram capazes de pairar no céu, como um helicóptero moderno ou dirigível e voavam a velocidades espantosas.



Bharadwaj, o Sábio se refere a nada menos que setenta autoridades e a 10 especialistas em viagens aéreas existentes na antiguidade. Todas estas fontes estão agora perdidas.

Os Vimanas eram mantidos em um Vimana Griha, uma espécie de hangar especial e por vezes eram impulsionados por um motor que usava um líquido branco-amarelado, e às vezes por algum tipo de composto de mercúrio, embora escritores pareçam confusos neste assunto.

É mais provável que os escritores posteriores sobre Vimanas, escreveram como observadores de textos anteriores, e ficaram compreensivelmente confusos sobre o princípio usado na sua propulsão.

O “líquido branco-amarelado” se parece muito com gasolina (ou outro tipo de combustível), e talvez os Vimanas tivessem um número de diferentes fontes e tipos de propulsão, incluindo motores de combustão e até motores de empuxo a jato. É interessante notar, que os nazistas desenvolveram os primeiros motores práticos a jato para suas bombas V-1 e V-2 (n.t. a V2 foi o primeiro míssil balístico) propelidas por foguete.”

Os cientistas de Hitler e o núcleo mais fechado dos nazistas estiveram excepcionalmente interessados na antiga Índia e Tibet e enviaram expedições anuais para ambos os lugares, começando na década de 30, e talvez tenha sido a partir dessas pessoas que os nazistas ganharam algumas das suas informações sobre novas tecnologias e sobre ciência!. De acordo com o Dronaparva , parte do Mahabharata e do épico Ramayana, um Vimana descrito tinha a forma de uma esfera e surgiu junto com uma grande velocidade em um “forte vento” gerado por mercúrio.

Ele se movia como um moderno e atual UFO, indo para cima, para baixo, para trás e para a frente, pairando no ar, como seu piloto desejasse. Em outra fonte hindu antiga, o Samar, os Vimanas eram “máquinas de ferro, bem unidos e suaves, com uma carga de mercúrio que expelia fogo para fora da sua parte traseira na forma de uma chama acesa.” O Samarangana Sutradhara descreve como os veículos eram construídos. É possível que o mercúrio tivesse algo a ver com o sistema de propulsão, ou mais possivelmente, com o sistema de orientação.

Curiosamente, cientistas soviéticos descobriram o que eles chamam de “instrumentos muito antigos utilizados na navegação de veículos cósmicos” em cavernas no Turquistão e no Deserto de Gobi. Os “dispositivos” são objetos hemisféricos de vidro ou porcelana, terminando em um cone com uma gota de mercúrio dentro. É evidente que os antigos hindus voavam se utilizando destes veículos Vimanas, por toda a Ásia, a Atlântida, presumivelmente, e até mesmo, aparentemente, para a América do Sul.

Escritos encontrados (os símbolos) no sítio arqueológico em Mohenjodaro no hoje Paquistão (presumivelmente uma das Sete Cidades Rishi do Império Rama) e ainda não decifrado, também foram encontrados em um outro lugar do mundo: Ilha de Páscoa ! O documento na Ilha de Páscoa, chamado de escrita Rongo-Rongo, também ainda não foi decifrado, e é estranhamente semelhante aos símbolos encontrados em Mohenjodaro. Seria a Ilha de Páscoa uma base aérea para os Vimanas do Império Rama?

No Tibete, não muito longe da Índia, documentos falam de “carruagens de fogo” assim: “Bhima voou junto em seu carro, resplandecente como o sol e alto como um trovão … A carruagem voadora brilhou como uma chama no céu da noite de verão. .. varreu os céus como um cometa … Era como se dois sóis estivessem brilhando. Então a carruagem se levantou e todo o céu se iluminou “. No Mahavira de Bhavabhuti, um texto Jainista do século VIII copiado a partir de textos antigos e tradições, lemos: “. Uma carruagem aérea, o Pushpaka, transporta muitas pessoas para a capital de Ayodhya. O céu está cheio com máquinas de vôo (Vimanas) estupendas, escuro como a noite, mas pontilhado por luzes com um brilho amarelado”.

Os Vedas, antigos poemas hindus, que são o mais antigo de todos os textos sagrados indianos, descrevem Vimanas de várias formas e tamanhos: o “agnihotravimana”, com dois motores, o “vimana-elefante“, com mais motores, e outros tipos com nomes como martim-pescador, ibis e outros animais. Infelizmente, os Vimanas, assim como a maioria das descobertas científicas, acabaram por serem usados para a guerra. Os Atlantes usaram suas máquinas voadoras, os “Vailx”, um tipo similar de aeronave, para, literalmente, tentar subjugar o mundo inteiro, iclusive a antiga Índia, ao que parece, se os antigos textos indianos merecerem credito.


Outros veículos Vimanas eram em formato de pires, e, aparentemente, também poderiam ser submersos e navegarem como um submarino.

Os atlantes, conhecidos como “Asvins” nos escritos indianos, eram aparentemente ainda mais avançados tecnologicamente do que os hindus (n.t. mas menos evoluídos em sabedoria espiritual, por isso nunca conseguiram subjugar a cultura hindu), e certamente, de um temperamento mais guerreiro (déspota). Embora nenhum texto conhecido sobre os Vailx atlantes exista, alguma informação chegou através de fontes “ocultas” e esotéricas, que descrevem suas máquinas voadoras.

Semelhantes, se não idênticos aos Vimanas, os Vailx atlantes também eram geralmente “em forma de charuto” e tinham a capacidade de manobras até debaixo d’água, bem como na atmosfera e mesmo no espaço sideral. Outros veículos Vimanas eram em formato de pires, e, aparentemente, também poderiam ser submersos e navegarem como um submarino. De acordo com Eklal Kueshana, autor de “The Ultimate Frontier”, em um artigo que escreveu em 1966:

Os Vailx atlantes foram inicialmente desenvolvidos na Atlântida há cerca de 20.000 anos atrás, e os mais comuns eram em formato de “pires em forma de secção cruzada trapezoidal geralmente com três pods hemisféricos no motor na sua parte inferior. Eles usam um dispositivo mecânico de antigravidade impulsionado pelos motores que desenvolveriam aproximadamente 80 mil cavalos de potência.

O épico hindu Ramayana, o Mahabharata e outros textos hindus antigos falam da uma horrível guerra que aconteceu, há cerca de milhares de anos (antes dodilúvio universal) atrás entre Atlântida e o Império de Rama, com o uso de armas de destruição em massa que não poderiam ser imaginadas pelos leitores até a segunda metade do século XX, quando o homem moderno construiu a Bomba Atômica utilizada em Hiroshima, no Japão.

O antigo Mahabharata, uma das fontes de informações sobre os Vimanas, passa a contar a incrível destrutividade da guerra em tempos remotos:

“… (A arma era) um único projétil carregado com todo o poder do universo. Uma coluna incandescente de fumaça e chamas tão brilhantes como mil sóis subiram em todo o seu esplendor (n.t. Uma explosão atômica?). Um raio de ferro, um gigantesco mensageiro da morte, … que reduziu a cinzas toda a raça dos Vrishnis e os Andhakas. Os cadáveres estavam tão calcinados a ponto de ficarem irreconhecíveis. Os cabelos e as unhas cairam; a cerâmica se quebrou sem causa aparente, e os pássaros ficaram brancos …. depois de algumas horas todos os alimentos estavam infectados …. para escapar deste fogo abrasador e mortal , os soldados se jogaram nos rios para se lavarem e aos seus equipamentos … “

Parece que o Mahabharata está descrevendo uma guerra atômica e os efeitos do envenenamento por radioatividade! Referências como estas não são isoladas nos escritos hindus, mas as batalhas, onde se usa uma fantástica variedade de armas e veículos aéreos são comuns em todos os antigos escritos épicos hindus. Um descreve ainda um Vimana-Vailx em batalha na Lua ! O parágrafo anterior descreveu com muita precisão os efeitos da radioatividade que uma explosão atômica atual teria sobre a população atingida, como em Hiroshima. Jogar-se na água seria o único alívio possível.


Esqueletos encontrados em grupos, às vezes de mãos dadas foram encontrados nas escavações da antiga cidade sagrada de Mohenjo-Daro, no hoje Paquistão, mas que nos tempos antigos fazia parte do Império de Rama, quando a hoje Índia se chamava Bharata. São tão radioativos quanto os restos de pessoas mortas em Hiroshima e Nagazaki por bombas atômicas durante o final da II Grande Guerra Mundial.

Quando a cidade Rishi de Mohenjo-Daro foi escavada por arqueólogos no início do século (1922) passado, eles encontraram esqueletos deitados nas ruas em grupos, alguns deles de mãos dadas, como se alguma grande desgraça tivesse os surpreendidos. Estes esqueletos estão entre os mais radioativos já encontrados, em pé de igualdade com os encontrados em Hiroshima e Nagasaki.

Cidades antigas cujos tijolos e paredes de pedra foram literal e instantaneamente vitrificados, foram fundidos em conjunto, podem ser encontradas na Índia, Irlanda, Escócia, França, Turquia e outros lugares. Não há explicação lógica para a vitrificação de fortificações de pedra e cidades, com exceção de ser o resultado de uma explosão atômica. Ainda mais, em Mohenjo-Daro, uma cidade bem planejada colocada sobre uma grande grade projetada, com um sistema de encanamento de água superior aos usados no Paquistão e na Índia de hoje, as ruas estavam cheias de “nódulos negros de vidro.” Estas bolhas de vidro foram descobertas como sendo vasos de barro que tinham se derretido sob calor intenso!

Com o naufrágio catastrófico de Atlântida e a destruição no tempo de Rama com armas atômicas, o mundo entrou em colapso, caindo em uma “idade da pedra” novamente, e a história moderna os redescobriu alguns milhares de anos mais tarde, no entanto, pois parece que nem todos os Vimanas e Vailx de Rama e Atlântida foram embora. Construídos para durarem por milhares de anos, muitos deles ainda estariam em uso, como evidenciado pela sociedade criada pelo imperador Ashoka “Os Nove Homens Desconhecidos” e o manuscrito encontrado pelos chineses em Lhasa, no Tibet.

Estas sociedades secretas ou “Irmandades” de “iluminados” de seres humanos excepcionais teria preservado estas invenções, o conhecimento da ciência, história, etc, dos tempos antigos, e isso não parece surpreendente. Muitos conhecidos personagens históricos, incluindo Jesus, Buda, Lao Tzé, Confúcio, Krishna, Zoroastro, Mahavira, Quetzalcoatl, Akhenaton, Moisés e inventores mais recentes e, claro, muitas outras pessoas que claro vão permanecer anônimas, provavelmente eram membros de tal organização secreta.

É interessante notar que, quando Alexandre, o Grande, invadiu a Índia há mais de dois mil e trezentos anos atrás, os historiadores narraram que em um ponto eles foram atacados por “escudos de fogo voadores“, que mergulhou sobre o seu exército e assustaram a cavalaria. Estes “discos voadores” não usaram nenhuma bomba atômica ou armas de feixe de raios sobre o exército de Alexandre no entanto, talvez por benevolência, e Alexandre passou a conquistar a Índia.


Sítio arqueológico de Mohenjo-Daro

Tem sido sugerido por muitos escritores que estas “Irmandades Secretas” manteriam alguns dos seus Vimanas e Vailx em cavernas escondidas e secretas no Tibete ou em algum outro lugar situado na vasta Ásia Central, e o deserto Lop Nor no oeste da China é conhecido por ser o centro de uma grande atividade e mistério sobre UFOs. Talvez seja aqui que muitos dos dirigíveis atlantes ainda sejam mantidos, em bases subterrâneas assim como os norte-americanos, britânicos e soviéticos as construíram ao redor do mundo nas últimas décadas. Ainda assim, nem toda a atividade UFO pode ser explicada por antigos Vimanas fazendo viagens à Lua, por algum motivo. Ligas metálicas desconhecidas foram revelados nos antiquíssimos manuscritos em folha de palmeira.

O escritor e estudioso erudito do sânscrito Subramanyam Iyer passou muitos anos de sua vida decifrando coleções antigas de folhas de palmeira encontradas nas aldeias de sua nativa Karnataka, no sul da Índia. Um dos manuscritos em folha de palmeira que ele pretendia decifrar é o Amsu Bodhini, que, de acordo com um texto anônimo de 1931, contém informações sobre os planetas, os diferentes tipos de luz, calor, cor e campos eletromagnéticos; os métodos utilizados para a construção de máquinas capazes de atrair os raios solares e, por sua vez, de analisar e separar os componentes de energia, a possibilidade de conversar com pessoas em lugares remotos e enviar mensagens através de um cabo, e na fabricação de máquinas para o transporte de pessoas para outros planetas!

No Mahabharata (Grande Bharata)

Em um episódio, por exemplo, os Vrishnis, uma tribo cujos guerreiros incluem o herói Krishna, foram cercados pelas forças de um líder inimigo chamado Salva.

“O cruel Salva tinha vindo montado no carro Saubha que pode ir em qualquer lugar, e com isso ele matou muitos valentes jovens Vrishnis e maldosamente devastou todos os parques da cidade.”

O carro Saubha é ao mesmo tempo cidade, carro-chefe, e sede de batalha de Salva. Nele, ele pode voar para onde quer que ele escolha ir. Felizmente, os heróis Vrishnis são igualmente bem equipados, e em um ponto do conflito tem Salva à sua mercê. O herói Pradyumna está prestes a abate-lo com uma arma especial, quando os mais altos deuses o detêm. “Nenhum homem no campo de batalha está a salvo dessa seta especial”, dizem eles, e declaram que Salva cairá nas mãos de Krishna.

Krishna se elevou aos céus em perseguição de Salva, mas sua Saubha agarrou-se e subiu aos céus… Ele jogou contra Krishna foguetes, mísseis, lanças, picos, machados de batalha, dardos de três pás, lança-chamas, sem parar … O céu … parecia ter cem sóis, uma centena de luas … e uma centena de miríades de estrelas. Nem parecia dia nem noite poderia ser dito, ou sequer os pontos de uma bússola ser visto.

Krishna, no entanto, afastou o ataque de Salva com o que parece ser mísseis antibalísticos, eu me protegia como eles apareciam na minha direção.

Com minhas flechas em ataques rápidos, elas cruzavam através do céu, mas eu as cortava em dois ou três pedaços com meu contra ataque. Houve um grande estrondo acima no céu. No entanto, o Vimana Saubha de Salva se torna invisível. Krishna então carrega uma arma especial, talvez uma versão antiga de uma bomba inteligente? Ele rapidamente carrega uma flecha especial, que ataca localizando o alvo buscando o som, para matá-lo … Todos os Danavas [as tropas inimigas de Salva] que tinham ficado gritando jaziam mortos, eliminados pelo calor igual a um sol escaldante das flechas do Vimana de Krishna que foram acionadas pelo som.

No entanto, o próprio Saubha escapou deste ataque. Krishna dispara sua “arma de fogo favorita” contra ele, um disco em forma do “sol aureolado”. O disco rompe o Vimana Saubha em dois, e a cidade partida em duas cai do céu, matando Salva. Este é o fim do Mahâbhârata. Uma das coisas mais intrigantes sobre isso é que o uso da seta especial de Pradyumna, a partir do qual “nenhum homem no campo de batalha esta seguro”, foi proibido pelos deuses. Que tipo de arma poderia ser essa?

Um outro capítulo, que descreve a utilização da arma Agneya pelo herói Adwattan:

Quando a arma, um “míssil com chamas de fogo sem fumaça” é desencadeado; setas densas de chamas, como um grande chuveiro de fogo, caía obre a criação, engolfando o inimigo … As densas trevas rapidamente encobriram as tropas dos Pandavas. Todos os pontos cardeais estavam perdidos na escuridão. Impetuosos ventos começaram a soprar. Nuvens rugiram para cima, levantando poeira e cascalho. Aves grasnavam loucamente … os próprios elementos pareciam perturbados. O sol parecia vacilar nos céus. A terra tremeu, arrasada pelo terrível calor violento e calcinante desta arma. Elefantes explodiram em chamas e corriam para lá e para cá em um frenesi … por uma vasta área, outros animais caíram queimados no chão e morreram. De todos os pontos da bússola as flechas de fogo choveram continua e ferozmente.



E se isso soou como uma tempestade de fogo, então, uma arma similar utilizada por Gurkha soa como nada menos do que uma explosão nuclear completa com a precipitação radioativa:

Gurkha, voando em sua Vimana rápida e poderosa, atirou contra as três cidades dos Vrishnis e Andhakas um único projétil carregado com todo o poder do universo. Uma enorme coluna incandescente de fumaça e fogo, tão brilhante quanto dez mil sóis, subiu em todo o seu esplendor. Foi uma arma desconhecida, o raio de ferro, um gigantesco mensageiro da morte, que reduziu a cinzas toda a raça dos Vrishnis e Andhakas. Os cadáveres estavam tão calcinados que não estavam mais reconhecíveis. Cabelo e unhas cairam. As cerâmicas se quebraram sem causa …Os gêneros alimentícios foram todos envenenados. Para escapar, os guerreiros se jogaram nas águas dos rios para se lavarem e aos seus equipamentos.

Mais informação sobre VIMANAS:
  1. http://thoth3126.com.br/sociedades-secretas/
  2. http://thoth3126.com.br/antartica-estranhas-aberturas-e-base-nazista-neuschwabenland/
  3. http://thoth3126.com.br/nazismo-os-arquivos-secretos-da-waffen-ss/
  4. http://thoth3126.com.br/vimana-antigo-20-mil-anos-trem-de-pouso-descoberto/


Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.


www.thoth3126.com.br

Compartilhe:

254Share on Facebook (Opens in new window)254
8Click to share on Twitter (Opens in new window)8
Click to share on Reddit (Opens in new window)
Click to email this to a friend (Opens in new window)

URL: http://wp.me/p2Fgqo-5j1


Todos os artigos são da responsabilidade do respetivos autores ou editores.

Por favor, respeitem todos os créditos

Arquivos em português:
http://rayviolet2.blogspot.com/search?q=Sushama Londhe

Atualização diária

Se gostou! Por favor RECOMENDE aos seus Amigos.
achama.biz.ly 

Israel ou Cazária!?

achama.biz.ly email: nai@achama.biz.ly 


EN: VioletFlame * The Illuminati * Alternative Media * North Atlantic Islands * Indian Ocean Islands * South Atlantic Ocean Islands * Alternative Media * Creator's Map * ESU IMMANUEL * Exposing Media DesInformation * Galactic Federation * Indians, Prophecies and UFOs * Illuminati, The * Infinite Being * Israel (!?) * Jews..., the Real ones! * Khazars Jews are converted, not jenuine * Meditation * Media News * NESARA (!?) * SCIENCE, SPIRIT, Free Energy!... * UFO CONTACTS * UFOs (MORE) * USA The 4th NAZI Reich!? * Zionism Lies and The Illuminati * Light a Candle for PEACE * The Red Pill * The True Shadow Government

Novembro 05, 2014

chamavioleta

VIMANAS 

 Os UFOS  da antiga ÍNDIA

Posted by Thoth3126 on 05/11/2014

 



“A história da Índia antiga e anterior ao dilúvio registrada em vários escritos muito antigos, como o Baghavata Purana, o “Mahabharata“, o Samarangana Sutradhara, os Rig Vedas, o “Ramayana“, e outros velhíssimos textos hindus como o tratado sobre voos do “VIMANIKA SHASTRA” que nos legou dados incríveis e notáveis sobre aeronaves (Vimanas, Agnihotras) voadoras do tamanho de cidades, veículos (carros) voadores e a descrição de armas terríveis de imenso poder destrutivo que eram utilizados pelos antigos habitantes da Terra em suas lutas e pelos “deuses” quando estes também entravam em batalha entre si nos céus do planeta” e às vezes contra a própria raça humana.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Ataques e guerras entre os deuses. Veículos voadores – UFOS – OVNIS – Vimanas) e armas nucleares e de raios em BHARATA, a Antiga e Ancestral ÍNDIA há milênios antes do dilúvio.

Fontes: O Mahabharata (Grande Bharata/ÍNDIA) e O Ramayana (Caminho de Rama)

Fonte: http://psychedelicadventure.blogspot.com/

“A história da Índia antiga registrada no “Mahabharata”, Samarangana Sutradhara, Rig Vedas, “Ramayana”, Baghavata Purana, e outros velhíssimos textos hindus como o tratado sobre voos do “VIMANIKA SHASTRA” que nos legou dados incríveis sobre aeronaves (Vimanas, Agnihotras) voadoras do tamanho de cidades, veículos (carros) voadores e a descrição de armas terríveis de imenso poder destrutivo que eram utilizados pelos antigos habitantes da Terra em suas lutas e pelos “deuses” quando estes também entravam em batalha entre si nos céus do planeta”.


Esquema de um antigo Vimana da Índia. Livro de David H. Childress

Muitos pesquisadores do enigma dos OVNIs tendem a ignorar um fato muito importante. Embora se presuma que a maioria dos discos voadores são de espécies exóticas ou talvez Governamentais de origem militar, uma outra possível origem dos UFOs da Índia antiga é a Atlântida. O que sabemos sobre os antigos veículos voadores indianos vem de antigas fontes indianas; textos religiosos escritos que chegaram até nós através dos séculos. Não há dúvida de que a maioria dos textos é autêntico, muitos são os conhecidos antigos épicos indianos, e há literalmente milhares deles. A maioria deles nem sequer foram traduzidas para o Inglês ainda do velho sânscrito.

O imperador indiano Ashoka*(Século III a.C.) criou uma “Sociedade Secreta dos Nove Homens Desconhecidos”: grandes cientistas indianos da época que foram destacados para catalogar as muitas ciências. Ashoka manteve o seu trabalho em segredo porque tinha medo que a ciência avançada catalogada por esses homens, obtidas a partir de antigas fontes indianas, seria utilizada para o efeito perverso da guerra, que Ashoka foi fortemente contra, tendo sido convertido ao budismo depois de derrotar um exército rival em uma batalha sangrenta.

A “Sociedade Secreta dos Nove Homens Desconhecidos” escreveu um total de nove livros, presumivelmente, um cada. Um dos livros tratava do assunto: “Os segredos da Gravitação”! Este livro, conhecido pelos historiadores, mas não realmente visto por nenhum deles, tratava principalmente do “controle (manipulação) da gravidade.” São presumivelmente ainda mantidos em segredo em algum lugar, mantidos em uma biblioteca secreta na Índia, no Tibete ou em outra parte (talvez mesmo na América do Norte em algum lugar). Pode-se certamente entender o raciocínio de Ashoka para querer manter o antigo conhecimento como um segredo, supondo que ele exista.

Ashoka também estava ciente de guerras devastadoras que se utilizavam dos tais veículos avançados e outras armas “futuristas”, que tinham destruído o Império de Rama “o Império Hindu antigo” de vários milhares de anos antes. Apenas alguns anos atrás, os chineses descobriram alguns documentos sânscritos em Lhasa, no Tibete e os enviou para a Universidade de Chandigarh para serem traduzidos.

A Dra. Ruth Reyna daquela universidade, disse recentemente que os documentos contêm instruções para a construção de naves interestelares! O seu método de propulsão, disse ela, era “anti-gravitacional” e foi baseado em um sistema análogo ao de ‘laghima, «o poder desconhecido do ego existente na constituição fisiológica do homem,” uma força centrífuga forte o suficiente para neutralizar todas as leis que regem a gravidade e impulsionar qualquer coisa para cima.”De acordo com os grandes e velhos iogues hindus, é esse “laghima”, que quando desenvolvido, permite a uma pessoa levitar (ter controle sobre a gravidade).



Representação de uma nave Vimana tripulada esculpida em uma caverna em Ellora, Índia, canto superior direito da foto.

A Dra. Reyna disse que a bordo destes aparelhos, que eram chamados de “Shastras” pelo texto, os antigos hindus poderiam ter enviado um destacamento de homens para qualquer lugar em todo planeta, de acordo com o documento, que se admite ter milhares de anos. Ela disse também que os manuscritos também revelam o segredo do ‘Antima “; uma cobertura de invisibilidade e “Garima”, como se tornar tão pesado quanto uma montanha de chumbo”.

Naturalmente, os cientistas indianos não levaram muito a sério os textos, mas depois tornou-se mais positivos sobre o valor deles quando os chineses anunciaram que estavam incluindo certas partes dos dados para o estudo em seu programa espacial! Este foi um dos primeiros exemplos de um governo de admitir a pesquisa de anti-gravidade.

Os manuscritos não dizem definitivamente que as viagens interplanetárias nunca foram feitas, mas não mencionam, de todas as coisas, uma viagem à Lua, embora não esteja claro se esta viagem foi realmente realizada. No entanto, um dos grandes textos épicos indianos, o Ramayana, tem uma história muito detalhada de que seria uma viagem à lua em um Vimana (ou “Shastra”) e em detalhes o fato de uma batalha na lua com um ‘Vailix’ (um dirigível da Atlantida. Esta é apenas uma pequena amostra da evidência recente da utilização da anti-gravidade e tecnologia aeroespacial utilizadas pelos hindus a milhares de anos atrás.

Para realmente entender a tecnologia, é preciso ir muito mais longe no tempo. O chamado “Império de Rama” do norte da Índia e do Paquistão desenvolveu-se a pelo menos quinze mil anos atrás no subcontinente indiano e era uma nação de muitas grandes cidades sofisticadas, muitas das quais ainda estão a ser encontradas nos desertos do Paquistão, do norte e oeste da Índia.(algumas já foram descobertas por arqueólogos: Mohenjo Daro e Harappa são dois sítios em investigação) Rama existiu, aparentemente, em paralelo à civilização Atlante que se situava no meio do Oceano Atlântico (região hoje conhecida pelas anomalias do Triângulo das Bermudas, no Mar do Caribe), que foi governada por “esclarecidos reis sacerdotes” que comandavam as cidades do império.

As sete maiores capitais, cidades sagradas do Império de Rama eram conhecidas em textos clássicos hindus como “As Sete Cidades dos Rishis”. Segundo antigos textos indianos, as pessoas tinham máquinas voadoras que eram chamados de “Vimanas”. O épico indiano antigo descreve um Vimana como de dois andares, aeronaves circulares com vigias e uma abóbada, tanto quanto nós hoje poderíamos imaginar como sendo um disco voador. “Ele voou com a “velocidade do vento” e deu o som melodioso para trás”. Havia pelo menos quatro tipos diferentes de Vimanas e alguns em forma de disco, outros, como cilindros longos (‘aeronaves em forma de charuto’).

Os textos antigos indianos em Vimanas são tão numerosos, que levaria muitos volumes para relacionar o seu conteúdo. Os antigos hindus, que fabricaram estes aeronaves, escreveram manuais de vôo completos sobre o controle de vários tipos de Vimanas, muitos dos quais estão ainda em existência, e alguns foram até mesmo traduzidos para o Inglês.


Foto de um UFO em Cerro Gordo, EUA, do que poderia ser um Vimana (ANTIGA íNDIA), Vailixi (ATLÂNTIDA) de antigos e contemporâneos CONTATOS com civilizações alienígenas. No centro dessa aeronave podemos ver um reator de fusão de plasma (a Mercúrio??) gerador de campo eletromagnético em funcionamento.

O Sutradhara Samara é um tratado científico lidando com todos os ângulos possíveis da viagem aérea em um Vimana. Há 230 estâncias lidando com construção, decolagem, velocidade de cruzeiro por milhares de quilômetros, o desembarque normal e forçado, e até mesmo possível colisões com aves. Em 1875, o Shastra Vaimanika, do século IV a.C. texto escrito por Bharadvaja, o Sábio, mesmo usando textos antigos como a sua origem, foi redescoberto em um templo na Índia.

Trata-se do funcionamento das Vimanas e incluiu informações sobre a direção, as precauções para vôos de longo curso, a proteção dos dirigíveis no caso de tempestades e relâmpagos e como mudar a unidade para “energia solar” de uma fonte de energia livre que soa como “anti-gravidade ‘. O Shastra Vaimanika (ou Vymaanika-Shaastra) tem oito capítulos com diagramas, descrevendo três tipos de aeronaves, incluindo aparelhos que não podiam nem pegar fogo, nem quebrar. Também menciona 31 partes essenciais destes 16 veículos e materiais de que é construído, que absorvem a luz e calor, razão pela qual eles foram considerados adequados para a construção dos Vimanas.

Este documento foi traduzido em Inglês e está disponível em material publicado pela editora: VYMAANIDASHAASTRA AERONÁUTICA por Maharishi Bharadwaaja, traduzido em Inglês e editado, impresso e publicado pelo Sr. GR Josyer, Mysore, Índia, 1979. O Sr. Josyer é o diretor da Academia Internacional de Investigação do sânscrito, localizada em Mysore. Não parece haver dúvida de que os Vimanas eram movidos por uma espécie de propulsor gerador de ‘anti-gravidade’. Os Vimanas decolavam verticalmente e eram capazes de pairar no céu, como um moderno helicóptero ou dirigível. Bharadvaja o Sábio refere-se pelo menos a 70 autoridades e 10 peritos nas viagens aéreas dos Vimanas na antiguidade.

Essas fontes estão perdidas. Vimanas eram mantidos em um Griha Vimana, uma espécie de gancho, e eram muitas vezes propulsionados por um líquido branco-amarelado (Plasma) e, por vezes por algum tipo de compostos de mercúrio, embora escritores pareçam confusos neste assunto. É mais provável que os escritores que mais tarde descreveram os Vimanas, escreveram na qualidade de observadores e com base em textos anteriores, e se confundiram no princípio de sua propulsão.

O “líquido branco-amarelado” soa como suspeito de ser gasolina, e talvez os Vimanas tivessem uma diferente quantidade de diferentes fontes de propulsão, incluindo motores de combustão e até mesmo motores com turbina a jato. É interessante notar, que os nazistas desenvolveram o primeiro pulso prático, motores a jato para os primeiros mísseis construídos, as bombas nazistas V-1 e V-2 largamente utilizadas no bombardeamento de Londres durante a segunda guerra mundial.

Hitler e a cúpula dos nazistas tiveram excepcional interesse em documentos da antiga Índia, Nepal e do Tibete e ele enviou expedições de cientistas alemães anuais para estes lugares, com início na década de 30,a fim de reunir e pesquisar documentos esotéricos, e que eles fizeram isso muito bem, e talvez tenha sido a partir dessas pessoas que os nazistas ganharam alguma de suas informações científicas secretas! (para saber mais a respeito pesquise sobre o termo: NeuSchwabenland.

Para saber mais:
http://thoth3126.com.br/sociedades-secretas/
http://thoth3126.com.br/antartica-estranhas-aberturas-e-base-nazista-neuschwabenland/
http://thoth3126.com.br/nazismo-os-arquivos-secretos-da-waffen-ss/

De acordo com o Dronaparva, parte do Mahabarata e o Ramayana, um Vimana foi descrito com a forma de uma esfera e suportado em grande velocidade ao longo de um poderoso ‘vento’ (um pulso/campo eletromagnético) gerado por plasma de mercúrio (n.t. tecnologia usada ainda hoje por extraterrestre e transferida – em parte – ao governo dos EUA desde 1947-ver projeto da espaçonave TR-3B dos EUA).

Ele se movia como um OVNI, indo para cima, para baixo, para trás e para frente quando e como o piloto desejasse. Em outra fonte indiana, a Samar, Vimanas eram “máquinas de ferro, bem unidos e suaves, com uma carga de mercúrio, que explode para fora da parte traseira em forma de uma chama que ruge”. Outro trabalho chamado de Samarangana Sutradhara descreve como os veículos eram construídos.

É possível que o mercúrio não tenha algo a ver com a propulsão (n.T. mas tem e é de importância capital, pois é utilizado para gerar um pulso eletromagnético, através de plasma e desse modo cancelar a atração gravitacional de qualquer planeta e/ou sol), ou, mais possivelmente, com o sistema de orientação. Curiosamente, cientistas soviéticos descobriram o que eles chamam de “instrumentos de idade avançada usado na navegação de veículos cósmicos” em cavernas no Turcomenistão e no deserto de Gobi. “Eles são dispositivos de” objetos hemisféricos de vidro ou porcelana, que terminam em um cone com uma gota de mercúrio dentro. 



Um “Vimana” moderno, o TR-3b Astra desenvolvido em segredo pelos EUA com utilização de tecnologia reversa alienígena flagrado em voo de teste de alta altitude.

É evidente que os hindus antigos voaram com estes veículos, em toda a Ásia, no país de Atlântida, presumivelmente, e até, aparentemente, na America do Sul. Escritos encontrados em Mohenjodaro e Harappa, cidades encontradas às margens do rio Indus, que já existiam antes do dilúvio bíblico, na região da antiga Baratha, hoje o Paquistão (presumivelmente uma das “Sete Cidades Rishi do Império Rama ‘) e ainda por decifrar, também foram encontradas em um outro lugar no mundo: Ilha da Páscoa (último pedaço remanescente da Lemúria)! Existe uma escrita na Ilha da Páscoa, chamado escrita Rongo-Rongo, também a ser decifrada, e é estranhamente semelhante ao escritos de Mohenjodaro.

Seria a ilha da Páscoa uma base aérea para a rota de Vimanas do império de Rama? No Tibete, À grande distância, o som da “Carruagem impetuosa” ecoa :


“Bhima voou em seu carro, resplandecente como o sol e ruidoso como o trovão… e sua carruagem brilhou como a chama no céu noturno do verão… varrendo-o como um cometa… e são como dois sois… então a carruagem rosa subiu e todo o paraíso resplandeceu”. No Mahavira de Bhavabhuti, em um texto de Jaina do oitavo século extraído de uns textos e de umas tradições mais velhos ainda, nós lemos: “uma carruagem aérea, o Pushpaka, chama a atenção de muitos povos para a capital de Ayodhya”. ” O céu está cheio de máquinas de vôo estupendas, escuras como a noite, mas cobertas por luzes com um brilho amarelado”.

Os Vedas, poemas antigos hindus, são considerados os mais velhos de todos os textos indianos e talvez da humanidade, descrevem Vimanas de várias formas e tamanhos: o ‘ahnihotravimana’ com dois motores, o “elefante-vimana “ com mais motores, e outros tipos denominados com nome de animais como o “peixe rei, a “ave Íbis” e outros animais.

Infelizmente, os Vimanas, como a maioria das descobertas científicas nos dias de hoje, acabaram por serem usados para a guerra. “Os povos de Atlântida usaram suas máquinas voadoras “, Vailix, ‘um mesmo tipo de aeronave, literalmente para tentar conquistar e subjugar o mundo inteiro da época e, é o que parece, se os textos indianos merecem credito ( merecem e muito). Os atlantes, conhecido como “Daityas-Ashvins’ (raça de gigantes) nos antigos textos hindus, foram, aparentemente, ainda mais avançados tecnologicamente do que os da Índia (a antediluviana Bharata) antiga e, certamente, fizeram mais de uma guerra de conquista contra a Índia (que naquele tempo se autodenominava de Bharata), sem nunca conquistá-la, pois a Índia, desde tempos pré-diluvianos, de Atlântida, já era liderada por grandes mestres espirituais.



Embora nos textos antigos sobre a Atlântida não sejam citados os veículos Vailix, alguma informação chegou através do meio esotérico, as fontes ocultas que descrevem essas máquinas voadoras. Semelhantes, se não idênticos aos Vimanas, os Vailix eram, em geral ‘em forma de charuto e tinha a capacidade de manobra subaquática, bem como de voar na atmosfera ou mesmo no espaço sideral exterior.

Outros veículos, como Vimanas, eram em forma de disco, e podiam também ser submergidos aparentemente. De acordo com Eklal Kueshana, autor de “A Fronteira Final”, em um artigo que ele escreveu em 1966, os Vailix foram inicialmente desenvolvidos em Atlântida a cerca de 30.000 anos atrás, e os mais comuns tinham o formato de um ‘pires geralmente em forma de secção trapezoidal, com três motores hemisféricos na parte de baixo. ” “Eles usavam um dispositivo antigravidade que funcionavam com motores de desenvolvimento de cerca de 80.000 cavalos de potência.

Em sânscrito no livro Samarangana Sutradhara, está escrito:


“Forte e durável deve o corpo do Vimana ser feito, como um grande pássaro voador de material leve. Dentro deve-se colocar o motor de mercúrio com seus aparelhos de aquecimento de ferro por baixo. Por meio da potência latente no mercúrio que coloca o turbilhão de condução em movimento, um homem sentado em seu interior pode percorrer uma grande distância no céu. Os movimentos do Vimana são tais que podem verticalmente subir, descer verticalmente, mover-se obliquamente para frente e para trás. Com a ajuda das máquinas os seres humanos podem voar no ar e seres celestiais podem descer para a terra. “



Livro escrito por Dr. David H. Childress sobre sofisticados sistemas de transporte aéreo existentes na antiga Índia/Bharata.

O Ramayana, o Mahabarata e outros textos falam da guerra horrível que aconteceu, há uns vente e cinco mil anos atrás entre a Atlântida (os gigantes Daityas) e o reino de Bharata, comandado por Rama e o uso de armas de destruição em massa (Artefatos nucleares, raios laser) que não poderiam ser imaginados por leitores até a segunda metade do século XX.

O Mahabharata (Maha-grande; Bharata-Índia) é um poema épico muito antigo, uma das fontes de conhecimento sobre os Vimanas, passa a contar a capacidade destrutiva impressionante das armas de guerra: ‘…( a arma era) um único projétil carregado com todo o poder do Universo. Uma coluna incandescente de fumaça e chamas tão brilhantes como mil sóis aumentou em todo o seu esplendor… Um meteorito de ferro, um gigantesco mensageiro da morte, que reduziu a cinzas toda a raça dos Vrishnis e os Andhakas …. os corpos estavam tão queimados que ficaram irreconhecíveis.

Os cabelos e unhas caíram; a cerâmica quebrou sem causa aparente, e os pássaros ficaram brancos… Depois de algumas horas todos os alimentos estavam infectados… Para escapar desse fogo, os soldados lançaram-se em rios e riachos para se lavarem e a seus equipamentos… ‘ Parece que o Mahabharata está descrevendo uma guerra atômica!

Referências como esta não são isoladas, mas as batalhas, usando uma fantástica variedade de armas e veículos aéreos são comuns em todos os livros épicos indianos. Um até mesmo descreve um Vimana-Vailix envolvidos em uma batalha na Lua! A seção acima descreve com muita precisão o que seria uma explosão atômica e os efeitos da radioatividade na população. Submergir na água é o único alívio.

Quando a cidade de Mohenjodaro foi escavada por arqueólogos no século passado, encontraram esqueletos apenas deitados na rua, alguns deles de mãos dadas, como se alguma grande desgraça tivesse atacado eles de forma súbita. Estes esqueletos estão entre os mais radioativos já encontrados, em pé de igualdade com aqueles encontrados em Hiroshima e Nagasaki, após as explosões de bombas atômicas.


Ainda hoje no local em Mohenjo Daro, existe radiotividade

Para saber mais:
http://thoth3126.com.br/vimana-antigo-20-mil-anos-trem-de-pouso-descoberto/

Cidades antigas cujos muros de tijolo foram literalmente vitrificados, cujo material foi fundido em conjunto, podem ser encontrados na Índia, Irlanda, Escócia, França, Turquia e outros lugares. Não há explicação lógica para a vitrificação de fortificações de pedra e cidades inteiras, a não ser que tenham sido expostas a uma explosão atômica.

Além disso, em Mohenjo-Daro, uma cidade bem planejada com layout disposto em forma de uma grade, com um sistema de encanamento superior aos usados no Paquistão e na Índia de hoje, as ruas ficram cheias de “pedaços de vidro preto”. Essas bolhas de vidro foram descobertos como sendo provenientes de potes de barro que tinham derretido sob calor intenso! Com o cataclísmico afundamento da Atlântida e da extinção do Império de Rama com armas atômicas, o mundo entrou em uma nova “idade da pedra”, e para a história moderna analizando uns poucos milhares de anos mais tarde ainda, parece que nem todos os Vimanas e Vailix de Rama e Atlântida tenham desaparecido.

Construídos para durarem milhares de anos, muitos deles ainda estariam em uso, como evidenciado pela sociedade secreta criada pelo rei Ashoka, “Os Nove Homens Desconhecidos”’ e o manuscrito de Lhasa. Que as sociedades secretas ou “seres humanos pertencentes a irmandades de caráter excepcional,”de homens iluminados “teria preservado essas invenções e os conhecimentos da ciência, história, etc, não parece surpreendente.


“O clássico Vailxi atlante é um conjunto de aeronaves em estilo tradicional Atlante baseado em muitas diferentes fontes antigas, em particular a um Sastra Vaimanika hindu (ou Vymaanika-Shaastra) e o escrito hindu Mahabharata, que são poemas antigos indianos, que descrevem os atlantes, conhecidos como “Asvins” nos escritos indianos, que tinham aparentemente ainda mais avançada tecnologia do que os aeronaves Vimana, embora não se conhece a existência nos textos antigos sobre o Vailxi da Atlântida , alguma informação chegou por meio esotérico, ocultismo”” fontes que descrevem as máquinas voadoras.

Semelhantes aos Vimanas, os Vailxi eram geralmente com forma de “charuto” ou fusiformes com pontas afiadas e tinha a capacidade de manobra subaquática, bem como na atmosfera ou mesmo no espaço exterior.Os Vimanas eram em forma de pires, e aparentemente poderiam também ser submersos. De acordo com alguns textos os Vailxi foram inicialmente desenvolvidos em Atlântida 50.000 anos atrás, e os mais comuns são “pires geralmente em forma de seção trapezoidal com três motores hemisféricos na parte inferior. Eles usavam um dispositivo antigravidade por fusão de mercúrio que funcionam com motores que desenvolviam cerca de 80 mil cavalos de potência. O Ramayana, Mahabharata e outros textos sagrados hindus falam da terrível guerra que ocorreu, cerca de dez ou doze mil anos antes do Dilúvio entre a Atlântida e Bharata (atual Índia), com Rama usando armas de destruição em massa que não poderia ser imaginada pelos escritores indus até a segunda metade do século passado”.


Esquema do que seria uma nave de Atlântida, um VAILX.

Muitos conhecidos personagens históricos, incluindo Jesus, Budha, Lao Tzé, Confúcio, Krishna, Zoroastro, Mahavira, Quetzalcoatl, Akhenaton, Moisés, e os inventores mais recentes e, claro, muitas outras pessoas que provavelmente vão permanecer anônimas, provavelmente eram membros de uma organização muito secreta. É interessante notar que, quando Alexandre, o Grande, invadiu a Índia há mais de dois mil e trezentos anos atrás, seus historiadores narraram que em um determinado ponto eles foram atacados por ‘escudos voadores ardentes “que mergulharam atacando seus exércitos e assustaram a cavalaria. Estes “discos voadores” não usaram qualquer bomba atômica ou armas laser contra o exército de Alexandre e, no entanto, talvez por benevolência, Alexandre conquistou a Índia

Tem sido sugerido por muitos escritores que essas “Irmandades” mantém algumas daquelas aeronaves Vimanas e Vailix em cavernas secretas no Tibete ou em algum outro lugar nas montanhas da Ásia Central, alem do deserto de Lop Nor no oeste da China que é conhecido por ser o centro de um grande atividade misteriosa de OVNIs. Talvez seja aqui que muitas das aeronaves ainda estão sendo mantidas, em bases subterrâneas iguais as que os norte americanos, britânicos e soviéticos têm construído ao redor do mundo nas últimas décadas. Ainda assim, nem toda a atividade UFO pode ser explicada por Vimanas e Vailix antigos a fazer viagens à Lua, por algum motivo.

E na parte do poema que é intitulado de Uttara Kanda, está escrito:


“Vendo seu exército abatido em vôo, os filhos de Varuna, refeitos da chuva de mísseis, tentaram interromper os combates. Estavam fugindo sob a terra quando viram Ravana em seu Pushpaka Vimana. Rapidamente mudaram de caminho e se lançaram em direção ao céu com sua frota de máquinas voadoras. Uma terrível luta foi desencadeada nos ares”

Sem dúvida, são alguns dos principais militares e dos principais países com força militar do mundo, e possivelmente até mesmo de outros planetas. Claro, muitos avistamentos modernos do fenômeno UFO são descritos como ‘pântano, gás, nuvens, o planeta Vênus, fraudes e alucinações, enquanto há evidências consideráveis de que muitos avistamentos de OVNIs, especialmente de “abduções e seqüestros” e outros semelhantes, são o resultado do que é geralmente chamado de “hipnose coletiva telepática de quem testemunha os eventos.

Uma linha comum que funciona freqüentemente entre os «seqüestros Alienígenas”, “sexo com alienígenas, e outros” contatos imediatos de um terceiro tipo é um zumbido nos ouvidos, pouco antes do encontro. De acordo com muitas pessoas bem informadas, este é um sinal claro de hipnose telepática após o evento de abdução ter ocorrido.

Fonte: The Anti-Gravity Handbook por David Hatcher Childress

Site: http://psychedelicadventure.blogspot.com/2008/11/vimanas-ancient-ufos-india.html



Acima: “Um Ancient Vimana e a aeronave Top Secret desenvolvida pelos E.U.A., código TR-3B com formato triangular aeroespacial movida a propulsão nuclear com três reatores (descrição Edgar Fouché) combinado com a criação de um campo de vórtice de pulso eletromagnético gravitacional, movido a plasma de mercúrio para interromper / neutralizar os efeitos da gravidade sobre a massa do veículo e em suas proximidades“ (Mirahorian)




Nessa foto do UFO americano, TR-3b foi tirada quando sobrevoava a Bélgica.

Para saber mais:
http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua/
http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua-ii/
http://thoth3126.com.br/area-51-entrevista-de-david-adair/
http://thoth3126.com.br/area-51-entrevista-de-david-adair-parte-2/

*Ashoka, 304 aC – 232 aC (pronuncia-se “Ashokh”e em sânscrito significa sem dor (a = não / sem, shoka = dor, tristeza ou preocupação) foi um Imperador da ÍNDIA da Dinastia Maurya que governou quase todo o Subcontinente indiano de 273 aC a 232 aC. Um dos maiores imperadores da Índia, Ashoka reinou sobre a maior parte da atual Índia depois de uma série de conquistas militares.

Seu império se estendia do atual Paquistão, Afeganistão no oeste, até os dias atuais Bangladesh e no estado indiano de Assam no leste. Ele abraçou o Budismo tradicional de prevalência Védica depois de testemunhar a morte em massa na Guerra de Kalinga, que ele próprio tinha empreendido a partir de um desejo de conquista. Mais tarde foi dedicada à propagação do budismo em toda a Ásia e monumentos estabelecem a marcação de diversos locais importantes na vida de Gautama Buda.

Ashoka na história humana é muitas vezes referido como o imperador de todas as idades. Ashoka era um devoto de ahimsa (Não Violência, mesmo princípio adotado por Mahatma Ghandi para libertar a ÍNDIA em 1947), amor, verdade, tolerância e vegetarianismo. Ashoka é lembrado na história como um filantropo administrador. Na história da Índia Ashoka é referido como Samraat Chakravartin Ashoka- O Imperador dos Imperadores. Em seu editais, ele é referido como Devanampriya ou “o amado dos deuses. O conhecido escritor H. G. Wells em sua obra best seller, em dois volumes, O esboço da história (1920), escreveu sobre o imperador Ashoka:

“Na história do mundo, houve milhares de reis e imperadores que se chamavam ”suas altezas”, “Suas Majestades” e “Suas Majestades exaltados” e assim por diante. Elas brilhavam por um breve momento, e logo desapareciam. “Mas Ashoka brilha e brilha como uma estrela brilhante, até hoje em dia.”

Após dois mil anos, a influência de Ashoka é vista na Ásia e, especialmente, o Subcontinente indiano. Um emblema escavado de seu império é hoje um Símbolo nacional e Emblema da Índia. Na História do Budismo, Ashoka está situado mesmo ao lado de Gautama Buda.

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br


Por favor, respeitem todos os créditos
Arquivos em português:

 Atualização diária
 


EN: VioletFlame * The Illuminati * Alternative Media *   North Atlantic Islands * Indian Ocean Islands * South Atlantic Ocean Islands  * Alternative Media * Creator's Map * ESU IMMANUEL * Exposing Media DesInformation * Galactic Federation Indians, Prophecies and UFOs * Illuminati, The * Infinite Being * Israel (!?) * Jews..., the Real ones! * Khazars Jews are converted, not jenuine * Meditation * Media News * NESARA (!?) * SCIENCE, SPIRIT, Free Energy!... * UFO CONTACTS * UFOs (MORE) * USA The 4th NAZI Reich!? * Zionism Lies and The Illuminati * Light a Candle for PEACE * The Red Pill * The True Shadow Government  
** by Steve Beckow: 9/11 Truth, Abundance Program, Accountability, Disclosure, end times, Extraterrestrials, financial crash, Golden Age, Illuminati, Mayan Predictions, NESARA, New Paradigm, Spiritual Hierarchy, Spiritual Teachers, UFO Cover-up, Wisdom Economy   
ES: LLAMA VIOLETA

Outubro 15, 2014

chamavioleta

Uma peça manufaturada de Alumínio com a idade de 20 mil Anos, um trem de pouso de um “Vimana” (uma antiga espaçonave) da antiga ÍNDIA – Bharata – foi descoberto.

Posted by Thoth3126 on 15/10/2014

 



Alguns estudiosos estão convencidos de que uma antiga e avançada civilização existiu onde a moderna e atual nação da Índia existe hoje. Eles reclamam que as cidades-estado pré-históricas (pré-dilúvio) tinham tecnologias muito avançada, incluindo armas de alta energia, aviões a jato, espaçonaves e até mesmo a bomba atômica.
Tradução, edição e imagens:   
Thoth3126@gmail.com
Uma peça manufaturada de Alumínio com a idade de 20 mil Anos, um trem de pouso de um “Vimana” (uma antiga espaçonave) da antiga ÍNDIA – Bharata – foi descoberto. 

http://beforeitsnews.com/

By Terrence Aym (Reporter) Contributor profile

Agora, um artefato deslumbrante e fabricado tecnologicamente em passado remoto foi identificado por alguns pesquisadores como uma parte de um conjunto do trem de pouso de aeronaves, datado com cerca de 20 mil anos de idade, e feito de um metal que não foi descoberto pela nossa civilização atual até o início dos anos de 1800. 


Por muitos anos, alguns pesquisadores da antiga Índia e da Ásia têm tentado convencer os céticos ocidentais de que os chamados textos religiosas do Rig Veda também  são narração de FATOS da história realmente descritiva e autêntica. Dando credibilidade às suas reivindicações existem vários artefatos manufaturados encontrados ao longo dos últimos anos e descrições detalhadas da engenharia de aeronaves vimanas e da sua construção.

A incrível descoberta na década de 1990 dos restos de uma antiga cidade no norte da Índia, cujo local ainda era altamente radioativo enviou alguns arqueólogos correndo para o local da descoberta. 

E então, um artefato muito estranho, o Wedge of Aiud (Cunha de Aiud), descoberta em 1973, foi visto com um novo olhar: uma antiguíssima peça de metal usinado feita de uma liga de alumínio (metal não encontrado na natureza). Originalmente se pensava que tivesse cerca de 400 anos, mas novos e mais modernos testes têm determinado que sua idade é de 18.000 a.C., a partir do Pleistoceno, cerca de 20.000 anos antes da descoberta do alumínio nos atuais tempos modernos. 

Mais estranho ainda, alguns especialistas acreditam que o artefato pode ser parte de um trem de pouso de algum tipo de espaçonave…  Possivelmente de um dos antigos Vimanas  indianos, as  máquinas voadoras descritas nos textos sagrados do RigVeda 


As super cidades-estados pré-dilúvio perdidas.

As provas que vem se acumulando durante os últimos séculos acrescenta credibilidade à ideia de que super cidades-estado cresceram na região em algum momento no final da última Idade do Gelo. A melhor evidência para a localização de algumas dessas cidades – que poderiam  ter gerado a civilização pelo mundo se encontra no norte da Índia e sul do Paquistão, e num trecho desolado do deserto de Gobi, na Mongólia, ao noroeste da China.

Essas culturas tão avançados se diz terem possuído uma tecnologia muito elevada, igual e superior em alguns aspectos à do século 21.Textos antigos se referem a edifícios imponentes, vários tipos de aeronaves, um elevado nível de ciência e engenharia, e até mesmo uma arma que os físicos de hoje acreditam que foi usado pela primeira vez nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial: a bomba atômica.

Pode ser que essas culturas avançadas se eliminaram umas às outras por se envolver em uma guerra nuclear limitada. Evidências colhidas ao longo das últimas décadas apontam nessa direção. Talvez, depois de uma série de ataques devastadores, a rede remanescente dessas antigas e avançadas culturas desabou, sucumbindo às devastações da depressão econômica, deslocamentos da população (ao abandonar as cidades radioativas) e doença.

Ilustração de um vimana por David H. Childress

As máquinas (Vimanas) antigas que voavam

De acordo com os reverenciados textos indianos dos Vedas, escritos em sânscrito, os Vimanas e ram máquinas voadoras. A palavra vimana é usada ainda hoje na linguagem moderna indiana para se referir a aeronave. Enquanto a maioria dos vimanas eram usados para o transporte através da atmosfera, alguns foram descritos como sendo usados para viajar no espaço exterior, enquanto outros eram uma forma limitada de submarino.

Assim como aeronaves modernas, os vimanas tiveram várias configurações e tamanhos, dependendo do que eles foram projetados para realizar. Alguns tinham dois motores, como a agnihotra-vimana , outros, como a gaja-vimana , tinham mais. Ao todo, podem ter sido tantos tipos como uma dúzia de tipos diferentes de vimanas todos projetados para diferentes fins. A maioria deles voavam. 

Se assim for, os vestígios de uma ou mais dessas culturas pode ter servido para alimentar a lenda da grande cidade de Atlântida que aparece nos diálogos de Platão, Timeu e Crítias escritos por volta de 360 a.C. Após o colapso dessas cidades-estado, o restante da Humanidade caiu na barbárie e conhecimento da tecnologia fantástica se transformou em mito. Este ponto de vista é suportado pelo fato de que algumas das primeiras pinturas nas cavernas revelam um maior nível de sofisticação do que aquelas que foram criadas centenas de anos mais tardiamente. A raça humana regrediu e as glórias das super-cidades estado foi ocultada pelas brumas rodopiantes do tempo. 


Um Ataque atômico … Há 20.000 anos

Vestígios de uma antiga guerra atômica entre avançadas e poderosas cidades-estado ainda permanecem no norte da Índia, Paquistão e em partes do grande Deserto de Gobi, na Mongólia. Os cientistas sabem há muitos anos sobre a extensão de areia vitrificada que cobre uma região do Deserto de Gobi. A areia fundida, de cor esverdeada, só pode ser criada através da exposição a um calor intenso. Geólogos acreditam que a areia se tornou vitrificada pela exposição à ação vulcânica; astrônomos afirmam que um grande meteoro poderia ter feito isso; e os físicos perguntam se o vidro não foi causado por uma explosão atômica. 

Esses três incidentes são as únicas coisas que poderiam ser responsáveis pela existência da região de areia vitrificada, que se situa nos trechos solitários da terra árida. Mas as origens vulcânicas estão fora, pois que não existem vulcões na região.  E também não existe evidência de uma cratera meteórica ou resíduo que seria encontrado se uma rocha do espaço batesse no deserto e deixasse cicatrizes no terreno e queimasse a areia ao ponto de fusão em vidro. 


Vestígios de uma antiga guerra atômica entre avançadas e poderosas cidades-estado ainda permanecem no norte da Índia, Paquistão e em partes do grande Deserto de Gobi, na Mongólia.

O processo de eliminação deixa apenas uma explosão atômica para explicar a estranha condição da areia,  uma região vitrificada onde nada nasce e cresce. Suportando a teoria atômica existe o fato de que uma parte da área do terreno tem um maior nível de radiação de fundo fora da área afetada semelhante. É quase como se algo que existisse na região deserta e foi vaporizado por uma explosão como as explosões que destruíram Hiroshima e Nagasaki. 

Outra descoberta que confirma a existência de uma avançada civilização de cidades-estado tecnologicamente avançada cerca de 20.000 anos atrás, foi a descoberta impressionante dos restos de uma antiga cidade, Mohenjo-Daro, no estado noroeste do Rajastão, na Índia. O local foi encontrado quando começou a construção para o desenvolvimento de novas habitações. 


O local foi encontrado quando começou a construção para o desenvolvimento de novas habitações.

O que surpreendeu os arqueólogos foram os restos carbonizados de edifícios parcialmente derretidos e os esqueletos radioativos que foram cobertos por uma espessa camada de cinzas – confirmado mais tarde como tudo sendo radioativo. As cinzas cobriam uma área quadrada de três milhas. Outra pesquisa mostra que existiam várias cidades-estado principais e que pelo menos duas ou mais estavam em guerra uns contra os outros. Enquanto muita atenção tem sido focada nas pesquisas arqueológicas das cidade-estado do norte da Índia, pouco tem sido gasto investigando os restos da antiga explosão atômica no Deserto de Gobi. 


Sitio arqueológico de Mohenjo-Daro, onde foram encontrados altos níveis de radioatividade e esquelestos radioativos.

A antiga região é considerada por alguns professores universitários locais como sendo uma precursora da civilização mais moderna chamada de Matsya, outro antigo estado da civilização védica. A cultura Matsya acredita-se estar associada a um estado anterior chamado de Jaipur. Outro texto indiano, o Mahabharata , considerado por alguns estudiosos para apresentar mais do que fato de mito, contêm passagens que descrevem em detalhe o ataque atômico sobre a cidade que a equipe de construção acidentalmente descobriu: 

“Um projétil único carregado com todo o poder no Universo … Uma coluna incandescente de fumaça e chamas tão brilhantes quanto 10.000 sóis, subiram em todo o seu esplendor … Ela era uma arma desconhecida, um trovão de ferro, um gigantesco mensageiro da morte, que reduziu às cinzas uma raça inteira. “Os corpos estavam tão queimados a ponto de ser irreconhecíveis. Seus cabelos e unhas caíram, a cerâmica quebrou sem causa aparente, e os pássaros ficaram brancos . “Depois de algumas horas, todos os alimentos estavam infectados. Para escapar deste fogo, os soldados se jogavam no rio.” 


Esqueletos com radiotividade  de pessoas mortas em explosão atômica na antiga Índia.

Essa antiga conflagração atômica descrita no livro sagrado do Mahabharata foi tão terrível e mortal como o ataque sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em agosto de 1945. Apesar do texto sugerir o ataque de uma arma nuclear por um míssil, antigos escritos indianos também descrever em detalhes surpreendentes, as máquinas voadoras chamadas vimanas . Os textos descrevem as características de vôo, a construção, o grupo motopropulsor (um híbrido jato foguete movido por motores de plasma de mercúrio), e especificações de engenharia dos Vimanas. A misteriosa Cunha de Aiud pode ter vindo de um vimana . 


O Enigma do trem de pouso de alumínio de um “Vimana” com 20 mil anos: ‘A Cunha de Aiud’

Perto das pitorescas margens do rio Mures localizado a pouco mais de uma milha a leste da pequena cidade de Aiud, na Roménia, um artefato bizarro foi descoberto apelidado de Cunha de Aiud. O Pesquisador Boczor Iosif investigou a respeito encontrou a informação de que a cunha foi descoberta debaixo de 35 pés de areia. Dois ossos de mastodonte alegadamente também se encontravam perto da cunha. 

Um relatório de Lars Fischinger declara que ele e um colega, o Dr. Niederkorn, analisaram a cunha no Instituto de Pesquisa e Design. Eles determinaram que o artefato era de uma liga metálica composta de 12 metais diferentes. 

O relatório lista que o alumínio era o metal com a maior composição com cerca de 89% do objeto, o resto dos metais eles listaram como sendo: 6,2% de cobre, 2,84% de silício, zinco 1,81%, 0,41% de chumbo, estanho 0,33%, 0,2% de zircônio, cádmio 0,11%, 0,0024%  níquel, 0, 0023% de cobalto, bismuto 0,0003% , de prata 0,0002% e vestígios de Galium. ” 


Florian Gheorghita, segurando a Cunha de Aiud

Os resultados do teste confundiram os dois pesquisadores pois que o metal alumínio não foi descoberto até o início dos anos de 1800. O Dr. Fischinger observa que a produção comercial de alumínio requer a fundição do minério em temperaturas de até 1.000 graus Fahrenheit.

Inicialmente, o objeto foi pensado para ter apenas cerca de 400 anos. Isso mudou drasticamente quando ele foi analisado cuidadosamente na quantidade de oxidação que cobre a cunha. Eles reajustaram a idade da peça em milhares de anos a mais para o passado.

É agora estimado que a Cunha de Aiud pode datar de 18.000 a.C. e essa data coincide com a idade dos vimanas descritos nos Rig Vedas da antiga ÍNDIA. Após os resultados do teste das analises, a cunha foi enviado para o Museu de História na Transilvânia, Romênia, onde hoje se situa em uma prateleira, sem perturbações, por mais de duas décadas.

Finalmente, em 1995, outro pesquisador romeno, Florian Gheorghita, se deparou com o artefato no porão do museu. A cunha foi testada novamente. Desta vez, em dois laboratórios diferentes: o Instituto Arqueológico de Cluj-Napoca e um laboratório independente na Suíça. Os testes confirmaram os resultados a que chegaram Fischinger e Niederkorn. 


Esboço por Florian Gheorghita do artefato em questão 

Gheorghita escreveu na publicação Ancient Skies que pediu a um engenheiro aeronáutico para estudar o artefato. O engenheiro observou a configuração e o buraco perfurado na cunha e afirmou que um padrão de escoriações e arranhões no metal o levou a acreditar que a peça era parte de um trem de pouso de uma aeronave. Um esboço foi feito para ilustrar a configuração.

Uma vez que as antigas cidades-estado tinham um sistema de transporte avançado - talvez até mesmo com veículos espaciais – era fácil navegar pelo mundo apenas como as “aeronaves modernas” fazem hoje.

A evidência de engenharia metalúrgica apoia a teoria de que a misterioso Cunha de Aiud é um pedaço de um trem de pouso, que caiu de um vimana antigo há cerca de 20 mil anos atrás na atual Romênia e ficou soterrado por milênios sob os bancos de areia do rio Mures, que o  engoliu. Talvez um dia a terra venha a revelar mais de seus antigos segredos, espero que seja um vimana inteiro – e  intacto.


Esboço por Florian Gheorghita do próprio artefato

UPDATEUm  leitor do Beforeitsnews, John Cooper, chamou minha atenção para uma foto que ele postou em sua página no Facebook ( clique aqui para ver em tamanho real a foto ). 

Esta é uma construção modular para um conjunto do trem de pouso. Observe as semelhanças entre os footpads do trem de pouso em sua foto e a semelhança dos esquemas de engenharia feito por Florian Gheorghita da Cunha de Aiud. 


Esta é uma construção modular atual para um conjunto do trem de pouso.

Muitos agradecimentos a John Cooper por fazer esta foto disponível para os  leitores do nosso site. – Terrence Aym.

Mais informação sobre VIMANAS: http://thoth3126.com.br/vimanas-ufos-da-antiga-india-baratha/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.
 
Fonte e responsabilidade de: www.thoth3126.com.br


Por favor, respeitem todos os créditos
Arquivos em português:

 Atualização diária
 


EN: VioletFlame * The Illuminati * Alternative Media *   North Atlantic Islands * Indian Ocean Islands * South Atlantic Ocean Islands  * Alternative Media * Creator's Map * ESU IMMANUEL * Exposing Media DesInformation * Galactic Federation Indians, Prophecies and UFOs * Illuminati, The * Infinite Being * Israel (!?) * Jews..., the Real ones! * Khazars Jews are converted, not jenuine * Meditation * Media News * NESARA (!?) * SCIENCE, SPIRIT, Free Energy!... * UFO CONTACTS * UFOs (MORE) * USA The 4th NAZI Reich!? * Zionism Lies and The Illuminati * Light a Candle for PEACE * The Red Pill * The True Shadow Government  
** by Steve Beckow: 9/11 Truth, Abundance Program, Accountability, Disclosure, end times, Extraterrestrials, financial crash, Golden Age, Illuminati, Mayan Predictions, NESARA, New Paradigm, Spiritual Hierarchy, Spiritual Teachers, UFO Cover-up, Wisdom Economy   
ES: LLAMA VIOLETA

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub